poesia, tradução

Maiakóvski em viagem, por Paulo Ferraz

Para quem fez versos para seu passaporte soviético, é de se supor que Vladímir Maiakóvski o tenha usado bastante. E sim, após algumas viagens por cidades soviéticas, o poeta georgiano, nascido em 19 de julho de 1893 e que desde a adolescência vivia em Moscou, vai algumas vezes para o ocidente, Riga, Praga, Varsóvia, Berlim e Paris, são algumas das cidades por ele visitadas depois de 1922. Em cada uma delas deixou registrado suas impressões, especialmente Paris, onde esteve em mais de uma ocasião. Dessas viagens, a mais inusitada há de ter sido para o novy mir, a América, saindo da Espanha, passando por Cuba, depois México e finalmente os EUA. Os poemas que escreveu entre 1925 e 1926, além de crônicas e cartas, têm a marca da circunstancialidade, mas também do olhar (e ouvido) estrangeiro ao registrar um mundo que só existia para ele como ideia e que se diferenciava tanto da sociedade russa que caíra quanto da que ajudava a construir. Para essa publicação selecionamos cinco poemas, dois sobre Paris, um sobre a Espanha, outro sobre Nova Iorque e, por último, um sobre o México.

Paulo Ferraz


Paulo Ferraz
 é poeta e tradutor, autor dos livros de poesia De novo nada (2007) e Vícios de imanência (2018), entre outros, da antologia Roteiro da poesia brasileira, anos 90 (2011)  e mestre e doutorando em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP.

* * *

PARIS (ПАРИЖ)
(conversando com a Torre Eiffel)

Maltratada por milhões de pés.
Esfacelada por milhares de pneus.
Eu rasgo Paris —
terrivelmente erma,
terrivelmente desumana,
terrivelmente desalmada.
Ao meu redor —
a fantástica dança dos carros,
ao meu redor —
bestas marinhas nos chafarizes
assoviam em um só acorde
as mesmas águas dos Luíses.
Parto para a
Place de la Concorde.
Espero,
e enquanto
espio um sinal que a identifique,
espreitando atrás das casas
sai, por mim,
o bolchevique,
como um espectro
da neblina a Torre Eiffel.
— Psiu,
torre,
seja discreta! —
estão nos vigiando! —
essa lua-guilhotina assusta.
Conto o que se passa
(num sopro sibilado,
em sua
orelha-rádio
chio,
cochicho):
— Tenho agitado as coisas e os edifícios.
Nós
aguardamos apenas sua anuência.
Torre,
você quer liderar uma rebelião?
Torre —
Nós
te elegemos nossa líder!
Você —
exemplo do gênio da ciência —
não pode
apodrecer num metro de Apollinaire.
Aqui não é seu
lugar — lugar da decadência —
Paris das putas,
dos poetas,
da bolsa de valores.
O Metrô já aderiu,
os trens estão comigo —
eles
cuspirão o público
de suas entranhas revestidas —
e com sangue limparão
os anúncios de perfume e pó-de-arroz
nos muros.
Estão convictos
não vão circular o
vagão dos ricos.
Não são escravos!
Estão convictos —
para eles
acima dos retratos
está nossa propaganda,
cartazes de luta.
Torre,
a rua não é temerária!
Se o
Metrô não libertar o subterrâneo —
a terra
será nossos trilhos
Iniciarei uma revolta ferroviária.
Está com medo?
Os cafés defenderão o sistema?
Está com medo?
A Rive Gauche virá em socorro.
Não tema!
Já combinei com as pontes.
Atravessar o
rio
a nado não
é nada fácil!
As pontes,
rompendo com o tráfico enfurecido,
dividirão Paris em duas metades.
As pontes irão se rebelar.
No primeiro chamado —
os passantes serão lançados a um pilar.
As coisas estão indignadas.
É um ponto insuportável.
Depois de
quinze anos
ou vinte,
abrandará o aço,
e essas
mesmas coisas
de agora
lá fora
nas noites de Montmartre vão se vender.
Vamos, Torre!
Conosco!
Afinal,
você,
ao nosso lado,
é essencial!
Venha conosco!
Com seu aço reluzente,
na fumaça —
nós te encontraremos.
Nós te encontraremos com mais afeto
que ao primeiro entre os queridos dos queridos.
Vamos para Moscou!
Em Moscou
nos
sobra espaço.
Você
— e todos! —
estará na via pública.
Nós
cuidaremos de você:
cem vezes
ao dia
sol a sol lustraremos seu cobre e seu aço.
Deixe
essa cidade,
a Paris dos dândis e dos fariseus,
a Paris dos bulevares sufocantes
acaba sozinha, no longo cemitério do Louvre
no velho Bois de Boulogne e nos museus.
Em frente!
Mova suas quatro potentes patas,
cravadas no chão pelo croqui de Eiffel,
para que em nosso céu sua testa irradie,
para que nossas estrelas se desviem diante de ti!
Decida, Torre,
mande tudo à sua sorte,
revirando Paris pelo avesso!
Vamos, se apresse!
Conosco!
Conosco para a URSS!
Vamos conosco —
que eu
te arranjo um passaporte!

(escrito após sua viagem a Paris no outono de 1922)

DESPEDIDA (ПРОЩАНЬЕ)

No carro,
            gasto meu último franco.
— Que horas sai o trem de Marselha? —
Paris
            me escolta,
                                    vejo-a do meu banco,
em sua
            inacreditável
                                    maravilha.
A água que
                        verte
                                    dos meus olhos diz
do coração mole
                               e sentimentalista
                                                            que sou!
Queria
            viver
                        e morrer em Paris,
se não houvesse
                        outra terra —
                                                Moscou.

(1925)

ESPANHA (ИСПАНИЯ)

Pensava que fosse
            o Jardim do Éden.
Bobagem
            de bêbados bardos.
Mas não —
            ao vivo vejo
                        o armazém
“LEOPOLDO PARDO”.
Com cautela se passa
por vilas incrustadas na rocha,
e um burro de raça
tagarela em espanhol.
Despojados de tudo que é plebeu,
enfiam o seu chapéu até o nariz.
O humilde
            “telefone”
                        se converteu
no “teléfono
            de esnobe verniz.
Cabelos pretos
                        entre coloridas centelhas.
Rostos nos xales emoldurados,
Señoritas
                        às centenas
e seus leques de um a outro lado.
Medusas —
            azulam as águas
na medida
            de um exagero.
Sou para uns camaradas
                                    “señor
para outros
                        “caballero”.
Castanholas afugentando o sono.
Gritos…
            canto…
                        paixão!
Mas o que me importa isso?
É como cumprimentar — um cão!

(Escrito a bordo do navio “España” em 22 de junho de 1925)

BROADWAY (БРОДВЕЙ)

O asfalto — é vítreo.
                        E o som grave nos
passos. Bosques e folhas
                        de relva — no limite.
Do norte
            para o sul,
                        pegue as avenues,
do oeste para o leste,
                                    — as streets.
No meio —
            (onde o construtor quis tê-las) —
o tamanho
            das casas tumultua.
Umas
            são imensas como estrelas,
outras
                        — vão até a lua.
Yankees
            são preguiçosos
                        para andar não têm gana:
o elevador
            comum e o expresso.
Às 7 horas
            sobe a maré humana,
às 17 horas —
            ela se esparrama.
O mecanismo range
                        numa algaravia vã,
e não há na rua
                        quem se relacione.
Só refreiam
            a mastigação do chewing gum
para soltar um
                        “make money?
A mãe
            amamenta o nenê
                        que a seu seio o cola.
O nenê,
            com o nariz escorrendo,
suga
como se não fosse
                        uma teta, mas one dollar
entretido
                em sérios
                                    negócios.

Fim do expediente.
                        O corpo se sabe o ei-
xo contínuo
                        de um elétrico vetor.
Quer ir para o subterrâneo?
                                    — tome o subway
para o céu?
            — então, um elevator.
Os vagões
            partem e deixam
                        um rastro de fumaça sem fim,
passam
            rente aos calcanhares
                                                das casas
para pôr pra
                        fora uma cauda
                                                na ponte do Brooklyn
e se enfiar
                numa toca
                                    sob o Hudson.
Uma sonolência
                              te
                                    envolve no breu.
Mas
            como cascos num galope
no escuro
            a mente escuta:
                                    “Coffee Maxwell
good
            to the last drop
Uma lâmpada
                        se põe a
                                    cavar a treva.
Bem, contarei a vocês:
                                    — que deslumbrante!
Olhe pra esquerda:
                                    — nossa, mãe, não se atreva!
pra direita:
                        — mamãezinha, isso é um desplante!
Isso pode ser demais para os de Moscou, pode, eu sei!
Um dia só não basta,
                        o fim é um tabu.
Isso é Nova Iorque.
                                    Isso é a Broadway.
How do you do!
Estou encantado
                        por essa cidade.
Mas
            de meu quepe
                                    não me descubro.
Os soviéticos
                        temos muita autoestima
Para a burguesia
                        nós olhamos de cima.

(6 de agosto de 1925)

TRÓPICOS (ТРОПИКИ)
(Estrada entre Vera Cruz e Cidade do México)

Vejo:
           aqui estão —
                                   os trópicos.
Foi pelo que aspirei
                        a vida inteira.
Viajo num
            trem trôpego
entre palmeiras,
                        entre bananeiras.
Suas silhuetas na vista
desenham uma torpe paisagem:
umas lembram — eremitas,
outras lembram — artistas.
Agora, você
            não creria nesse fato:
dessa balbúrdia de chocar
crescia
            uma planta — o cacto
como um cano de samovar.
Já os pássaros nesse forno
a nenhum do mundo igualo.
Espera-se —
                        um tordo
e se encontra —
                        um galo.
E antes que eu
                        entendesse a flora
ou o delírio
                        ou o calor
                                             ou o dia —
o dia
            e a flora se foram
sem noite
            e sem
                        ousadia.
Onde horizonte se esconde?
Foram as linhas
                        já guar-
dadas. Me conte,
            qual dessas estrelas
são
            olhos de jaguar?
Não devo ser o
                        melhor fiscal
de estrelas
                        da noite tropical,
é um céu
tão estrelado nas
            noites de agosto
que não se esgota
            num só gosto.
Vejo:
                       quadro utópico.
Foi pelo que aspirei
                        a vida inteira.
Viajo num
                        trem nos trópicos
entre o aroma
            das bananeiras.

(escrito após o retorno de Maiakovski entre maio e junho de 1926)

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Maiakóvski em viagem, por Paulo Ferraz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s