O erótico, a sexualidade e o amor na escrita de Cheryl Clarke, por Thamires Zabotto

(Thamires Zabotto é tradutora e já deu as caras aqui no escamandro anteriormente, com sua tradução e comentário dos poemas de influência iorubá de Audre Lorde (clique aqui)) Cheryl Clarke (1947 –) é poeta, educadora, teórica, ativista feminista negra e lésbica. Estudou na Universidade Howard e fez mestrado e doutorado em Inglês na Universidade Rutgers, onde lecionou desde 1970. Participou do Departamento de Mulheres e … Continuar lendo O erótico, a sexualidade e o amor na escrita de Cheryl Clarke, por Thamires Zabotto

“Depressão: uma ode”, de Coleridge, por Mavericco

(Segue agora a segunda parte da postagem da semana passada de Matheus Mavericco sobre os românticos ingleses William Wordsworth (1770 – 1850) e Samuel Taylor Coleridge (1772 – 1834) (clique aqui para a primeira parte). Na postagem anterior, Mavericco traduziu o poema “Ode: Intimations of Immortality”, de Wordsworth. Agora ele traduz “Dejection: an Ode”, de Coleridge, ainda inédito em português até onde temos notícia. Mais … Continuar lendo “Depressão: uma ode”, de Coleridge, por Mavericco

“Ode: prenúncios de imortalidade”, de Wordsworth, por Mavericco

Já vimos poemas de Coleridge, Blake, Byron, Shelley & Keats aqui no escamandro: agora William Wordsworth, Poeta da Natureza, é o último dos grandes românticos ingleses que faltava para dar as caras em nosso blogue – last but not least, claro, dada a imensa influência que ele foi para todos os outros e para toda a poesia inglesa, senão a poesia do ocidente em geral. … Continuar lendo “Ode: prenúncios de imortalidade”, de Wordsworth, por Mavericco

Elise Cowen (1933 – 1962)

Tem uma anedota famosa, registrada por Stephen Scobie em seu relato do tributo a Allen Ginsberg feito pelo Naropa Institute em julho de 1994, que conta o seguinte: Uma mulher da plateia pergunta: “Por que tem tão poucas mulheres nesta mesa redonda? Por que tem tão poucas mulheres na programação da semana? Por que tinha tão poucas mulheres entre os escritores Beat?” e o [Gregory] … Continuar lendo Elise Cowen (1933 – 1962)

“As quatro idades da poesia”, de Thomas Love Peacock

“Um poeta em nossos tempos é um semibárbaro numa comunidade civilizada. Ele vive nos dias do passado. Suas ideias, pensamentos, sentimentos e associações estão todos ligados aos modos bárbaros, costumes obsoletos e superstições refutadas. A marcha do seu intelecto é como a de um caranguejo, anda para trás. Quanto mais clara a luz que se difunde ao seu redor pelo progresso da razão, mais espessa … Continuar lendo “As quatro idades da poesia”, de Thomas Love Peacock

Finn’s Hotel

Finn’s Hotel, o dito “livro perdido de James Joyce”, foi publicado pela primeira vez como um volume à parte só em 2013, em junho (só podia), pela editora Ithys Press, numa edição acompanhada de ilustrações do cartunista Casey Sorrow. Ao que parece, pelo menos em sua maior parte, não se trata exatamente de um texto “novo”, nem perdido no sentido arqueológico da palavra, mas de … Continuar lendo Finn’s Hotel

Dois poemas de Charles Bernstein

Esses dois poemas foram retirados, respectivamente, dos livros My Way: Speeches and Poems e All the Whiskey in Heaven, e são comentados pela crítica Marjorie Perloff em seu livro de memórias The Vienna Paradox e no ensaio “La Grande Permission: John Ashbery in the 21st Century”, que, apesar de ser sobre John Ashbery e não sobre Bernstein, comenta algumas aproximações entre os dois poetas. Nos … Continuar lendo Dois poemas de Charles Bernstein

A canção de amor de Šu-Sin, um poema sumério

Aproveitando o embalo do tema da escrita cuneiforme e línguas e poesia do Oriente Próximo e Médio da minha postagem do começo do mês sobre um poema do ugarítico, gostaria agora de tratar daquele que, desde seu descobrimento no século passado, tem sido frequentemente chamado de “o poema de amor mais antigo de mundo”. Aliás, recomendo seriamente que, para a leitura desta postagem, vocês ouçam … Continuar lendo A canção de amor de Šu-Sin, um poema sumério

A invocação dos Orixás na poesia de Audre Lorde, por Thamires Zabotto

Nascida em Nova York em 1934, a poeta, ensaísta e ativista Audre Lorde é reconhecida como uma das figuras mais importantes do feminismo e da luta contra o racismo e a homofobia/lesbofobia nos EUA. Após suas primeiras publicações na revista New Negro Poets, USA, de Langston Hughes ao longo dos anos de 1960, seu livro de estreia na poesia, The First Cities, foi lançado em … Continuar lendo A invocação dos Orixás na poesia de Audre Lorde, por Thamires Zabotto