Comentário crítico: sobre Pus, de Sérgio Blank

Faz já quase um mês desde que eu postei uma pequena seleção de 7 poemas do livro Pus, do poeta capixaba Sérgio Blank, com a promessa de tecer algum comentário crítico a respeito. Pois bem, agora é (finalmente) hora de honrar a promessa e não deixar nenhuma pendência para o ano novo. Gostaria de começar a partir da citação que Valdo Motta faz na contracapa … Continuar lendo Comentário crítico: sobre Pus, de Sérgio Blank

federico garcía lorca: preciosa e o ar (1928)

Federico García Lorca (1898-1936), o principal nome da chamada ‘geração de 27’ é, talvez por unanimidade, o maior poeta de língua espanhola do século XX. Nascido em Granada, na Espanha, possui uma vasta produção poética e teatral. Entre estas, destacam-se, por exemplo, Bodas de Sangue e a Casa de Bernarda Alba. Sobre a poesia, nota-se já nas primeiras leituras a peculiaridade com que Lorca trata … Continuar lendo federico garcía lorca: preciosa e o ar (1928)

O essencialismo de Ismael Nery

Ainda na série sobre a filosofia essencialista de Ismael Nery e sua relação com a poesia do próprio Nery e de Murilo Mendes, transcrevo aqui a parte inicial do texto O Essencialismo de Ismael Nery, que foi publicado como capítulo do livro Ismael Nery e Murilo Mendes: reflexos. bernardo brandão O essencialismo de Ismael Nery A arte de Ismael Nery, diz-nos Jorge Burlamaqui, “não é … Continuar lendo O essencialismo de Ismael Nery

konstantínos petrou kavafis: os sábios

O grego Kavafis (1863-1933) é ainda leitura recente para mim. É, no entanto, impossível não se encantar com o trato que ele dá a temas filosóficos (até agora meus preferidos, em que se encaixa o poema aqui traduzido), além dos chamados temas “históricos” e “sensuais”. É considerado o poeta mais importante da tradição grega moderna, tendo nos deixado 154 poemas de altíssima qualidade. Suas traduções … Continuar lendo konstantínos petrou kavafis: os sábios

A poesia de Ismael Nery

Saindo um pouco da Pérsia e chegando ao Brasil da primeira metade do século XX, gostaria de tratar aqui no Escamandro da poesia de Ismael Nery, Murilo Mendes e Jorge de Lima que foram inspirados, em muitos de seus poemas que parecem seguir fielmente os preceitos surrealistas, pela filosofia essencialista formulada pelo próprio Ismael nos anos 20. Começo minha série sobre o assunto com um … Continuar lendo A poesia de Ismael Nery

lord byron: prometheus (1816)

George Gordon Byron (1788-1824) é um dos mais destacados poetas britânicos do romantismo – talvez o mais – assim como um dos símbolos maiores da poesia romântica. Junto com Shelley, incorpora vastamente em sua obra os sentimentos de rebeldia, melancolia e deslocamento da figura do artista com relação ao convívio social. Não é por acaso que o titã Prometeu – e Jesus Cristo também – … Continuar lendo lord byron: prometheus (1816)

Shelley: Ode to Heaven

Percy Bysshe Shelley (1792 – 1822), além de marido de Mary Shelley – que, ironicamente, acabou se tornando mais famosa que ele, especialmente por conta de seu romance, Frankenstein – foi um poeta romântico, participante daquilo que podemos ver como um segundo momento do Romantismo inglês, ao lado de Lorde Byron e John Keats, e que sucedeu Wordsworth e Coleridge, apesar de estes dois últimos … Continuar lendo Shelley: Ode to Heaven

Algumas imagens do amor na lírica italiana anterior a Dante

O doce stil nuovo é claramente debitário da lírica trovadoresca que floresceu em Provença a partir do século XII: nomes como Bertrand de Born, Arnaut Daniel, Bernart de Ventadorn, Giraut de Bornelh e Sordello, dentre outros, são citados por Dante Alighieri em algumas de suas obras. Algumas características fundamentais desse grupo migrariam para a Itália a partir do começo do século XIII, e aqui cito … Continuar lendo Algumas imagens do amor na lírica italiana anterior a Dante

Leonardo MAthias

chegou a hora do blog desegotizar, para além das traduções que andamos fazendo. o primeiro trabalho que temos aqui é de leonardo MAthias, poeta e artista plástico de sampa; ele mesmo diz que “poesia, artes visuais e design são lugares nos quais também habita. oscila. via linguagem se exercita.” e eu diria/acrescentaria ainda que ele se exercita via linguagens: ora como poeta (seu primeiro livro … Continuar lendo Leonardo MAthias