mensagem fragmentária do poeta psicografada pelo outro poeta no exato momento de sua transmissão, ou simplesmente dó… – vinicius ferreira barth

caros, hoje inauguramos a geringonça conhecida por soundcloud, que nos proporcionará a leitura e gravação de alguns poemas. perdi um tempo aqui aprendendo a usar o troço e farei a honra de meter-lhes o negócio no ar. aproveitando ainda pra homenagear o grande pessoa, que me ditou pessoalmente esse poeminha lá do inf… céu. creio que em breve outros trabalhos dos nossos integrantes, que não … Continuar lendo mensagem fragmentária do poeta psicografada pelo outro poeta no exato momento de sua transmissão, ou simplesmente dó… – vinicius ferreira barth

federico garcía lorca: libro de poemas (1921)

Voltando com mais algumas traduções do mestre Lorca, hoje escolhi alguns poemas de seu primeiro livro, o Libro de Poemas, de 1921. Embora sejam de temática um pouco diversa do Romancero Gitano (leia aqui), sem fazer referências ao imaginário cigano de sua vila de criação, Lorca apresenta algumas peculiaridades recorrentes e bastante interessantes, como a animização de forças naturais (p.e.: o vento em Preciosa, assim … Continuar lendo federico garcía lorca: libro de poemas (1921)

pastor em praça pública – vinicius ferreira barth

com meus cachorros ando em meio aos bosques           e vejo pedras e rios e flores                          contenteporque sei serem apenas pedras e rios e florese sei serem os meus cachorros apenas cachorros  que pensam com olhos e patas e orelhas e estômago                    e que cagam por tudo– pobres das flores nos canteiros dos jardins regulares – e a multa que levarei  se ali deixar os cocôs              … Continuar lendo pastor em praça pública – vinicius ferreira barth

a originalidade – vinicius ferreira barth

sair matando não é novoe nem anjinhos naked       o olimponão é novo eu nunca disse                   que era o novonão é avant-garde e nem penicoo novo não é e o corpo as letras o sadismonão são novosnem moderno ou marte com beatriz                    num chevette é novojesus em hd             e pixels cimentados em muralhas estrangeiras                         no máximo é de novo e o que querem de mim não … Continuar lendo a originalidade – vinicius ferreira barth

canção polar dos eremitas dos confins das terras geladas transcrita pelo poeta no exato momento de sua execução em meio à tempestade de neve – vinicius ferreira barth

NhóóóóóóóóóóóóóinNhóóóóóóóóóóóóóinNh(friopracaralho*)inNhóóóóóóóóóóóóóinNhóóóóóóóóóóóóóin *traduzido do scholovsky. Vinicius Ferreira Barth Continuar lendo canção polar dos eremitas dos confins das terras geladas transcrita pelo poeta no exato momento de sua execução em meio à tempestade de neve – vinicius ferreira barth

federico garcía lorca: preciosa e o ar (1928)

Federico García Lorca (1898-1936), o principal nome da chamada ‘geração de 27’ é, talvez por unanimidade, o maior poeta de língua espanhola do século XX. Nascido em Granada, na Espanha, possui uma vasta produção poética e teatral. Entre estas, destacam-se, por exemplo, Bodas de Sangue e a Casa de Bernarda Alba. Sobre a poesia, nota-se já nas primeiras leituras a peculiaridade com que Lorca trata … Continuar lendo federico garcía lorca: preciosa e o ar (1928)

carioqueida – vinicius ferreira barth

Carioqueida foi um poema escrito por inspiração simultânea de duas fontes: a Eneida de Virgílio e o malandrismo carioquês, infundido pelo Bernardo e bastante corrente em nosso grupo como filosofia composicional. Talvez uma releitura de colarinho da épica, uma Dido de mini-saia, um Enéias de bronze, de chopp e de malícia.É meu costume homenagear os colegas com meus trabalhos, utilizando mecanismos, estilos e pensamentos em … Continuar lendo carioqueida – vinicius ferreira barth

konstantínos petrou kavafis: os sábios

O grego Kavafis (1863-1933) é ainda leitura recente para mim. É, no entanto, impossível não se encantar com o trato que ele dá a temas filosóficos (até agora meus preferidos, em que se encaixa o poema aqui traduzido), além dos chamados temas “históricos” e “sensuais”. É considerado o poeta mais importante da tradição grega moderna, tendo nos deixado 154 poemas de altíssima qualidade. Suas traduções … Continuar lendo konstantínos petrou kavafis: os sábios

lord byron: prometheus (1816)

George Gordon Byron (1788-1824) é um dos mais destacados poetas britânicos do romantismo – talvez o mais – assim como um dos símbolos maiores da poesia romântica. Junto com Shelley, incorpora vastamente em sua obra os sentimentos de rebeldia, melancolia e deslocamento da figura do artista com relação ao convívio social. Não é por acaso que o titã Prometeu – e Jesus Cristo também – … Continuar lendo lord byron: prometheus (1816)