poesia

Naiana Gomes

Naiana Gomes estudou um pouco de algumas coisas, jornalismos literaturas fotografias. está tropegamente aprendendo crochê com a avó, de forma que o ano vai mesmo começar todo torto. ainda assim, vive da teima em acreditar na dúvida, na pessoa e no mundo que se move pelo mundo. as imagens e vídeopoema abaixo são de sua autoria.

*

um outro fim do mundo é possível
intelectuais franceses afirmaram
há dois minutos e trinta segundos
talvez tomados pelo otimismo
que pede um começo de século
no despontar do milênio
eu sempre desconfiei
de tudo que vivesse além daquele peixe
cinco metros de comprimento
movendo-se pelo universo
durante trezentos e noventa e dois anos
fazem do tubarão da groenlândia
o vertebrado mais longevo
(pescado acidentalmente)
de que se tem notícia
mas confesso quis escrever um poema
que não sentisse nada por você
ignorando completamente
sua passagem pelo mundo
o fim do mundo
e o mundo

§

Dínamo

você sob o sol
ao toque tão forte do sol
você que se move
veloz feito um cão um gato
um lagarto
um bicho alado
atravessando a cidade de skate aos trinta anos
um peixe preto e dourado
deslizando rio rua abaixo
enquanto lá do quintal este peito se expande
vê lá vem eu meu alvoroço
ondeando os panos nos varais
tão suavemente quanto
foguete, peixe-espada, guitarra
rasgando o ar
e outra vez
o corpo todo no jogo
e uma vez mais
tomando fôlego
um balanço elevando-se
além das árvores
dos muros das torres dos edifícios comerciais
para alcançar o mar
tudo tão alto tão rápido
quase não percebemos
uma ligeira variação
entre as minhas as suas
coordenadas
uma fração de grau
partícula de luz
gota, grão
migalha
um quase nada
que nos afasta
um
do
outro
por inteiro
atravessados, entretanto, somos
de coisas muito pequenas
porém alarmantes
pólvora ou purpurina
tantas outras coisas vivas
besouros, nuvens, piabas, ranhuras
certezas mínimas
de que tudo pode mudar
existe o encontro e existe a distância
nesta manhã em que continuamos
nem sei como
mas continuamos
pelo mundo
e o mundo continua

uma grande confusão.

o avô nunca falou do fim do mundo
mas diante do mar calculava
eita água que ninguém acaba
e terra adentro apontava o bicho
que comia veneno e antídoto
sempre combinados
tentei procurar no google
mas nada é páreo ao inventário
do avô
morcegos subaquáticos
(nas goteiras de casa)
toupeiras que se alimentam
de grandes barcos
lagartos dados a peixe
amores longevos
essas coisas a gente prova
com pimenta e sal

§

é possível inclinar-se
alinhando o tronco ao horizonte
mover os dois braços
e sentir o ar
entrar e pender e erguer
um pássaro
isto eu sei
de te ver dançar
e naquele dia
quebrei cento e cinquenta taças
de uma vez

§

está no horóscopo de hoje
ou da semana passada
o ponto onde teu signo
e meu signo
contam como somos
diferentes
sob um mesmo sol
sentimos muito
sobrevoamos ilhas
visitamos as casas de nossa infância
vem, há esta árvore que eu quis te dar
quando ainda não te conhecia
cresce acima dos telhados
em fevereiro
frutifica
pequeninos sóis
resplandescentes
em cada geografia
colecionamos potinhos imaginários
neles queríamos
guardar B. e R. e M. e
guardar N.
e guardar T.
não os guardamos
os potinhos todos
vão preenchendo-se
de vazios
e os vazios contam
de uma cidade
atravessamos a rua
juntos
respirando
entre um passo e outro passo
há algo
que eu gostaria de te dizer
e digo.

*

Padrão
poesia

O testemunho de fé de Damares Alves, por Rodolfo Jaruga

Rodolfo Brandão de Proença Jaruga é curitibano do ano 82. Poeta e advogado, enxadrista e ativista militante, tem um livro de poemas no prelo, o Pornopoder.

* * *

O TESTEMUNHO DE FÉ DE DAMARES ALVES

Aos dez anos de idade, ela falou,
                                    eu quis me matar.

Pra que viver, o corpo machucado,
            a alma ferida, pra que viver.

Eu vou falar por códigos
            porque pode ter criança me assistindo em casa.
E ela fecha a mão esquerda,
            na direita ela sustenta o microfone,
na camiseta negra vemos uma bicicleta
                        e a palavra infância.

Eu peguei uma substância,
                        entenderam,
eu peguei uma substância
e eu ia tomar aquela substância, ela falou,
mas vou contar uma coisa pra vocês,
a casa do meu pai era uma casa pastoral
                        que ficava no fundo da igreja
e do lado da casa do meu pai
                        tinha um pé de goiaba,
e é naquele pé de goiaba que eu subia e chorava,

ô irmãos,
eu achava que todo mundo sabia
que eu estava sendo abusada,
            e que todo mundo concordava
            que eu tinha sido escolhida
                                    pra sofrer,

e no dia que eu estava com o veneno
                        em cima do pé de goiaba,
aconteceu algo extraordinário,
                        presta atenção,
vocês acreditam se vocês quiserem,
mas eu não subiria no púlpito pra contar uma mentira,
            argumentou,
eu estava em cima do pé de goiaba com o veneno na mão
e quando ia comer o veneno,
            e aqui a voz dela fica trêmula,
e quando eu ia comer o veneno aconteceu algo extraordinário,
                        eu vi Jesus
                                    se aproximando do pé de goiaba,
eu tive uma revelação extraordinária,
                                    e agora a voz dela fica mais enérgica
                                    e ela caminha em círculos rapidamente,
olha aqui irmãos, deixa eu dizer uma coisa pra vocês,
Jesus quer ter experiências extraordinárias com as crianças,
            acreditem nisso,
Jesus quer se revelar de uma forma sobrenatural pras crianças,
            acreditem nisso,
proporcione que seus filhos tenham experiência extraordinária
                                    com Jesus
porque eu tive a minha experiência aos dez anos com Jesus,
                                                ela falou,
                        em cima de um pé de goiaba,
            e foi incrível.

Jesus Cristo quer ter experiência com as crianças,
            acreditem nisso.

E quando eu vi Jesus, irmãos, eu esqueci o veneno,
            olha como Deus é criativo, ela falou,
eu esqueci o veneno,
            eu não tomei o veneno,
e daqui a pouco Jesus Cristo começou a se aproximar do pé de
                                                                                                       [goiaba,
e ele olhava pra mim
                        e ele era tão lindo,
ele tinha uma roupa comprida,
                        uma barba comprida,
aquela visão que a criança tem de Jesus,
mas Jesus não se aproximou só do pé de goiaba,
            sabe o que aconteceu,
                                    ela perguntou,
Jesus Cristo começou a subir no pé de goiaba,
aí quando eu vi Jesus subir no pé de goiaba
eu pensava assim na minha cabeça,
                        (eu esqueci o veneno)
não sobe Jesus, ela falou,
            você não sabe subir em pé de goiaba,
e aqui a voz dela fica estridente
                        e ela balança o corpo para frente,
você vai cair, ela falou chorosa,
            você vai cair e você vai se machucar,
já te machucaram tanto na cruz.

            Eu amava tanto Jesus, irmãos,
eu amava tanto e eu não ia mais pro céu,
mas eu não queria que Jesus se machucasse
                                    caindo do pé de goiaba,
mas vou contar uma coisa que a igreja não sabe,
Jesus é tão poderoso,
            tão poderoso
que ele conseguiu subir no pé de goiaba
            sem cair,
                                    ó Jesus, ela clamou,
e ele foi pro galho onde eu estava
            e lá naquele galho do pé de goiaba
Jesus Cristo me deu o abraço que a igreja não deu,
Jesus Cristo me deu o abraço
            que a mamãe e o papai não me deram,
e naquele pé de goiaba acontece um milagre,

E isso, mon frère Guillaume,
não é tosquice em estado puro,
é projeto de poder
            em andamento.

a menininha que Satanás quis esmagar aos seis anos de idade                 
            foi transformada
e essa menininha tá hoje lá no Senado Federal
            escrevendo leis
                        pra salvar crianças no Brasil.
E aqui os fiéis ovacionaram com vivacidade.

 

coda:

Vocês conseguem imaginar quantos anos a minha mãe
                        ficou de joelhos
                                    orando pra eu me curar.
Eu louvo a Deus, ela louvou,
eu louvo a Deus pelas orações dos meus pais,
                        eu sou uma mulher curada.
Mas eu quero dizer uma coisa com toda sinceridade,
                                    ela falou,
eu trocaria dezenove anos de orações da minha mãe
            por um abraço dela
                        quando eu tinha seis anos.

Padrão