poesia

Fogo do artifício – adriano scandolara


Estrelas de plástico não guiam ninguém
a terra é distante
e as réguas são lisas na eternidade.

Azul consigo mesmo
se mescla
o desespero das quatro direções
inundadas

é preciso saber quando
parar de nadar,
repetir indefinidamente o mesmo movimento

roupa branca
a onda vindo para ser saltada
e aquela
puta vontade de se afogar.

Adriano Scandolara

P.S.: este poema saiu na edição de abril deste ano pela revista Um Conto.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s