poesia

Método Didoico, de Ricardo Domeneck

15578559_10154187797806814_4211601505264557454_n

manual para melodrama é o mais recente livro de ricardo domeneck, publicado pela editora 7letras, fazendo par com o também recente re-lançamento de cigarros na cama (poesia), pela luna parque. manual para melodrama é a primeira publicação em prosa do autor. uma parte deste livro, a primeira parte de “como reagir ao ser abandonado e substituído”, já foi publicado no suplemento pernambuco. trazemos agora a segunda parte, o “método didoico”, originalmente publicado como “método didoísta”.

 

sergio maciel

* * *

Como reagir ao ser abandonado e substituído
II – Método Didoico.

Eis aqui o Método Didoico, assim chamado pela honorária desta cadeira do dragão, Dido. Trata-se de um método com práticas e consequências diametralmente opostas às do Método Medeico: se a dramática medeica privilegia verbos de ação transitivos e diretos (como, por exemplo, matar e punir), a dramática didoica pode até usar os mesmos verbos, mas apenas reflexivos, e tende a privilegiar os intransitivos (como, por exemplo, sofrer e morrer). Para familiarizar-se com o nosso arquétipo nesta difícil arte que é a drama queenliness, recomenda-se a ópera de Henry Purcell, Dido and Aeneas (1688). Deve-se informar também que o Método Didoico parece ser mais popular e disseminado que o Método Medeico, mas não temos estatísticas oficiais para embasar esta opinião. Questão de costumes. Como cine-ilustração, escolhemos, entre várias possibilidades, prestigiar um exemplo nacional.

Como reagir ao ser abandonado e substituído: Método Didoico

Lição prática e ilustrativa de Geni, prostituta, esposa e madrasta-amante. Recomenda-se aqui ao estudante procurar a peça de Nelson Rodrigues, Toda nudez será castigada (1965), ou contemplar Darlene Glória no papel da personagem principal na filmagem de 1973 por Arnaldo Jabor para a peça.

II – Método Didoico.

§ – Se ele não mais aprecia a sua anatomia, que não reste em suas próprias entranhas órgão sobre órgão.

§ – Quando o olfato dele cansar-se inconsciente do seu cheiro e em seus receptáculos nervosos você passar de chaminé do aroma a fedor em exaustão, não há Chanel Nº 5 miraculoso bastante para salvá-la da solidão.

§ – Seus feromônios deserdaram, esta guerra você já perdeu. Puta que sofre putsch.

§ – Não há rodeios, pensando em você inventou-se o Mea Maxima Culpa, agora feche os seus punhos e leve-os repetidas vezes contra o peito a 50 km/h.

§ – Desabe e desmorone sem incomodá-lo com a poeira dos seus escombros.

§ – Peça a ele que a perdoe porque ele perde o apetite quando aparece você ao acaso, seus restos expostos nos restaurantes a quilo.

§ – Ele deixou de tocá-la porque sob as mãos dele você está já em rigor mortis, falta apenas completar o ciclo, deite-se e apodreça.

§ – Não, não se sobrevive a isso, subexiste-se.

§ – A você a concordata sempre, nunca o litígio.

§ – Finja que nesta loteria a perda é o maior dos prêmios, celebre o seu celeiro vazio em plena era das magras vacas.

§ – Só agora você entende aquele título, Perdoa-me por me traíres, que a aterrorizara por anos sem motivo aparente, e sorri então amarelíssimo.

§ – Você é uma cárie, pior que certa Carrie, a estranha, a esnobada no baile, sem obturações nem poderes paranormais para vingar-se, esvaindo-se em sangue menstrual pelos meses dos meses, seus ovos calados e não galados.

§ – É você o bode expiatório de si mesma.

§ – Em seu caso, SOS torna-se uma sigla para Save Our Sows, leitoa náufraga.

§ – Imolar-se para não o amolar.

§ – To beg or not to beg, that is the question.

§ – Na ausência dele, será obrigada a recorrer eternamente à manobra de Valsalva.

§ – Agora você sabe que nasceu para pedir desculpas, dar licença, desestorvar. Não ajudar e não atrapalhar.

§ – Cavalo dado, cavalo devolvido.

§ – Aos amigos impertinentes, diga: “Sou destas muletas que só dizem sim.”

§ – Contemple as substitutas recorrentes do seu emprego temporário, estagiária dos hormônios.

§ – Por algum tempo você convenceu-se que desta vez venceria, mas não é sequer Napoleão no inverno russo, você é a Lia de um Jacó disposto a trabalhar quatorze anos por Raquel.

§ – Queime-se na fogueira, extinção completa para deixar menos restos e sujeira que ele tenha que limpar, varrer.

§ – Vá agora feito pó apaixonado e sirva de fertilizante para ervas daninhas.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s