Anne Sexton, por Júlia C. Rodrigues

Anne Sexton é uma poeta que desperta fascínio. Nos retratos, encontramos uma bela mulher que sempre parece à vontade diante da câmera. Nos registros audiovisuais de suas entrevistas e leituras, encontramos uma autora eloquente, uma notável oradora. Nos poemas, encontramos uma voz provocante, perspicaz, disposta a tratar da intimidade sem meias-palavras. Frequentemente associada ao controverso rótulo da “poesia confessional”, junto de figuras como W. D. … Continuar lendo Anne Sexton, por Júlia C. Rodrigues

Marconi Fonseca

Marconi Fonseca é poeta,  reside em Vitória (ES), formou-se em Direito pela Universidade de Velha- UVV e em Letras/Português pela Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Foi um dos idealizadores do Sarau Poético “O Quinze” que ocorreu continuamente em Vitória (ES) entre os anos de 2002/2012. Lançou as obras poéticas Marcha dos Fragmentados em 2015, Ratos Retumbantes em 2018 e Assim que a Chuva … Continuar lendo Marconi Fonseca

Paulo Colina (1950—1999)

Este post é um modo de comemorarmos e celebrarmos o lançamento da Poesia reunida de Paulo Colina, um poeta que consideramos importantíssimo, que merece ser mais lido, neste ano em que ele completaria setenta voltas solares. O trabalho da edição é de Eunice Souza e Marciano Ventura, publicada pela Ciclo Contínuo Editorial, com apresentação de Oswaldo Camargo e Posfácio de Ricardo Riso, realizando um acontecimento … Continuar lendo Paulo Colina (1950—1999)

Goliarda Sapienza, por Valentina Cantori

Goliarda Sapienza (1924-1996) foi atriz, poeta e prosadora italiana. Apesar de ter escrito muitas obras, veio a ser reconhecida apenas neste novo século com a publicação de l’Arte della gioia, seu romance de destaque. Porém, é importante dizer que Sapienza, antes de ser prosadora, é poeta: nos anos 1950 compôs Ancestral, livro de poemas que permaneceria inédito até 2013. Esse foi o ato de nascença … Continuar lendo Goliarda Sapienza, por Valentina Cantori

Hudson Santos (1976—)

Hudson R. Santos nasceu em São Paulo 1976. Estudou filosofia. Publicou o livro A palavra soprada pela Multifoco. É poeta e arte-educador. Os poemas abaixo fazem parte do livro inédito O reino das coisas. * * * a vida pulsa em cada partículade matéria neste pó:teu rostorefletido surgequandooventooespalha não adentras o estranhoreino da pedra apenas frequentaa sua mudez sua formacarnadura concretaque se trançade dentropara fora … Continuar lendo Hudson Santos (1976—)

Maria Lúcia Alvim lê dois poemas de “Batendo pasto”

Depois de quarenta anos sem lançar poemas inéditos em livro, Maria Lúcia Alvim (1932—) publicou este ano Batendo pasto, livro composto em 1982, que estava sob a guarda de Paulo Henriques Britto. O livro saiu pela Relicário Edições com paratextos de Britto, Ricardo Domeneck e Guilherme Gontijo Flores. Aqui apresentamos duas filmagens em que Maria Lúcia lê poemas do livro, em filmagens e foto feitas … Continuar lendo Maria Lúcia Alvim lê dois poemas de “Batendo pasto”

Louise Glück, por Adalberto Müller e Thiago Ponce de Moraes

Como todo mundo atento ao momento já sabe, a poeta norte-americana Louise Glück acaba de ganhar o prêmio Nobel de literatura. Apesar de não ter nenhum livro publicado no Brasil, ela já vinha chamando atenção de gente ligada, por isso publicamos aqui traduções feitas por Thiago Ponce de Moraes e Adalberto Müller, duas figuras que já contribuíram com a escamandro. A apresentação é feita pelo … Continuar lendo Louise Glück, por Adalberto Müller e Thiago Ponce de Moraes

“Menuro na Estância”, por Guilherme Gontijo Flores e Daniel Kondo

Este videopoema é mais uma parceria minha com Daniel Kondo, para além de A mancha e do projeto Coestelário, ainda em movimento; é fruto da troca contínua que tem sido o convívio com Kondo, como artista e amigo. Sou um tanto avesso a explicar demais as obras, por isso gostaria apenas de avisar que os sons que acompanham o vídeo são da ave-lira ou pássaro-lira … Continuar lendo “Menuro na Estância”, por Guilherme Gontijo Flores e Daniel Kondo

Virgílio, “Geórgicas”, Livro 2, vv. 1-109, por Rafael Silva

“mas quantas as espécies e quais são os nomes delas?”, por uma tradução poética das Geórgicas de Virgílio pouca gente sabe, menos gente ainda faz lá questão de lembrar, mas a obra de Virgílio não se restringe à Eneida. além de ser o autor das Bucólicas, conjunto de dez poemas que retoma muito da produção helenística de Teócrito e que constitui o mais influente modelo … Continuar lendo Virgílio, “Geórgicas”, Livro 2, vv. 1-109, por Rafael Silva

Vincent Bounoure, por Natan Schäfer

Depois de estudar na Escola de Minas de Nancy, Vincent Bounoure (Strasbourg, 1928 – Paris, 1996) recusou empregos em pesquisas industriais e militares e juntou-se ao grupo surrealista de Paris na primeira metade dos anos 1950 — grupo do qual ele faria parte até o fim de sua vida. Bounoure notabilizou-se tanto por sua atuação em âmbito internacional — contribuindo, inclusive, para a realização da … Continuar lendo Vincent Bounoure, por Natan Schäfer