poesia, tradução

Don Juan de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini, pt. 1

Ford Madox Brown, “The Finding of Don Juan by Haidee”, 1878.

O melhor Canto do Don Juan de Byron

à beira do bicentenário de Don Juan

 

Byron considerava este Canto “muito decente”, e também algo dull, “monótono”. Porém até seus desafetos reconheciam ser aqui um dos seus pontos culminantes. O poeta S. T. Coleridge, merecedor de vária sátira na obra byroniana, é quem diz (dias após a morte de Byron, em 1824) ser a “melhor” coisa, isto é, a mais “individual”, da mesma.

O genial Canto III teve inclusive trechos traduzidos para o português por Augusto de Campos e Décio Pignatari. Alfim da tradução aqui apresentada estarão alguns comentários sobre eles, à guisa de posfácio.

O jovem Don Juan, metido num adultério, forçado a viajar (Canto I), vira náufrago, envolve-se em cenas de canibalismo e, único sobrevivente, é achado por Haidée, princesa de uma ilha, que se apaixona por ele (Canto II). O pai de Haidée era um pirata que, sumido há tempos, fora dado por morto (mas tal gente nunca morre). E narra-se no Canto III a volta a casa de Lambro. Sátira da Odisseia.

Entretanto, o principal personagem desse épico satírico é o próprio narrador, e as principais aventuras são da ideia, alusões (cita Shakespeare, Butler etc), tiradas retóricas e humorísticas (sua ex-mulher é a “musa dos paralelogramos”, mãe de Ada Lovelace (madrinha da computação)) e descrições pictóricas. Nas estrofes a seguir o narrador divaga sobre o amor e o casamento com crueza cética, passando à narração da volta de Lambro e à descrição dos costumes gregos, que Byron vivenciara em viagens.

A tradução foi feita na mesma forma estrófica do original, a oitava rima, buscando traduzir a maior parte da carga semântica com efeitos rímicos e enjambements. Pentâmetros iâmbicos foram traduzidos em decassílabos que, às vezes, possuem tônicas em ritmo iâmbico, como no último verso da primeira estrofe, ou na terceira estrofe, entre outras.

Lucas Zaparolli de Augustini

* * *

 CANTO THE THIRD

I.
HAIL, Muse! et cetera.—We left Juan sleeping,
Pillowed upon a fair and happy breast,
And watched by eyes that never yet knew weeping,
And loved by a young heart, too deeply blest
To feel the poison through her spirit creeping,
Or know who rested there, a foe to rest,
Had soiled the current of her sinless years,
And turned her pure heart’s purest blood to tears!

II.
Oh, Love! what is it in this world of ours
Which makes it fatal to be loved? Ah why
With cypress branches hast thou wreathed thy bowers,
And made thy best interpreter a sigh?
As those who dote on odours pluck the flowers,
And place them on their breast—but place to die—
Thus the frail beings we would fondly cherish
Are laid within our bosoms but to perish.

III.
In her first passion Woman loves her lover,
In all the others all she loves is Love,
Which grows a habit she can ne’er get over,
And fits her loosely—like an easy glove,
As you may find, whene’er you like to prove her:
One man alone at first her heart can move;
She then prefers him in the plural number,
Not finding that the additions much encumber.

IV.
I know not if the fault be men’s or theirs;
But one thing’s pretty sure; a woman planted
(Unless at once she plunge for life in prayers)—
After a decent time must be gallanted;
Although, no doubt, her first of love affairs
Is that to which her heart is wholly granted;
Yet there are some, they say, who have had none,
But those who have ne’er end with only one.

V.
‘T is melancholy, and a fearful sign
Of human frailty, folly, also crime,
That Love and Marriage rarely can combine,
Although they both are born in the same clime;
Marriage from Love, like vinegar from wine—
A sad, sour, sober beverage—by Time
Is sharpened from its high celestial flavour
Down to a very homely household savour.

VI.
There’s something of antipathy, as ‘t were,
Between their present and their future state;
A kind of flattery that’s hardly fair
Is used until the truth arrives too late—
Yet what can people do, except despair?
The same things change their names at such a rate;
For instance—Passion in a lover’s glorious,
But in a husband is pronounced uxorious.

VII.
Men grow ashamed of being so very fond;
They sometimes also get a little tired
(But that, of course, is rare), and then despond:
The same things cannot always be admired,
Yet ‘t is “so nominated in the bond,”
That both are tied till one shall have expired.
Sad thought! to lose the spouse that was adorning
Our days, and put one’s servants into mourning.

VIII.
There’s doubtless something in domestic doings
Which forms, in fact, true Love’s antithesis;
Romances paint at full length people’s wooings,
But only give a bust of marriages;
For no one cares for matrimonial cooings,
There’s nothing wrong in a connubial kiss:
Think you, if Laura had been Petrarch’s wife,
He would have written sonnets all his life?

IX.
All tragedies are finished by a death,
All comedies are ended by a marriage;
The future states of both are left to faith,
For authors fear description might disparage
The worlds to come of both, or fall beneath,
And then both worlds would punish their miscarriage;
So leaving each their priest and prayer-book ready,
They say no more of Death or of the Lady.

X.
The only two that in my recollection,
Have sung of Heaven and Hell, or marriage, are
Dante and Milton, and of both the affection
Was hapless in their nuptials, for some bar
Of fault or temper ruined the connection
(Such things, in fact, it don’t ask much to mar);
But Dante’s Beatrice and Milton’s Eve
Were not drawn from their spouses, you conceive.

XI.
Some persons say that Dante meant Theology
By Beatrice, and not a mistress — I,
Although my opinion may require apology,
Deem this a commentator’s phantasy,
Unless indeed it was from his own knowledge he
Decided thus, and showed good reason why;
I think that Dante’s more abstruse ecstatics
Meant to personify the Mathematics.

XII.
Haidée and Juan were not married, but
The fault was theirs, not mine: it is not fair,
Chaste reader, then, in any way to put
The blame on me, unless you wish they were;
Then if you’d have them wedded, please to shut
The book which treats of this erroneous pair,
Before the consequences grow too awful;
‘T is dangerous to read of loves unlawful.

XIII.
Yet they were happy,—happy in the illicit
Indulgence of their innocent desires;
But more imprudent grown with every visit,
Haidée forgot the island was her Sire’s;
When we have what we like ‘t is hard to miss it,
At least in the beginning, ere one tires;
Thus she came often, not a moment losing,
Whilst her piratical papa was cruising.

XIV.
Let not his mode of raising cash seem strange,
Although he fleeced the flags of every nation,
For into a Prime Minister but change
His title, and ‘t is nothing but taxation;
But he, more modest, took an humbler range
Of Life, and in an honester vocation
Pursued o’er the high seas his watery journey,
And merely practised as a sea-attorney.

XV.
The good old gentleman had been detained
By winds and waves, and some important captures;
And, in the hope of more, at sea remained,
Although a squall or two had damped his raptures,
By swamping one of the prizes; he had chained
His prisoners, dividing them like chapters
In numbered lots; they all had cuffs and collars,
And averaged each from ten to a hundred dollars.

XVI.
Some he disposed of off Cape Matapan,
Among his friends the Mainots; some he sold
To his Tunis correspondents, save one man
Tossed overboard unsaleable (being old);
The rest—save here and there some richer one,
Reserved for future ransom—in the hold,
Were linked alike, as, for the common people, he
Had a large order from the Dey of Tripoli.

XVII.
The merchandise was served in the same way,
Pieced out for different marts in the Levant,
Except some certain portions of the prey,
Light classic articles of female want,
French stuffs, lace, tweezers, toothpicks, teapot, tray,
Guitars and castanets from Alicant,
All which selected from the spoil he gathers,
Robbed for his daughter by the best of fathers.

XVIII.
A monkey, a Dutch mastiff, a mackaw,
Two parrots, with a Persian cat and kittens,
He chose from several animals he saw —
A terrier, too, which once had been a Briton’s,
Who dying on the coast of Ithaca,
The peasants gave the poor dumb thing a pittance:
These to secure in this strong blowing weather,
He caged in one huge hamper altogether.

XIX.
Then, having settled his marine affairs,
Despatching single cruisers here and there,
His vessel having need of some repairs,
He shaped his course to where his daughter fair
Continued still her hospitable cares;
But that part of the coast being shoal and bare,
And rough with reefs which ran out many a mile,
His port lay on the other side o’ the isle.

XX.
And there he went ashore without delay,
Having no custom-house nor quarantine
To ask him awkward questions on the way,
About the time and place where he had been:
He left his ship to be hove down next day,
With orders to the people to careen;
So that all hands were busy beyond measure,
In getting out goods, ballast, guns, and treasure.

XXI.
Arriving at the summit of a hill
Which overlooked the white walls of his home,
He stopped.—What singular emotions fill
Their bosoms who have been induced to roam!
With fluttering doubts if all be well or ill—
With love for many, and with fears for some;
All feelings which o’erleap the years long lost,
And bring our hearts back to their starting-post.

XXII.
The approach of home to husbands and to sires,
After long travelling by land or water,
Most naturally some small doubt inspires —
A female family’s a serious matter,
(None trusts the sex more, or so much admires —
But they hate flattery, so I never flatter);
Wives in their husbands’ absences grow subtler,
And daughters sometimes run off with the butler.

XXIII.
An honest gentleman at his return
May not have the good fortune of Ulysses;
Not all lone matrons for their husbands mourn,
Or show the same dislike to suitors’ kisses;
The odds are that he finds a handsome urn
To his memory—and two or three young misses
Born to some friend, who holds his wife and riches—
And that his Argus—bites him by the breeches.

XXIV.
If single, probably his plighted Fair
Has in his absence wedded some rich miser;
But all the better, for the happy pair
May quarrel, and, the lady growing wiser,
He may resume his amatory care
As cavalier servente, or despise her;
And that his sorrow may not be a dumb one,
Writes odes on the Inconstancy of Woman.

XXV.
And oh! ye gentlemen who have already
Some chaste liaison of the kind—I mean
An honest friendship with a married lady—
The only thing of this sort ever seen
To last—of all connections the most steady,
And the true Hymen, (the first’s but a screen)—
Yet, for all that, keep not too long away—
I’ve known the absent wronged four times a day.

XXVI.
Lambro, our sea-solicitor, who had
Much less experience of dry land than Ocean,
On seeing his own chimney-smoke, felt glad;
But not knowing metaphysics, had no notion
Of the true reason of his not being sad,
Or that of any other strong emotion;
He loved his child, and would have wept the loss of her,
But knew the cause no more than a philosopher.

XXVII.
He saw his white walls shining in the sun,
His garden trees all shadowy and green;
He heard his rivulet’s light bubbling run,
The distant dog-bark; and perceived between
The umbrage of the wood, so cool and dun,
The moving figures, and the sparkling sheen
Of arms (in the East all arm)—and various dyes
Of coloured garbs, as bright as butterflies.

XXVIII.
And as the spot where they appear he nears,
Surprised at these unwonted signs of idling,
He hears—alas! no music of the spheres,
But an unhallowed, earthly sound of fiddling!
A melody which made him doubt his ears,
The cause being past his guessing or unriddling;
A pipe, too, and a drum, and shortly after—
A most unoriental roar of laughter.

XXIX.
And still more nearly to the place advancing,
Descending rather quickly the declivity,
Through the waved branches o’er the greensward glancing,
‘Midst other indications of festivity,
Seeing a troop of his domestics dancing
Like Dervises, who turn as on a pivot, he
Perceived it was the Pyrrhic dance so martial,
To which the Levantines are very partial.

XXX.
And further on a troop of Grecian girls,
The first and tallest her white kerchief waving,
Were strung together like a row of pearls,
Linked hand in hand, and dancing; each too having
Down her white neck long floating auburn curls—
(The least of which would set ten poets raving);
Their leader sang—and bounded to her song
With choral step and voice the virgin throng.

XXXI.
And here, assembled cross-legged round their trays,
Small social parties just begun to dine;
Pilaus and meats of all sorts met the gaze,
And flasks of Samian and of Chian wine,
And sherbet cooling in the porous vase;
Above them their dessert grew on its vine;—
The orange and pomegranate nodding o’er,
Dropped in their laps, scarce plucked, their mellow store.

XXXII.
A band of children, round a snow-white ram,
There wreathe his venerable horns with flowers;
While peaceful as if still an unweaned lamb,
The patriarch of the flock all gently cowers
His sober head, majestically tame,
Or eats from out the palm, or playful lowers
His brow, as if in act to butt, and then
Yielding to their small hands, draws back again.

XXXIII.
Their classical profiles, and glittering dresses,
Their large black eyes, and soft seraphic cheeks,
Crimson as cleft pomegranates, their long tresses,
The gesture which enchants, the eye that speaks,
The innocence which happy childhood blesses,
Made quite a picture of these little Greeks;
So that the philosophical beholder
Sighed for their sakes—that they should e’er grow older.

XXXIV.
Afar, a dwarf buffoon stood telling tales
To a sedate grey circle of old smokers,
Of secret treasures found in hidden vales,
Of wonderful replies from Arab jokers,
Of charms to make good gold and cure bad ails,
Of rocks bewitched that open to the knockers,
Of magic ladies who, by one sole act,
Transformed their lords to beasts (but that’s a fact).

XXXV.
Here was no lack of innocent diversion
For the imagination or the senses,
Song, dance, wine, music, stories from the Persian,
All pretty pastimes in which no offence is;
But Lambro saw all these things with aversion,
Perceiving in his absence such expenses,
Dreading that climax of all human ills,
The inflammation of his weekly bills.

XXXVI.
Ah! what is man? what perils still environ
The happiest mortals even after dinner!
A day of gold from out an age of iron
Is all that Life allows the luckiest sinner;
Pleasure (whene’er she sings, at least) ‘s a Siren,
That lures, to flay alive, the young beginner;
Lambro’s reception at his people’s banquet
Was such as fire accords to a wet blanket.

CANTO III

I.
Fala, Musa! et cetera. – Juan ficou
No aconchego de um seio belo e feliz,
Visto por olho que jamais chorou,
No amor de um jovem coração, na raiz
Mui santo pra ver vir veneno esguio, ou
Ver que o que odeia a paz lá dorme, quem quis
Ao flux dos puros anos seus pôr mancha,
Pôr pranto em puro sangue de alma mansa.

II.
Oh, Amor! o que há em nosso mundo que toca
E faz fatal ser amado? Ah com cipreste
Em ramos tu revestes tuas tocas,
Fazes do suspiro o melhor intérprete?
Igual quem ama o odor colhe a flor, coloca-a
Em seu peito – só pra que morra – deste
Modo um frágil ser a quem temos carinho
Entra a perecer em nosso peito mesquinho.

III.
Só seu primeiro amado ama-o a Mulher,
Nos outros ela passa a amar o Amor,
Aí é hábito que não pode desprender,
E que cai bem – luva fácil de pôr,
Se pode provar sempre que quiser:
Primeiro o peito a um homem só a dispor;
Depois do que ela gosta é do plural,
Que uma adição enorme não faz mal.

IV.
Não sei se é culpa do homem ou dela é;
Mas bem certo é; uma mulher deixada
(A menos que afunde a vida na fé) –
Após um tempo deve ser cortejada;
Embora, óbvio, o primeiro dos affairs
O peito inteiro ocupe e aí entra mais nada;
Que haja, diz-se, a que não teve nenhum,
Mas a que teve nunca teve só um.

V.
É melancolia, e algo medroso bem
Da fraqueza humana, tolice, e crime,
Que Amor e Casamento não se deem,
Embora ambos nasçam no mesmo clima; e
Casamento, do Amor, vinagre do vinho vem –
Sóbrio, ácido, ruim – o Tempo oprime-
-O do mais alto aroma no céu posto,
A um sabor familiar, simples, sem gosto.

VI.
Há a antipatia, não sei se isto é sincero,
Entre o presente e o futuro estatuto;
Usa-se elogio não tão verdadeiro
Até vir a verdade tarde e muito –
E o que a gente faz, senão desespera? O
Mesmo muda o seu nome em um minuto;
Por exemplo – Paixão no amante é gloriosa,
No marido é comer na mão da esposa.

VII.
Tem vergonha o homem de ser muito quisto; e
Às vezes fica um pouco aborrecido
(Mas isto, claro, é raro), e fica triste:
Jamais se é sempre à mesma coisa atraído,
Mas é “em nome da fiança que existe”
Que dois se unem até que haja um morrido.
Triste ideia! perder o par que faz linda
A vida, e pôr os criados de luto ainda.

VIII.
No doméstico há algo que se afeiçoa,
De fato, à antítese do Amor real;
Romances tratam casos de pessoas,
Só dão de casamentos bustos; mal
Liga alguém pra arrulho de casório, há
Nada errado num beijo conjugal:
Se fosse a esposa de Petrarca Laura,
Faria sonetos toda a vida para?

IX.
Toda tragédia com morte termina,
E finda toda comédia em casório;
O porvir do par fica à própria sina,
Pois os autores temem ser simplórios
Com o mundo do par, ou a que se inclina,
E é este mundo que pune seus imbróglios;
Deixando-o ao padre e ao pronto livro de ora-
Ções, nada dizem da Morte ou a Senhora .

X.
Que eu lembre, apenas dois possuem canção
Ao Céu e ao Inferno, ou casamento: Dante
E Milton, ambos com péssima afeição
Às núpcias, pois erro ou algo conflitante
No temperamento arruinou a união
(O que, de fato, não requer bastante);
Mas a Beatriz de Dante e a Eva de Milton
Não são inspiradas na esposa, admito.

XI.
Dizem que Dante via a Teologia
Em Beatriz, não uma amante – eu, conquanto
Julguem que faço alguma apologia,
Vejo um comentador num sonho e tanto,
A menos que só a sua sabedoria
Decidiu, e comprovou então; no entanto,
Eu acho que a dantesca abstração extática
É a personificação da Matemática.

XII.
Haidée e Juan não se casaram, porém
Azar o deles, não o meu: não é doce,
Casto leitor, então, culpa pôr em
Mim, a menos que queira que eles fossem;
Se casado os queria, por favor, tem
Que fechar o livro do par no erro, se-
Não o efeito terrível será explícito;
É perigoso ler de amor ilícito.

XIII.
E eram felizes, – na indulgência dita
Proibida do inocente desejo, uai;
Mais imprudente vai cada visita,
Haidée esquece que a ilha é de seu Pai;
Perder o que se gosta é coisa aflita,
Ao menos de início, até que um canse; sai
Sempre Haidée assim, toda chance usa,
Enquanto o pai pirata os mares cruza.

XIV.
É estranha forma de ganhar um cash, a
Roubar bandeira de qualquer nação;
De primeiro-ministro só não se acha
O título, além, sim, da tributação;
Mas ele, mais modesto, humilde faixa
Da Vida toma, e a honesta vocação
Segue em alto-mar seu aquoso caminho,
Algo como um advogado-marinho.

XV.
O bom senhor havia sido pego
Por onda, vento, e presa que mui val’;
E, esperançoso a mais, quedou no pego,
Minando o ânimo um ou outro temporal,
Pondo a pique uma presa; ele, não nego,
Seus presos acorrenta em lote igual,
Numerados; com correntes, colares,
Cada um em média de dez a cem dólares.

XVI.
No cabo Matapão dispôs uns para
Seus amigos maniotas; uns vendeu
Ao correspondente de Túnis, só um cara
Lançou-se ao mar sem venda (era um velho); e o
Resto – um ou outro mais rico, reservara-
-Se a posterior resgate – se prendeu
Junto no porão; aos de comum tipo, ali,
Havia grande demanda ao Dei de Trípoli.

XVII.
O material foi servido igual, pelas
Mais diferentes vendas do Levante,
Salvo porções da presa, que são elas
Clássico artigo de mulher, bastante
Coisa da França, pinças, laços, tigelas,
Guitarras, castanholas de Alicante,
Tudo escolhido que do espólio vai
Roubado à filha pelo melhor pai.

XVIII.
Um macaco, um mastim da Holanda, a arara,
Dois papagaios, e um gato persa e a cria,
Ele escolheu dos animais que olhara –
Um terrier, também, de um Bretão que havia
Morrido em Ítaca, e que ele comprara
Dos camponeses por mor ninharia:
Pra prendê-los no temporal que expande,
Pôs tudo junto num balaio grande.

XIX.
Daí, tendo acertado o assunto marinho,
Despachou barcos de ida e de vinda,
Seu navio carecendo algum alinho,
Mudou seu curso pra onde a filha linda
Segue em seu hospitaleiro carinho;
Mas na parte da praia aberta, e rasa ainda,
Áspera em recife por muitas milhas,
A porta de casa é do outro lado da ilha.

XX.
Ele desembarcou ali depressa,
Alfândega não tendo, ou quarentena
Pra que com questões chatas lhe aborreça,
O modo, o tempo, o lugar que esteve: e na
Manhã já deixou de ponta cabeça
Sua nau, com ordens de fazer querena;
Assim ocupadas mãos pra além da conta,
Daí tesouro, armas, lastro e bens desmontam.

XXI.
Quando chegou ao cume da montanha
Vendo as paredes brancas de seu lar,
Parou. – Cheio de uma emoção estranha
Seu coração forçado a viajar!
Está bem, mal está, a dúvida o assanha –
Por muitos amor, por outros recear;
Sentimentos que esquecem a vida ida,
E trazem o peito ao ponto de partida.

XXII.
Volta à casa a esposo ou pai que partira,
Depois de viagem longa em terra ou mar,
Alguma dúvida de certo inspira –
Mulher da família há que preocupar,
(Ninguém confia mais no sexo, ou o admira –
E odeiam bajular, não vou bajular);
Sem o esposo a esposa é mais sutil, como
Filhas que às vezes fogem com mordomo.

XXIII.
Nem sempre homem bom tem a boa fortuna
Que Ulisses na volta a casa sua usa;
Nem toda viúva fica soturna,
Ou beijo de pretendente recusa;
As chances são que encontre uma bela urna
À sua memória – e duas, três filhas aí inclusas
Do amigo, que está com esposa e fundos –
E que seu Argos – morda-lhe os fundos.

XXIV.
Se solteiro, sua Linda já achará
Casada em sua ausência com rico avaro;
O bom é que a feliz dupla poderá
Brigar, ela, com talento e preparo,
Ele o caso de amor terminará
Qual cavalier servente , ou a desprezá-la; o
Seu pesar feito idiota assim não pode, e
Aí à Inconstância Feminina fará odes.

XXV.
E oh! vós senhores que já possuis desta
Casta liaison – que é, com moça bela
Casada uma amizade mui honesta –
Das coisas assim nada existe entre elas
Mais firme – único vínculo que presta,
Real Himeneu (o primeiro é só tela) –
É, então, não fique muito fora – que
Tem ausente a errar quatro ao dia, tem, vi.

XXVI.
Lambro, nosso advogado-marinho, tem
Mais prática no Oceano que no chão,
Viu o fogo da lareira e ficou bem;
Não tinha metafísica, ou noção
Da razão de não ser triste também,
Ou de qualquer outra forte emoção;
Ama a filha, sua perda choraria,
E igual filósofo a causa não sabia.

XXVII.
Via seus brancos portais ao sol brilhando,
As árvores no jardim, umbrosas, verdes;
Ouvia seu suave riacho borbulhando,
Um cão latindo ao longe; já por ver de
Entre o escuro bosque, frio, marrom, lá andando
Umas figuras, faíscas ao mover de
Armas (no Oriente tudo é arma) – e as mil cores
Das vestes, com da borboleta os fulgores.

XXVIII.
Quando mais próximo ao local viera,
E indício de ócio tal surpreso viu,
Ouviu – ah! não música das esferas ,
Mas mundano som de violão vadio!
Melodia que a audição descrer fizera,
E a causa já além do acho e do alvedrio;
E uma flauta, e um tambor também, daí soa –
O riso menos oriental e ecoa.

XXIX.
Aí pra mais perto do lugar avança,
Descendo lesto um inclinado trecho,
Olhando através da erva que balança,
Entre outros sinais de festa, perplexo,
Vê um bando dos de casa que ali dançam
Como Dervixes, girando em seu eixo,
Mas era a dança pírrica , marcial,
A qual o Levantino é bem parcial.

XXX.
E adiante um grupo de mocinhas gregas,
A mais alta à frente agita o alvo lenço,
Como colar de pérolas se agregam,
Mão com mão, dançam; fulvos cachos pensos
Que por alvos pescoços escorregam –
(Uma só poria dez poetas sem senso);
A líder canta – e o pé e a voz dirigem
Junto o coro daquele bando virgem.

XXXI.
Cá, de perna cruzada em volta aos potes,
Outro estrato social passa a jantar;
Pilaus e carnes veem-se a toda sorte,
Frascos de vinho Sâmio e Quio, e a gelar
O sorvete em poroso vaso; note
Que em cima cresce a vinha no pomar; –
A laranja e a romã que pendem sobre,
Ao toque, e com dulçor, seus colos cobrem.

XXXII.
Em torno a um carneiro branco como a neve,
Crianças trazem flores para pôr nos
Chifres; qual cordeiro que inda mamar deve,
O patriarca da lã, calmo, os seus cornos
Baixa esplendidamente manso, e esteve
A comer de uma palma, e ora desce o adorno
Da fronte em galhofeiro ataque, aí,
Rendendo-se às mãozinhas, volta a si.

XXXIII.
E o perfil clássico, a veste que luz lança,
O grande olho escuro, sua angélica cútis,
Aberta romã rubra, e as longas tranças,
Gesto que encanta, e o olhar que repercute,
E a inocência que benze a alegre infância,
Destes greguinhos um retrato incute;
Pra que o observador filósofo ao vê-los
Suspire por eles – em breve velhos.

XXXIV.
Longe, um bufo anão causos narrava-lhes,
Aos velhos sedados ao redor fumantes,
De ocultos bens em escondidos vales,
De palhaços da Arábia em shows brilhantes,
De como fazer ouro e curar males,
De quem bate e abre pedras com encanto, e
De moças magas que, com um só ato,
Fazem de esposos bestas (isto é fato).

XXXV.
Lá havia inocentes diversões diversas
Pra imaginação e sentidos, música,
Canto, dança, vinho, histórias persas,
Passatempos de forma alegre e justa;
Mas tais coisas a Lambro eram avessas,
Da sua ausência já vira o quanto custa,
Receando que o ápice da ruína humana
Seja a inflação nas contas da semana.

XXXVI.
Ah! que é o homem? que perigo permeia
Os mais felizes já após que a janta aprovem!
Um dia de ouro na idade do ferro, eis aí
Tudo que a Vida ao pecador ditoso move;
Prazer (o que quer que cante) é Sereia,
Que atrai, pra esfolar vivo, o ingênuo jovem;
Ao banquete da gente Lambro logo
Foi cobertor molhado sobre o fogo.

(Continua)

§

Posfácio

Trechos deste Canto foram traduzidos por João Vieira, em prosa; por Décio Pignatari e mais recentemente por Augusto de Campos (2009).

Os concretos traduziram (Campos diz “tecnomediunizou”) os pêntametros byronianos em decassílabos. A forma estrófica foi mantida praticamente idêntica.

Pignatari traduziu cerca de cinco trechos, e somente duas estrofes completas. Da segunda estrofe traduziu apenas quatro versos, alterando a disposição das rimas, usando dessas em or e ar, e acolhendo, de certo modo, só o epigrama que a oitava continha:

Amantes de perfumes colhem flores
E abrigam-nas no seio (mau lugar).
Assim pomos no peito alguns amores
– E este é o lugar mais tumular.
(Pignatari, 2007, p. 198).

Campos traduziu duas estrofes completas das quase cem do Canto III. A primeira e a última. Na primeira o make it new poundiano, isto é, a tecnomediunização, foi ousada, vertendo gerúndio por gerúndio:

Ó Musa, et cetera. Deixei dormindo
Juan no seio do mais suave leito
Sob um olhar que só viveu sorrindo,
E amado por alguém tão sem defeito
Que não sabe o veneno que vem vindo
Para tomar-lhe a alma. No seu peito
Ela pusera um malfeitor, enquanto
Seu coração ia do sangue ao pranto.
(Campos, 2009, p. 47).

§

Bibliografia

AGUSTINI, Lucas de Lacerda Zaparolli de. Don Juan de Lord Byron: estudo descritivo das traduções, tradução, comentários e notas. 2015. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8160/tde-01032016-161149/&gt;. Acesso em: 2017-03-01.

BYRON, George Gordon. Don Juan. Edited by T. G. Steffan, E. Steffan e W. W. Pratt. England: Penguin Classics, 1996.

CAMPOS, Augusto de. Entreversos – Byron e Keats. São Paulo: Editora Unicamp, 2009.

PIGNATARI, Décio. 31 Poetas 214 Poemas – Do Rigveda e Safo a Apollinaire. São Paulo: Ed. Unicamp, 2007.

* * *

Lucas Zaparolli de Agustini é bacharel em latim e pós-graduando em Tradução (USP). Seu primeiro livro de poemas, Pelo Andar do Dia, está engatilhado. Canto no Pântano está por vir… Publicou independentemente as Obras Completas de Delmira Agustini.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s