tradução

23 tradução para um epigrama de Tibulo, por Matheus Mavericco

albius20tibullus01

Elogiado por Quintiliano no livro X das Instituições Oratórias e lembrado por Ovídio no nono poema do terceiro livro dos Amores, Tibulo é sem dúvidas um nome de destaque dentro da elegia romana, ao lado do próprio Ovídio ou de Propércio. O gênero elegíaco, que remonta à poesia grega arcaica, surgiu na poesia romana pelas mãos de um certo Cornélio Galo, de quem só restam alguns fragmentos. Os elogios ao poeta cintilam aqui e acolá, por exemplo Diomedes em sua Ars Grammatica, quando, após explicar que a elegia é composta de dois cola (um hexâmetro seguido de um pentâmetro), cita versos de Tibulo e o coloca ao lado de Galo e Propércio. Quintiliano também o punha em posição de destaque e Ovídio, no poema citado, menciona que a própria elegia deveria se lamentar com a morte de Tibulo, “tuiuates operis, tua fama“.

Apesar da alta estima gozada naqueles tempos, não sei até que ponto o leitor de hoje em dia pode vir a tê-lo em alta conta. Francis Cairns, por exemplo, diz: “Tibullus is a good poet but not a great one: in comparison with Propertius and Ovid he seems dull and uninteresting“. Da obra que deixou, compilada em três livros, os dois primeiros são tidos como inegavelmente de sua autoria e o último, por parecer ter dedo de mais gente do círculo literário de Messala, patrono do poeta; o último nos deixa com uma pulguinha atrás da orelha.

Mesmo que a opinião do leitor não seja lá muito favorável diante do conjunto das elegias tibulianas, me parece relativamente simples e cômodo defender a excelência de algumas pièces de resistance, em especial o poema que fecha a obra, que é o que trago pra nos divertirmos hoje. Mathilde Skoie, num artigo onde analisa o corpus textual do autor, elogia a eficiência emocional do poema e o coloca ao lado do poema 14 do terceiro livro dos Amores de Ovídio bem como do quarto poema do quarto livro das elegias de Propércio. Em ambos o rumor é tematizado, mas, enquanto no poema de Ovídio o poeta pede à sua amada que seja mais discreta (“nec te nostra iubet fieri censura pudicam, / sed tamen, ut temptes dissimulare, rogat“) e enquanto no poema de Propércio o rumor possui um papel mais ativo, ganhando até voz (“cras, ut rumor ait, tota potabitur urbe“), o rumor, em Tibulo, pelo simples fato de que existe, aflige, machuca, dói.

Creio que podemos ir até um pouco além, afinal de contas o rumor diz que a amada do poeta peca com frequência, ou, trocando em miúdos, trai. O simples fato de que o poeta tenha usado o verbo peccare já parece denotar um modo de não olhar pra situação de forma direta, de andar em círculos e não, como dito por Otelo, “give thy worst of thoughts / The worst of words“. Seu comentário de que ser surdo lhe cairia bem parece um modo de confirmar a leitura, afinal de contas o poema versa sobre a situação de quem não quer enfrentar ou mesmo encarar a realidade dos rumores. Que, em contraponto ao certo eufemismo de peccare, o poeta fale de crimen dois versos depois, é uma maneira curiosa de mapear sua postura emocional, haja vista que embora ele se afaste da real intenção dos rumores, por outro ele os trata de maneira como que enfática, dizendo que são recriminações, que são acusações que recaem sobre ele e que lhe causam dor.

Não estou querendo, é claro, bater o martelo e afirmar que a amada da voz poética realmente o traía. Os rumores dizem que ela anda pecando; mas os rumores também dizem que o fim da prisão em segunda instância soltará Barrabás. No entanto, se por um lado é fato notório que os rumores envolvendo traição quase nunca são enunciados de forma direta, valendo-se, antes, de rodeios e rodeios que a um só tempo sugiram a verdade e aliviem o amante da dor, ou, pelo contrário, zombem dele às escondidas (ou seja, é quando alguém numa roda de amigos faz sinal de chifre quando o coleguinha atrasado finalmente chega), por outro não se pode negar que a acusação é séria o suficiente e demanda por parte de quem a recebe uma, se é que me entendem, investigação. Se o camarada, ao invés de buscar saber a verdade, pede pra que os rumores parem, então, no imaginário popular, ele passa a ser o que chamamos de “corno manso” ― não necessariamente no sentido de que sabe das traições e as aceita ou não lhes dá a devida importância, e sim no de que põe o rumor pra escanteio. Com uma atitude assim, o poema mapeia não apenas o drama pessoal do eu lírico como, ainda, o drama de sua imagem pública, afinal de contas embora a verdade dos fatos possa vir a ser muito doída, os rumores, lesivos à honra e à imagem pública do cornífero, podem ser até mais doídos.

A par deste quadro ricamente sugestivo, Tibulo dota seus versos de uma sonoridade magnífica. O dístico elegíaco foi muitíssimo bem recortado, com o pentâmetro respondendo o hexâmetro e demarcando as unidades de sentido. Se nos hexâmetros ele foca no rumor, dizendo do teor de seus murmúrios ou do fato de que machuca a voz lírica, nos pentâmetros ele passa a falar de si, desejando ser surdo ou questionando de forma doída (miserum, miserum!…) o motivo do rumor o assolar. O pedido enfático de Tace no final do poema parece adicionar aquela eficácia emocional a que Mathilde Skoie se refere, afinal de contas a atitude esboçada no pentâmetro anterior havia sido elusiva: querer ser surdo pra que não escutasse os rumores. Agora, pelo contrário, são os rumores que devem calar. Adicione-se a tal quadro a belíssima cadeia sonora dos hexâmetros, com aliterações sobressalentes, e temos, eu repito, uma legítima pièce de resistance.

Ora: poema bom assim não passa incólume pelo olhar afoito dos tradutores. E realmente. A elegia de Tibulo foi alvo de interessantíssimos experimentos tradutórios saídos da pena de Guilherme Gontijo Flores e de João Paulo Mateldi Alves. O primeiro, num artigo de 2011, realizou nove traduções para a elegia de Tibulo, o que foi seguido pelo segundo em sua tese de doutorado em 2014, onde, ao traduzir algumas elegias do corpus tibuliano, chega a um total de dez versões. E veja o leitor que o trabalho da dupla dinâmica, mais do que contemplar aspectos variados do original, contempla-os de variadas maneiras, criando uma espécie de leque de abordagens possíveis. Com isto demonstram, de maneira virtuosística, que a tradução não lança seus mil e um tentáculos apenas nas múltiplas interpretações que todo poema é passível de receber ou nas múltiplas tentativas que os tradutores fazem de abarcar as várias características do original: demonstram, mais ainda, que todo tradutor parte, utiliza e modela um horizonte linguístico e artístico. Veja, neste sentido, o que Guilherme faz ao besuntar de sabor árcade duas de suas versões: mais do que simples roupagens distintas, elas encarnam um horizonte vocabular e técnico diverso.

Bastante deslumbrado com o espetáculo que realizaram, cometi duas traduções, a segunda já entrando no espírito com o intuito de sugerir qualquer coisa de toscamente classicizante onde o dístico elegíaco se transmuta num par de decassílabos heroico e sáfico, respectivamente (a mesma proposta feita por Rafael Falcón anos atrás ao traduzir uma elegia de Propércio). Não sei se fui feliz em alguma delas, muito embora tenha tentado, na primeira, manter alguns dos intrincados procedimentos textuais da elegia, por exemplo suas aliterações ou o fato de que se dispõe segundo uma composição em anel (ringkomposition), isto é, começa com a barulheira do Rumor e termina com um basta: Tace. De todo modo, remeto o leitor ao trabalho dos dois, aqui (também incluso no Algo Infiel, onde o Guilherme exclui os comentários para cada uma das versões e muda o nome de algumas, mudanças essas que incluí em colchetes) e aqui.

Matheus Mavericco

* * *

III. 20

Rumor ait crebro nostram peccare puellam:
…….nunc ego me surdis auribus esse uelim.
crimina non haec sunt nostro sine facta dolore:
…….quid miserum torques, rumor acerbe? tace.

§

traduções de
GUILHERME GONTIJO FLORES

tradução semântica prosaica

O rumor diz que com freqüência a minha amada me trai:
…….agora eu gostaria de ser surdo.
Estas acusações não são feitas sem que eu sinta a dor:
…….por que perturbas um miserável, ó rumor acerbo? Cala-te

*

quadras populares

Muitas vezes um rumor
afirma que a minha amada
andou perdendo o pudor,
que andou perdida e bem dada:

nessas horas eu queria
perder toda a audição.
Cada coisa que eu ouvia
me doía o coração:

mas por que, rumor cruel
você não volta pra toca,
deixa o velho menestrel
e cala a maldita boca?

*

à moda do século XVII

Sempre o rumor acusa a minha amada
de pecar noutros braços, descarada:
quisera ser um surdo neste luto;
pois confesso que a cada vez que escuto
as tais acusações a dor me toca:
ah, rumor desgraçado, cala a boca!

*
terceto quebrado [terceto árcade]

O rumor diz que peca a minha amada
Neste momento, o que eu mais queria
Era não mais ouvir.

Não é sem dor que escuto tantos crimes.
Por que perturbas este miserável,
Rumor maldito? Cala-te!

*

versos núnicos e um pentâmetro aproximado

Sempre o rumor me sussurra que a minha querida me trai:
…….hoje eu queria ficar surdo p’ra tudo que dizem.
Eu não recebo sem dor as notícias das acusações:
…….cruel rumor, o que quer deste coitado? Então cale-se!

*

dístico elegíaco alemão

Sempre o rumor sussurra os pecados da minha menina:
…….hoje eu queria ser surdo de todo esse mal.
Não é sem dor que escuto várias acusações.
…….Tu, que queres de mim? Cala-te, rude rumor!

*

mescla entre tradução francesa e lusa [mescla franco-lusitana]

Rumor me diz que a minha amada sempre peca:
hoje eu queria me fazer de surdo.
Não escuto sem dor as tais acusações:
que queres, ó rumor maldito? Cala!

*

recriação marginal [transcriação marginal]

fofoca espalha
…….o quanto
…….…….trepa
…….minha menina
– ela se faz de louca, cai de boca, abrindo as pernas
…….é uma nova Messalina –
…….e eu poderia dar uma de surdo
…….…….ou puxar a navalha
…….…….…….e arrancar umas tripas
…….mas calúnias me caem doídas

pra que me entortar,
…….fofoca sem fundo?
pois cala essa boca!

*

desleituras em série [tradução sonora, método Zukofsky]

A – Rumor, ai!, como peca a nossa puella:
Nunca meu ego surdo haure esse velo!
e crimes não desfazem minha dor.
B – O que retorce o mísero? um rumor de acerto?
A – Cale-se!

§

traduções de
JOÃO PAULO MATELDI ALVES

Voz vezeira os pecados diz de minha amada:
…….agora, quem me dera ouvidos surdos.
Ofensas tais não são senão meu sofrimento:
…….por que o infeliz afliges, voz acerba? Cala!

*

Um rumor incessante diz que minha
menina mente: quem me dera agora
ser surdo. Tais ofensas não me fazem
senão enorme dor: rumor acerbo,
por que torturas um maldito? Cala-te!

*

Minha garota, diz a voz, me engana:
agora, quem me dera ouvidos surdos.
Ofensas tais provocam minha dor:
por que, atroz voz, me crucificas? Cala-te!
*

Voz vivaz injuria os meus amores:
quem dera ter ouvido surdo agora.
Tais calúnias provocam minhas dores:
por que (basta!) torturas sem demora?

*

Voz sem fim diz que meu amor me engana:
quem dera ouvidos surdos a tal fama.
As ofensas provocam dor feroz.
Por que a tortura? Cala!, voz atroz.

*

Rumor contínuo diz que mente a minha amante:
quem dera eu ter de injúrias uma audição casta.
Essas calúnias me provocam dor constante.
Por que, cruel rumor, crucificas-me? Basta!

*

Voz vezeira de minha amada as faltas fala.
Quisera eu ter ouvidos surdos nesse instante,
para de dores tais não ter um tal montante.
Por que torturas um maldito, atroz voz? Cala!

*

Rumor constante diz que minha amada mente:
…….quem dera ouvidos surdos a tal fel.
Essas ofensas me provocam dor frequente.
…….Por que a tortura? Cala!, voz cruel.

*

Falácia
sem cessar fala
que mente a minha amada.
Agora
quisera eu ter ouvidos surdos:
de calúnias são feitos sofrimentos.
Por que torturas um maldito, voz vivaz?
Cala-te.

*

Um rumor corre em Roma: que nostram puellam
que Tibullus
amou mais que a si e todos os seus,
agora nos becos e encruzilhadas
descasca os filhos de Remo magnânimo.

Quem dera nunc estar ouvidos surdis:

Crimina non haec sunt nostro sine facta dolore:
por que torturas um miserum, acerbe rumor?

“Há que amar e calar.
Ela tece, dobrando-lhe o amargor,
outra forma de amar no acerbo amor.”

Tace!

§

traduções de
SERGIO MACIEL

À boca miúda corre que minha mina dá
…….pra outro: tem como ser surdo? Queria.
Calúnia assim é dor mais que doída:
…….quer me foder, fofoca? Vá pra porra.

*

Diz o boato que minha menina me trai:
…….eu queria ser surdo que nem uma porta.
Porque me dói demais e tanto esta perfídia:
…….que coitado torturas, rumor atroz? Para.

§

traduções minhas

Um murmúrio há muito diz que ela anda pecando:
…….agora era bom ter ouvidos surdos.
Não se incrimina assim sem que me inflijam dor:
…….por que, murmúrio, assola um reles? Cale-se!

*

Rumores há que minha Dama é enganos:
Ensurdecer-me era melhor ajuda.
Censuras, nada não sendo que danos,
Por que a um ninguém amofinar? Caluda!

Padrão

Um comentário sobre “23 tradução para um epigrama de Tibulo, por Matheus Mavericco

  1. Rodolfo Brandao de Proença Jaruga disse:

    dizem que ela me trai
    quem dera eu fosse surdo
    há crime quando dói
    calem-se por favor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s