poesia, tradução

Trilussa, por Daniel Dago

11884136_10156127367110314_577854673_o

Trilussa, pseudônimo de Carlo Alberto Camillo Mariano Salustri (1871-1950) – Trilussa é anagrama de Salustri –, foi um dos maiores poetas satíricos da Itália. Apesar da enorme fama em seu país natal, não alcançou sucesso no exterior, em grande por ter escrito especialmente em dialeto romano. Suas inúmeras “favole” (fábulas) são conhecidíssimas até hoje.

Escrito em italiano, “L’uccelletto” (literalmente, “o passarinho”, mas escolhemos “o pintinho” a fim de manter a conotação sexual do original) tem duas versões, ambas atribuídas a Trilussa. Escolhemos a mais conhecida, que se tornou viral na internet com a hilária interpretação feita numa rádio pelo tenor Andrea Bocelli. Dá para escutá-la aqui:

“Er porco e er somaro” (O porco e o burro) faz parte das “fábulas” escritas em dialeto romano. “Avarizzia” (Avareza), também em romano, faz parte de um círculo de poesias sobre os sete pecados capitais.

Daniel Dago

* * *

L’UCCELLETTO

Era d’Agosto e un povero uccelletto
ferito dallo fionda di un maschietto
andò per riposare l’ala offesa,
sulla finestra aperta di una chiesa.

Dalle tendine del confessionale
il parroco intravide l’animale
ma, pressato dal ministero urgente,
rimase intento a confessar la gente.

Mentre in ginocchio alcuni altri a sedere
dicevano i fedeli le preghiere,
una donna, notato l’uccelletto,
lo prese al caldo e se lo mise al petto.

D’un tratto un cinguettio ruppe il silenzio e il prete a quel rumore
il ruolo abbandonò di confessore.
Scuro in viso peggio della pece,
s’arrampicò sul pulpito e poi fece:

“Fratelli! Chi ha l’uccello per favore
esca fuori dal tempio del Signore!”
I maschi, un po’ stupiti a tal parole,
lenti s’accinsero ad alzar le suole,

ma il prete a quell’errore madornale
“Fermi” gridò “mi sono espresso male!
Rientrate tutti e statemi a sentire,
solo chi ha preso l’uccello deve uscire!”

A testa bassa, la corona in mano,
cento donne s’alzarono pian piano.
Ma mentre se ne andavano ecco allora che il parroco strillò:
“Sbagliate ancora, rientrate tutte quante figlie amate
che io non volevo dir quel che pensate!

Ecco, quello che ho detto torno a dire,
solo chi ha preso l’uccello deve uscire,
ma, mi rivolgo, non ci sia sorpresa,
soltanto a chi l’uccello l’ha preso in chiesa!”

Finì la frase e nello stesso istante
le monache s’alzarono tutte quante
e con il volto pieno di rossore
lasciavano la casa del Signore.

“O Santa Vergine!” esclamo il buon prete
“Fatemi la grazia se potete.
Poi senza fare rumore dico, piano piano
s’alzi soltanto chi ha l’uccello in mano!”

Una ragazza che col fidanzato
s’era messa in un angolo appartato
sommessa mormorò con viso smorto
“Che ti dicevo, hai visto? Se n’è accorto!”

O PINTINHO

Era agosto e um pobre pintinho,
ferido por um estilingue de um menininho,
pousou com a asa quebrada
na janela aberta de uma igreja lotada.

Pela cortina do confessionário
entreviu o animal o pároco solidário,
mas pressionado pela urgência,
foi obrigado às pessoas prestar assistência.

Enquanto de joelho alguns ficavam
e os fiéis rezavam,
uma mulher, notando o pintinho,
num ímpeto, o pegou e o colocou entre seus peitinhos.

Certo momento, um gorjeio quebra o silêncio e o padre, nesse ruído minoritário,
abandona as pessoas no confessionário.
Com a cara vermelha, pior do que de um visceral,
sobe no púlpito e diz a todos no local:

“Irmãos! Quem tiver um pintinho, por favor,
que vá embora do templo do Senhor!”
Os homens, um pouco pasmos com tal declaração,
já se preparavam para rua tomar direção,

mas o padre disse sobre erro fatal:
“Esperem” gritou “me expressei mal!
Entrem todos e fiquem a me ouvir,
só quem pegou no pintinho deve sair.”

Com a cabeça baixa e o véu na mão,
devagarzinho, cem mulheres se foram em vão.
E, enquanto iam-se, o padre gritou:
“Errei novamente, entrem todos os filhos amados,
pois não falei aquilo que vocês tinham pensado!

Bom, repito o que havia dito.
Só quem pegou no pintinho daqui deve ser expelido,
mas me dirijo, não sem surpresa,
apenas a quem pegou no pintinho dentro da igreja!”

Quando terminou a frase, naquele mesmo instante,
as freiras se levantaram e seguiram adiante,
e com rosto cheio de rubor
deixavam a casa do Senhor.

“Ó Virgem Maria!” exclamou o bom padre
“Dê-me uma graça, por piedade.
Sem fazer barulho, digo devagarzinho, devagarzinho,
que se vá somente quem na mão está com o pintinho!”

Uma menina com seu namorado
estava em um canto isolado
quando disse calmamente, mas com o rosto assombrado:
“Não te falei, viu? Sabia que ele tinha notado!”

§

ER PORCO E ER SOMARO

Una matina un povero Somaro
Ner vede un Porco amico annà ar macello,
Sbottò in un pianto e disse: – Addio, fratello,
Nun ce vedremo più nun c’è riparo!

– Bisogna esse’ filosofo, bisogna:
– Je disse er Porco – via nun fa’ lo scemo,
Chè forse un giorno ce ritroveremo
In quarche mortatella de Bologna!

O PORCO E O BURRO

Uma manhã, um pobre Burro,
vendo um Porco amigo ao matadouro tomar direção,
estourou em lágrimas e disse: – Adeus, irmão,
não nos veremos mais, não tem zurro!

– Se recomponha, calma, se recomponha
– disse o Porco – não seja ingênuo.
Talvez um dia nos encontraremos
em alguma mortadela de Bolonha!

§

AVARIZZIA

Ho conosciuto un vecchio
ricco, ma avaro: avaro a un punto tale
che guarda li quatrini ne lo specchio
pe’ vede raddoppiato er capitale.

Allora dice: — Quelli li do via
perché ce faccio la beneficenza;
ma questi me li tengo pe’ prudenza… —
E li ripone ne la scrivania.

AVAREZA

Conheci um velho
rico, mas avarento: avarento a ponto tal
que olha o dinheiro no espelho
para ver duplicado o capital.

Então diz: – Aquele dou para alguém
porque o faço por beneficência;
mas fico com este por prudência… –
E na escrivaninha o mantém.

(Trilussa, trad. Daniel Dago)

 

Padrão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s