Uncategorized

Rua Musas

Saiu, na semana passada, o meu livro, Rua Musas, publicado pela  Patuá. Achei que a edição, em capa dura, ficou muito bonita.

Image

 

 

Aproveitando o lançamento, gostaria de colocar aqui a apresentação do livro feita pelo  Hugo Langone  (ah, o livro pode ser adquirido pelo site da Patuá: http://www.editorapatua.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=203 ):

“A poesia de Bernardo parece exigir que o mundo todo se cale para que possam falar a manhã, as cigarras, a correnteza, o sol, a infância. É uma obra da calma, para a qual não há urgências. Mas não nos enganemos; não pensemos que sua simplicidade seja a artimanha de um poeta que deseja fugir do rigor do verso, tampouco que seja reflexo de um descompromisso que o mundo de hoje julga assaz inaceitável. Há na poesia de Bernardo o compromisso que é, de todos, o mais universal: a simplicidade de seus versos reflete a simplicidade a que aspira o coração do poeta e de todos nós; em tudo aquilo que seus textos tomam para si, parece reverberar algo maior que está noutra parte, uma paz derradeira que nos é sedutora porque é de fato aquilo a que todos tendemos. Os versos que aqui se encontram estão sempre a apontar para o alto, como se esperando ou recordando uma plenitude de que só encontram sinais”.

 

Também aproveito a ocasião para apresentar três poemas do livro, que também estão no site da editora.

 

bicicletas azuis se dirigem ao infinito
montanhas, um trilho de trem

e o frio de julho, quase metafísico 
a rememorar no fim da tarde
coisas apenas pressentidas

em uma soneca, uma criança
celebra o mistério da existência

sua mãe, esquecida que cansada
sorri

***

ela ria dos versos insensatos
imprecisos

o coração, desvairado
aliciador dos menores carinhos, mendigo nas horas vagas
não sabia ser sincero
não cultivava a língua como ascese
mas como forma
de expressão

e o que sentia ao vê-la, sorrindo ao vento forte da tarde

isso
não havia ainda sido nomeado

***

 comédia de dores desregradas

som de um sileno insolente 
tramando a própria fuga

somos o choque
de átomos cadentes e espaço
a borbulhar mundos infinitos
e sua dissolução

a procrastinar a existência
na fronteira de cada calafrio

a pairar perdido no pós
coito da modernidade
como grito engolido

a desvelar-se sob o sol do meio-dia

Padrão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s