poesia

Um poema inédito de Ismar Tirelli Neto

Foto de Gustavo Marcasse.

Ismar Tirelli Neto é poeta, ficcionista, tradutor e roteirista cinematográfico, autor dos livros synchronoscopio, Ramerrão, Os Ilhados, Os Postais Catastróficos (editora 7Letras) e A Mais ou Menos Completa Ausência (Ó Editorial). Publicou textos em O Globo, Folha de S. Paulo, Suplemento Pernambuco, Revista Pessoa, Neue Rundschau (Alemanha), Relâmpago (Portugal), Jacket2 (EUA), entre outros.

* * *

para formular
qualquer coisa de consequente
acerca do mundo
preciso de cercar o mundo
represar o mundo
para escrever
estes versos de circunstância
preciso antes
represar a circunstância
operar um óbice
radicar
numa espécie de deserto
que não é
falando verdade
o mundo
não é o mundo
estar a sós com novas do mundo
para não desatar
em novas do mundo
para não desatar
na serialização estéril
para cristalizar
uma imagem
da besta
preciso antes
desertar do mundo
preciso antes
apostatar
das vozes
que limitam com a minha
defecção das vozes
que limitam com a minha
que não são
este deserto
mas o mundo
enquanto tal
o mundo
mesmo mundo
que me deu corrida
para em seguida
esgueirar-me mundo
adentro
subornar os guardas
saltar a cerca
pleitear
a graça de um momento
junto aos meus
junto ao mundo
nas mãos
umas tabuinhas uns
mandamentozinhos
de todo modo
umas poucas
medidas
formulações
consequentes
acerca do mundo
uma dramatização robusta
dos horrores
deste mundo
neste mundo
mundo
que desata na besta

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s