tradução

O julgamento de Brodsky (melhores momentos)

young

O poeta em 1958, fotografado pelo pai.

 

No fim de 1963, o poeta russo Joseph Brodsky (1940-1996), com então 23 anos, foi acusado de parasitismo social pelo estado soviético, depois de um artigo violento que saiu no jornal Vechernij Lenigrad contra sua figura. A história é razoavelmente bem divulgada, mas ler as anotações das audiências feitas por Frida Vigdorova e posteriormente editadas na forma de um diálogo é uma experiência digna de peças de Beckett. No ano seguinte, Brodsky foi, de fato, condenado, já que poesia & tradução não configuravam um trabalho pelo bem da pátria. O resto da história é conhecida. Brodsky cumpriu 18 meses de serviços no Ártico, mas depois de muita pressão de vários intelectuais — dentro e fora da União Soviética — retornou a Leningrado em dezembro de 1965. As perseguições, como seria de se esperar, continuaram, até que em 1972 o poeta foi obrigado a se exilar, primeiro em Israel, depois nos Estados Unidos, sem jamais retornar à pátria.

Por isso, traduzi a partir do francês uma boa parte do processo que hoje funciona como uma espécie de monumento: as perguntas do juiz Savelieva permanecerão, creio, como pérolas da percepção ocidental — não apenas soviética — sobre o ofício do poeta, enquanto as tentativas de resposta de Brodsky por vezes nos fazem lembrar personagens de Kafka, presos num universo burocrático que não parece fazer sentido, diante de um processo em que só poderá ser condenado, ainda que não compreenda muito bem.

guilherme gontijo flores

p.s..: A edição utilizada foi Brodski ou le procès d’un poète: commentaires d’Efim Etkind, préface d’Hélène Carrère D’Encausse. Traduzido do russo para o françês por Janine LévyEditado pela Librairie Générale Française, em 1988.

p.s. 2: Você podem ler algumas traduções que fiz de poemas autotraduzidos por Brodsky para o inglês, ou escritos originalmente em inglês, na Revista Eutomia. Só reparem que, no primeiro poema, onde aparece a palavra “toupeira”, deveria estar “pinta”. Houve uma falha, e o arquivo infelizmente ainda não foi alterado.

2013_03_13_11_40_Brodsky

Brodsky em seu exílio, em Nerenskaya, 1965.

* * *

Primeira audiência no tribunal

Bairro Dzerjinsky, cidade Leningrado, rua Vosstania, 36.
Juiz Savelieva.
18 de fevereiro de 1964.

Juiz: Qual é a sua profissão?

Brodsky: Escrevo poemas. Faço traduções. Suponho…

J.: Guarde as suposições para o senhor! Porte-se de modo adequado! Não fique em cima do muro! Olhe para o tribunal! Responda de modo conveniente a uma corte! (para mim) Para imediatamente de fazer notas, ou expulsarei a senhora daqui! (Para Brodsky). O senhor tem um trabalho regular?

B.: Eu pensei que se tratasse de um trabalho regular.

J.: Responda a questão!

B.: Escrevo poemas. Pensava que seriam publicados. Suponho…

J.: Não nos interessam as suas suposições. Responda à questão: por que o senhor não trabalhava?

B.: Eu trabalhava. Escrevia poemas.

J.: Isso não nos interessa. O que queremos saber é a instituição à qual o senhor estava ligado.

B.: Eu tinha contratos com uma editora.

J.: Ganhava o suficiente para viver? Quais contratos? Para quais datas? Por quais valores? Seja mais preciso.

B.: Já não lembro exatamente. Estão todos com meu advogado.

J.: O senhor é o interrogado.

B.: Saíram em Moscou dois livros com traduções minhas (ele informa quais).

J.: Qual é a sua experiência profissional, e quanto tempo durou?

B.: Cerca de…

J.: Nada de “cerca”. Isso não é resposta.

B.: Cinco anos.

J.: Onde o senhor trabalhou?

B.: Numa usina. Com uma equipe de geólogos.

J.: Quanto tempo trabalhou na usina?

B.: Um ano.

J.: Em qual cargo?

B.: Perfurador.

J.: De modo geral, qual é a sua especialidade?

B.: Eu sou poeta. Poeta-tradutor.

J.: Quem decidiu que o senhor era poeta? Quem o classificou entre os poetas?

B.: Ninguém. (Sem qualquer desafio) E quem me classificou no gênero humano?

J.: E o senhor estudou com tal objetivo?

B.: Qual objetivo?

J.: De se tornar poeta. Não tentou fazer os estudos superiores para se preparar… para aprender…

B.: Eu não pensava que seria possível aprender isso.

J.: Como se tornar poeta, então?

B.: Penso que… (Desconcertado) … é um dom de Deus…

J.: O senhor deseja apresentar alguma demanda ao tribunal?

B.: Adoraria saber por que fui preso.

J.: Isso é uma questão, não uma demanda.

B.: Nesse caso, não tenho demanda a formular.

J.: A defesa tem questões?

Advogada: Sim. Cidadão Brodsky, o dinheiro que o senhor ganhou, por acaso foi levado à sua família?

B.: Sim.

A.: Seus pais também trabalhavam?

B.: São aposentados.

A.: Vocês vivem juntos?

B.: Sim.

A.: Portanto, a sua renda contribuía para o orçamento familiar.

J.: A senhora não está apresentando questões, está generalizando. E o ajuda a responder. Não generalize: apenas apresente questões.

A.: O senhor foi inscrito num asilo psiquiátrico?

B.: Sim.

A.: O senhor foi hospitalizado?

B.: Do fim de dezembro de 1963 até 5 de janeiro deste ano, em Moscou, no Hospital Kachtchenko.

A.: O senhor não acha que a sua enfermidade o impediu de manter por muito tempo o mesmo emprego?

B.: É possível. Certamente. Na verdade, não sei bem. Não, não sei.

A.: O senhor traduziu poemas para uma antologia de poetas cubanos?

B.: Sim.

A.: O senhor traduziu romanceros espanhóis?

B.: Sim.

A.: O senhor tinha relações com a seção de tradução da União dos Escritores?

B.: Sim.

A.: Demando ao tribunal que sejam versados no dossiê o atestado do Escritório dos Tradutores, a lista de poemas publicados, a cópia dos contratos (ela os enumera), o seguinte telegrama: “Favor acelerar assinatura contrato”. Demando que o cidadão Brodsky seja objeto de um exame médico em que seja constatado seu estado de saúde e se estabeleça se ele o impediria de ocupar um emprego regular. Ademais, demando que o cidadão Brodsky seja libertado sem demora. Considero que ele não cometeu qualquer delito e que seu encarceramento não apresenta fundamento legal. Ele tem domicílio fixo e pode, portanto, responder um mandato de comparecimento.

O tribunal se retira para deliberar. Depois, retoma seu lugar, e o juiz lê o arrazoado:

“Submeter Brodsky a um exame psiquiátrico que deverá decidir se ele sofre ou não de alguma enfermidade psíquica, e se tal enfermidade impediria que ele fosse enviado aos trabalhos forçados em regiões distantes. Uma vez que o dossiê indica que Brodsky recusa hospitalização, encarregar a seção 18 da milícia para conduzi-lo ao exame psiquiátrico.”

J.: O senhor tem alguma questão?

B.: Gostaria que levassem papel e um lápis para minha cela.

J.: Quanto a isso, dirija-se ao chefe da milícia.

B.: Eu já lhe demandei, e ele me negou. Eu peço papel e um lápis.

J.: (amansado): Pois bem. Eu concederei.

B.: Obrigado.

Quando o público evacuava a sala, nós percebemos uma multidão, sobretudo jovens, nos corredores e escadas.

J.: Quanta gente! Não imaginei que haveria tamanho agrupamento.

Alguém na multidão: Não é todo dia que se julga um poeta.

J.: Poeta ou não, para nós dá no mesmo!

Segundo a senhora Toporova, advogada de defesa, o juiz Savelieva deveria ter libertado Brodsky para que este fosse por conta própria ao exame, no dia seguinte, no hospital psiquiátrico; porém Savelieva o manteve preso, e foi sob escolta que ele foi conduzido ao hospital.

 

Segunda Audiência

Fontanka, sala do Clube de Construtores.
13 de março de 1964.

As conclusões do exame são as seguintes: reconhece-se a existência de traços psicopáticos de caráter, mas considera-se que o sujeito está apto para o trabalho. Que, por conseguinte, pode ser submetido a medidas administrativas.

Um letreiro acolhe quem chega: “Processo do parasita social Brodsky”. A grande sala do Clube de Construtores está repleta de gente.

[…]

J.: Quanto aos autointitulados poemas, nós concedemos [a retirada do dossiê]; mas quanto ao diário íntimo, não há qualquer motivo para removê-lo do dossiê. Cidadão Brodsky, desde 1956 o senhor mudou treze vezes de emprego. Trabalhou um ano numa usina, depois parou de trabalhar por seis meses. No verão seguinte, participou de uma excursão geológica, então passou quatro meses sem trabalhar. (Ele enumera os diversos postos e as interrupções entre cada um deles) Explique à corte porque, nesses intervalos do seu trabalho, o senhor viveu como parasita.

B.: Nesses intervalos, eu trabalhava. Ocupava-me com o que me ocupo sempre: escrevia poemas.

J.: Então o senhor escrevia os seus autointitulados poemas? Qual era a utilidade dessas constantes trocas de emprego?

B.: Eu comecei a trabalhar aos quinze. Tudo me interessava. Eu trocava porque queria conhecer o máximo possível das coisas e das pessoas.

J.: E o que o senhor fez de útil pela pátria?

B.: Escrevi poemas. É o meu trabalho. Estou convencido… creio realmente que aquilo que escrevi presta um serviço não apenas aos homens de hoje, como também às gerações por vir.

Uma voz no público: Ah, bom, vai, diz! Ele não se acha pouco!

Outra voz: Um poeta, é normal que pense assim.

J.: Então o senhor considera que os seus autointitulados poemas são úteis aos homens?

B.: Por que o senhor sempre qualifica os meus poemas como “autointitulados” poemas?

J.: Nós os chamamos de “autointiulados” poemas porque não podemos considerar de outro modo.

Sarokin (procurador geral): O senhor nos disse que estava ávido por saber. Por que não quis fazer o serviço militar?

B.: Não responderei esse tipo de questão.

J.: Responda!

B.: Eu fui dispensado. O que eu “quis” não tem pertinência alguma, simplesmente fui liberado. Não é a mesma coisa. Eu fui dispensado duas vezes. Na primeira por causa da enfermidade de meu pai, na segunda por causa da minha.

S.: É possível viver com o que o senhor ganha?

B.: É possível. Na prisão, pediam-me todo dia uma assinatura para reconhecer que eu custava quarenta kopecks à administração. Ora, eu ganhava mais de quarenta kopecks por dia.

S.: Mas era necessário se vestir, se calçar.

B.: Eu tenho uma roupa. É velha, mas tenho uma. Pra mim basta.

A.: Os especialistas apreciavam os seus poemas?

B.: Sim. Tchoukovski e Marchak me fizeram grandes elogios pelas traduções. Mais do que eu merecia.

A.: O senhor travou relações com a seção de tradutores da União dos Escritores?

B.: Sim. Participei da revista Pela primeira vez em língua russa e apresentei leituras da minhas traduções do polonês.

J.: A senhora deveria interrogá-lo sobre o que ele fez de útil, e só apresenta questões a respeito das suas leituras e traduções.

A.: Suas traduções representam precisamente um trabalho útil.

J.: Brodsky, explique à corte porque o senhor não fazia nada entre dois empregos.

B.: Eu trabalhava. Escrevia poemas.

J.: Como isso lhe impedia de trabalhar de verdade.

B.: Eu trabalhava. Escrevia poemas.

J.: Havia pessoas que trabalhavam na usina e que ao mesmo tempo escreviam poemas. O que lhe impedia de fazer o mesmo?

B.: Nem todos se parecem comigo, até mesmo na cor dos olhos ou na expressão do rosto.

J.: Não foi o senhor quem descobriu isso. Todos o sabem. Melhor seria se o senhor nos explicasse o valor da sua participação em nossa grande marcha progressiva rumo ao comunismo.

B.: Não se constrói o comunismo apenas manuseando ferramentas o trabalhando na terra. É também o trabalho intelectual que…

J.: Grandiosas frases! Diga-nos em que bases o senhor pretende construir o seu futuro profissional.

B.: Eu pensavam em escrever poemas e fazer traduções. Mas, se é contrário a uma norma qualquer, admitida em geral, eu terei um emprego e escreverei do mesmo modo os poemas.

Tiagli (jurado): Entre nós, todos trabalhamos. Como o senhor viveu tanto tempo na indolência?

B.: O senhor não reconhece meu trabalho como tal. Eu escrevia versos, para mim é um trabalho.

J.: O senhor aprendeu uma lição a partir do que se publicou a seu respeito?

B.: O artigo de Lerner era mentiroso. Foi a única lição que eu aprendi.

J.: Assim, ela não te inspirou outra coisa?

B.: Não. Eu não me considero um parasita social.

[….]

J.: Pare de tomar notas!

Eu: Eu sou jornalista, membro da União dos Escritores. Faço artigos sobre a educação da juventude. Peço-lhe permissão para tomar notas.

J.: Quem sabe as notas que a senhora vai tomar! Pare imediatamente!

Uma voz no público: Ela voltou a tomar notas!

[…]

O tribunal retoma seu lugar e o juiz lê a sentença:

“Como bem provam as frequentes mudanças de emprego, Brodsky se esquivou sistematicamente de seu dever como cidadão soviético, que deve produzir bens materiais e garantir pessoalmente sua subsistência. Em 1961 e 1962, os órgãos do MGB [trata-se da KGB da época] darem-lhe um aviso. Ele prometeu conseguir um emprego regular. Mas não fez nada disso e continuou sem trabalhar, escrevendo e apresentando leituras de poemas decadentes. Dos relatórios das comissões de trabalho com os jovens autores, conclui-se que Brodsky não é poeta. Os leitores do Vechernij Leningrad [nome de um jornal de Leningrado] o condenaram. Por conseguinte, em aplicação do decreto de 4 de maio de 1961, o tribunal estipula que Brodsky será enviado para cinco anos de trabalhos forçados em uma região distante.

Um auxiliar da milícia (que passava diante da advogada): Então, a senhora perdeu o caso, camarada advogada?

[transcrição do processo efetuada por Frida Vigdorova. tradução para o francês de Janine Lévy. versão em português de guilherme gontijo flores]

 

Padrão

5 comentários sobre “O julgamento de Brodsky (melhores momentos)

  1. mariana disse:

    que belo trabalho da frida! parabéns guilherme pela tradução, me comoveu e realmente foi como ler uma peça becketiana… e falando em rússia, patriotismo, poesia e revolução, seria lindo ver un peu da anna akhmátova
    na escamandro.🙂

  2. Brunno V. G. Vieira disse:

    Ao caro tradutor, flores,
    Chegou-me aos olhos, pela dica do Leandro Dorval Cardoso, esta tocante tradução de O julgamento de Brodsky (melhores momentos).
    Sou leitor de Brodsky. Por quê? Porque, um dia, Alceu Dias Lima, pai-de-uma-mente, disse-me que era um poeta que valia a pena. Julgo que vale mesmo a pena. Não só por tudo o que já tinha lido dele, mas pelo que dele li em seu trabalho tradutório. Brodsky argumenta sobre sua profissão, poeta. Quem diz a um desses que ele é poeta? Nem o estado. Nem seus pares, realmente um desses sente o que é. Sabendo de sua afronta ao sistema que cerc(e)ava os meios de divulgação e produção, sabendo o sistema, foi inevitável que ele fosse considerado um parasita. Suas respostas subentendem que a defesa não adianta. Subentendem o interdito de ser livre poeta-e-tradutor. Liber, líber tino quanto ao que vigia. O que faz um tradutor, tradutor; um poeta, poeta? Talvez seja esse senso quanto ao que vigia e vige censoriamente. Censo pessoal e de ser-estar no mundo. Senso de sentir o que seja e represente. Cinco anos de trabalhos forçados, contra o que/quem vigia. Qual o limite? A linha divisória do que penso e do por que existo? Estes tempos vigentes menos vigilantes ainda punem. Este corpo mortal, o fígado, pune, mas que bom nos restar hoje algo de decisão sobre esta punição que a poesia e a tradução nos pode impor. Sobre esta vitória que a poesia e tradução nos pode sobrevir. Belo texto, Flores, bela atitude solidária com Brodsky. Só a lida ri em idade a quem morreu de poesia e tradução, antes que de tédio.

  3. amyr disse:

    professor, pra designar a moeda russa dá pra usar ‘copeque’, que já é dicionarizado.
    e, puxa, até hoje o fazer poético e a tradução são desprezados como formas de trabalho. triste demais esse julgamento.

  4. Pingback: Parasitismo social, utilidade da arte e intervenção estatal: o julgamento do Poeta Brodski. – Sapere Aude!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s