crítica, poesia, tradução

Tigres e cordeiros de Blake – parte II

Semana passada eu fiz a primeira parte desta postagem sobre o poeta William Blake, com uma brevíssima introdução e algumas traduções do célebre poema do cordeiro. Agora é a vez do tigre.

Primeiramente, acredito que seja importante apontar como os dois poemas dialogam entre si. Como dito já, “O cordeiro” é um poema das Canções de inocência, e “O tigre” é a sua contraparte das Canções de experiência. Ao contrário de, por exemplo, “O limpador de chaminés”, que é o título de dois poemas que também aparecem nos dois livros, onde o diálogo estabelecido é bastante claro (por conta da temática, das imagens e, óbvio, pelo próprio título), a relação entre “O tigre” e “O cordeiro” é um pouco mais sutil. A começar pela métrica: como eu disse anteriormente, “O cordeiro” é composto de tetrâmetros trocaicos, pelo menos em sua maior parte (a exceção é os refrões que se repetem, abrindo e encerrando as suas duas estrofes). Note como a escansão é clara:

GAVE / thee / LIFE / and / BID / thee / FEED
BY / the / STREAM / and / O’ER / the / MEAD
…etc.

Curiosamente, podemos observar como “O tigre” é composto em sua maior parte (pois há algumas variações) na mesma métrica:

TY / ger! / TY / ger! / BURN / ing / BRIGHT
IN / the / FOR / ests / OF / the / NIGHT,
…etc

No entanto, apesar de compartilharem seus tetrâmetros trocaicos, o efeito que os dois poemas obtêm é completamente distinto. “O cordeiro” é suave, lento e melódico, beirando a canção de ninar, enquanto “O tigre” é rápido e violento, e seu começo, repetindo duas vezes a palavra “tigre” e encerrando as palavras e as orações no final dos pés métricos, marca uma cesura, definindo um hemistíquio,  que divide o verso em duas metades e marca com maior força as batidas dos troqueus. Essas interjeições funcionam como um aviso, então, como se fosse o grito de um camponês no mato que avista um tigre e grita para avisar os outros camponeses. É um efeito de urgência, que a aliteração de oclusivas em “burning bright” reforça. E, observando o poema inteiro, vê-se que tudo contribui para manter essa agilidade da versificação: os versos de menor discursividade organizados de 4 em 4 em estrofes curtas, com frases (estruturas sintáticas) que não se estendem por mais de 2 versos. A única exceção é a 5ª estrofe, que é justamente o clímax do poema.

É também no clímax que fica evidente a relação entre o cordeiro e o tigre. As estrofes 2, 3 e 4 funcionam como uma glosa do dístico que encerra a primeira estrofe, com perguntas sobre a criação do tigre e imagens derivadas da ferraria, com fogo, forjas, bigornas, martelos, etc – uma deturpação, em tons brutais e beirando o grotesco, dos fofos trajes e da voz terna que o criador deu ao cordeiro, que surge, então, nomeado, na 5ª estrofe. A imagem é grandiloquente: as estrelas arremessando suas lanças e molhando o céu de lágrimas, e um criador, não mais benevolente, mas perverso, sorrindo ao ver a ferocidade de sua obra. A consequência é sinistra: a mesma entidade que fez a mansidão e a bondade é igualmente responsável pela criação do mal, que o tigre acabar por representar neste poema. É, no final, a questão do problema teológico milenar de conciliar a existência de um Deus infinitamente bom com a existência do mal no mundo. Em Blake, a constatação desse problema não leva, pelo menos a princípio, a nenhuma conclusão. Muito pelo contrário: todos os versos aqui culminam em perguntas, e, no momento em que chegamos à mais dramática das questões, o poema fecha seu ciclo e retoma a estrofe inicial, com uma pequena alteração. Se tínhamos, então, na inocência, uma resposta pronta aos questionamentos (“Little Lamb, who made thee? // Little Lamb, I’ll tell thee“), na experiência reina a dúvida.

O resultado é um poema muito forte e expressivo, e sua popularidade, acredito, é plenamente justificada. Não é à toa, também, que ele tenha sido traduzido muitas e muitas vezes em português, por diversos tradutores diferentes. No meu post anterior, vimos as traduções de Leo Gonçalves & Mário Coutinho, Renato Suttana e Sidnei Schneider (além de uma tradução minha e do Guilherme Gontijo Flores, daqui do escamandro)… agora, além desses nomes, temos ainda Augusto de Campos, José Paulo Paes, Alberto Marsicano & John Milton, e o português Vasco Graça Moura. Certamente há muitos outros tradutores que omito aqui por ignorância. Se alguém dentre vós, leitores do escamandro, sentir falta de algum nome em particular, não hesite em postá-lo nos comentários. Fica aberta a proposta também para quem sentir vontade (a pulsão tradutória, como se diz) de contribuir para essa verdadeira alcateia de tigres com uma tradução inédita.

E por fim, como sugestão do poeta e tradutor Gabriel Resende Santos, deixo também aqui esse pequeno e impressionante curta, dirigido por Guilherme Marcondes, intitulado “Tyger”:

Adriano Scandolara

O Tigre

Tigre! Tigre! Claro cresta
Chama em noturnal floresta,
Que olho eterno ou mão podia
Forjar-te a torva simetria?

Em que extremo vão ou céu
Do teu olho o fogo ardeu?
Sobre que asa audaz se alçou?
Mão audaz que o ardor tomou?

E qual braço & com quais artes
Torceu do teu peito as partes?
E ao bater teu coração,
Que pés sombrios, sombria mão?

Qual marrão & qual a malha?
Teu cérebro em qual fornalha?
Qual bigorna, o punho audaz
Cinge os terrores mortais?

Quando os astros dardejaram
E em seu pranto o céu molharam,
A obra dele o fez sorrir?
Ele o cordeiro fez & a ti?

Tigre! Tigre! Claro cresta
Chama em noturnal floresta
Que olho eterno ou mão ousaria
Forjar-te a torva simetria?

Tradução de Adriano Scandolara

O Tigre

Tigre tigre, luz ardida
Na floresta anoitecida,
Que olho, ou que mão forjaria
Tua terrível simetria?

Na distância, ou entre escolhos
Brilha o fogo dos teus olhos?
Com que asas faz seu jogo?
Com que mão apalpa o fogo?

Com que ombro & com que arte,
Teu coração se comparte?
E se teu peito bater,
Com que mão e com que pé?

Que martelo & que corrente?
Em que forno arde tua mente?
Que bigorna? Qual criador
Ousa encerrar teu terror?

Quando os astros lançam lança,
E o céu líquido se cansa,
Ri de orgulho o teu ferreiro?
Quem te fez, fez o cordeiro?

Tigre tigre, luz ardida
Na floresta anoitecida;
Que olho, ou que mão ousaria
Tua terrível simetria?

Tradução de Guilherme Gontijo Flores

Tygre

Tygre Tygre fogo ativo,
Nas florestas da noite vivo,
Que olho ou mão tramaria
Tua temível simetria?

Que profundezas, que céus
Acendem os olhos teus?
Aspirar quais asas ousa?
Qual mão em tua chama pousa?

Por que braço & que arte é feito
Cada nervo de teu peito?
E teu peito ao palpitar,
Que horríveis mãos? & pés sem par?

Que martelo? Que elo? Tua mente
Vem de qual fornalha ardente?
Qual bigorna? Que mão forte
Prende o teu terror de morte?

Quando as lanças das estrelas
Molharam o céu, ao vê-las:
Ele sorriu da obra que fez?
Quem fez o cordeiro te fez?

Tygre Tygre fogo ativo,
Nas florestas da noite, vivo,
Que olho ou mão tramaria
Tua terrível simetria?

Tradução de Leonardo Gonçalves & Mário Alves Coutinho

O Tigre

Tigre! Tigre! clarão feroz
nas florestas da noite atroz,
que mão, que olho imortal teria
forjado a tua simetria?

Em que funduras, em que céus
o fogo ardeu dos olhos teus?
Em que asa ousou ele aspirar?
Que mão ousou o fogo atear?

Que ombro, que arte deu tal torção
às fibras do teu coração?
E, o teu coração já batendo,
que horrenda mão? que pé horrendo?

E qual martelo? E qual corrente?
Em que forja esteve tua mente?
Qual bigorna? Que ousado ater
seus terrores ousou conter?

Quando os astros se desarmaram
e o céu de lágrimas rociaram,
riu-se ao ver sua obra talvez?
Fez o Cordeiro quem te fez?

Tigre! Tigre! clarão feroz
nas florestas da noite atroz,
que mão, que olho imortal teria
forjado a tua simetria?

Tradução de Renato Suttana

O Tigre

Tigre! Tigre, ardendo grave
Pelas florestas do entrave,
Que mão ou olho imortal
Modulou-te simetria tal?

Em abismos ou céus quais
Forjou teus olhos fatais?
A qual asa ousou imitar?
Que mão pôde o fogo apanhar?

Diga-me, qual braço, e qual arte,
O cárdio-tendão veio trançar-te?
Quando ele começou a bater,
Que terrível mão, e que ser?

Que martelo? Qual corrente?
Que fornalha forjou-te a mente?
Que bigorna e que tenaz
Tuas unhas tornou capaz?

Quando as estrelas com suas lanças
Cobriram de lágrimas as crianças,
Sorriu ao ver o seu trabalho?
Quem fez o Cordeiro, deu-te talho?

Tigre! Tigre, ardendo grave
Pelas florestas do entrave,
Que mão ou olho imortal
Ousou dar-te simetria tal?

Tradução de Sidnei Schneider

O Tygre

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Em que céu se foi forjar
o fogo do teu olhar?
Em que asas veio a chamma?
Que mão colheu esta flamma?

Que força fez retorcer
em nervos todo o teu ser?
E o som do teu coração
de aço, que cor, que ação?

Teu cérebro, quem o malha?
Que martelo? Que fornalha
o moldou? Que mão, que garra
seu terror mortal amarra?

Quando as lanças das estrelas
cortaram os céus, ao vê-las,
quem as fez sorriu talvez?
Quem fez a ovelha te fez?

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Tradução de Augusto de Campos

O Tygre

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas de noite inflama,
Que olho ou mão imortal podia
Traçar-te a horrível simetria?

Em que abismo ou céu longe ardeu
O fogo dos olhos teus?
Com que asas atreveu ao vôo?
Que mão ousou pegar o fogo?

Que arte & braço pôde então
Torcer-te as fibras do coração?
Quando ele já estava batendo,
Que mão & que pés horrendos?

Que cadeia? que martelo,
Que fornalha teve o teu cérebro?
Que bigorna? que tenaz
Pegou-te os horrores mortais?

Quando os astros alancearam
O céu e em pranto o banharam,
Sorriu ele ao ver seu feito?
Fez-te quem fez o Cordeiro?

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas da noite inflama,
Que olho ou mão imortal ousaria
Traçar-te a horrível simetria?

Tradução de José Paulo Paes

O Tigre

Tigre! Tigre! Luz brilhante
Nas florestas da noite,
Que olho ou mão imortal ousaria
Criar tua terrível simetria?

Em que céus ou abismos
Flamejou o fogo de teus olhos?
Sobre que asas ousou se alçar?
Que mão ousou esse fogo tomar?

E que ombro & que saber
Foram as fibras do teu coração torcer?
E o primeiro pulso de teu coração
Que pé ou terrível mão?

Que martelo, que corrente?
Que forno forjou tua mente?
Que bigorna? Que punho magistral
Captou teu terror mortal?

Quando os astros arrojam seus raios,
cobrindo de lágrimas os céus,
Sorriu ao sua obra contemplar?
Quem te criou o cordeiro foi criar?

Tigre! Tigre! Luz brilhante
Nas florestas da noite,
Que olho ou mão imortal ousaria
Criar tua rerrível simetria?

Tradução de Alberto Marsicano e John Milton

O Tigre

Tigre, tigre, chama pura
nas brenhas da noite escura,
que olho ou mão imortal cria
tua terrível simetria?

De que abismo ou céu distante
vem tal fogo coruscante?
Que asas ousa nesse jogo?
e que mão se atreve ao fogo?

Que ombro & arte te armarão
fibra a fibra o coração?
E ao bater ele no que és,
que mão terrível? que pés?

E que martelo? que torno?
E o teu cérebro em que forno?
Que bigorna? que tenaz
Pro terror mortal que traz?

Quando os astros lançam dardos
E seu choro os céus põem pardos,
vendo a obra ele sorri?
Fez o anho e fez-te a ti?

Tigre, tigre, chama pura
nas brenhas da noite escura,
que olho ou mão imortal cria
tua terrível simetria?

Tradução de Vasco Graça Moura

Atualização de 17/10/12: acrescento abaixo ainda a tradução deixada no comentário de autoria de Danilo Augusto, que, apesar de tê-la feito por “espírito de aventura e iniciação”, não deixou a desejar:

O Tygre

Tygre Tygre, ardente luz,
A floresta noturna conduz;
Que mão imortal poderia
Forjar tua terrível simetria?

Nos abismos e céus longe,
Acenderam teus olhos onde?
Em quais asas da aspiração
Tocaram-te a chama com as mãos?

Por qual arte, & quais dedos
Trançaram-te as fibras do peito?
Iniciando teu coração o tambor,
Que temíveis pés? Que mãos de temor?

Qual martelo? qual corrente,
Em qual fornalha a tua mente?
Qual bigorna? que tenaz
Cinge teus terrores mortais?

Quando as estrelas o alvejaram
E com lagrimas o céu banharam
Ele sorriu ao ver seu trabalho?
Ele fez o Cordeiro & a ti ao lado?

Tygre Tygre, ardente luz,
A floresta noturna conduz;
Que mão imortal ousaria
Tua terrível simetria?

Tradução de Danilo Augusto

 

The Tyger

Tyger! Tyger! burning bright
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Could frame thy fearful symmetry?

In what distant deeps or skies
Burnt the fire of thine eyes?
On what wings dare he aspire?
What the hand dare seize the fire?

And what shoulder, & what art.
Could twist the sinews of thy heart?
And when thy heart began to beat,
What dread hand? & what dread feet?

What the hammer? what the chain?
In what furnace was thy brain?
What the anvil? what dread grasp
Dare its deadly terrors clasp?

When the stars threw down their spears,
And watered heaven with their tears,
Did he smile his work to see?
Did he who made the Lamb make thee?

Tyger! Tyger! burning bright
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Dare frame thy fearful symmetry?

William Blake

Anúncios
Padrão

7 comentários sobre “Tigres e cordeiros de Blake – parte II

    • adriano scandolara disse:

      Obrigado, Sidnei! Muito legal ter recebido a visita de um dos tradutores que mencionei no post. De algum modo eu não tinha visto o seu texto na Sibila (só o do Dohlnikoff). Vou mencioná-lo no texto. Grande abraço!

  1. Danilo Augusto disse:

    Olá Adriano,
    Incrivelmente, só vim conhecer Blake aos 20 anos (tenho 21). Esse poema me arrebatou antes que conhecesse suas fama e consequências. Encontrei seu blog, com escrita clara e lúcida e sua tradução é, realmente, prodigiosa.
    Não tenho grande experiência com o metro, porem grande parte das traduções que li, no objetivo de não abandoná-lo, acabam falhando duplamente: não conseguem manter a forma de Blake ( ou somente em passagens isoladas como a de Augusto de campo) e acabam, tambem, com grande prejuízo do sentido (que, ao meu ver, sempre será o mais importante), abandonando as oposiçoes em busca de uma redução do verso ou privilegiando o encontro de uma solução verbal interessante, mas de interpretação esdrúxula (muitas vezes anárquica mesmo). Achei a proposta por voces de primeira linha, e uma das que mais elucida o texto. Por espirito de aventura (e iniciação) tentei realizar a minha. Mais por exercício e gosto.
    A existência de muitas traduções parece amarrar um pouco uma nova, que deve ser feita sempre em estado vigilante, já que grande parte das soluções já foram encontradas e nao se teria muito sentido repeti-lás.
    Ficou assim:

    O Tygre

    Tygre Tygre, ardente luz,
    A floresta noturna conduz;
    Que mão imortal poderia
    Forjar tua terrível simetria?

    Nos abismos e céus longe,
    Acenderam teus olhos onde?
    Em quais asas da aspiração
    Tocaram-te a chama com as mãos?

    Por qual arte, & quais dedos
    Trançaram-te as fibras do peito?
    Iniciando teu coração o tambor,
    Que temíveis pés? Que mãos de temor?

    Qual martelo? qual corrente,
    Em qual fornalha a tua mente?
    Qual bigorna? que tenaz
    Cinge teus terrores mortais?

    Quando as estrelas o alvejaram
    E com lagrimas o céu banharam
    Ele sorriu ao ver seu trabalho?
    Ele fez o Cordeiro & a ti ao lado?

    Tygre Tygre, ardente luz,
    A floresta noturna conduz;
    Que mão imortal ousaria
    Tua terrível simetria?

    • adriano scandolara disse:

      Oi, Danilo!
      Eu também acabei conhecendo o Blake meio tardiamente. A obra dele é grande demais e deixa a gente meio perdido (ainda mais quando você lê os comentários de, digamos, o Harold Bloom, e vê Urizen pra cá e Beulah pra lá, e fica boiando), mas depois que a gente conhece, a gente fica arrebatado mesmo. Fico muito feliz que tenha gostado do meu texto e da nossas traduções. Acrescentei a tua tradução ao post (tardiamente, eu sei). Grande abraço!

    • adriano scandolara disse:

      Opa, Danilo!
      (respondendo nesse comentário, porque o WordPress não deixa responder a resposta da resposta… enfim!)
      Obrigado mais uma vez pelas suas visitas e comentários.
      Parabéns pela publicação, cara. Você disse que estava em espírito de iniciação, né? Você não costumava traduzir? Se era assim, então, que bom! Convertemos mais um p/ o nosso mundo neurótico dos tradutores de poesia.
      Abraço!
      A.

  2. eis a minha dentre umas cem em português

    O TYGRE

    Tygre Tygre. Brilhante brasido
    Nas florestas do anoitecido,
    Que imortal olho ou mão conseguiria
    Conceber tua cruel simetria?

    Em quais distantes descidas ou céus
    Brilhou o fogo nos olhos teus?
    Em que asas desafiou seu vogo?
    Que mão desafiou segurar o fogo?

    Que ombro & que arte, tem poder
    Pra do teu cor os tendões torcer?
    E ao começar a soar teu coração,
    Que drásticos pés & drásticas mãos?

    Qual o martelo? qual a corrente?
    Em que fornaça se fez tua mente?
    Qual a bigorna? Qual drástica tenaz
    Desafiou pegar teus terrores mortais ?

    Quando os astros setas soltaram,
    E o céu com suas lágrimas molharam,
    Ele sorriu ao ver o que obrou?
    Quem moldou o Cordeiro, te moldou?

    Tygre! Tygre! Brilhante brasido
    Nas florestas do anoitecido,
    Que imortal olho ou mão desafiaria
    Conceber tua cruel simetria?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s