poesia, tradução

Hugo Gola (1927-2015), por Guilherme Gontijo Flores e Iván García

Es una alegría que los poemas de Hugo Gola por fin lleguen a Brasil, pues en algunos poetas de ese país encontró cómplices de sus aventuras poéticas y reflexivas. Si hace unos días salió una traducción de Ronald Polito en Galileu Edições, ahora surge esta otra, no menos delicada, de Guilherme Gontijo Flores. Me da […]

Padrão
poesia, tradução

Regina Célia Colônia / Regina Colonia-Willner (1940—)

Apesar do meu interesse recente e de uma série de buscas sobre Regina Célia Colônia, sei muito pouco sobre ela. É autora de quatro livros: Sumaimana (poesia, 1974, reeditado em 1984, e sei que traduzido ao menos ao francês como Sumaymana), Canção para o Totem (contos, 1975), Sob o Pé de Damasco, sob a Chuva […]

Padrão
poesia

Maria Lúcia Alvim (1932)

Algumas famílias nos pasmam. Veja esta Alvim: gerou o mais reconhecido, Francisco (1938—), Maria Ângela (1926-1959, cf. post na Modo de usar & co.) e só há pouco fui descobrir, gerou também Maria Lúcia Alvim (1932—), essa poeta impressionante, versátil, tesa, pontilhista, de virtuoso domínio técnico (passando pelo haiku à la Guilherme de Almeida, o […]

Padrão
crítica, xanto

XANTO|Walter Benjamin e a poesia brasileira contemporânea: apontamentos, por Gustavo Silveira Ribeiro

A história da poesia brasileira das últimas três décadas (como, aliás, de qualquer período) pode ser contada de muitas maneiras. Território aberto e ainda não de todo cartografado, o vasto campo que se tem chamado, na luta pelo reconhecimento dos seus limites e pela construção do seu sentido, de contemporâneo, admite abordagens muito diferentes entre […]

Padrão
xanto

XANTO| Daniel Faria e o complexo de Sísifo: o processo cíclico da poesia a partir da palavra e do silêncio, por Patrícia Lino

Tentativas 1-3 seguidas da morte: transportar a enorme pedra até ao cume da montanha/ deixá-la rolar encosta abaixo/ procurar um lugar entre o sopé e o cume da montanha καὶ μὴν Σίσυφον εἰσεῖδον κρατέρ ̓ ἄλγε ̓ ἔχοντα λᾶαν βαστάζοντα πελώριον ἀμφοτέρηισιν. E vi Sísifo a suportar grandes sofrimentos, ao tentar, com as mãos, erguer […]

Padrão
poesia, tradução

Rubén Vela, por Nina Rizzi

Rubén Vela nasceu em Santa Fé, em 1928. Começou a escrever seus poemas em 1949 e participou do movimento literário que se formou em torno da revista Poesía Buenos Aires, dirigida por Raúl Gustavo Aguirre.  Em 1973 se radicou em Brasília, onde recebeu o Prêmio Internacional do Pen Club do Brasil por seu livro Poemas […]

Padrão
poesia, tradução

UM ANO DEPOIS DE ISTAMBUL, por Francesca Cricelli

Um texto meu permaneceu engavetado por um ano. Ontem, por acaso, assistindo a um filme de Ferzan Özpetek Rosso Istambul senti-me invadida pela saudade do Bósforo, seus azuis, as luzes do dia nele se refletindo e tudo sendo alterado a partir dela – a luz. Decidi reler a crônica que havia escrito quando voltei de […]

Padrão
crítica, xanto

XANTO | Deslocamento e estranheza em ‘Ao jeito dos bichos caçados’, de Otávio Campos, por Sergio Maciel

O livro Ao jeito dos bichos caçados, de Otávio Campos, é um livro muito particular. Comecemos pelo título. Comecemos por aquilo que o poeta Ismar Tirelli Neto diz na introdução à coletânea: O título do presente apanhado nos remete a um aparte do autor americano Robert Glück constante da narrativa “Sanchez and Day”, que abre seu Elements […]

Padrão