crítica

Lira curitibana – comentário de Caetano Galindo na Ilustríssima

Ontem, dia 11 de agosto, foi publicado na Ilustríssima, na Folha de São Paulo, um texto de autoria do professor Caetano Waldrigues Galindo, comentando a poesia de três ilustres desconhecidos daqui de Curitiba (dois mais desconhecidos, um menos, mas ainda assim), a saber, eu, o nosso colega de escamandro Guilherme Gontijo Flores e o Marcelo Sandmann (que já deu as caras por aqui num post anterior). O texto do Caetano pode ser lido no site da própria Folha ou aqui mesmo, conforme reproduzido abaixo.

Acompanha o texto uma pequena seleção com um poema de cada um de nós três, inédito, que vocês podem conferir clicando aqui, ou também na segunda imagem abaixo, digitalizada a partir do jornal.

Sem mais delongas, então, deixo vocês com o texto já abaixo (em versão digitalizada também), junto com os nossos sinceros agradecimentos ao Caetano, que – como o seu comentário, ao que me parece, deixa muito claro – é um dos melhores leitores por quem poderíamos pedir.

Adriano Scandolara

                                                    

Clique para ampliar no tamanho real

Clique para ampliar no tamanho real

                                                   

 

Clique para ampliar em tamanho real

Clique para ampliar no tamanho real

                                                  

Lira curitibana

Novos ventos da terra de Leminski
CAETANO W. GALINDO

RESUMO

Lançada em fevereiro, a poesia reunida do curitibano Paulo Leminski (1944-89) vendeu estimados 50 mil exemplares, cifra inaudita para o gênero. A produção recente de três poetas da capital paranaense, em que se fundem clássico e popular, mostra que a influência do autor best-seller está, hoje, digerida e até superada.

Poesia é sempre um negócio calado. Meio invisível. Até que, de repente, a cada 400 anos, digamos, surge algo tão inexplicável como a vendagem de “Toda Poesia”, de Paulo Leminski –alcançou a marca, pelas últimas contas de sua editora (Companhia das Letras), dos 50 mil exemplares.

Por que isso? E por que justo agora? Será que as pessoas andavam precisando de poesia? Daquela poesia? E qual é a dela?

A resposta a essa última pergunta pode passar, e acho que passa, pela singular mistura de poeta e publicitário que Leminski sempre foi: a mão para a frase-achado, o talento de ritmar o texto e cravar a pérola, a facilidade para engajar o leitor numa conversa. Uma espécie de retórica de sedução, de piscadelas, cutucões e não poucas centelhas; um diálogo que talvez hoje achemos familiar.

Mas há outro elemento no mistério Leminski, que é ele ter surgido justo deste lugar de onde escrevo e de onde, aparentemente, surge tão pouco: do meio da geada de Curitiba. E era só isso? O que é de Curitiba hoje?

Curitiba hoje abriga toda uma geração desses poetas-acadêmicos-tradutores que Paulo Henriques Britto afirma que dominam a poesia brasileira (e não esqueçamos a estável e reconhecida produção de Rodrigo Garcia Lopes, logo aqui em Londrina, e seu “Estúdio Realidade”, lançado em julho pela carioca 7 Letras).

Três lançamentos recentes vêm mostrar que a poesia feita em Curitiba superou o evento Leminski, exatamente como deve ser superada uma presença tão definidora: por compreensão, por absorção e (por que não?), por ser bem outra. Sim, a poesia aqui está vivinha. E bem das pernas, até. A cidade do polaco zen ainda tem um monte de cachorros loucos.

IMIGRANTES

na_franja_dos_diasAferrando-nos ao estereótipo da cidade de imigrantes, comecemos com o alemão do trio. Marcelo Sandmann, aos quase 50 anos, já vinha de dois livros, um disco (“Canto da Palavra”, em parceria com Benito Rodriguez) e músicas gravadas por vários outros artistas. Esse tempo de cancha pode bem explicar o fato de Sandmann ser o mais completo dos três, dotado de uma caixa de ferramentas considerável.

As formas pelas quais passeia seu Na Franja dos Dias [7Letras, 80 págs., R$ 34] vão do poema quase piada ao soneto de versos monossilábicos (isso mesmo); das séries elaboradas como “Tempus Fugit” ao díptico que é o brilhante par “Ela Não Sabe”, “Ele Não Sabe”, em que a voz madura se confronta com as novas gerações; da prosa ao verso rimado; da letra de canção à espera de melodia ao pastiche do Renascimento português.

Igualmente variado é seu repertório cultural, que abarca de Catulo a Frank Zappa, o que lhe permite encarar de novo a poesia (“Relativa liberdade / de entrar e sair sem / tropeçar logo de cara / no primeiro verso.”) com frescor e originalidade nunca menos que surpreendentes. Seu vasto leque não deixa de fora outro monstro local, voz fundadora de uma parcela tão grande do que concebemos como curitibano: “Nunca pensei / que o nosso amor, // que a minha vida / fosse terminar / feito conto // de Dalton Trevisan”.

Sandmann pode estar há anos na estrada, pode estar (e quem não está?) refletindo cada vez mais sobre o tempo e o seu fim, como deixa claro a bela quadra “Quando eu morrer, puxem a rolha / Que veda o ralo do Universo. / Escoem tudo. E no reverso, / Pintem um Deus novinho em folha”.

Mas ele ainda mal começou a dizer tudo que precisamos ouvir.

FORASTEIRO

brasa_enganosaO forasteiro do grupo é Guilherme Gontijo Flores, brasiliense de 29 anos que chegou a Curitiba em 2008 e estreia na poesia com Brasa Enganosa [Patuá, 154 págs., R$ 30], depois de já ter publicado traduções de Rilke, Propércio e, especialmente, a primeira versão em língua portuguesa do monumento que é A Anatomia da Melancolia, de Robert Burton (Editora UFPR).

Dos três, Flores é o mais obcecado por sonoridades e efeitos visuais. É o que mais deve a Mallarmé, que quase parece digerir sem o intermédio dos concretos, principais propagadores no país da obra do poeta francês.

Essa preocupação formal nunca deixa de transparecer: no uso do espaço da página, na preferência pelas minúsculas, no emprego de ilustrações (“daguerreótipos”) ou na inclusão do belo poema “Labirinto”, cuja forma ecoa seu sentido e que precisou vir encartado no livro, como uma dobradura.

Mas o apego à forma fala mais alto mesmo é na cadência espinhosa e doce de versos como o que já abre o livro (“élia lélia críspide”); ou no bonito “embora nas pregas peças / da vida / um casulo crisálida se faça / em cio solitário”.

Nada nessa Brasa é deixado ao acaso tipográfico (como aliás ilustra um bem-humorado poema cheio de gralhas, e dedicado ao revisor). E mesmo o jogo entre títulos e versos, ou entre caixas altas e baixas, gera efeitos interessantes, como em “NA TRISTEZA DOS OLHOS / calados da noite / rubente ensaia / despetalar-se / a chaga de um / sorriso”.

É a poesia de um leitor dos clássicos, de um inventor de palavras, de um filho de Drummond e de Pessoa mas, também, é a arte de quem cita uma banda como Arcade Fire logo antes de criar um trocadilho em grego.

É aquele tipo de nó tão ao gosto dessa geração de poetas-acadêmicos, que vê o mais novo com os mais clássicos dos olhos. A poesia de alguém, em suma, que lembra que a frase “tudo já foi dito” já foi dita há dois milênios (Terêncio) e que só assim consegue nos fazer ver, por exemplo, o “locus amoenus de um engarrafamento”.

ITALIANO

O italiano, para voltar ao tópico dos estrangeiros, é o grande Adriano Scandolara, o mais novo de todos, e provavelmente o mais improvável. Sua dissertação de mestrado já fez dele, aos 24 anos, um dos maiores tradutores da poesia de Shelley no Brasil –um volume que, aliás, está à busca de editores.

lira_de_lixoSua Lira de Lixo [Patuá, 96 págs., R$ 30] é obra de uma originalidade e de um impacto impressionantes e de uma versatilidade que mal se pode esperar de muita gente mais experiente que ele.

Boa parte da força de sua linguagem advém de ele se dedicar, de novo como o patrono Trevisan, à Curitiba suja, aquela que a publicidade não mostra e que nos cerca por todos os lados (“Não se vê daqui, mas sei / que a prostituta da rua / tem um olho de vidro”) ou, pior ainda, quase nos derruba cotidianamente (“ia ao banco, quando / quase / tropeço no cadáver”).

É poesia que nos quer dar apenas “o gozo de escolher / de que lado do arame farpado ser / fuzilado”, e que reconhece, mesmo assim tão cedo, tão antes do meio do caminho dessa vida, que “depois de um tempo / você aprende a se foder”, mas que faz tudo isso com uma graça –humor, leveza e quem sabe iluminação– absolutamente invejável.

Essa presença do meio urbano é a responsável direta por um dos momentos mais felizes do livro, pois é nas ruas que Scandolara busca o gancho para suas “Glosas sobre Motes de Pichações”, que desdobram desde dizeres mais elevados, como “O outro é o eco do eu”, até o lirismo irretocável do xingamento “Elaine puta”.

Dono da mesma erudição dos outros dois, de quem foi aluno em mais de um sentido, Scandolara, no entanto, lida com essa bagagem com humor mais sujo. E também com mais raiva –ele que, em bom francês ruim, em dado momento se declara “puto da cara” (“emputé du visage”); ele, afinal, que nos diz “Entre os restos, o já dito / e o maldito/ tortuosa construo minha / lira de lixo.”

Com Guilherme Gontijo Flores, Scandolara faz parte de um blog coletivo (outra marca da produção recente de poesia) chamado Escamandro –os outros dois membros, Bernardo Lins Brandão e Vinícius Ferreira Barth, ainda estão por estrear em livro.

Quando você ouvir falar do frio destas terras (onde até neve tem), lembre-se também de que Dalton Trevisan nelas está, vivo e forte. Que Cristovão Tezza prepara livro novo. Que polaca, tudesca, carcamana ou vira-lata, de imigrantes e nativos, pinheirais (quase não mais) e pichações, Curitiba continua aqui. E que, quem sabe a cada 400 anos, um de nós ainda bate à porta, uns versos debaixo do braço, precise você ou não.

(texto de Caetano Galindo)

Anúncios
Padrão

2 comentários sobre “Lira curitibana – comentário de Caetano Galindo na Ilustríssima

  1. muito bacana.
    parabéns, guilherme e adriano! e, claro, parabéns ao sandmann, de quem sou admirador desde o “lírico renitente”.

    embora o artigo não fale de muita gente boa e não-acadêmica que produz poesia em ‘curitíbia’ (de mim inclusive e PRINCIPALMENTE… rsrs), essa repercussão é muito bem-vinda e mais do que merecida.

    e “as bocas (…) cantam
    mascando um chiclete de três mil anos”.

    • muito obrigado, rodrigo.
      realmente, dava pra falar de mais alguns nomes muito interessantes da poesia curitibana, como você. torçamos para que outros trabalhos como esse ajudem a ampliar um pouco esses eixos centralizadores da cultura brasileira…
      abração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s