poesia

Três poemas inéditos de Danilo Augusto

1798695_790864300927095_216693418_n

Danilo Augusto de Athayde Fraga nasceu em Salvador, Bahia, em 1990.

* * *

é preciso ignorância pra ver

é preciso ignorância pra ver
escrevi: apreender a amar a queda
é tarefa mais dura que há
e acertei pelo erro
de uma observância má
pois meu coração dizia:
olha teu desgosto no amor
a impossibilidade de viver
que habita seu cérebro
como saúvas de matéria escura
então escrevia:
consciência inútil de estar caindo…
espelho, espelho meu,
que inteligência é mais singular que eu?
cair, sim. desconstruir. negativar
eu sou a queda. vem a mim, vamos rasgar
o véu cósmico deste deserto existencial
com este verso que desce, abissal
lucífer, prometeu, explosão nuclear, eu dizia
sou singularíssimo
chamar tudo a mim, pra cair
e fazer-se o universo avesso
por causa dum verso, mas veja
que tem a ver poesia e as leis da natureza?
não olhei pra maçã
que, como eu, caia
sem comiseração
assim, o eu como ptolomeu
que fez suas orbes de fixas estrelas
errei e por isso fui capaz de criar
um mundo particular
como uma obra de-arte
onde achava haver um mapa
não era um mapa
mas indicava a beleza
e eu nem pra suspeitar
pois a beleza é como deus
tem que não saber pra acreditar
e nela tudo dança em sua orbita
perfeitamente circular
mas é preciso ignorância
pra que tudo fique em pé;
aprender a cair nós aprendemos
na origem de nosso sistema solar
soubesse eu que tudo cai
e tudo é lugar de cair
havia largado o desejo de revolução pela queda
havia largado meu prazer em morrer
e passado meus dias meditando até levitar
havia vasculhado o céu pela estrela de belém
que estaria em algum lugar desta galáxia
transformando hidrogênio em hélio
até o ferro e sabe-se lá que destino
de ser pura sina, puro sinal fantasmal
de um deus a ressuscitar
meu nome é jesus cristo, meu nome é alá, meu nome é brama, meu nome é jeová, meu nome é iamandu, meu nome é
caos primordial, estrela natal
oxalá eu vou ascender
oxalá eu vou transcender
oxalá eu vou ignorar

§

há um mundo embaixo deste mundo

há um mundo embaixo deste mundo
para ver levante o pó
1, 2, 3: você está pronto pra morrer?
digamos que eu vá até aí
e estraçalhe sua jugular
com esta faca que você me deu
vou abrir sua garganta
vou dispor sua cabeça em uma posição muito singular
você nunca viu seus pés assim
olha como eles estão engraçados
já comecei a amputá-los
e dispô-los ao seu lado
este é seu pé esquerdo
está é sua perna direita
não, não tem mais como estancar
do seu umbigo pra baixo está uma bagunça só
e sua garganta tá pulsando bem devagar
você já está no ponto de morrer?
pisque duas vezes, 1, 2
levante o pó pregado à sua alma
uma galinha é toda uma alma que pulsa
um pulsar é um tipo de estrela que já morreu
e faz tic tac
tic
sua alma precisa de um banho no espaço universal
tac
interplanetário é aquilo que está entre a terra e marte
entre marte e saturno ou marte e uranos
interestelar é aquilo que foi além do vento solar
intergaláctico é aquilo que já está tão lá
que sei lá, são milhões ou bilhões de anos
pra se acenar um tchau
a relatividade nos diz que
aquilo que aconteceu há um segundo atrás
está a mais de 300 mil quilômetros de nós
leia novamente o verso anterior
você já desceu aos confins tão rápido assim?
quando você morrer daqui a um segundo
sua alma estará chegando à lua
falta pouco mais de oito minutos pro sol
qualquer coisa fora do sistema solar
pode ser um destino um pouco tedioso
mesmo para uma alma super-c
se você não escolher um destino bem escolhido
todo universo vai esfriar antes de você chegar
e tudo vai estar tão distante de qualquer coisa
que seu único amigo será um buraco negro
evaporando devagar
mais devagar que um sopro escavando uma montanha
mais devagar que seu filho contando os grãos de areia do planeta terra
e você, o único espectador
você está pronto pra esperar?

§

eu sou pó

eu sou pó
não quero poder ser nada
sou pó das estrelas
essa metáfora
de descrença dependurada
quão terrível seria morrer?
pior, igual a viver?
sou pó das estrelas e essa metáfora
é mais real
que meu nome, minha história,
minha descendência
mais real que este pó e esta estrela
eu quis as mil vidas
seria igual a esta vida
vezes mil vezes mais?
se eu pudesse viver pra sempre
se eu pudesse morrer agora
seria mais fácil escolher
isso que eu não sei o que é

Padrão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s