Uncategorized

Ray Cruz

img-20160718-wa0006

Ray Cruz sobrevive na periferia da periferia de Brasília: Cidade Ocidental.
Em 2006 participou da micro antologia escolar Veias de Poeta.
Filho adotivo da Iluzine. Posta seus poemas em sua página no facebook RayMund&Cia.
Amante de amendoim japonês, paratudo ou café com qualquer coisa e abraços súbitos.

* * *

direitos humanos

nas filipinas
o presidente
aconselha
as vítimas
a atearem
fogo nas
casas dos
traficantes
aqui eu ganho
comprimidos
do governo
pra ser um
pouco menos
infeliz e inútil
lá quem não
deve não teme
aqui temer é
mais inevitável
que paralisia do sono
nunca faço a cama
em que me deito
só como o que não
planto
mês que vem
digo que paro
de beber
ano que vem
prometo que
paro de fumar
cinco minutos atrás
começei a esconder
toda roupa suja
embaixo do tapete
já joguei o ventilador
na merda deles
puxei a descarga
&
amanhã vou enviar
o último mandato
de busca e apreensão
para o meu próprio perdão.

§

espionando absurdos alheios

quando
eu não estou
entediado fico seguindo
as pessoas na rua
até elas se esconderem
ou eu achar um lugar
confortável pra rir delas
plantando bananeira.

§

último desejo

quando eu morrer
se minha família
me ignorar tanto
quanto ignora em vida

não doando meus orgãos
não cremando o que restar
nem lançando minhas
cinzas na privada

se eu for enterrado
não como indigente
que sempre fui em
nosso exílio de cada dia

imploro que meus amigos
e conhecidos enforquem
cartazes em minha
lápide, cruz ou gaveta
com epitáfios provisórios

repletos de absurdo
e sinceridade
e se estiverem com preguiça
ou morarem longe demais
escrevam na seda de seus
baseados e fumem minha
memória
e se pararem de fumar
enfiem esses epitáfios em envelopes
e abandonem nas caixinhas de correios
de qualquer igreja.

§

comprei 2kg de arroz
com meus últimos
sete golpes.
inclusive
o único
golpe
que eu
guardava
no pescoço
e com os cinco
golpes que roubei
da minha mãe no dia
que levei meu irmão no
hospital psiquiatrico e ainda
faltaram cinco centavos que pedi
pra senhora gentil do brechó da rua
atrás do supermercado Primavera
algumas horas atrás quando
eu comprei 2kg de arroz
com meus únicos sete golpes.

Padrão

5 comentários sobre “Ray Cruz

  1. kleber carvalho disse:

    Ray Cruz,anda nos presenteando com sua poesia cada vez mais bela e honesta.Sinto um prazer enorme em lê-lo.A clareza da sua palavra me enche a visão e me faz sentir sua poética da PERIFERIA DA PERIFERIA.

  2. Tania Traldi disse:

    Você é ótimo. Sou sua maior fã. Gosto do cunho social que deposita em suas escritas. Tania Traldi
    Obrigada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s