poesia

3 poemas inéditos de Danilo Augusto

Danilo Augusto nasceu em Salvador, em 1990, e é autor dos livros Poemas, Zumbi e Begginner. Esses três poemas fazem parte de Estar na grama, ainda não lançado.

* * *

A mais estranha coisa
É haver leis
Na natureza
E podermos pô-las
Em uma folha

Se leis não houvesse?
Ou se não pudéssemos vê-las?
Seria como meu espirito
A natureza?

Quem inventará
A matemática
De uma alma?

E, depois,
Onde escrevê-la?

§

Você se deita comigo esta noite?
Quero apenas dormir de conchinha
Como imagino que deus se deita com o universo

Meu corpo, ele é tão engraçado
Nem vi de onde veio
E esse desejo de amar
Não é que tenha opção

Eu preciso da ajuda Deus
Só ele tem algo a ver comigo
Mas se você me beijasse essa noite
Como uma bomba sob um rio…
Poderia ser algo bom

Desliga o celular, tenho algo pra dizer
Deixa eu encher suas mãos
Porque a única coisa que sobrou foi eu mesmo
Afinal, não era eu
A brisa? as bolhas na correnteza?
Ah… não era não?

Apenas me diz
Como eu tiro este nascer do sol de dentro mim?
São seis da tarde, o ônibus vai sair
Nós confiamos tanto, não foi?
Se bem que não tanto assim

§

eu amei o meu filho, e daí?
você amou o seu. hoje, fechemos a conta.
quanto dá?

deus, esquece felicidade e verdade,
quero apenas tocar em sua barba de estrelas
guarda a máquina do mundo em outra sala
chegou o dia na agenda pra danilo fraga
eu rimo pra você, pra quem mais?

olha, pai, mãe, vocês são tão inocentes quanto eu
mas quanto amor não nasceu para que pudéssemos nos criar uns aos outros?
quanta história inata. hoje, fechemos a conta
quem vai pagar?

respirar é uma oração
mas eu tapo boca e nariz
como eu posso conhecer mais que o cão que matei
a relva sobre meus pés ou o ar seguindo para uma região de menor densidade?

a poesia é como um filho que criamos
o maior orgulho de se estar vivo
mas de onde vem esse orgulho senão da ironia de seu jogo?
senta comigo à mesa, me dá os dados pelo menos uma vez.

Anúncios
Padrão