poesia, tradução

“Amazônia eu vi”, de José Muchnik

Tradução do espanhol (Argentina) ao português (Brasil) por Ana Cláudia Romano Ribeiro e ao inglês (Irlanda) por Gerry Loose

 José Muchnik nasceu em Buenos Aires e mora em Épinay-sur-Orge, na França. Engenheiro químico, fez seu doutorado se em Antropologia pela École de Hautes Études en Sciences Sociales em Paris e trabalhou no Institut National de la Recherche Agronomique (INRA). Publicou volumes de poemas, como Quince poemas por la pazOcho poemas para perder el tiempo Cien años de libertad y Coca-ColaProposition poétique pour annuler la dette extérieur (bilíngue, espanhol-francês), Arqueología del amorAmazonia he visto (bilíngue, espanhol-francês, publicado pela editora Louma em Montpellier, 1997), Calendario poético 2000, Guía poética de Buenos AiresTierra viva, luces del marCrítica poética de la razón matemática, publicou poemas com relatos, como Sefikill (Serial Financial Killers) Desgarros: exilios, duelos, muros, o relato Josecito de la ferretería e as novelas Chupadero (2005) e Geriatrikón (2007). Apresentou fotografías suas nas seguintes exposições (1990-2007): Le pain des autres, Amazonia he visto, Mamáfrika e Amazonie, rêves et réalités. Seu endereço para correspondência é josemuchnik@gmail.com.

Ana Cláudia Romano Ribeiro é autora da tradução, introdução e notas da Utopia de Thomas More (no prelo) e da viagem imaginária A terra austral conhecida, de Gabriel de Foigny (Editora da Unicamp, 2011). Traduziu coletivamente a peça Le bleu de l’ìle (O azul da ilha), da haitiana Évelyne Trouillot (no prelo). Ilustrou A princesa que conseguiu virar moça comum e As cinco Franciscas, de Deise Abreu Pacheco (inéditos) e coeditou todos os números da revista Morus – Utopia e Renascimento até seu último número. É professora e pesquisadora na graduação e na pós-graduação dos cursos de Letras da Universidade Federal de São Paulo. Agradece a Dedé Pacheco, Pedro Marques, Leonardo Gandolfi, Paloma Vidal e especialmente a Mayra Guanaes e Andreia Menezes pela leitura da tradução destes poemas do José Muchnik.

Gerry Loose morou na Inglaterra, na Irlanda, na Espanha, em Marrocos e, atualmente, na Escócia. Escritor e artista, ele se define como um slow-moving nomad que trabalha principalmente com temas do mundo natural e da geopolítica. Ele também projeta e faz jardins. Foi Poet in Residence nos Jardins Botânicos de Glasgow e Montpellier, onde está o mais antigo jardim botânico. Ele trabalhou para os Hidden Gardens, Glasgow e Port Logan Botanic Gardens. Entre suas publicações recentes estão Printed on WaterNew and Selected Poems (Shearsman Books) e that person himself. Vagabond Voices publicou fault line (2014) e night exposures (2018). Foi agraciado com o Creative Scotland Award, o Robert Louis Stevenson Fellowship, o Kooneen Säätiö Award e o Hermann Kesten Award. 

* * *

He visto

la selva palpitando
como un tambor de sangre

la selva abierta
como un amor inesperado

la selva en grito
como un río enceguecido

un río sin cauce
como caballos de piedra

huyendo espantados
hacia reinos diferentes

He visto

frentes humedecidas
por un sudor muy antiguo

noches alumbrando
verdes melodías

y el espesor de los sueños
en los campos partidos

He visto niños jugando
como juegan los niños

he visto niños sonriendo
como sonríen los niños

he visto niños trabajando
como trabajan los niños

jugando que son grandes
con las vidas en la mano

He visto árboles

árboles abatidos
como abuelos centenaríos

árboles en carne viva
como reyes solitaríos

árboles suplicando
la llegada de otros cielos

He visto la tierra

la tierra en cenizas
derrotada hasta el horizonte

la tierra madre
la tierra novia
la proceadrora del canto
y de los huesos
de las voces
y de los peces

la tierra avergonzada
sin rostro para las flores

He visto loros llorando
la ausencia de su amada

He visto turistas comprando
exóticos plumajes

He visto vacas

una vaca
dos vacas
tres vacas
……………..
autopistas de ganado
desfilando hacia el mercado


Mi reino
por una vaca
una vaca
por siete selvas

una selva
por media hamburguesa
(algunas gotas de ketchup
en homenaje al tomate
algunos gramos de mostaza

en las entrañas del pan)

He visto

un abuelo sabio
susurrando a las plantas
canciones de cuna
para que duerman en paz

He visto campesinos
con sus manos duras
sus palabras suaves

y la esperanza blanca

He visto la mesa de los pobres

el arroz silencioso
honorando el momento

la
farinha repartiendo
su humilde alegría

y familias reunidas
protegiendo la tibieza

He visto la esperanza

una rama brotando
en el recuerdo de las brasas

un mono enamorado
con una flor en la boca

un viejito muy viejo
descifrando las nubes

y un niño luminoso
disipando los humos

He visto

graciosos
açaís
bailando con la luna

belicosos
babaçús
preparando el combate

papagayos proclamando
la república soñada

y un castaño erguido
como un rey sin latitudes
declamando poemas
para que vuelvan las aves

He visto rostros

todos los golpes
todas las huellas
todos los caminos
en rostros desplegados
como signos en vuelo

rostros dulces
como el lenguaje de las palmeras

rostros tiernos
como el pecho del
Xingú

rostros graves
buscando en la niebla
luces de manzana
antes de la serpiente


Todas las raíces
todos los ríos
todas las venas
estallando en rostros
como destinos verticales

constelaciones de rostros
buscando su sentido
buscando sus líneas
en las formas del dolor

constelaciones de miradas
bajo la Cruz del Sur

desde siempre

desde antes
que el fuego sometido

desde antes
que el hacha liberada

desde antes
que el verbo enaltecido

La Cruz del Sur

raíces de la luz
y orígen de un silencio
que aún no escuchamos.

He visto luces

luces difusas
tatuando mensajes
en la espalda del río

luces incendiando el cielo
para que pueda la noche
cumplir sus promesas

atardeceres de luces
en túnicas diferentes

mas el mismo suicidio
el mismo sol que se hunde
el mismo rito circular de la muerte

He visto

luces que quedan en los labios
después del primer beso

luces que suben al tejado
para pedirle un favor a la luna

luces acariciando troncos
para adivinar la edad de las heridas

He visto aguas

aguas de todas las formas
…..
aguas como ríos
llevando hacia el sol
antiguos cargamentos
de ilusiones marinas

aguas como lluvia
…..
cayendo
castigando
purificando
lavando ultrajes cometidos
trayendo historias olvidadas

Lluvias

revelando al suelo
secretos embebidos
en la ira de los astros

¿signos de la caída
hacia fuentes ignoradas
en el centro del futuro?

¿O simplemente aguas?

aguas relatando
vegetales leyendas
que nadie sabe escuchar

aguas como pantanos
como espejos de barro
reflejando cielos mudos

aguas como carbón
erigiendo las formas
del último adiós

He visto aguas

como ríos
como lluvias
como espejos
…..

como mantas frías
que ya no abrigan
la elegancia de los peces

Aguas perdidas
…..
tanteando
preguntando
recordando

Aguas soñando
…..
con un instante de transparencia
en el pensamiento de un lago

con el futuro de las semillas
en un surco de maíz nuevo

o con el hechizo del viento
en los orígenes del amor

He visto manos

manos que saben
dar forma al mundo

saben ser canto
saben ser madre
saben ser cincel
saben ser barro

manos de luz
iluminando vasijas

manos de miel
arrancando espinos

manos estrechando manos
formando los jugos
en el corazón de la caña

He visto

manos de todas las razas
manos de todas las verdades
de Juan Sintierra
de María Pródiga
de Pablo Firmamento

manos atravezando el Brasil
buscando un pañuelo
de tierra para amar


un pañuelo de tierra
para que crezca un árbol
para que crezca un techo
para que crezcan las palabras
que un día nos darán sentido


He visto un punto

un punto en la tierra
para contemplar la propia altura

un punto en la colina
para ser hoja en el río

un punto al pié de un árbol
para saber si mis brazos
son ramas o ilusiones

He visto un punto

un punto en el tiempo
para la concavidad del reposo

un punto en la niñez
para proteger la ternura

un punto en la juventud
para la explosión de las flores

un punto en mi edad
para el espesor de las uvas

un punto resumiendo
la savia madura

un punto
…..
para llorar por todos

por la tierra en cenizas
por las vacas inocentes
por los árboles abatidos
por los pájaros enlutados

He visto
…..
Amazonía
…..
He visto

§

Eu vi
a floresta palpitando

como um tambor de sangue

a floresta aberta
como um amor inesperado

a floresta gritando
como um rio cegado

um rio sem leito
como cavalos de pedra

fugindo espantados
para diferentes reinos

Eu vi

testas umedecidas
por um suor muito antigo

noites iluminando
verdes melodias

e a espessura dos sonhos
nos campos partidos

Vi crianças brincando
como brincam as crianças

vi crianças sorrindo
como sorriem as crianças

vi crianças trabalhando
como trabalham as crianças

brincando que são grandes
com as vidas na mão

Eu vi árvores

árvores abatidas
como avós centenários

árvores em carne viva
como reis solitários

árvores suplicando
a chegada de outros céus

Eu vi a terra

a terra em cinzas
derrotada até o horizonte

a terra mãe
a terra noiva
a procriadora do canto
e dos ossos
das vozes
e dos peixes

a terra envergonhada
sem rosto para as flores

Eu vi louros loucos
com a ausência de sua amada

Vi turistas comprando
exóticas plumagens

Eu vi vacas

uma vaca
duas vacas
três vacas
………………
estradas de gado
desfilando até o mercado


Meu reino
por uma vaca
uma vaca
por sete florestas

uma floresta
por meio hambúrguer
(algumas gotas de ketchup
em homenagem ao tomate
alguns grãos de mostarda
nas entranhas do pão)

Eu vi

um avô sábio
sussurrando às plantas
canções de ninar
para que durmam em paz

Vi camponeses

com suas mãos duras
suas palavras suaves
e a esperança branca

Vi a mesa dos pobres

o arroz silencioso
honrando o momento

a farinha repartindo
sua humilde alegria

e famílias reunidas
protegendo o calor

Eu vi a esperança

um ramo brotando
na recordação das brasas

um mico enamorado
com uma flor na boca

um velhinho muito velho
decifrando as nuvens

e um menino luminoso
afastando as fumaças

Eu vi

graciosos açaís
dançando com a lua

belicosos babaçus
preparando o combate

papagaios proclamando
a república sonhada

e uma castanheira erguida
como um rei sem latitudes
declamando poemas
para que voltem as aves

Eu vi rostos

todos os golpes
todas as pegadas
todos os caminhos
em rostos abertos
como sinais em voo

rostos doces
como a linguagem da palmeira

rostos ternos
como o peito do Xingú

rostos graves
buscando na neblina
luzes de maçã
antes da serpente


Todas as raízes
todos os rios
todas as veias
ardendo em rostos
como destinos verticais

constelações de rostos
buscando seu sentido
buscando suas linhas
nas formas da dor

constelações de olhares
sob o Cruzeiro do Sul

desde sempre

desde antes
do fogo domado

desde antes
do machado liberado

desde antes
do verbo enaltecido

O Cruzeiro do Sul

raízes da luz
e origem de um silêncio
que ainda não escutamos.

Eu vi luzes

luzes difusas
tatuando mensagens
nas costas do rio

luzes incendiando o céu
para que a noite possa
cumprir suas promessas

entardeceres de luzes
em diferentes túnicas

mas o mesmo suicídio
o mesmo sol que se põe
o mesmo rito circular da morte

Eu vi

luzes que ficam nos lábios
depois do primeiro beijo

luzes que sobem no telhado
para pedir um favor à lua

luzes acariciando troncos
para adivinhar a idade das feridas

Eu vi águas

águas de todas as formas
…….
águas como rios
levando ao sol
antigas cargas
de ilusões marinhas

águas como chuva
……
caindo
castigando
purificando
lavando ultrajes cometidos
trazendo histórias esquecidas

Chuvas

revelando ao solo
segredos embebidos
na ira dos astros

sinais da queda
até fontes ignoradas
no centro do futuro?

Ou simplesmente águas?

águas narrando
lendas vegetais
que ninguém sabe escutar

águas como pântanos
como espelhos de barro
refletindo céus mudos

águas como carvão
erigindo as formas
do último adeus

Eu vi águas

como rios
como chuvas
como espelhos
…….

como mantas frias
que já não abrigam
a elegância dos peixes

Águas perdidas
……..
tateando
perguntando
recordando

Águas sonhando
………
com um instante de transparência
no pensamento de um lago

com o futuro das sementes
em uma fileira de milho novo

ou com o feitiço do vento
nas origens do amor

Eu vi mãos

mãos que sabem
dar forma ao mundo

sabem ser canto
sabem ser mãe
sabem ser cinzel
sabem ser barro

mãos de luz
iluminando vasilhas

mãos de mel
arrancando espinhos

mãos apertando mãos
formando os sucos
no coração da cana

Eu vi

mãos de todas as raças
mãos de todas as verdades
de João Semterra
de Maria Pródiga
de Paulo Firmamento

mãos atravessando o Brasil
buscando um lenço
de terra para amar

um lenço de terra
para que cresça uma árvore
para que cresça um teto
para que cresçam as palavras
que um dia nos darão sentido


Eu vi um ponto

um ponto na terra
para contemplar a própria altura

um ponto na colina
pra ser folha no rio

um ponto ao pé de uma árvore
para saber se meus braços

são ramos ou ilusões

Eu vi um ponto

um ponto no tempo
para a concavidade do repouso

um ponto na meninice
para proteger a ternura

um ponto na juventude
para a explosão das flores

um ponto na meia idade
para a espessura das uvas

um ponto resumindo
a seiva madura

um ponto
…..
para chorar por todos

pela terra em cinzas
pelas vacas inocentes
pelas árvores abatidas
pelos pássaros enlutados

Eu vi
…….
Amazônia
……
Eu vi

§

I have seen

the forest throbbing
like a blood drum

the forest opening
like an unexpected love

the forest weeping
like a blinded river

a river with burst banks
like maddened horses

running scared
toward other realms

I have seen

brows moist
with ancient sweat

nights lighting
green melodies

and the depth of dreams
in the ripped fields

I have seen children playing
the way children play

I have seen children smiling
the way children smile

I have seen children working
the way children work

playing like the bigger ones
their lives in their hands

I have seen trees

trees felled
like ancient grandfathers

trees fleshed alive
like lonely kings

trees begging
for other skies to come

I have seen the earth

the earth in ashes
wrecked as far as the horizon

mother earth
our sweetheart
creator of song
and the bones
of voices
and of fish

a shamed earth
with no face for flowers

I have seen parrots crying
the absence of their loves

I have seen tourists buying
exotic feathers

I have seen cows
one cow
two cows
three cows
……………..
highways of cattle
nose to tail towards market


My kingdom
for a cow
one cow
for seven forests

one forest
half a hamburger
(a few dribbles of ketchup
as tribute to the tomato
a few grams of mustard
in the innards of bread)

I have seen

a wise grandfather
whispering lullabies
to age-old plants
for their peaceful sleep

I have seen peasants

their hard hands
their soft words
and their unsullied hopes

I have seen poor people’s tables

the rice silent
honouring the moment

the farinha sharing
her modest joy

families reunited
in protective warmth

I have seen hope

a branch budding
remembering the embers

a loving monkey
a flower in its mouth

an old timer, very old
deciphering clouds

and a shining child
scattering smoke

I have seen

graceful açaís
dancing with the moon

unruly babaçús
preparing to fight

parrots proclaiming
a dream republic

and a chestnut tree proud
as a king with no borders
reciting poems
for the return of birds

I have seen faces

all the bumps
all the trails
all the tracks
in unfolded faces
like fleeting signs

gentle faces
like the speech of palm trees

tender faces
like
Xingú’s breast

solemn faces
searching in the haze
for the light of an apple
before the serpent

All the roots
all the rivers
all the veins
bursting in faces
like lines of destiny

constellations of faces
looking for sense
looking for traces
in the contours of sadness

constellations of gazes
beneath the Southern Cross

forever

since before
the fire was subdued

since before
the axe was freed

since before
the Word was praised

The Southern Cross

root of light
and beginning of a silence
we have yet to hear

I have seen lights

dappled lights
tattooing messages
on the back of the river

lights burning the sky
so the night can
keep its promises

failing lights
in different guises

but the same suicide
the same sinking sun
the same circular rite of death

I have seen

light resting on lips
after the first kiss

light which climbs onto the roof
to ask the moon a favour

lights caressing tree trunks
to discover the age of their wounds

I have seen waters

waters in all forms
…..
waters as rivers
carrying ancient freight
in hopeful fleets
to the sun

waters as rain
…..
falling
punishing
purifying
cleansing violations
bearing forgotten stories

Rains

revealing to the ground
the secrets soaking
in the rage of stars

signs of the fall
toward the ignored springs
at the heart of the future?

or just waters?

waters recounting
plant legends
that nobody knows how to hear

waters as marshlands
like mirrors of mud
reflecting mute skies

waters as coal
making the shapes
of the last farewell

I have seen waters

as rivers
as rainfalls
as mirrors
…..

as the cold cloaks
which no longer warm
the elegance of fish

Lost waters
…..
groping
questioning
remembering

Waters dreaming
…..
of a moment of clarity
in the thought of a lake

of the future of seeds
in a furrow of new corn

or the charms of wind
from the beginnings of love

I have seen hands

hands which know
how to build the world

how to be song
how to be mother
how to be chisel
how to be mud

hands of light
shining on jars

hands of honey
pulling out thorns

hands clasping hands
shaping the juices
in the heart of the cane

I have seen hands

hands of all races
hands of all truths
of Juan Sintierra
of Maria Pródiga
of Pablo Firmamento

hands crossing Brazil
looking for a plot
of earth to love


a pocket of earth
to grow a tree
to raise a roof
to nurture the words
which one day will bring us to our senses

I have seen a point

a point on earth
to consider my own stature

a point on a hill
to be a leaf in the stream

a point at the foot of a tree
to understand if my arms
are branches or dreams

I have seen a point

a point in time
for a hollow of calm

a point in childhood
to protect tenderness

a point in youth
for an explosion of flowers

a point at my age
like a thick skinned grape

that point to summarize
the wise plants’ sap

a point
…..
to weep for everyone

for the earth in ashes
for the innocent cows
for the broken trees
for the mourning birds

I have seen
…..
Amazon
…..
I have seen

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s