poesia

Beatriz Ribeiro

100381256_626999711499742_3027467382645449522_n

Beatriz Ribeiro é poeta negra, periférica e mãe solo. Escreve poemas desde os 12 anos, encontrou nos livros e na poesia o seu refúgio, o seu “país das maravilhas” pessoal onde tudo era possível, uma cura aos abusos sexuais que sofria, o bullying na escola, o racismo,  machismo, entre os outros obstáculos. Seu sonho  é inspirar outras mulheres que como ela são subjugadas e passam por diversas lutas todos os dias. As poemas abaixo compõe seu livro O mistério por detrás das Asas, ainda inédito. 

*

Reino dos bichos e dos animais é o meu nome
– Stela do Patrocínio

Análise do pombo

Eu sou o pombo
O pombo voando sem destino certo
Voando pela cidade vendo a vida das pessoas acontecerem
Eu sou o pombo agradecido
Pelas migalhas que me destes,
Porque na minha cabeça de pombo é o que mereço.
Eu sou o pombo rejeitado, cuja presença incomoda.
Pois sou sujo tal como um rato
Olham-me e me veem asquerosamente feio,
Riem de mim, podem rir.
Nada tenho eu contra a tua risada debochada
Teve um tempo que passei longas horas imaginando
Como deveria ser uma águia com seus olhos e pelagens admiradas.
Sou o pombo solitário.
Se eu morro apenas passam por cima de meu cadáver
Sem dó, nenhuma comoção.
O pombo não merece compaixão, nem amor alheio.
Eu sou o pombo subjugado e entristecido,
Mas quando ninguém repara eu fecho os olhos e vou voar,
Para longe da tua risada ecoante, para longe do seu desprezo.
E encontro nas nuvens, do sonho e do pensamento,
O consolo para essa vida que é tal como
Uma ferida pulsante que não para de doer.

§

Os Urubus

Os urubus são o renascimento,
Os urubus comem o resto da vida
Eles separam o fútil corpo
Do livre e esplendido espirito
No entanto,
Não se podem contemplar os Urubus.

A magia deles é segredo!
Os servos das divindades,
Que como a abelha faz com a flor
Recolhe nossas almas
Para o paraíso.

§

A galinha

Eu nasci para servir
Em um sistema que me sacrifica para fins religiosos
Arrancam minhas penas para vestimentas
Arrancam minha placenta e fritam meus filhos em óleo quente
Enchem-me de hormônios para que e fique maior
Na hora da morte quebram meu frágil pescoço
Usam-me até não ter mais como usar
Fui castigada desde sempre, pois tenho asas,
Mas não posso usá-las para fugir disso tudo
A morte para mim é um alívio
Porque só assim serei livre e poderei voar…

§

Phoenix

Acabei de sair dos meus ninhos pretos
Estico minhas asas gentilmente abrindo
Isso deveria ser bom?
Mas você não sabe como é difícil para mim acordar todos os dias
Manhãs sem fim, meu destino é ser infinito
Até depois do fim
Então eu vivo, não só esta noite
Mas sempre como se fosse um jovem para sempre
Ter o ingênuo primeiro amor,
O deslumbramento de uma primeira festa,
O coração disparado e mentiroso
Perguntavam-me – E tu já beijaste uma garota?
Afligia-me o suor esfriava e eu dizia
Orgulhoso e pomposo – Mas é claro que sim!
Toda vez que perco um amor eu caio de um penhasco!
E fico neste ciclo, até que meu amor pare de partir

*

Padrão

6 comentários sobre “Beatriz Ribeiro

    • Michele Soares disse:

      Incrível! Amei os poemas.

      Também tenho muita curiosidade em saber como publicar poemas na Escamandro, se apenas poetas convidados podem publicar.

      Grata. Vocês são sensacionais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s