poesia, tradução

“res no és mesquí”, de joan salvat-papasseit (1894-1924)

jsalvatpapasseit

joan salvat-papasseit é talvez a maior figura do modernismo catalão, sobretudo no futurismo. seguindo o padrão de vida maudit, libertário & anarquista, morreu novo, com 30 anos, de tuberculose, talvez num ato final de união entre literatura & vida. mas nesse pouco tempo publicou 5 livros: Poemes en ondes hertzianes, L’irradiador del port i les gavines, Les conspiracionsLa gesta dels estels , El poema de La rosa als llavis. logo após sua morte, apareceu o volume Óssa Menor.

"jaculatòria" o poema funde experimento visual com versificação tradicional

“jaculatòria” o poema funde experimento visual com versificação tradicional

a sua poesia inclui caligramas & experimentos visuais próximos ao do futurismo italiano. mas tive a clara impressão, ao ler a antologia Nada é mesquinho, o escambau (única de que tenho conhecimento no brasil), que salvat-papasseit foi uma figura de transição forte, com temas herdados do simbolismo, um senso aguçado de modernidade & um domínio do verso tradicional, que resulta em alguns poemas amorosos impressionantes, como está pequena pérola de concisão, sentimento & som (aliás, a tradução é uma graça à parte, com seu jogo entre “coração” “cortava” & “urtiga”, “ardor” & “atiçava”):

Si, per tenir-la

(   Si, per tenir-la, la feria al cor
….— era l’ortiga

…………………………………que alena cremor    )

Se, para a ter

(  Se, para a ter, seu coração cortava
— era a urtiga

……………que ardor atiçava    )

(trad. de ronald polito & josep domènech ponsatí)

como encontrei três versões para o poema res no és mesquí — uma canção de joan manuel serrat (1943) que me foi indicada por joan navarro, além de duas traduções para o português — achei que melhor seria apenas entregar uma faceta do poeta, sem mais comentários

guilherme gontijo flores

* * *

Res no és mesquí
A Josep Obiols
        
Res no és mesquí
ni cap hora és isarda,
ni és fosca la ventura de la nit.
I la rosada és clara
que el sol surt i s’ullprèn
i té delit del bany:
que s’emmiralla el llit de tota cosa feta.
        
Res no és mesquí,
i tot ric com el vi i la galta colrada.
I l’onada del mar sempre riu,
Primavera d’hivern – Primavera d’istiu.
I tot és Primavera:
i tota fulla verda eternament.
        
Res no és mesquí,
perquè els dies no passen;
i no arriba la mort ni si l’heu demanada.
I si l’heu demanada us dissimula un clot
perquè per tornar a néixer necessiteu morir.
I no som mai un plor
sinó un somriure fi
que es dispersa com grills de taronja.
        
Res no és mesquí,
perquè la cançó canta en cada bri de cosa.
– Avui, demà i ahir
s’esfullarà una rosa:
i a la verge més jove li vindrà llet al pit.
* * *
* * *
Nada é mesquinho
A Josep Obiols
        
Nada é mesquinho
nem hora alguma é áspera,
nem é de sombra o destino da noite.
E a geada é tão clara
que enche o sol de fascínio
do banho indo ao deleite:
tal que cada coisa pronta o leito as reflita.
        
Nada é mesquinho,
e tudo é rico tal vinho e a face corada.
E toda onda do mar sempre riu,
Primavera de inverno – Primavera de estio.
E tudo é Primavera:
e toda folha verde eternamente.
        
Nada é mesquinho,
porque os dias não passam;
e não chega a morte nem por ser demandada.
E se hás demandado ela te finge uma cova
porque da morte pra tornar a nascer necessitas.
E jamais somos choro
senão um sorriso fino
esparso à gomos de bergamota.
        
Nada é mesquinho
porque a canção se canta em cada fio de coisa.
–Hoje amanhã e ontem
se espetala uma rosa:
e lhe vem leite no peito à mais jovem das virgens.
        
(trad. Adria’dos Delima)
* * *
Nada é mesquinho
A Josep Obiols
        
Nada é mesquinho
nem hora nenhuma é intratável,
nem é escura a ventura da noite.
E o orvalho é claro
que o sol sai e fica pasmo
e tem vontade de tomar banho:
que se espelha a cama de toda coisa feita.
        
Nada é mesquinho
e tudo rico como o vinho e a face corada.
E a onda do mar sempre ri,
Primavera de inverno — Primavera de verão.
E tudo é Primavera:
e toda folha verde eternamente.
        
Nada é mesquinho,
porque os dias não passam;
e a morte não chega nem sequer se foi chamada.
E se foi chamada disfarça uma cova para vocês
porque para nascer de novo vocês precisam morrer.
E nunca somos um pranto
mas um sorriso fino
que se dispersa feito gomos de laranja.
        
Nada é mesquinho
porque a canção canta em cada nadinha.
— Hoje amanhã e ontem
se desfolhará uma rosa
e a virgem mais nova terá leite no peito.
        
(trad. de ronald polito & josep domènech ponsatí)
Padrão

2 comentários sobre ““res no és mesquí”, de joan salvat-papasseit (1894-1924)

  1. Olá, sou Adriandos Delima e agradeço pela publicação da tradução, que me deu muito prazer emproduzir. Porém, peço que corrijas o segundo verso da segunda estrofe substituindo “nem todo rico é tal vinho” por “e tudo é rico tal vinho e a face corada”, pois tratou-se de uma precipitação na tradução, cuja melodia levou um pouco da minha razão. Aguardo, muito me agradaria, o seu contato. Obrigado. Adrian’dos D’Lima, adriandosdelima@rocketmail.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s