poesia

invisibilidade – vinicius ferreira barth

caros,
depois de quase um mês sem postar, dados os mais diversos e inimagináveis tipos de compromissos e ziguiziras, mando na lata uma série completa de poemas que muito me agradam e encantam.
a série ‘invisibilidade’ trata das pessoas, ou das coisas, que estão aí, ao redor de todos nós, dizendo algo ou calando. dizem respeito a palavras (e pessoas) que ecoam despercebidas através dos tempos, aquelas que já foram descartadas, as que utilizamos, ou as que apenas o são como são. as pessoas (ou coisas) que retratei aqui são as mesmas que sabemos que existem nas nossas vidas de todos os dias. talvez façam ou fizeram parte de vidas que já se foram, ou que as esqueceram. olhei-as por um outro prisma. devo também pagar tributo ao nome de will eisner, o maior inspirador dessa série. por meio de sua história ‘pessoas invisíveis’ (presente em new york), aprendi a olhar um pouco com os olhos dele. uns podem ler sob viés marxista, outros apenas pelo sentimentalismo, quiçá pela poesia-forma que dei a alguns. seja como for, espero que essa minha celebração das coisas invisíveis traga de volta um pouco da poesia que tanto me fez falta nos momentos em que a necessidade burocrática me enterrou em nuvens cinzas.

Vinicius Ferreira Barth

____________________

i. as janelas

dondoca
                   surtadinha poderosa

pesquisadora mãe
             de cinco filhos crias de papel

machão
          charuto fúria whisky puta infarto

abrindo a marmita
          um pedreiro
pai de dois filhos
                  saudáveis honestos

ii. o porão

inverno
          25 está sem gás
          e liga
                     e 29 e 17
          reclamam do barulho
          lixo faz mau cheiro
                                      no jardim
mendigo mete a mão
                               nos restos
                                              25 o gás
                   mendigo dona sandra
                                          dona beti
                    barulho liga fode
                               nunca mais
                                              te vi
                    e o lixo
                              o cheiro 17
criança no jardim
                                    42
                    quer a correspondência
                    quer conserto
                                               o 25
                    o gás arranca flor
criança no jardim
                    mau cheiro arroz
                    feijão arroz feijão
                    salário acerto
                    chuveiro frio sozinho
                                                 o zelador

iii. a calçada

desvia               do pedregulho
                      a massa geral
               cinzenta forma
         vida serpenteia
   em círculos alarido
e sirenes gritos
   barulho selvagem
         vida que tenta
              circundar pura
                       candeia um
mendigo           tão colorido

iv. os papéis

voando incertos sobre vias

venéreos ditos
                      feito lixo em rota ingrata
                      (asfalto e sola de sapato)

paixões de alguém que não é visto
nem importa

v. a jóia

no beco
               uma fortuita descoberta
(vê, pois, meu caro
                               quê?
                                        uma áurea jóia!
uma aliança
                               Antônio ali gravada!
que qualidade
                               e cor
                                        fino banhado!
quão rico o belo entorno
                               e quão lustrosa!
que bons auspícios traz o matrimônio!
a nós?
                 quiçá u’a pedra
                               um pico
                                        um fumo!)

vi. o quadro

uma história sintética de um patrimônio:

no lixo
            achou-se um quadro
            (obra da humanidade)

                              recuperados
                            US$20.000.000

vii. o torcedor

hoje tem jogo
                      vamo
                      hoje tem jogo
quem sabe se hoje engrena e dá um respiro
na quarta fora
                      vamo que eu prefiro
                                                                3 pontos hoje
                      1 lá co botafogo

jogo ruim
                      não vai cair! não creio!
juiz filhadaputa foi escanteio

deu pênalti.

                      zagueiro pipoqueiro

agora se tomar…
                                       fudeu
                                                   é caixa

mengo avaí bahia inter cruzeiro
ao menos três vitórias
                                       que não baixa

só faço conta
                      afundo o pensamento
mas de casa não saio sem a faixa
                                                               sem a camisa
                      e um dedicar inteiro
ao meu torcer contra o rebaixamento

viii. a pré-escola (faixa-bônus)

crianças, atenção aqui!

(bababadalgharaghtaka
mminarronnkonnbronnt
onnerronntuonnthunnt
rovarrhounawnskawnto
ohoohoordenenthurnuk!)

crianças, atenção aqui!

Padrão

2 comentários sobre “invisibilidade – vinicius ferreira barth

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s