poesia

Regina Azevedo: 2 poemas inéditos + 2

regiss

Regina Azevedo é uma poeta brasileira nascida em Natal – RN em 2000. Autora dos livros Das vezes que morri em você, Por isso eu amo em azul intenso e Pirueta.
Mais: www.reginazvdo.tumblr.com

***

TEMPO

quando você chegou
tirei o relógio do braço
pois saber a hora através
dos seus olhos
semicerrados
do seu corpo
semiaberto
da sua fala
seminua
era como tentar
um trava-língua
um enigma
uma senha
e aprender o idioma
do seu corpo
levou tempo
por exemplo
você sabia que existe
um relógio que se baseia
nas propriedades do átomo
existe a ampulheta
que antes foi utilizada
em igrejas
e hoje as crianças
usam em jogos de tabuleiro
e podem manipulá-la
por exemplo
nunca deixando que a areia
pese totalmente para um lado
você imagina
como eu aprendi a domar
o tempo do seu sono
o tempo da seu banho
do seu bocejo
e até evitar
que você abreviasse
a palavra e o beijo
você imagina que hoje eu sei
que nada nesse mundo
é capaz de te fazer ficar
mais fácil seria esconder uma bomba
disparar mísseis
ou investigar o código genético
das libélulas e das lavandas
você sabia que a cada 65 mil anos
perdemos 1 segundo
e a cada cigarro 11 minutos
mesmo se você fosse
um relógio de vela
pra começar
ainda assim seria mais fácil
impedir que o meu cheiro
queimasse o seu corpo
e consequentemente
acelerasse o tempo
e apressasse os seus passos
você sabia que os agricultores
sabem tanto sobre a posição do sol
quanto os egípcios
e ainda assim
depois que você se foi
você levou o meu relógio
você levou a música
você levou mais que
alguns instantes
os gestos
e a casa
mas sobretudo
depois que você se foi
não há quem deixe o sol entrar
e talvez por isso
esteja tudo
adormecido

§

 

FUNDO

clichê clássico
eu te amo do fundo
do meu útero
solo sagrado de pecado
perto de onde seu pau se enfia encosta e arde
no limiar da dor
afina o violino do futuro
células dançam
leite manchando mundinho cor de rosa
você não tem vontade de ir embora
porque chão é cama, chuveiro é cama
areia espelho escada e também em pé
cama é onde você se deita sente meu cheiro e perde o sono
onde eu mostro que as poetas são mais
com a mão dentro da calça
olhando fundo no seu olho
amando de novo

§

regi

poema de “pirueta”, em intervenção urbana

FESTEJO AO FOGO

só por um segundo
sob teu peito

o farfalhar do outono
e o que você fazia
em festejo ao fogo

a ponta dos dedos
ao relento

traquejo singular da labareda

misto de calmaria e lampejo
numa dança descabelada

a língua pronta para o surgimento
da manhã

o espírito de cavalo colorido
no ato de trocar os óculos com você
e te olhar de baixo

o minério que dorme na pele
o desafio que doma o segundo
a ginga que derrete as ondas

cheiro tônico diante do espelho

o rugido e o anúncio
do tropeço no ritual:

um orgasmo estupendo
anestesia contra bombas
de efeito moral

*

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Regina Azevedo: 2 poemas inéditos + 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s