crítica, poesia, tradução

konstantínos petrou kavafis: os sábios

O grego Kavafis (1863-1933) é ainda leitura recente para mim. É, no entanto, impossível não se encantar com o trato que ele dá a temas filosóficos (até agora meus preferidos, em que se encaixa o poema aqui traduzido), além dos chamados temas “históricos” e “sensuais”. É considerado o poeta mais importante da tradição grega moderna, tendo nos deixado 154 poemas de altíssima qualidade.

Suas traduções para o inglês são abundantes. Para a tradução abaixo utilizei bastante a versão bilíngue da Oxford World Classics, que tem uma edição dedicada inteiramente ao Kavafis, traduzido por Evangelos Sachperoglou com bastante competência [1]. Me ajudou nas horas em que meu grego moderno cambaleou. Mas apesar disso, mesmo no grego não é um texto de difícil compreensão.

Tenho que confessar também que na minha própria produção o Kavafis tem me mostrado caminhos de uma poesia mais contemplativa e espiritual, o que me aproxima um pouco da produção do nosso escamândrico Bernardo e da poesia mística. Pode ser uma fase bastante distinta que me causa expectativa, e que mais cedo ou mais tarde aparecerá também por aqui.

Por fim, de acordo com a já citada edição da Oxford, o poema intitulado em grego Σοφοι δε προσιόντων pertence à fase de produção contida entre os anos de 1905-1915 do autor.

[1] CAVAFY, C. P. The Collected Poems, translated by Evangelos Sachperoglou, edited by Anthony Hirst and with an introduction by Peter Mackridge (Oxford: Oxford University Press, 2007)

 

os sábios

                                  pois os deuses compreendem coisas futuras,
                                                             homens coisas presentes e
                                                              sábios coisas ainda por vir.
                                    Filóstrato, Vida de Apolônio de Tiana, viii, 7

homens atentam-se a coisas presentes

atentam-se ao porvir os deuses
tão só senhores de todo saber

do porvir os sábios apreendem
                               o iminente

               seu ouvir
por vezes
            quando em fundo contemplar
é incomodado

o som secreto
de eventos do porvir os alcança
e eles se atentam
                         reverentes

enquanto na rua
                       fora
                         nada escutam os povos

 

Vinicius Ferreira Barth

Padrão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s