poesia

Adão Ventura (1946—2004)

Adão Ventura (1946, Santo Antonio do Iambém, MG) foi criado primeiramente pobre, no mato do então distrito do Serro; depois mudou-se para Belo Horizonte, onde se formou em Direito pela UFMG. Trabalhou no Suplemento Literário de Minas e teve vários empregos nos anos subsequentes, até se mudar para Brasília, onde presidiu a Fundação Palmares, dedicada à cultura negra. Publicou 5 livros de poesia: ‘Abrir-se um abutre ou mesmo depois de deduzir dele o azul’, 1970; As musculaturas do arco triunfo (1976); A cor da pele (1980), Jequitinhonha – poemas do vale (1980); Texturaafro (1992); Litanias de cão (2002); e um livro infantil Pó-de-mico macaco de circo (1985). pelos quais recebeu vários prêmios. Adão Ventura morreu de câncer, em 2004. Como bem disse Ricardo Domeneck, na Modo de Usar & Co.”Outro ótimo poeta ainda pouco conhecido, certamente por motivos que retratou em sua poesia, mas na sintonia de nossa sincronia.”

Os poemas abaixo foram retirados da antologia póstuma, “Costura de Nuvens” (Edições Dubolsinho, 2006), organizada por Jaime Prado Gouvêa e Sebastião Nunes, feita a partir do título que o próprio Ventura havia dado para a edição de sua poesia completa, incluindo inéditos. Escolhi alguns poemas fortíssimos que não constam nas já ótimas antologias apresentadas por Domeneck aqui, por Antônio Miranda aqui, por Elfi  Kürten Fenske aqui e por Leonardo Morais aqui. Trata-se, então, de uma antologia por ampliação do que já estava disponível. Creio que com essas cinco reuniões online, teremos um panorama importante desse poeta que merece, sem dúvida, mais leituras.

* * *

Breves elementos para a instituição do poema

Inaugure no corpo
a seiva dos sonhos
forjados no mito.

Instaure no sangue
a força da fala
gerada no termo.

Imprima na pele
o silêncio da pose
haurida na forma.

Inscreva nos gestos
a forma do rito
usual do anônimo.

§

Recusa

— Recusei-me a receber as
divisas do madeiro da cruz,
porque meu nome já estava
escrito nos papiros falsos.
Minhas vestimentas
sobrecarregavam punhais e
outros sinais de desespero.

§

Diário de Teodoro

— Foi quando senti dividirem meu corpo
em suásticas,
lâminas cortavam minha pele.
O sol desintegrava meus pés ante o pó
das estradas.

A fúria das palavras fazia
cegar os homens.
— seus chicotes classificavam
as carnes para o sacrifício.

Aí as palavras iam tendo vértebras nos
seus lençóis próprios, gerando gerais
comarcas de papéis que forçavam os
reis a reinarem nos seus séquitos de
súbitas samambaias.

A metade das montanhas apinhadas de
selos e brenhas
capitulava os voos dos pássaros
em suas moradas de origem.

Porque, na verdade, eu não possuía
mais a minha carta de alforria e todos
os mapas de identificação estavam
limitados às circunscrições de minha
pele.

Tudo era começo
de um longo deserto
onde flores coloridas
anunciavam fluidos de um amargo sal.

§

Nesta mão

Nesta mão eu te trago a
estrada suja de suor,
nela escrevi meu nome, dela
reconheci firma,
muitos anos se passaram até eu
chegar aqui,
com este testamento
todo timbrado em armaduras e
distâncias.

Indico apenas as correntes que
possuo no nó do sangue,
herança corrosiva de comarcas
de muitas eras.
— O meu mundo é limitado por
selos, números e ossos.

§

Identidade

Sebastiana Ventura de Souza
Sebastiana de Minas Gerais
Sebastiana de Minhas
Sebastiana de Tal

vem limpar o chão
vem lavar a roupa
vem enxugar a louça

vem cantar cantiga
de ninar
para mim.

§

Dar nome aos bois

Ai de ti, ó terra, quando teu rei
é criança e quando teus príncipes

se banqueteiam ao amanhecer.
Eclesiastes

Dar nome aos bois,
apartá-los em mangas privilegiadas
— de preferência com capins
de fios de ouro
ou prata.

— Isolando-os da ralé dos bois de
corte.

§

Da palavra em seu habitat

Lavre-se a palavra
em fluvial lagoa
pura de escamas,
fuligem & circunstância.

Louve-se a palavra
na lúdica atadura
de um nítido invólucro
ainda que insepulto.

Livre-se a palavra
da inaugural magia,
iluminando-a num ato
puro de si mesma.

Lustre-se a palavra
ao seu exato cerne
— esmeril e águas claras
de recolhidos despojos.

 

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Adão Ventura (1946—2004)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s