Ana Cláudia Romano Ribeiro

Ana Cláudia Romano Ribeiro traduz, escreve, pesquisa outros modos de expressão e é professora na Unifesp. Publicou a tradução com introdução e notas da utopia francesa A terra austral conhecida (1676) de Gabriel de Foigny (editora da Unicamp, 2011) e coeditou a revista Morus – Utopia e Renascimento. Atualmente está no prelo sua tradução com introdução e notas da Utopia (1516) de Thomas More (editora da UFPR).  Traduziu também os aforismos poéticos Poteaux d’angles (Pilares de canto), de Henri Michaux, e, em projeto coletivo, a peça de teatro Le bleu de l’île (O azul da ilha), de Évelyne Trouillot.

* * *

tempo

deitar-se nos tijolos
sentir o limo úmido nas costas
ouvir insetos
deixar virem e irem embora cachorros e galinhas
olhar a copa das árvores
saber que os abacates estão quase maduros
e que as árvores perdem folhas o tempo todo
amadurecer nos intervalos

§

moto contínuo

volta no meio da tarde
poucos estão nas calçadas
lusco-fusco
vento e mormaço na rua vazia
você alonga a coluna e sorri
dá uns passos e corre pelo declive até o jardim
recolhe as sementes
junta todas em um saquinho de juta
levará tempo até plantá-las
repetindo um gesto antigo
percebe a necessidade da poda
corta os galhos do limoeiro
da jabuticabeira
lembra do cajueiro
observa as plantas que crescem do nada
nada vem do nada
deixar no chão o imenso
pé de pitaia que despencou do arco alto de dois ipês contíguos
colher as frutas doces
serrar um tronco comido por cupins
limpar o poço
tomar banho
escutar os ossos
quem sabe à noite na rede o corpo
cansado, o radinho
sintoniza uma música
em língua desconhecida

§

cotidiano

aveludada e vermelha, a blusinha
de tripa, a corda da viola da gamba
encerada, a fita dental
que Jonas não encontrou na farmácia
o inexistente vaza no existente
só se supõe no espaço

§

Deise

daqui da minha cozinha
escuto os abacates caírem
como chumbo
no chão
e penso em te escrever
como se não houvesse um sistema de troca de mensagens tão moderno
quanto ovo solúvel
escrever a mão
te contar que aqui
vamos todos parados
mas tentamos nos mover por dentro
não guardo a caixa de aveia
pra depois esquecer
e achar graça na mesa assim
com aquele quacker sorrindo ali
que devia estar no armário
você riria algo inquieta eu sei
porque gosta das coisas em seus devidos lugares
e queria te dizer isso
numa carta escrita a mão
um acontecimento
enquanto cai outro abacate
que faz bem ao coração
e você meu amor, que tem feito?
como vai teu jardim nessa seca?
lembra da flor roxa? nem precisou adubar
foi remexer a terra e pá
impressionante como movimento faz florescer

§

isolamento domiciliar

talvez acrílico, talvez óleo, não sei
sobre tela
verdes, rosas, cor da pele
tudo desbotado e escuro
o olhar da moça pintada
delicada, destemida
único corpo humano além do meu
em quarentena
tem mãos, pescoço e flores
numa cesta
talvez o verde no fundo tenha sido pintado por último
folhagens, bosque, capim borrado
o quadro olha para a janela
e para o espelho
ao lado dele uma porta
sair por ela e encontrar no jardim
a companhia das minhocas
ouvir ossadas antigas
a lembrança das árvores abatidas
cacos de pratos
mato, cisco, parafuso, barbante
voltar para dentro
e misturar tudo
perfumes vencidos
flor de cerejeira e alfazema
avó, irmã e mãe
sentir o cheio dos ausentes
e a dor no lóbulo da orelha furada
que fez a moça desmaiar
numa farmácia
em 1987

2 comentários sobre “Ana Cláudia Romano Ribeiro

  1. as palavras parecem sair naturalmente e ser uma vida só mesmo tendo sentidos completamente diferentes, e a linguagem é tão cotidiana, humana, sem arrodeios.. senti uma acidez sutis na composição dos poemas, não sei explicar.. me lembrou Ana Cristina César. Muito bom!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s