poesia

Nathalia Campos (1986—)

Nathalia Campos (1986, Belo Horizonte) é doutoranda em Estudos Literários pela UFMG, professora, revisora e cantora. Está entre os 12 poetas brasileiros contemplados na antologia bilíngue (português-espanhol) Inventar la felicidad – muestra de la poesia brasileña reciente (2016), organizada por Fabrício Marques e Tarso de Melo, e possui publicações em jornais e revistas regionais e nacionais. Desinfinito (Editora Patuá, 2017) é seu livro de estreia.

* * *

ACADEMIA

Submergir
Nos baldes de pipoca
Azeitando a mola das rótulas
Pra não me restar um piruá sequer
Na alma encruada
Chorar com as pitangas
Todo o meu vermelho
Pra aumentar o retorno das válvulas
E chamar o lobo anêmico em jornada
Fazer flexões na superfície natural
Que até Jesus preferiu
A abrir funduras sem causas
Tão velhas quanto andar pra frente
Desempatar meu 0 x 0
Em campeonatos de risos
Partidas com 12 músculos em campo
E sisos de leite
Alongar o dorso na barra maciça
Dos teus ombros altos
Em olimpíadas de abraços
Sem tempos alternados pra voltar ao chão
Dançar com os coelhos do céu
E abrolhar calos nas pestanas açucaradas
Binóculos bulindo a ventarola de algodão
Estrear poros sonantes
Na fumaça dum balneário
As árias tontas de pedras
Rendendo a mudez do corpo
O zênite
No dedão do pé e na ponta do seio
Sem a mania do aposto bronco
Entre a cabeça e o resto

Agora dei pra ser atleta

§

 CIÊNCIA

Derreter a certeza dos astros
E com a parafina colorida do giz de cera
Animar os sistemas
Como nos dias da nossa infância
Quando a luz elétrica pingava
Um dia sim um dia sim
E qualquer verde era azul
Ou nem tanto

Acaçapar as bolas de sinuca em gozo de anarquia
(Rico mesmo era quem nem vela tinha)
Nos dava o luxo de recontar o universo
Com a goela do breu

Só as crianças sabem
Que o que existe mesmo é a luz
E se safam da fogueira

§

CÂMERA ESCURA

CENA 1: PINTURA

o sol tomba no pátio uma oliveira seca
como a narrar a tarde em voz alta
à carmelita sem janelas e os males de quem canta:
uma traqueia embargada de ferrugens e gemas
arfando a queda
para que olhos se o deserto também é claustro?
auscultar a paisagem é ouvir espelhos

CENA 2: MORTALHA

os objetos são para os olhos
o que a mulher amada é para os artistas:
só têm alma se admirados
bem o sabem os espelhos
que vendados em dias de luto
choram o morticínio invisível de suas Galateias
não lavradas à luz

CENA 3: IMAGEM

e se na verdade os espelhos não refletissem
mas observassem?
atrás de nossas familiares lentes
em autocontemplação apaixonada
Narciso se divertisse em dançar
com o mundo que perdeu para si mesmo
ao som do compacto
lado a – eu, lado b – você?
(repare
como assoma sempre um meio riso cínico
no canto da sua boca após algum tempo de cisma
diante da incurável face)

CENA 4: ECLIPSE
há coisas
dizem
só se nos dão a ver
quando olhadas por outros olhos
o balé dos ciprestes por Van Gogh
a louça pelo vizinho
o gênio pelo amanhã
o cinema pela Górgona
o corpo pelo desejo forâneo
penso eu me encarando de costas
de dentro da polaroide

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s