poesia, tradução

Brendan Constantine, por Rodrigo Tadeu Gonçalves

Brendan Constantine é um poeta de Los Angeles. Seus poemas já foram publicados no Best American Poetry, Poem A Day, Prairie Schooner, Virginia Quarterly, Field, Ploughshares e American Journal of Poetry. Seu último livro se chama Dementia, My Darling (2016, Red Hen Press). Alguns poemas novos sairão nas revistas Terminus e Tin House. Constantine já recebeu apoio do Getty Museum, James Irvine Foundation e do National Endowment for the Arts. Performer popular, Brendan já apresentou sua obra para plateias ao redor dos Estados Unidos e Europa. Desde 2017, tem trabalhado com o patologista da fala Michel Biel para criar o primeiro workshop de poesia para portadores de afasia. 

* * *

O jogo dos contrários

Para Patricia Maisch

Um dia desses eu e meus alunos jogamos o Jogo dos Contrários
com um verso de Emily Dickinson. Minha vida tem sido
uma arma carregada
, e eu escrevo no quadro,
pausadamente, pra eles poderem dizer os antônimos –

Minha — Sua
Vida — Morte
Tem sido? — Vai virar
Uma — Muitas
Arma ? —
Carregada — Vazias

Arma.
Por um instante, como aquele entre o relâmpago
e o seu estrondo, as crianças ficam só me olhando
e então vem uma saraivada, um dilúvio de respostas –

Flor, diz uma. Não, Livro, diz outra. Que idiota,
grita uma terceira, o contrário de arma é travesseiro. Ou,
talvez, abraço, mas não livro, nem a pau que é livro. Assim
os outros vêm com suas respostas

e de repente é uma competição de gritaria. Ninguém concorda
pra cada aluno, uma resposta definitiva. É uma música,
uma oração, não, uma promessa, que nem uma aliança e depois
um bebê. Ou como chama aquela pessoa que faz os partos?

Parteira? Isso, uma parteira. Não, tá errado. Você tá tão errado
que nunca mais vai acertar nada. É um sussurro, uma estrela,
é dizer eu te amo pra palma da sua mão e então tocar o ouvido
de alguém. Você tá louco? Você virou o presidente

da Terra-dos-Burros? Se não, devia. Quando é a eleição?
É um ursinho, uma espada, um pêssego perfeitinho.
Volta pra primeira, é uma flor, uma rosa branca.
Quando dá o sinal, eu pego um apagador, mas uma menina

arranca da minha mão. Não está resolvido, ela diz,
ainda não terminamos. Eu deixo as respostas todas
no quadro. No dia seguinte, alguns deles pararam
de conversar entre eles, tomaram partido.

Tem o grupo da Flor, o grupo do Gatinho. E dois meninos
se chamando de os Bola de neve. O resto ficou travado
no jogo original, que era tentar escrever algo
como se fosse poesia.

Um diamante, uma dança,
o contrário de uma arma é um museu na França.
É a lua, é um espelho,
é o som de um sino e uma orelha.

A discussão recomeça, mais gritaria, e, por fim,
um novo grupo. Pela primeira vez eu tento empurrá-los.
E digo, talvez vocês estejam todos certos.

Talvez. Talvez seja tudo que dissemos. Talvez tudo
que não dissemos. São as palavras e os espaços pras palavras.
E agora eles se entreolham. É tudo nesta sala
e fora dela, e descendo a rua, e no céu.

É todo mundo na escola e no shopping, todo mundo
esperando no hospital. E nos correios. E sim,
é uma flor, também. Todas as flores. O jardim todo.
O contrário de uma arma é pra onde quer que você a aponte

Não escreva isso no quadro, eles dizem. Só diga poema.
Sua morte vai virar muitos poemas vazios.

O filme para o poema faz parte do projeto Blank Verse Films, do poeta Dana Gioia e de seu filho Michael Gioia (aqui), que busca novos modos de adaptar poesia para a tela. 

The opposites game

This day my students and I play the Opposites Game
with a line from Emily Dickinson. My life had stood
a loaded gun
, it goes and I write it on the board,
pausing so they can call out the antonyms –

My — Your
Life — Death
Had stood — ? Will sit
A — Many
Loaded — Empty
Gun — ?

Gun.
For a moment, very much like the one between
lightning and it’s sound, the children just stare at me,
and then it comes, a flurry, a hail storm of answers –

Flower, says one. No, Book, says another. That’s stupid,
cries a third, the opposite of a gun is a pillow. Or maybe
a hug, but not a book, no way is it a book. With this,
the others gather their thoughts

and suddenly it’s a shouting match. No one can agree,
for every student there’s a final answer. It’s a song,
a prayer, I mean a promise, like a wedding ring, and
later a baby. Or what’s that person who delivers babies?

A midwife? Yes, a midwife. No, that’s wrong. You’re so
wrong you’ll never be right again. It’s a whisper, a star,
it’s saying I love you into your hand and then touching
someone’s ear. Are you crazy? Are you the president

of Stupid-land? You should be, When’s the election?
It’s a teddy bear, a sword, a perfect, perfect peach.
Go back to the first one, it’s a flower, a white rose.
When the bell rings, I reach for an eraser but a girl

snatches it from my hand. Nothing’s decided, she says,
We’re not done here. I leave all the answers
on the board. The next day some of them have
stopped talking to each other, they’ve taken sides.

There’s a Flower club. And a Kitten club. And two boys
calling themselves The Snowballs. The rest have stuck
with the original game, which was to try to write
something like poetry.

It’s a diamond, it’s a dance,
the opposite of a gun is a museum in France.
It’s the moon, it’s a mirror,
it’s the sound of a bell and the hearer.

The arguing starts again, more shouting, and finally
a new club. For the first time I dare to push them.
Maybe all of you are right, I say.

Well, maybe. Maybe it’s everything we said. Maybe it’s
everything we didn’t say. It’s words and the spaces for words.
They’re looking at each other now. It’s everything in this room
and outside this room and down the street and in the sky.

It’s everyone on campus and at the mall, and all the people
waiting at the hospital. And at the post office. And, yeah,
it’s a flower, too. All the flowers. The whole garden.
The opposite of a gun is wherever you point it.

Don’t write that on the board, they say. Just say poem.
Your death will sit through many empty poems.

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Brendan Constantine, por Rodrigo Tadeu Gonçalves

  1. Adriano T. V. Dias disse:

    Que poema incrível!
    Em uma estrutura provocadora, com a fluidez da prosa, de um relato informal, com uma narratividade vívida, simples e tremendamente profunda. Obrigado e parabéns pela tradução. Vou utilizar em sala de aula kkkk.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s