poesia

5 poemas inéditos de Leandro Jardim

leandro jardim perfil pb

Leandro Jardim escreve poesia, prosa e letra de canção. Publicou, dentre outros, a novela A Angústia da Relevância (Oito e Meio, 2016) e as coletâneas de poesia Peomas (Oito e Meio, 2014) e Todas as vozes cantam (7Letras, 2008). Em parceria com Rafael Gryner, lançou os discos O Sonhador (2014) e Sementes musicais para um mundo cibernético (2011). Também possui canções com artistas como Diogo Cadaval (banda Mocambo), Clara Valente e Matheus VK. Reúne suas demais publicações em antologias e coletâneas no link: leandrojardim.blogspot.com.br . Os poemas abaixo são da série inédita Timeline.

***

Sempre tem uma besta que diz

sempre tem uma besta que diz
eu sei do que estou falando
porque leio os jornais
sempre tem uma besta que diz
eu sei do que digo justo
porque não os leio, sempre
tem uma que diz e repete e insiste
a mídia é uma orquestra manipulada
e manipuladora dizem duas bestas
que não sabem se discordam ou não
tais argumentos não tem bandeira
são de direita e são de esquerda
diz a besta diz a besta
maravilhas de uma imprensa alternativa
se olhando no espelho olhando-se
e outra besta se refastela
de algum erro gramatical
(sic) (sic) (sic) sempre tem
uma e outra besta engasgadas
com o que não sabem mas sabem dizer
que sempre tem uma besta que diz
porque não sabe não saber

§

 

Posts

As pessoas são mais frágeis que seus posts
São mais belas que suas fotos
Mais frágeis que seus posts

Seus gestos hesitam: é o belo balé
Presenças fraquejam falas, cambaleamos
O ritmo é a verdade

Todo movimento é um improviso, arte
Porque há o outro, há o espaço contido
E um desconforto que interdita o olhar

A irrefletida beleza, a improvável
Concretude da carne cheiro alcance
Vedada ao melhor dos mais frágeis posts

§

 

GIF_Estação_terminal

Um trem descarrilha,
Desgovernado.

Estrondo e hesitação
Se entreolham no terminal.

– É só, e sempre, o relógio na parede! –
Grita um.

– É a televisão que não desligam! –
Aponta outro, dedo em riste .

– Nada disso, é o coração
Que não cala, e o trabalho

Que não acaba –
Sussurra alguém.

Silêncio e movimento
Se atropelam na estação.

Desgovernado
Um homem descarrilha.

§

 

Oficina papa-prêmio

Aula 1 – Se inscreva
em todos
os concursos. Tenha sempre
inéditos à mão. Não escolha
o porte da prefeitura
ou o tamanho em dinheiro
do prêmio. Prêmio é prêmio. Aceite
até a participação em coletâneas
pagas, se esse for
o caso (geralmente é, dizem).

Aula 2 – Trabalhe
focado. Não desperdice
sua inspiração, especialmente
se ela for rara. Entenda
todos os prêmios, analise
o tipo de obra que costumam
prestigiar. Não leia clássicos,
leia os vencedores
das edições anteriores. Escreva
unicamente material aplicável,
só comece quando souber
onde vai inscrever. Inscrever é mais
importante do que escrever.

Aula 3 – Conheça
o perfil de cada jurado. Os perfis
de jurados. Onde encontrá-los. Como
se aproximar. Tenha lido
suas obras, se possível
faça citações pouco explícitas

Aula 4 – Autopromoção
até na derrota. Toda vez
que perder, escreva um texto
criticando a lisura do prêmio. Arrogue-se
um injustiçado. Outros
perdedores o apoiarão. Vire
seu porta voz e angarie
assim alguns leitores
como prêmio de consolação.
Prêmio é prêmio, aceite.

§

 

Quando incomoda

frisar quando incomoda
acomoda o que cala
e num tiro dispara
incontida escolha

e se explode à bala
o que era só bolha
quando não mais se poda
o que estava na cara

chega, pensa, sai, para
porra, cara, tá foda
ou melhora o que fala
ou te enfio uma rolha

*

Anúncios
Padrão
poesia, tradução

Alfonsina Storni (1892—1938), por Victor Hugo Turezo

Alfonsina Storni nasceu na Suíça em 1892 e estabeleceu-se na Argentina ainda criança. Poeta e escritora, também foi professora e jornalista. Sua obra, de cunho introspectivo e naturalista, ficou marcada pelo modernismo empregado à época. Aqui, apresento a tradução de três poemas contidos nos livros El dulce daño, de 1918 e Languidez, de 1920. No primeiro poema Cuadrados y Ángulos, pode-se observa o comprometimento da poeta com palavras ópticas, realistas e naturalistas. Em Sábado, a escritora constrói uma progressão imagética cheia de composições estruturalmente realistas. No último escrito, Miedo, Alfonsina nos mostra sua complexidade aliterada e costura, meio que ensimesmada, sua objetificação enclausura. Alfonsina Storni se suicidou em 1938, na cidade de Mar del Plata.

Victor Hugo Turezo

* * *

De EL DULCE DAÑO (1918) ALFONSINA STORNI
De O DOCE DANO (1918)

CUADRADOS Y ÁNGULOS
Casas enfiladas, casas enfiladas,
Casas enfiladas.
Cuadrados, cuadrados, cuadrados,
Casa enfiladas
Las gentes ya tienen el alma cuadrada,
Ideas en fila
Y ángulo en la espalda.
Yo misma he vertido ayer una lágrima,
Dios mío, cuadrada.

QUADRADOS E ANGULAÇÕES
Casas enfileiradas, casas enfileiradas,
Casas enfileiradas.
Quadrados, quadrados, quadrados,
Casas enfileiradas
O povo tem a alma quadrada
Ideias em fila
E costas anguladas.
Eu mesma verti ontem uma lágrima,
Meu Deus, quadrada.

§

SÁBADO
Levanté temprano y anduve descalza
Por los corredores; bajé a los jardines
Y besé las plantas;
Absorbí los vahos limpios de la tierra,
Tirada en la grama;
Me bañé en la fuente que verdes achiras
Circundan. Más tarde, mojados de agua
Peiné mis cabelos. Perfumé las manos
Con zumo oloroso de diamelas. Garzas
Quisquillosas, finas,
De mi falda hurtaron doradas migajas.

Luego puse traje de clarín más leve
Que la misma gasa.
Mi sillón de paja.
De un salto ligero llegué hasta el vestíbulo.
Fijos en la verja mis ojos quedaron,
Fijos en la verja.
El reloj me dijo: diez de la mañana.
Adentro un sonido de loza y cristales.
Comedor en sombras; manos que aprestaban
Manteles.
Afuera, sol como no he visto
Sobre el mármol blanco de la escalinata.
Fijos em la verja siguiron mis ojos
Fijos. Te esperaba.

SÁBADO
Levantei cedo e andei descalça
Pelos corredores; desci aos jardins
E beijei as plantas;
Absorvi os aromas limpos da terra,
Atirada sobre a grama;
Me banhei na fonte em que verdes achiras*
cingiam. Mais tarde, molhados de água
Penteei meus cabelos. Perfumei as mãos
com sumo cheiroso de jasmim. Garças
Ariscas, finas,
De minha saia roubaram douradas migalhas.

Logo coloquei um traje de gala mais leve
Que a própria malha.
Minha poltrona de palha.
De sobressalto cheguei até o vestíbulo.
Fixos na grade meus olhos ficaram,
Fixos na grade.
O relógio me disse: dez da manhã.
Dentro um barulho de louça e cristais.
Sala de jantar em sombras; mãos que alinhavam
Toalhas de mesa.
Fora, sol como jamais vi.
Sobre o mármore branco da escadaria.
Fixos na grade seguiram meus olhos
Fixos. Te esperava.

* Planta peruana, da família das cannáceas, de raiz comestível.

De LANGUIDEZ (1920)

MIEDO

El niño se ha alejado de la casa un momento
Y se vuelve de pronto hasta más ligero que el viento.

El niño en el camino se paró de repente
Porque dormida estaba al sol una serpiente.

Con el juguete nuevo en las manos deshecho
El niño se recuesta tembloroso en mi pecho.

Y en la pequeña caja del cuerpo estremecido
Repercute sin tregua un violento latido.

Así cuando en las manos aunque sean muy suaves
Temblorosas de miedo se acurran las aves,

Sobre el pecho del niño mis dos manos coloco
Y siento que la entraña se aquieta poco a poco.

Luego el niño levanta la cabeza, me mira
Con sus ojos azules, y muy quedo suspira.

MEDO

O menino se distanciou de casa um momento
E voltou rápido; mais veloz que o vento.

O menino no caminho parou de repente
porque sonolenta ao sol estava uma serpente.

Com um brinquedo nas mãos despedaçado
O menino se aninha irrequieto em meu peito.

E na pequena caixa do corpo estremecido
Repercute sem trégua um violento latido.

Assim, quando nas mãos, mesmo que sejam muito suaves
tremendo de medo se debandam as aves,

Sobre o peito do menino minhas mãos coloco
E sinto que a entranha se aquieta pouco a pouco.

Logo o menino levanta a cabeça, me olha
Com seus olhos azuis, e muito sereno suspira.

Os originais dos poemas traduzidos foram retirados do livro Antología poética (Editora Espasa Calpe S.A., Buenos Aires – México), impresso no ano de 1947.

* * *

Victor Hugo Turezo é poeta. Nasceu em Curitiba, em 1993. Publicou minha massa encefálica despenca como se de um desfiladeiro (Editora Patuá, 2017). Cursa Letras Português/Espanhol na UFPR.

Padrão
poesia, tradução

Primeira Ode Olímpica de Píndaro, por Mário Faustino (1930-1962)

BenQ Digital Camera

Zeus flanqueado por Enomau e Pélops.

Píndaro (522 a.C. — 443 a.C.) costuma ser o terror de todo tradutor, inclusive pra quem nem é da área de clássica. Não é difícil ouvir um maluco do grego falar que é impossível traduzir Píndaro, porque a sonoridade de Píndaro, porque a sintaxe de Píndaro, porque, porque, porque…. Questão é: o rapaz era, realmente, virtuose. Sua questão musical resultou até mesmo num trabalho de Abby Williams que tentou jogar a melodia do poeta grego em alguns trabalhos de Beethoven, Bach e Wagner. Vejam só quanto refinamento. Para ler mais sobre a questão musical de Píndaro, recomenda-se a tese de doutorado de Leonardo Antunes (clique aqui).

Mas esse post não é bem pra falar da virtuose ou do quão incrível era o Píndaro. É pra falar de quão incrível era Mário Faustino, cabra arretado.

Estava eu ano passado num encontro de classicistas (que mais parecia uma guerra de foice no escuro), quando um sujeito veio com essa coisa da impossibilidade de se traduzir Píndaro e apresentou a tentativa “bonitinha, engraçadinha, graciosa, mas diletante” de Mário Faustino – para depois ler a dele, que, em termos de poesia, dava um sono danado. Filólogos: poetas de final de semana.

Mário Faustino, que não sabia grego, fez a tradução abaixo a partir de duas traduções: da francesa de Aimé Pucch (em prosa) e da de Richmond Lattimore (em verso livre) para o inglês. Fico pensando como o amadorismo, às vezes, pode ser algo muito mais bonito. Penso no Cathay do Pound. Nas traduções, ainda inéditas, que o Guilherme Gontijo vem fazendo dos poemas amorosos egípcios. Penso que aquilo que Faustino opera é justamente um turvamento da noção identitária do original. Sua tradução é um cavalo de Tróia (cf. as páginas 85-86 do livro Algo infiel: corpo performance tradução). Recuperando, talvez, um imaginário poético clássico no qual as noções de original não importavam, Faustino assinala que as relações entre “imitação” e “original” são bem mais complicadas do que supõe nossa mente crítica moderna.

Não vou me alongar. Deixo aqui algumas traduções para o mesmo poema, caso o leitor queira comparar as versões. Tradução de Antônio Medina Rodrigues (clique aqui). Dissertação de mestrado de Sérgio Luiz Gusmão (clique aqui). Raphael Pappa Lautenschlager traduz alguns versos e comenta brevemente esta Ode de Píndaro em sua dissertação de mestrado (clique aqui). Por fim, uma tradução em prosa que consta no site Perseus (clique aqui). A tradução de Mário Faustino para esta ode de Píndaro foi publicada no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, no dia 3 de novembro de 1957.

ps: a versão original da tradução pode ser acessada aqui. Mas este não é link direto para a tradução. Portanto, para facilitar sua vida, leitor, busque pela edição 00256 do ano de 1957. A tradução consta na página 69.

* * *

I

Água: primeiro dos bens.
………………………………………..Mas Ouro
(chama acesa na noite) ofusca os tesouros inteiros
da altiva opulência: queres,
alma minha, cantar os Jogos?
…………………………………………….De dia não busques
Além do sol no ar deserto estrêla
mais ardente nem liça mais gloriosa,
mais cantável que Olímpia:
de lá vem a canção que estica as cordas
nos corações peritos
em celebrar-te, filho de Cronos: e êles vêm
por todos os caminhos rumo à mesa
(repleta) de Hierão.

manejador do cetro da justiça
na Sicília fecunda
e ceifeiro de todas as virtudes
em seus caules mais altos
e que sabe crescer com sua fama
pelo esplendor da música
enquanto nos deleita em mesa amiga.
……………………………………………………………..Anda!
tira do gancho a lira dórica
se ainda tens o coração domado
pela Cáris de Pisa – glória de Ferênicos,
quando êste disparou (sem chicote!) nas margens
do Alfeu, rumo à vitória
do rei de Siracusa, amador de cavalos;
………………………………………………………seu renome
esplende nessa terra de homens fortes
onde Pélops, o Lídio, foi morar,
Pélops,
………….por quem se apaixonou Posêidon (o
que cinge, firme, a terra) quando Clôto
o retirou do vaso puro, o ombro
marfim luzindo.
…………………………Grandes maravilhas
(e verdadeiras) estas, porém quantas
Fábulas enfeitadas de mentira
encantam nossas mentes
…………………………………para lá da verdade…

II

Cáris,
Cáris o gênio a graça a quem devemos
Tudo o que nos encanta
devolvendo-lhe as honras, quantas vêzes
transforma em verdadeiro o que é incrível
O futuro é a melhor testemunha – e mais seguro
é dizer bem dos deuses. Pois direi
assim, filho de Tântalo (ao contrário
do que dizem os velhos) direi que
quando teu pai retribuindo aos deuses
os convidou para impecável festa
sôbre o Sipilo – monte que êles amam –
nesse dia o senhor do luminoso
tridente arrebatou-te

o coração partido de paixão. Cavalos, carros de ouro,
levou-te ao céu de Zeus aonde mais
tarde iria Ganimedes
prestar ao próprio Zeus igual serviço.
Ao desapareceres, procurando-te
os homens de tua mãe sem descobrir-te
e voltando sem ti, alguém, vizinhos
inventaram – despeito – que, cortados
a faca, tuas pernas, braços (em
água fervendo) foram já no fim
do banquete servidos e comidos.

Chamar um deus de canibal? Eu nunca!
Quem escapa ao castigo da blasfêmia?
Se mortal houve honrado pelos donos
do Olimpo, êsse foi Tântalo; só que
lambuzou-se de mel, com tanta sorte; insaciável,
provocou monstruosa punição: a pedra
enorme que lhe ergueu o pai dos deuses
sobre a cabeça, êle esperando a queda
que nunca vem e o deixa um tanto triste …

III

Quarto suplício, junto a mais três, é acima
de suas fôrças: só por ter roubado
o nétar, a ambrosia (com que os deuses
o fizeram imortal) para dar aos amigos!

Como se engana aquêle que procura
esconder algo aos deuses…
…………………………………………Foi por isso
que resolveram devolver-lhe o filho
à desgraçada sorte humana. E quando
à flor da idade descobriu que o buço
o queixo começava a escurecer-lhe,
sonhou ganhar a noiva mais à mão,

Hipodaméia (filha ilustre de um
soberano de Pisa): a sós à noite ao pé
do mar grisalho o deus chamou que faz
rugir o abismo, o do tridente: e face
a face êste surgiu-lhe
…………………………………E disse Pélops:
“Escuta aqui, Posêidon, se tiveste
algum prazer com meu amor (presentes
deleitosos de Cípris), prende a lança
de bronze de Oinomáos, e cinge-me de fôrça
e leva-me à terra do Élis em teu carro mais rápido.
O homem já matou treze heróis, treze
pretendentes, para adiar o casamento

da filha! Quem é fraco nunca enfrenta
grande perigo: mas, se a morte é certa,
por que ficar sentado à sombra, à espera
duma velhice inglória? A mim correr
o risco; a ti dar-me o triunfo”.
Falou e não perdeu seu tempo: o deus
por sua glória deu-lhe um carro de ouro
e cavalos alados incansáveis.

IV

Tendo quebrado a fôrça de Oinomáos, levou a virgem
para o leito e houve dela seis
príncipes ardorosos.
……………………………….Ao pé do Alfeu, agora
com os mortos potentes se mistura
lá onde as multidões cercam seu túmulo
perto do altar acima
de todos venerado; mas a glória
de Pélops olha de longe lá de Olímpia
sôbre as arenas onde a ligeireza
disputa a ligeireza, a fòrça a fôrça.
(E o vencedor a vida inteira saboreia
alegria mais doce do que o mel

– pelo menos os jogos não traíram seus votos –
alegria que o dia passa ao dia
bem supremo de um homem…)

……………………………………………Quero eu
coroar esse rei no tom eqüestre
e no compasso eólio. Pois meu canto
em seu panejamento glorioso
jamais vestirá outro que reúna
o gôsto pelo belo
e a fôrça irresistível.
Hierão, algum deus por teus desígnios
vela: fique sempre a teu lado, que mais doce
a vitória te seja em carro agílimo.
Na colina de Cronos luminosa
irei buscar o veio de louvores
dignos de celebrá-la:
………………………………….pois a musa
para mim forja o dardo mais potente
Há grandezas de várias excelências,
a mais alta é dos reis. Não busques mais.
Pisem teus pés os cimos sempre, enquanto
a teu lado farei brilhar meu gênio
por toda parte, na vanguarda helênica.

 

ΙΕΡΩΝΙ ΣΥΡΑΚΟΥΣΙΩι ΚΕΛΗΤΙ

ἄριστον μὲν ὕδωρ, ὁ δὲ χρυσὸς αἰθόμενον πῦρ
ἅτε διαπρέπει νυκτὶ μεγάνορος ἔξοχα πλούτου:
εἰ δ᾽ ἄεθλα γαρύεν
ἔλδεαι, φίλον ἦτορ,
5μηκέθ᾽ ἁλίου σκόπει
[10] ἄλλο θαλπνότερον ἐν ἁμέρᾳ φαεννὸν ἄστρον ἐρήμας δι᾽ αἰθέρος,
μηδ᾽ Ὀλυμπίας ἀγῶνα φέρτερον αὐδάσομεν:
ὅθεν ὁ πολύφατος ὕμνος ἀμφιβάλλεται
σοφῶν μητίεσσι, κελαδεῖν
10Κρόνου παῖδ᾽ ἐς ἀφνεὰν ἱκομένους
μάκαιραν Ἱέρωνος ἑστίαν,
θεμιστεῖον ὃς ἀμφέπει σκᾶπτον ἐν πολυμάλῳ
[20] Σικελίᾳ, δρέπων μὲν κορυφὰς ἀρετᾶν ἄπο πασᾶν,
ἀγλαΐζεται δὲ καὶ
15μουσικᾶς ἐν ἀώτῳ,
οἷα παίζομεν φίλαν
ἄνδρες ἀμφὶ θαμὰ τράπεζαν. ἀλλὰ Δωρίαν ἀπὸ φόρμιγγα πασσάλου
λάμβαν᾽, εἴ τί τοι Πίσας τε καὶ Φερενίκου χάρις
[30] νόον ὑπὸ γλυκυτάταις ἔθηκε φροντίσιν,
20ὅτε παρ᾽ Ἀλφεῷ σύτο, δέμας
ἀκέντητον ἐν δρόμοισι παρέχων,
κράτει δὲ προσέμιξε δεσπόταν,
Συρακόσιον ἱπποχάρμαν βασιλῆα. λάμπει δέ οἱ κλέος
ἐν εὐάνορι Λυδοῦ Πέλοπος ἀποικίᾳ:
25τοῦ μεγασθενὴς ἐράσσατο γαιάοχος
[40] Ποσειδᾶν, ἐπεί νιν καθαροῦ λέβητος ἔξελε Κλωθὼ
ἐλέφαντι φαίδιμον ὦμον κεκαδμένον.
ἦ θαυματὰ πολλά, καί πού τι καὶ βροτῶν φάτις ὑπὲρ τὸν ἀλαθῆ λόγον
δεδαιδαλμένοι ψεύδεσι ποικίλοις ἐξαπατῶντι μῦθοι
30Χάρις δ᾽, ἅπερ ἅπαντα τεύχει τὰ μείλιχα θνατοῖς,
[50] ἐπιφέροισα τιμὰν καὶ ἄπιστον ἐμήσατο πιστὸν
ἔμμεναι τὸ πολλάκις:
ἁμέραι δ᾽ ἐπίλοιποι
μάρτυρες σοφώτατοι.
35ἔστι δ᾽ ἀνδρὶ φάμεν ἐοικὸς ἀμφὶ δαιμόνων καλά: μείων γὰρ αἰτία.
υἱὲ Ταντάλου, σὲ δ᾽, ἀντία προτέρων, φθέγξομαι,
[60] ὁπότ᾽ ἐκάλεσε πατὴρ τὸν εὐνομώτατον
ἐς ἔρανον φίλαν τε Σίπυλον,
ἀμοιβαῖα θεοῖσι δεῖπνα παρέχων,
40τότ᾽ Ἀγλαοτρίαιναν ἁρπάσαι
δαμέντα φρένας ἱμέρῳ χρυσέαισί τ᾽ ἀν᾽ ἵπποις
ὕπατον εὐρυτίμου ποτὶ δῶμα Διὸς μεταβᾶσαι,
ἔνθα δευτέρῳ χρόνῳ
[70] ἦλθε καὶ Γανυμήδης
45Ζηνὶ τωὔτ᾽ ἐπὶ χρέος.
ὡς δ᾽ ἄφαντος ἔπελες, οὐδὲ ματρὶ πολλὰ μαιόμενοι φῶτες ἄγαγον,
ἔννεπε κρυφᾶ τις αὐτίκα φθονερῶν γειτόνων,
ὕδατος ὅτι σε πυρὶ ζέοισαν εἰς ἀκμὰν
μαχαίρᾳ τάμον κάτα μέλη,
50[80] τραπέζαισί τ᾽, ἀμφὶ δεύτατα, κρεῶν
σέθεν διεδάσαντο καὶ φάγον.
ἐμοὶ δ᾽ ἄπορα γαστρίμαργον μακάρων τιν᾽ εἰπεῖν. ἀφίσταμαι.
ἀκέρδεια λέλογχεν θαμινὰ κακαγόρους.
εἰ δὲ δή τιν᾽ ἄνδρα θνατὸν Ὀλύμπου σκοποὶ
55ἐτίμασαν, ἦν Τάνταλος οὗτος: ἀλλὰ γὰρ καταπέψαι
μέγαν ὄλβον οὐκ ἐδυνάσθη, κόρῳ δ᾽ ἕλεν
[90] ἄταν ὑπέροπλον, ἅν οἱ πατὴρ ὑπερκρέμασε καρτερὸν αὐτῷ λίθον,
τὸν αἰεὶ μενοινῶν κεφαλᾶς βαλεῖν εὐφροσύνας ἀλᾶται.
ἔχει δ᾽ ἀπάλαμον βίον τοῦτον ἐμπεδόμοχθον,
60μετὰ τριῶν τέταρτον πόνον, ἀθανάτων ὅτι κλέψαις
ἁλίκεσσι συμπόταις
[100] νέκταρ ἀμβροσίαν τε
δῶκεν, οἷσιν ἄφθιτον
θῆκαν. εἰ δὲ θεὸν ἀνήρ τις ἔλπεταί τι λαθέμεν ἔρδων, ἁμαρτάνει.
65τοὔνεκα προῆκαν υἱὸν ἀθάνατοί οἱ πάλιν
μετὰ τὸ ταχύποτμον αὖτις ἀνέρων ἔθνος.
πρὸς εὐάνθεμον δ᾽ ὅτε φυὰν
[110] λάχναι νιν μέλαν γένειον ἔρεφον.
ἑτοῖμον ἀνεφρόντισεν γάμον
70Πισάτα παρὰ πατρὸς εὔδοξον Ἱπποδάμειαν
σχεθέμεν. ἐγγὺς ἐλθὼν πολιᾶς ἁλὸς οἶος ἐν ὄρφνᾳ
ἄπυεν βαρύκτυπον
Εὐτρίαιναν: ὁ δ᾽ αὐτῷ
πὰρ ποδὶ σχεδὸν φάνη.
75[120] τῷ μὲν εἶπε: ‘φίλια δῶρα Κυπρίας ἄγ᾽ εἴ τι, Ποσείδαον, ἐς χάριν
τέλλεται, πέδασον ἔγχος Οἰνομάου χάλκεον,
ἐμὲ δ᾽ ἐπὶ ταχυτάτων πόρευσον ἁρμάτων
ἐς Ἆλιν, κράτει δὲ πέλασον.
ἐπεὶ τρεῖς τε καὶ δέκ᾽ ἄνδρας ὀλέσαις
80ἐρῶντας ἀναβάλλεται γάμον
[130] θυγατρός. ὁ μέγας δὲ κίνδυνος ἄναλκιν οὐ φῶτα λαμβάνει.
θανεῖν δ᾽ οἷσιν ἀνάγκα, τί κέ τις ἀνώνυμον
γῆρας ἐν σκότῳ καθήμενος ἕψοι μάταν,
ἁπάντων καλῶν ἄμμορος; ἀλλ᾽ ἐμοὶ μὲν οὗτος ἄεθλος
85ὑποκείσεται: τὺ δὲ πρᾶξιν φίλαν δίδοι.’
ὣς ἔννεπεν: οὐδ᾽ ἀκράντοις ἐφάψατ᾽ ὦν ἔπεσι. τὸν μὲν ἀγάλλων θεὸς
[140] ἔδωκεν δίφρον τε χρύσεον πτεροῖσίν τ᾽ ἀκάμαντας ἵππους.
ἕλεν δ᾽ Οἰνομάου βίαν παρθένον τε σύνευνον:
τέκε τε λαγέτας ἓξ ἀρεταῖσι μεμαότας υἱούς.
90νῦν δ᾽ ἐν αἱμακουρίαις
ἀγλααῖσι μέμικται,
Ἀλφεοῦ πόρῳ κλιθείς,
[150] τύμβον ἀμφίπολον ἔχων πολυξενωτάτῳ παρὰ βωμῷ. τὸ δὲ κλέος
τηλόθεν δέδορκε τᾶν Ὀλυμπιάδων ἐν δρόμοις
95Πέλοπος, ἵνα ταχυτὰς ποδῶν ἐρίζεται
ἀκμαί τ᾽ ἰσχύος θρασύπονοι:
ὁ νικῶν δὲ λοιπὸν ἀμφὶ βίοτον
ἔχει μελιτόεσσαν εὐδίαν
[160] ἀέθλων γ᾽ ἕνεκεν. τὸ δ᾽ αἰεὶ παράμερον ἐσλὸν
100ὕπατον ἔρχεται παντὶ βροτῶν. ἐμὲ δὲ στεφανῶσαι
κεῖνον ἱππίῳ νόμῳ
Αἰοληΐδι μολπᾷ
χρή: πέποιθα δὲ ξένον
μή τιν᾽, ἀμφότερα καλῶν τε ἴδριν ἁμᾷ καὶ δύναμιν κυριώτερον,
105τῶν γε νῦν κλυταῖσι δαιδαλωσέμεν ὕμνων πτυχαῖς.
[170] θεὸς ἐπίτροπος ἐὼν τεαῖσι μήδεται
ἔχων τοῦτο κᾶδος, Ἱέρων,
μερίμναισιν: εἰ δὲ μὴ ταχὺ λίποι,
ἔτι γλυκυτέραν κεν ἔλπομαι
110σὺν ἅρματι θοῷ κλεΐξειν, ἐπίκουρον εὑρὼν ὁδὸν λόγων
[180] παρ᾽ εὐδείελον ἐλθὼν Κρόνιον. ἐμοὶ μὲν ὦν
Μοῖσα καρτερώτατον βέλος ἀλκᾷ τρέφει:
ἐπ᾽ ἄλλοισι δ᾽ ἄλλοι μεγάλοι. τὸ δ᾽ ἔσχατον
κορυφοῦται βασιλεῦσι. μηκέτι πάπταινε πόρσιον.
115εἴη σέ τε τοῦτον ὑψοῦ χρόνον πατεῖν, ἐμέ τε τοσσάδε νικαφόροις
ὁμιλεῖν, πρόφαντον σοφίᾳ καθ᾽ Ἕλλανας ἐόντα παντᾷ.

Padrão
poesia, tradução

Epigramas de Marcial, por Rodrigo Garcia Lopes

unnamed (1)

Evoé! Evoé!

Está saindo fresquinha, em edição de colecionador pela Ateliê Editorial, Epigramas, escritos por Marco Valério Marcial, e traduzidos diretamente do latim por Rodrigo Garcia Lopes. 
A seleção traz epigramas cômicos, pornográficos e injuriosos, que fizeram a fama de Marcial. Mas o tradutor também incluiu poemas de amor e amizade, sobre a boemia, reflexões sobre escravidão, sobre viver o presente, além de epitáfios tocantes e epigramas metapoéticos, em que o poeta reflete sobre sua própria condição de autor.
A edição bilíngue é composta por 12 pequenos cadernos, feitos artesanalmente a partir do projeto gráfico do artista plástico Gustavo Piqueira, que reúnem 219 poemas escritos entre 86 e 103 d.C. O livro traz notas explicativas e um posfácio que inclui dados biográficos do autor contextualizados com sua obra na Roma Antiga, além de conter informações sobre questões estéticas de sua poesia.

Nas palavras do tradutor:

Escrever em poucos caracteres para passar uma mensagem assertiva tornou-se popular com a criação do Twitter, há pouco mais de dez anos. Mas, esse recurso já era usado na Roma Antiga, há quase dois mil anos, por poetas como Marco Valério Marcial, considerado o pai do epigrama (forma poética breve, marcada pelo estilo satírico e engenhoso). 
     Talvez o tema principal dos Epigramas seja a cidade em que vivia o poeta. “Se há alguma musa na poesia de Marcial, ela se chama Roma: é da cidade que ele tira sua matéria prima. Como um dublê de poeta-humorista-colunista-cronista social — munido de uma câmera portátil e verbal, o epigrama — ele nos convida a espiar os espaços públicos e privados de Roma no século 1 em todas as suas contradições.  Além de ser um grande poeta, Marcial é extremamente moderno ao prenunciar aspectos de nossa sociedade do espetáculo, de comunicação instantâneas, da indústria da fofoca, do consumo (onde tudo está à venda), da superficialidade, exibicionismo, da cultura da imagem, redes sociais, culto às celebridades, fama instantânea e reality shows.

Rodrigo Garcia Lopes

unnamed

***    

I, XXVIII

Quem acha que Acerra fede a vinho de ontem,
erra: Acerra bebe até amanhecer.

Hesterno fetere mero qui credit Acerram,
fallitur: in lucem semper Acerra bibit.

XI, LXIII

Espia a gente no banho, Filomuso,
e fica perguntando por que meus escravos
tem caralhos tão grandiosos.
Vou te dar uma resposta simples:
Eles comem o cu dos curiosos.

Spectas nos, Philomuse, cum lavamur,
et quare mihi tam mutuniati
sint leves pueri subinde quaeris.
dicam simpliciter tibi roganti:
pedicant, Philomuse, curiosos.

XII, LXI

Tem medo que eu faça, Ligurra,
um poema falando mal de você
e quer parecer digno do medo.
Seu medo é vão, e vão o seu desejo.
Leões líbios rugem para os touros,
não fazem mal às borboletas.
Se quer ter seu nome mencionado
procure num puteiro um poeta bebum
que escreva com giz ou carvão
enquanto caga um tolete.
Sua testa não merece meu ferrete.

Versus et breve vividumque carmen
in te ne faciam times, Ligurra,
et dignus cupis hoc metu videri.
sed frustra metuis cupisque frustra.
in tauros Libyci ruunt leones,
non sunt papilionibus molesti.
quaeras censeo, si legi laboras,
nigri fornicis ebrium poetam,
qui carbone rudi putrique creta
scribit carmina quae legunt cacantes.
frons haec stigmate non meo notanda est.

 

XII, LVI

Fica doente dez vezes por ano, ou mais,
e no fim, Policarmo, nós é que sofremos,
pois, pra ficar bom, pede presentes.
Faz o seguinte: fique doente só uma vez.

Aegrotas uno decies aut saepius anno,
nec tibi sed nobis hoc, Polycharme, nocet:
nam quotiens surgis, soteria poscis amicos.
sit pudor: aegrota iam, Polycharme, semel. 

*

 Rodrigo Garcia Lopes é um poeta, compositor, cantor e tradutor brasileiro (Londrina, PR). É autor dos livros de poemas Solarium (1994), Visibilia (1996), Polivox (2001),Nômada (2004) e Estúdio Realidade (2013). Como tradutor, publicou Sylvia Plath: Poemas (Iluminuras, 1990) e Iluminuras: Gravuras Coloridas, de Arthur Rimbaud (Iluminuras, 1994), ambos em parceria com Maurício Arruda Mendonça. Em 2004 traduziu e organizou os livros Mindscapes: Poemas de Laura Riding (Iluminuras, 2004), O Navegante (The Seafarer, do anônimo anglo-saxão, Lamparina, 2004). Em 2005 publicou Leaves of Grass / Folhas de Relva, de Walt Whitman (Iluminuras) e, em 2007, Ariel, de Sylvia Plath (Verus Editora, em parceria com Cristina Macedo). Desde 1982 tem publicado traduções e introduções de poetas norte-americanos e europeus em muitas publicações brasileiras. Em 1997 lançou Vozes & Visões: Panorama da Arte e Cultura Norte-Americanas Hoje (Iluminuras), com 19 entrevistas com personalidades da cultura e literatura norte-americana como John Cage, Allen Ginsberg, Marjorie Perloff, Charles Bernstein, Laurie Anderson, Amiri Baraka, John Ashbery, Nam June Paik e William Burroughs, entre outros. Já apareceu aqui na escamandro com traduções diversas além de poemas próprios. Mantém o site: http://rgarcialopes.wix.com/site#!bio

Padrão
crítica

Trocos, recibos & resenhas. Um 2017 por Sergio Maciel (parte 2)

20171231_145515

para ler a parte 1, onde, aliás, explico os procedimentos em jogo, clique aqui.

sergio maciel

* * *

 

Francesca Cricelli (16 poemas + 1, edição da autora: 2017).: Esse livro da Francesca dá um pano pra manga. Há coisa a ser dita sobre a questão editorial, comercial, poética e tradutória, afinal, aquilo que Caroline Micaelia diz sobre a poeta, sobre ter o mundo por nacionalidade, também vai se aplicar ao livro. Lançado, salvo engano, nos Estados Unidos, o projeto, que conta com a mescla entre poemas publicados sob égide do seu segundo livro, Repátria (Selo Demônio Negro, 2015), e poemas inéditos, se apresenta vário. Em Repátria, Francesca já assinalava o caráter ambíguo de sua poética ao apresentar-nos um livro bilíngue. Quando digo ambíguo quero me referir a uma dificuldade de definição dos limites identitários do objeto poético semelhante à apresentada pela poética de Frederico Klumb – texto a seguir. Isto é, há um espelhamento, uma duplicação que não nos permite identificar o discurso original.

Mas para além dessa questão problemática de tradução, que nos força a olhar o livro como vários, eu vejo um outro tipo de domínio do mundo. Francesca tem a capacidade de evidenciar, sem pedantismo, o caráter de suas leituras. Ainda que se apresentasse monolíngue, sua poética certamente deixaria claro os diálogos que estão em jogo.

Disso resulta que Francesca opta pela observação dos acontecimentos, pela compreensão que os gestos e os afetos também desconhecem pátrias. Vejamos o poema da página 31:

CAMINHA INVISÍVEL

Caminha invisível o amor
na multidão doída e apressada
entre olhares dispersos.

O amor caminha só,
anjo atravessado por passos rápidos.

É menos do que um mendigo o amor
na hora do rush, na plataforma dos trens
e a cidade incandesce
minutos antes do pôr do sol.

Isso, pra mim, é quase aquilo que Drummond fala em Versos à boca da noite, “Um pedaço de ti rompe a neblina,/ voa talvez para a Bahia e deixa/ outros pedaços, dissolvidos no atlas,”. Isto é, trata-se quase da comunhão dos espaços poéticos num só corpo. Ver o amor andar por aí, quase como um flanêur, não necessita localização geográfica ou poética. Estamos falando da captação da poesia que acontece em meio ao susto, da transformação da observação em beleza.

Frederico Klumb (Arena, Megamíni: 2017).: Há um problema na poética do Frederico Klumb – fato, aliás, que me levou a entrevista-lo (clique aqui) – que é tentar resolver, na minha cabeça, essa questão da diferença dos registros das mídias. Escrevo aqui-agora apenas sobre o livro Arena, publicado pela Megamíni, ou escrevo sobre o vídeopoema arena (clique aqui), postado no vimeo? As duas coisas?

Vamos começar o problema assim: na ficha catalográfica do livro aparece “Arena na tela”, seguido do link para o vídeo. Mas aí, minha camaradagem, você vai ver o vídeo e, rá!, não está lá o poema todo, ou seja, não é o livro jogado pra tela. A coisa aparece fragmentada, reordenada. Outras ferramentas estão em jogo. Na tela, da parte I do livro temos apenas os três primeiros versos:

I.

de finas patas
…………atadas
os urubus

Aí há o corte, no vídeo, para aquilo que se apresenta como a parte II. Vejamos:

II.

teus olhos inteiro
………….não escondem

tal as explosões
com a beleza
de seus cogumelos

não

No livro, esses versos correspondem ainda à parte I. O primeiro verso, no entanto, difere na versão impressa, sendo “e os olhos inteiros”. Além disso, é preciso dizer que há quase 40s entre o quadro no qual aparecem os cincos primeiros versos dessa segunda parte e o quadro desse “não”, sozinho. Novamente, esse “não”, desse modo, não consta no livro. A parte III, no vídeo, que é a última – ao passo que no livro são 5 divisões, começa assim:

III.

não vejo
nessa cidade

paletas combinadas
às cores
de luzes
………..artificiais

No livro, temos:

III.

não vejo
nessa cidade

paletas
combinadas

às cores noturnas
de luzes e salas pianas bandejas de prata.

Quase 30s depois, no vídeo, temos:

nos subúrbios ainda
os garotos
tatuam sua carne
com pedras

duram todo
o tempo
de beber este leite
correr a manhã

Que corresponderá, com algumas alterações na disposição dos versos, à abertura da parte II no livro. Acredito que a partir desses exemplos já podemos discutir algo importante aqui: trata-se, afinal, do mesmo poema? A mim me parece evidentemente que não, porque, creio, há uma sintaxe toda outra na relação entre essas mídias que parece estar em jogo. O que me perturba, portanto, é buscar compreender que coisas tornam-se descartáveis nessa transposição de mídias, a ponto de a primeira parte resumir-se a meros três versos. Isto é, que formas do dizer, que formas de um objeto, são capazes de se transpor num outro, distinto, mantendo-lhe a identidade? Estamos claramente diante de um problema tradutório.

A metáfora do mundo, da cidade como arena, como palco, espaço de representação e jogo não é, certamente, nova. Tá em Freud, afinal. Tá, poeticamente, n’A rosa do povo. Klumb, eu diria, sobretudo por conta desse rasgo entre os registros, pretende tornar suas poéticas um território, espaço de fuga ao qual o leitor, diante desse imenso tédio, desse imenso cotidiano, evadir-se-ia. É uma tentativa de fraturar as linguagens possíveis um discurso, inserindo-o num momento-contínuo. Essa é a força do poético, afinal, a criação de uma linguagem que nunca se repete e que exige o exame constante de suas formas.

Frederico Spada (Arqueologias do olhar, Funalfa: 2011 | Coleção de ruínas, Edição do autor: 2013).: O primeiro livro de Fred Spada, Arqueologias do olhar, parece sofrer do mesmo mal que Pádua assinalou sobre meu livro: um excesso de justificativa. Isto é, prefácio, orelha e tudo mais. Desculpai, povo. A gente publica, às vezes, o primeiro livro na inocência mesmo. No livro de estréia de Spada, porém, ao contrário daquilo que Helena Maria Rodrigues Gonçalves diz, o palimpsesto a que se propõe sua poética me parece ainda um in progress. Há um tanto de uma tentativa ingênua de emulação de um passado poético, mesmo que esse passado se apresente quase imediato, como nas reformulações leminskianas de “MARGINAL”: “Réu confesso,/ roubo apenas versos./ Os corações, eu sequestro”. Não há ranço ou receio de minha parte, portanto, ao dizer que se trata aqui de uma poética juvenil, afinal é um desafio mesmo lidar com tantas vozes em meio às nossas leituras. Além disso, há que se notar uma valorização do ‘silêncio’. Desde o L’azur blasé, de Gontijo, toda vez que leio louvores ao silêncio, só consigo lembrar de que “poesia é comer o cu do silêncio”. Tudo isso, aliado ao uso de outras línguas, como o alemão, por exemplo, denotam uma tentativa de erudição que, se não tomado o devido cuidado, pode vir a esbarrar num pedantismo. Atentem, todavia, eu disse se tratar de um livro de estreia, um work-in-progress.

Coleção de ruínas, no entanto, aparece dois anos após Arqueologias. Trata-se de um projeto bem mais enxuto, quase reduzido ao essencial. Uma plaquette publicada pelo próprio autor. O momento político se apresentava totalmente outro (final de 2013), e é através dele que leio o livro. A ideia do silêncio vai se apresentar distinta. Pra quem estava atento, 2013 já anunciava o cansaço político que sentimos agora. Ou seja, Fred não mais trata daquele silêncio literário, romantizado. É outra coisa a que ele se refere quando diz que “A cortina, inerte, pouco revela:/ nada aqui se apresenta -/ o último monólogo em cena,/ ainda a ecoar,/ é o silêncio”. Esse silêncio vai significar o próprio esvaziamento do discurso, “o vazio que os habitaria”.

Se o projeto do primeiro livro era arqueológico, resgatar um passado – projeto que, na minha leitura, não funciona –, este outro projeto revela que o poeta muda a visada e passa a aceitar os fragmentos, as ruínas ao redor. Não se trata mais de encontrar algo em meio aos escombros, senão olhar para o próprio entulho.

Guilherme Gontijo Flores (carvão :: capim, Artefacto: 2017 | naharia, Kotter: 2017).: Sobre o naharia acho que tenho pouco a comentar, afinal Rafael Zacca, que escreve a orelha e o posfácio, e Gustavo Silveira Ribeiro, que escreve o prefácio – gente muito mais competente que eu –, já deram a letra e me parece que eu só choveria no molhado. Vou tentar achar aqui um elo que conduza ao comentário do carvão :: capim, portanto.

naharia é o livro que fecha a tetralogia Todos os nomes que talvez tivéssemos (sobre a qual ainda escreverei), iniciada em 2013 com o livro Brasa enganosa. É importante dizer isso porque aquilo que esses quatro livros assinalam, dentro da poética de Gontijo, é uma tentativa expandir sua voz poética. Na contramão do já dito, não concebo que se trate de uma busca pela voz poética. Quem tinha dúvida era Cabral, em Pedra do sono, que não sabia se se queria construtivista ou surrealista e por isso botou três poéticas pra brigar em Os três mal-amados e disso resultou o descarte de João e o embate eterno entre Raimundo e Joaquim (clique aqui para ler o texto em que trato deste livro de Cabral). Gontijo, a meu ver, experimenta modos de insinuar a palavra poética. Isto é, o resgate da tradição, a revisão do passado aqui ocorre através um movimento que busca forçar o limite dos gêneros poéticos, reorganizando-os a partir de uma consciência poética de seus funcionamentos. Vejamos, rapidamente (e já adianto aqui alguns apontamentos que desdobrarei no texto sobre a tetralogia): Brasa enganosa é a lírica de alegria quase infantil que estabelece uma aproximação com aquela lírica horaciana que vemos na ode 1.11, por exemplo. Tróiades – remix para o próximo milênio, é uma colagem que força o limite do trágico, do drama, força o limite do luto, do pathos, do kommos. É um experimento, afinal, pós-steineriano de voltar a sentir. Por isso seu caráter é mais violento. Poeticamente, algo como um furor juvenil. L’Azur blasé, por sua vez, é mais melancólico – apesar do humor. O poema satírico, o poema piada volta-se contra o próprio eu-lírico (eu fiz um comentário bem breve sobre essa questão do eu-lírico lá na Modo de Usar, clique aqui). O riso cansa-se. É uma madureza que se apresenta melancólica e abre espaço pra imaginação. Imaginação essa que vai ganhar plenos pulmões na velhice de naharia. É o inverno do Ser. A memória passa a operar, contando a vida. E é isso que me interessa: esse dialogismo.

Se em cada um dos livros Gontijo fez uso de um modo poético pra cumprir certas medidas de tempo, certos humores, certos caráteres, em naharia é o limite da épica que é explorado. Toda narrativa épica vai narrar algo que não está inserido no tempo da narrativa. Mas o tempo, em naharia, não é o tempo do imemorial do diz que me disse ouvir falar e agora vou te contar. É o tempo da vida humana, de uma vida humana. Por isso, o narrado que se apresenta só pode ser tão banal (e tão épico) quanto é a própria dimensão de vida de cada um. Além disso, uma épica denota, realizando efetivamente um modo de práxis, uma noção de cultura. Não é o caso de naharia. Não há aqui o arquivamento de um tempo histórico coletivo. Novamente, trata-se do pequeno, do mínimo.

carvão :: capim, por sua vez, é o primeiro livro fora dessa tetralogia – particularmente, meu preferido. Neste livro, o húmus do passado poético germina uma coisa toda outra. Dos cinco livros publicados até aqui, este parece ser o que possui o melhor projeto que-se-baste-em-si. Diferente dos outros, este funciona como uma unidade em si. Fisicamente, o poema “Sator/Rotas” fica exatamente no meio do livro, páginas 44-45. Dividindo, pro começo, “Petrografia esparsa” e “História dos animais”, e, pro final, “Quatro cantatas fúnebres” e “Lo ferm voler”. Ou seja, na primeira metade temos os reinos do mineral, vegetal e animal, enquanto na segunda parte está inscrito o morrer e o amor. Interessante, não? Tudo isso cortado pela lâmina dum palíndromo recriado, um contorno:rascunho.

A secura do poema de abertura, paródia de um trecho da Farsália, épica de Lucano, que retrata a agonia pela falta d’água

Sedentos primeiro procuram por fontes secretas
cavando terras ribeiras subterrâneas
perfuram chão com enxadas ancinhos
com suas armas e o poço escavado no monte
desce ao profundo dos campos irrigados

Mas nem no curso oculto os rios ressoam
nada reflui das pedras brancas abatidas

contrapõe-se à enxurrada do poema final, em que

tudo desce feito rio lamacento
transbordando enxurrada revirando terra
para as voragens do relâmpago na noite

& tudo esbarra nas barrancas desse rio
para açular açudes todos contra tudo
que em torno vive & é mais sagrado que as palavras

quase como se ao decorrer das páginas tudo fosse se iluminando de imenso, partindo da uma secura absurda, incapaz, passando pela consideração dos elementos mais fundamentais à vida na terra, inclusive pela morte, pra se entupir, transbordar de amor, de paixão, de devoção na última parte. A vida, e a celebração dela, afinal, consagram-se superior às palavras. Mas evidentemente não se trata de uma alegria ingênua, afinal tudo desce feito rio lamacento. Aliás, o “rio” é um topos fundamental na obra de Gontijo. Ele se apresenta como metáfora da própria vida. Vide o poema da página 18 de Brasa enganosa:

não basta o rio……..murmúrio
adocicado das águas
rumo certeiro transparência
do olho d’água
desaguar suave sua torrente
não adianta fonte pura
ou perpétuo devir dos rios
como se fosse foz
seu único destino

não basta o rio –
cruzar a vida como esquina
sem banzeiro que revire a via estreita
nem
sorrir pra cantilena ilusória do mar –

carece macaréu em barro & areia
arrancando as árvores revendo
o próprio rumo………… estrondo só
sal revoluto
o corpo inteiro em pororoca

Enfim, é por isso que considero este livro um objeto mais bem acabado, pois vejo uma travessia, uma isomorfia, uma progressão dialética na coisa toda.

Júlia de Carvalho Hansen (O túnel e o acordeom: diário fóssil encontrado após a explosão, Livros Fantasma: 2017 | Seiva veneno ou fruto, Chão da Feira: 2016).: Há poucos dias eu disse à Júlia que eu achava que a música Horse with no name poderia ser algo como um approach à poética dela. Por isso, vou usá-la como uma chave de leitura, às explicando umas coisas a partir da letra. Não estranhem. Ou estranhem, sei lá.

Em O túnel e o acordeom foi um texto proposto para o encontro com a artista plástica Mayana Redin, para a exposição Aluvião, na cidade de Porto, em dezembro de 2010. A primeira edição impressa é de 2013. Ainda que não biografias assuma-se que cantos de estima seja seu primeiro livro, estamos tratando aqui de poemas de formação, quiça até mesmo um primeiro livro. Nesse sentido, como ocorre na maior parte das poéticas, há a presença de temas fundamentais, que servirão de base para os próximos livros, mas que aqui se apresentam ainda em estágio incubatório.  E é aqui que entra a música da banda America, porque pra mim esse livro é a “first part of the journey” (primeira parte da travessia). A poeta afirma-se como sua própria terra, como seu próprio território, e é nele que plantará a palavra poética para colher a palavra xamânica em Seiva veneno ou fruto.

Neste livro, semelhante a Adão nomeando as coisas e, por isso, tomando posse delas, Júlia, “looking at all the life” (olhando pra tudo quanto é vida), toma posse da vida através da enunciação. A palavra aqui funciona semelhante à palavra para Lewis Carroll em Alice. Tomemos como exemplo um trecho do poema da página 9: “Tracei por risco: PORTA: entrei pela palavra”. Ao modo da teoria austiniana, a palavra cria coisas. A palavra para Júlia é a própria poiesis. Por isso eu disse que ela planta a palavra poética no próprio solo, porque a ideia é que isto fecunde, gere qualquer coisa. É um movimento de instauração de mundo completamente próprio. Transforma-se a palavra em ambiente.

Em Seiva veneno ou fruto, (pensando ainda na metáfora com a música) já passou um bom tempo no deserto, em seu estado de contemplação. Ela  the horse run free, ‘cause the desert had turned to sea. A ideia de humanidade se expande e atinge um retorno a tudo quanto é animal, mineral e vegetal, “os níveis do corpo vão todos para o mais básico possível e o movimento e a força dos gestos adquirem uma velocidade vegetal“. A palavra construtora, que criava a porta ao nomeá-la, agora se converte em encanto, buscando consagrar os códigos, a natureza, o transe, as potências da linguagem no corpo. E aqui vai, nas palavras da própria autora, aquilo que eu compreendo como palavra xamânica: “Podemos traçar relações com o xamã, que por sua força operativa entre mundos e sensibilidades, sua atualização constante de tradições, também seria a placa de platina, um meio, um acesso. Mas penso que podemos precisar isto mais um pouco. Isto porque não é exatamente o xamã que canta para o paciente. Embora seja isto sim, é um pouco além disto: é através do canto do ícaro, que foi aprendido pelo convívio com as plantas, que as plantas que convivem no corpo-espírito do xamã cantam com ele o vegetal que está no paciente. É nesta interligação de sentidos e comunicações que se faz esta medicina, cuja parte vegetal da ligação é estabelecida pela ayahuasca que sensibiliza os sentidos; e a parte humana, sensibilizada, canta. Se os ícaros funcionam como rede da comunicação entre as espécies, a ayahuasca é um agenciador simbiótico e o xamã que canta um meio, um intermediário. Com isto, não há um sujeito desta relação que não esteja ligado a outro, não há um protagonista, tudo é a placa de platina. Durante um ícaro o xamã é o meio, a planta é o meio, o canto é o meio e o paciente é o meio. É tudo meio, mídia, médium. Interligado”.

É através do canto, portanto, que a poeta opera um movimento ao primitivo, ao repasto do Ser. A palavra aqui passar a servir de balança, intermédio entre os estados, os mundos possíveis, os corpos e as consciências. A palavra tem ânima. A palavra tem necessidade, essa urgência, de recriar o acontecer. Mire, veja: é o espetáculo do mistério que interessa agora. Júlia alcança a tal da terceira margem, aquela que não se vê, mas ainda dá conta de atravessar nossos sentidos. Mas Júlia faz tudo isso com a precisão telúrica.

Leonardo Antunes (João & Maria – Dúplice coroa de sonetos fúnebres, Patuá: 2017).: Ao contrário daquilo que costuma dizer certa parte da crítica, o tal do “verso livre modernista” não vem sufocando porra nenhuma nos últimos cem anos. Se pegarmos somente o agora-agora, posso dizer que há um bocado de gente tentando entender e praticando os metros, as particularidades de tudo quanto é tipo de verso produzido. O caso mais saliente seja talvez o do poeta Paulo Henriques Britto, que vem pesquisando as formas do verso contemporâneo, além de desenvolver, poeticamente, uma pesquisa sobre os limites da própria forma do soneto. Posso jogar no bolo aqui também o poeta André Capilé que, numa mirada rápida e ingênua, pode ser colocado num balaio de adeptos do “verso livre modernista”, mas que na verdade está na mesma tradição de uma pesquisa rítmica do verso de Britto, apesar de semelhar-se mais à estrutura fluida do Poema sujo, de Gullar, por exemplo, que gira ao redor das redondilhas. Mas mais importante que esses dois casos é compreender que essa balela de “verso livre modernista” não gesta nada. Bandeira, por exemplo, é um paradigma pra que se compreenda que há uma musicalidade absurda nesse tipo de verso. Lembremo-nos do poema Debussy, de Belo belo, que o Milton musicou, et alii. Cabral, preciso comentar? Lembremo-nos, também, do álbum do Belchior a partir de Drummond. Lembremo-nos de que as canções mais célebres de Chico (canção, nossa forma mais popular de poesia) são todas metrificadas: dodecassílabos em Construção, redondilha maior em A banda et alii. Ou seja, só diz que o metro e o ritmo estão “retornando” à poesia quem é desatento. Afinal, eles sempre estiveram por aqui.

Agora, certamente há, nestes tempos, uma retomada mais intensa de formas e temas poéticos clássicos – sobretudo se compararmos com a poesia dos anos 90/2000. E esse “clássico” vem se ampliando cada vez mais. Vide aquilo que acabei de falar sobre a poesia de Gonijo. Adriano Scandolara, por exemplo, parte de um classicismo judaico, retomando uma poética que se aproxime da poética bíblica. André Capilé retoma o clássico do candomblé, aproximando-se muito mais daquilo que é tradicionalmente oral. Nesse sentido, Leonardo Antunes vai recuperar uma forma poética medieval – a coroa de sonetos, que consiste numa “espécie de ciclo de sonetos, cujos poemas, além de tratarem de temas correlatos (ou de desenvolvimentos de um mesmo tema), observam ainda outras regras de composição entre si” – para tratar de um tema contemporâneo, ainda outra forma do “clássico”. Logo nessa escolha podemos estabelecer uma tensão. O que implica, hoje, empregar uma forma como essa? Acredito que, para além do estranhamento no leitor, há uma tentativa poética de ordenar o caos. Algo similar como ocorre em Construção de Chico Buarque. Há uma tentativa estilística de enquadrar o convencional, de enquadrar um “testemunho doloroso das relações aviltantes entre o capital e o trabalho”, pra dizer com Adélia Bezerra Meneses. Trata-se, reitero, da ordenação do caótico via estética.

Temos em João & Maria, uma narrativa. As histórias, contudo, se apresentam fragmentadas pela forma. Algo no andamento dos sonetos intensifica e dificulta a apreensão trágica, pois o verso, nesse caso, numa cadência incoerente ao tema, me parece servir como ferramenta de entrave e estranhamento. Dizendo melhor, intensifica, pois, conforme a narrativa avança – e se repete/reitera –, ela vai reforçando a castração dos valores essencialmente humanos. Vide os versos: “Existe alguma coisa que se abala/ Alguma coisa fundamentalmente/ Humana posta à luz num desgraçado// Que grita mesmo quando a boca cala”. Mas, ao mesmo tempo, dificulta, pois, quase ao modo do teatro senequiano, assinala constantemente através da composição do verso seu caráter fictício. Botando em palavras mais banais, não é a isso que se presta o soneto. A forma do soneto não conta, tradicionalmente, uma desgraça. O soneto é luz, é raio, estrela e luar. Manhã de sol. Soneto é coisa bonita. No máximo fala de uma dor pessoal. E é aí, creio, que o livro de Antunes nos dá um nó. É nessa união inusitada entre o rigor formal e uma narrativa popular, tantas vezes presente na nossa música popular (vide Pedro pedreiro e Geni e o Zepelim, de Chico; De frente pro crime, de João Bosco e Aldir Blanc; ou, de modo mais exemplar, Comprimido, de Paulinho da Viola, que também retrata um suicídio de uma figura desgraçada) que a expectativa vai se corrompendo. Afinal, a mídia para esse tipo de narrativa tem sido, tradicionalmente, a canção popular, não o soneto, não uma coroa de sonetos, nunca uma forma poética medieval.

Padrão
poesia

Karine Kelly Pereira

Karine Kelly Pereira publicou Anotações sobre o azul (Editora Patuá, 2016).

* * *

PARA OUVIR E CANTAR COM NINA SIMONE

Voltei a fumar.

Voltei a fumar desde o cigarro morando na tua boca, a noite insone sobre os nossos ossos, o terraço insuportavelmente cheio no centro da cidade.
“Quem aquece as mãos, aquece o coração”, dizem os tailandeses.
Por isso passado e futuro se encontram aqui-agora, fogo plantado nas falanges.
Voltei a fumar e voltei a ouvir a canção do Fausto que já ninguém em Portugal conhece.
Meu coração, brasileiro de memória e corpo, quer esquecer todas as canções já feitas, mas desvenda naquela canção indígena (que lhe fora arrancada sem saber) todo o seu gozo nela.

Em frente à praça com nome de santa fumo três cigarros, maldigo o teu nome.
Desaprendi
todas as línguas,
morri ao avesso…
morri ao avesso e todas as minhas encarnações sabem teu nome.
Todos os espelhos sentem falta do nosso reflexo juntos,
feito corpo repatriado.

Feito os cigarros, feito microfone nos dedos, os olhos se misturam à voz de Nina,
sem entender.
Impossível
traduzir, transcrever coração
na boca do gesto
saber se é benção, maldição, coragem ou voragem.
Não começa, não termina, tampouco existe aqui-agora.

Fio. Fissura. Fonte.

You put a spell on me.

QUIERO HACER EL AMOR

Eu pensei ter visto você

Pensei ter visto você me olhando do outro lado do espelho
Pensei ter visto você no voyeur da casa vizinha
Pensei ter visto você me procurando na internet, recombinando o alfabeto pra desvendar o meu nome, procurar nas redes sociais, nos sites de busca
Pensei ter visto você inventando um número pra ligar no meu celular

Pensei ter visto você na cidade da minha infância, na cidade do meu coração, na cidade do seu coração
Pensei ter visto você a me procurar nas ruas de São Paulo, indo e vindo nas estações do metrô, na areia da praia do Rio de Janeiro, pichando meu nome nos muros, lambendo o asfalto em busca do meu beijo, o teu sexo dançando com os muros, o gozo

Pensei ter visto você olhando o retrato que fez de mim nesse entre do seu abrir e fechar os olhos, com a própria retina, menina dos olhos
Pensei ter visto você surgindo de dentro dos meus livros, do café da manhã, da água caindo no chuveiro quente, do chão do meu quarto, da raíz das árvores,
da minha própria pele

Juro ter sentido a tua mão, o teu vento, agorinha
acariciando
mais uma página desse meu livro-corpo.

Eu sabia que você existia.

*Quiero hacer el amor é performance criada por Carolina Bianchi, uma experiência da aproximação íntima da mulher com os edifícios emblemáticos das cidades.

**Eu sabia que você existia é texto de Felipe Morozini, parte do seu trabalho como artista visual em constante troca e relação com a cidade de São Paulo.

Padrão
poesia, tradução

Jack Spicer, por Victor H. Azevedo

Jack Spicer nasceu em janeiro de 1925, em Los Angeles, Califórnia.

Uma boa introdução sobre o poeta, feita pelo Ricardo Domeneck, já foi feita na revista Modo de Usar (http://revistamododeusar.blogspot.com.br/2008/06/jack-spicer-1925-1965.html), por isso não vou me ater a arremedar uma outra introdução sobre o poeta.

Entretanto, Spicer era um tipo interessante, de uma poética igualmente interessante, mas ainda sim pouco traduzido ao português – traduções dele temos as da Patrícia Lino (http://makelove-notbeds.blogspot.com.br/2014/07/jack-spicer-tres-poemas-three-poems.html ), do já mencionado Ricardo Domeneck, do Guilherme Gontijo Flores (http://revistamododeusar.blogspot.com.br/2015/02/traducao-de-guilherme-gontijo-flores.html) e algumas minhas (http://guarita.tumblr.com/post/159372718350/poemas-de-amor-por-jack-spicer).

Nessas traduções abaixo selecionei alguns poemas em fases diferentes da sua vida, a exemplo dos escritos durante a Berkeley Renaissance (“UM POEMA PARA O DADA DAY AT THE PLACE, 1 ABRIL, 1955” e “NÓS ACHAMOS O CORPO DIFÍCIL DE FALAR…”), alguns textos do seu livro After Lorca (“BALADA DA GAROTINHA QUE INVENTOU O UNIVERSO”, “PASSEIO DE BUSTER KEATON”, “UM DIAMANTE” e uma “carta” enviada a Federico García Lorca, e QUATRO POEMAS PARA RAMPARTS”, presente no seu livro, BOOK OF MAGAZINE VERSE.

– victor h. azevedo

* * *

  “Nós achamos o corpo difícil de falar…”

Nós achamos o corpo difícil de falar,
O rosto muito duro de entreouvir,
Achamos que olhos ao beijar gaguejam
E essas pesadas virilhas erguidas
Balbuciam como idiotas.
Sexo é uma dor na boca. O
Rangido que os nossos corpos fazem
Quando eles esfregam suas bocas umas nas outras
Tentando falar.
Como crianças caladas abraçamos
Doendo juntos.
E o amor é um vazio no ouvido. Como cura
Nós colocamos um rosto contra o ouvido
E o escutamos como se fosse uma concha,
acalentada por seus rugidos.
Nós achamos o corpo difícil, e falamos
através da sua parede como estranhos.

“We find the body difficult to speak . . .”

We find the body difficult to speak,
The face too hard to hear through,
We find that eyes in kissing stammer
And that heaving groins
Babble like idiots.
Sex is an ache of mouth. The
Squeak our bodies make
When they rub mouths against each other
Trying to talk.
Like silent little children we embrace,
Aching together.
And love is emptiness of ear. As cure
We put a face against our ear
And listen to it as we would a shell,
Soothed by its roar.
We find the body difficult, and speak
Across its wall like strangers.

§

QUATRO POEMAS PARA RAMPARTS

1.

Tire essas palavras da sua boca e as coloque dentro do coração. Se não
existe
Um Deus não acredite Nele. “Credo
Quia absurdum,” cria guerras e amores vazios e era
até mesmo em tempos tertulianos uma heresia. Vi ele como uma tartaruga
rastejando pelo vasto deserto da incredulidade.
“As sombras do amor não são as sombras de Deus.”
Essa é a segunda heresia criada pelo homem primevo de Piltdown na
caverna de Platão. Mesmo
O fogo moldando uma sombra ou não.
Balões vermelhos, laranjas e roxos, todos soltos
juntos em um céu chuvoso.
O céu onde os homens choram pelos homens. E sobre o céu uma lua
ou um astronauta sorri na televisão. O amor
Por Deus ou pelo homem transformado em distância.
Essa é a terceira heresia. Dante
foi o primeiro escritor de ficção cientifica. Beatrice
Cintilando no espaço infinito.

2.

Um papa quase morrendo de soluçar. Ou São Pedro
Contando à polícia, “Juro por Deus que não conheço esse homem,”
até que o galo cante três vezes e eles o soltem.
“Uma pedra
Sobre a qual eu construirei uma igreja.”
E ainda está lá. Aceitando a divindade como Jesus aceitou
a humanidade. A contragosto, sem paixão, mas o ponto
mais importante para ver no mundo.
Não acreditamos muito nisso. Deus é uma inverdade palpável. Coisas
espalhando-se pelo universo como lições.
Mas Jesus morreu e retornou com buracos nas mãos.
Como o clima,
E é, espero, para ser alcançado, e é algo para se rezar
E é o Filho de Deus.

3.

Na rubra aurora do Apocalipse (São João não é o Departamento de
Defesa) posso ouvir os soldados se movendo. Papa João
Vestido como o Anticristo é o primeiro a sair do mato
ou seja lá qual selva.
“Pacem in terris,” ele brada como se estivesse cantando “The Eyes Of
Texas Are Upon You” e é atingido imediatamente na cabeça pelo tiro
de um revólver estrondoso.
Há tantos deles nos matos ou em Seja Lá Quais Selvas
(São João) que mal valem a pena serem mortos. Eles são
franco-atiradores disfarçados com os rostos da terra que deveríamos
estar protegendo. Seus japas parecem com nossos japas. Papa João
Parece morto mesmo quando sua fantasia cai.

4.

Mecanicamente nos movemos
no Universo de Deus, Incapazes de fazê-lo
Sem a graça ou ódio Dele.
O centro do ser. Como quase um centro de computadores,
sem graça. Um mundo enfadonho
Sem Seu ódio.
Um centro do ser — não a existência de robôs.
Se Ele quisesse, Ele poderia fazer de uma máquina um Cristo, colocá-lo
na segunda pessoa que é Você.
Por que ele se incomodou com o homem é um mistério que até Jó se Perguntou.
Deus tornando-se humano, tornou-se um assunto para antropólogos,
para história, e todos as outros, miseráveis coceiras de um animal
que de repente (tão de repente?) recebe uma alma.
Quando olho nos olhos e almas daqueles daqueles que amo, eu
(em uma floresta escura entre graça e ódio) duvido de Sua
sabedoria.
Cur Deus Homo, era o título do livro de São Anselmo. Sem
pontos de interrogação.
Graça!

FOUR POEMS FOR RAMPARTS

1.
Get those words out of your mouth and into your heart. If
there isn’t
A God don’t believe in Him. “Credo
Quia absurdum,” creates wars and pointless loves and was
even in Tertullian’s time a heresy. I see him like a tortoise
creeping through a vast desert of unbelief.
“The shadows of love are not the shadows of God.”
This is the second heresy created by the first Piltdown man in
Plato’s cave. Either
The fire casts a shadow or it doesn’t.
Red balloons, orange balloons, purple balloons all cast off
together into a raining sky.
The sky where men weep for men. And above the sky a moon
or an astronaut smiles on television. Love
for God or man transformed to distance.
This is the third heresy. Dante
Was the first writer of science-fiction. Beatrice
Shimmering in infinite space.

2.
A pope almost dying of hiccups. Or St. Peter
Telling the police, “Honest to God I don’t know this man,”
until the cock crowed three times and they released him.
“A rock
Upon which I will build a church.”
And yet it’s there. Accepting divinity as Jesus accepted
humanness. Grudgingly, without passion, but the most
important point to see in the world.
We do not quite believe this. God is palpably untrue. Things
spreading over the universe like lessons.
But Jesus dies and comes back again with holes in his hands.
Like the weather,
And is, I hope, to be reached, and is something to pray to
And is the Son of God.

3.
In the red dawn of the Apocalypse (St. John’s not the Defense
Department’s) I can hear the soldiers moving. Pope John
Dressed like the Antichrist is in first to come out of the bushes
or whatever jungle.
“Pacem in terris,” he shouts as if he were singing “The Eyes Of
Texas Are Upon You.” He is immediately shot in the head
by a loud revolver.
There are so many of them in the bushes or Whatever Jungle
(St. John’s) that they are hardly worth killing. They are
snipers disguised with the faces of the land we ought to be
protecting. Their gooks look like our gooks. Pope John
Looks dead even when his costume has fallen off.

4.
Mechanicly we move
In God’s Universe, Unable to do
Without the grace or hatred of Him.
The center of being. Like almost, without grace, a computer
center. Without His hatred
A barren world.
A center of being—not the existence of robots.
If He wanted to, He could make a machine a Christ, enter it in
its second person which is You.
Why he bothered with man is a mystery even Job wondered.
God becoming human, became a subject for anthropologists,
history, and all the other wretched itchings of an animal
that had suddenly (too suddenly?) been given a soul.
When I look in the eyes and the souls of those of those I love, I
(in a dark forest between grace and hatred) doubt His
wisdom.
Cur Deus Homo, was the title of St. Anselm’s book. Without
question marks.
Grace!

§

UM POEMA PARA O DADA DAY AT THE PLACE, 1 ABRIL, 1955

Querido,
A diferença entre o Dada e o barbarismo
É a diferença entre um aborto e um sonho molhado.
Um aborto
É um sacrifício consciente do passado, a pintura de um bigode
Na Mona Lisa, a rendição
De crianças reais.
O outro, querido, é um sacrifício
Dos filhos de ninguém, é barbarismo, é um Esquimó
Correndo amuado em um museu, é a Boêmia
Renunciando cidades que nunca foram conquistadas.
Um Vândalo feio mijando em uma estátua não é Fídias
mijando em uma estátua. Barbarismo
É menor que um gesto.
Destrua seus próprios deuses se você quer ser Dada:
Desista dos seus vícios, queime sua jukebox,
Desenhe bigodes na música, pinte uma mãe de verdade
em cada tela não-objetiva. Suje somente
Essas coisas que pertencem a você.
“Beleza é uma coisa tão rara,” Pound disse,
“pouquíssimos bebem da minha fonte.”
Você só tem o direito de mijar na fonte
Se você for belo.

A POEM FOR DADA DAY AT THE PLACE, APRIL 1, 1955

Darling,
The difference between Dada and barbarism
Is the difference between an abortion and a wet dream.
An abortion
Is a conscious sacrifice of the past, the painting of a mustache
On Mona Lisa, the surrender
Of real children.
The other, darling, is a sacrifice
Of nobody’s children, is barbarism, is an Eskimo
Running amok in a museum, is Bohemia
Renouncing cities it had never conquered.
An ugly Vandal pissing on a statue is not Phidias
Pissing on a statue. Barbarism
Is something less than a gesture.
Destroy your own gods if you want Dada:
Give up your vices, burn your jukebox,
Draw mustaches on music, paint a real mother
On every non-objective canvas. Befoul only
Those things that belong to you.
“Beauty is so rare a thing,” Pound said,
“So few drink at my fountain.”
You only have the right to piss in the fountain
If you are beautiful.

§

TRÊS ENSAIOS MARXISTAS

HOMOSSEXUALIDADE E MARXISMO

Não deveriam haver regras para isso mas deveria ser simultâneo se fosse pra haver.

Homossexualidade é essencialmente estar só. Que é uma luta contra os patrões capitalistas que não querem
que nós sejamos sós. Sozinhos somos perigosos.

Nossa insatisfação poderia arruinar a América. Nosso amor poderia arruinar o universo se quiséssemos.

Se deixarmos nosso amor florescer na verdadeira revolução ficaremos cheios de ofertas para camas.

OS JATOS E O MARXISMO

Jatos odeiam política. Eles crescem em uma sociedade de gatos gordos onde não houve nenhuma depressão ou guerra. Eles
são contra a pena de morte.

Eles não poderiam se importar menos. Eles usam canivetes atados com fitas. Eles sabem que o que move este país
é uma máquina IBM conectada a uma máquina IBM. Eles nunca pensam em usar seus canivetes contra seus gabinetes de alumínio.

Uma Liga Contra a Juventude e o Fascismo deveria ser formada imediatamente pelo nosso Partido. Eles são nossos convidados. Eles são ignorantes.

OS JATOS E A HOMOSSEXUALIDADE

Certa vez no áureo amanhecer da homossexualidade houve um filósofo que havia dado a fórmula para uma nova sociedade —
“de cada qual, segundo sua capacidade, a cada qual, segundo suas necessidades.”

Essa fórmula aparece no Novo Testamento — a parábola da figueira — e em outros lugares.

Continuar o argumento é infrutífero.

THREE MARXIST ESSAYS

HOMOESEXUALITY AND MARXISM

There should be no rules for this but it should be simultaneous if at all.

Homosexuality is essentially being alone. Which is a fight against the capitalist bosses who do not want us to be alone. Alone we are dangerous.

Our dissatisfaction could ruin America. Our love could ruin the universe if we let it.

If we let our love flower into the true revolution we will be swamped
with offers for beds.

THE JETS AND MARXISM

The Jets hate politics. They grew up in a fat cat society that didn’t even have a depression or a war in it. They are against capital punishment.

They really couldn’t care less. They wear switchblade knives tied with ribbons. They know that which runs this country is an IBM machine connected to an IBM machine. They never think of using their knives against its aluminum casing.

A League Against Youth and Fascism should be formed immediately by our Party. They are our guests. They are ignorant.

THE JETS AND HOMOSEXUALITY

Once in the golden dawn of homosexuality there was a philosopher who gave the formula for a new society—“from each, according to his ability, to each according to his need.”

This formula appears in the New Testament—the parable of the fig tree—and elsewhere.

To continue the argument is fruitless.

§

Balada da Garotinha Que Inventou O Universo
uma tradução para George Stanley

Flor de jasmim e um touro com a garganta cortada.
Calçada infinita. Mapa. Quarto. Harpa. Amanhecer.
Uma garotinha imita um touro feito de jasmim
E o touro é um crepúsculo sangrento que sobe.

Se o céu fosse um garotinho
Os jasmins pegariam metade da noite para si
E o touro uma praça de touros azul só sua
Com o coração ao pé de uma pequena coluna.

Mas o céu é um elefante
E os jasmins são água sem sangue
E a garotinha é um buquê de flores noturnas
Perdida em uma grande calçada escura.

Entre o jasmim e o touro
Ou ganchos das adormecidas pessoas de mármore ou
No jasmim, nuvens e um elefante —
O esqueleto de uma garotinha se virando.

Ballad of the Little Girl Who Invented the Universe
A Translation for George Stanley

Jasmine flower and a bull with his throat slashed.
Infinite sidewalk. Map. Room. Harp. Sunrise.
A little girl pretends a bull made of jasmine
And the bull is a bloody twilight that bellows.

If the sky could be a little boy
The jasmines could take half the night to themselves
And the bull a blue bullring of his own
With his heart at the foot of a small column.

But the sky is an elephant
And the jasmines are water without blood
And the little girl is a bouquet of night flowers
Lost on a big dark sidewalk.

Between the jasmine and the bull
Or the hooks of the sleeping people of marble or
In the jasmine, clouds and an elephant—
The skeleton of a little girl turning.

§

Passeio de Buster Keaton
uma tradução para Melvin Bakkerud

GALO: Cocoricó!

(Buster Keaton entra carregando quatro crianças em seus braços.)

BUSTER KEATON (pega um punhal de madeira e os mata):
Minhas pobres crianças!

GALO: Cocoricó!

BUSTER KEATON (contando os corpos no chão): Um, dois, três, quatro. (Pega uma bicicleta e vai embora.)

(Entre pneus velhos e latas de gasolina um negro come um chapéu de palha)

BUSTER KEATON: Que tarde bonita!

(Um papagaio tremula no céu sem sexo.)

BUSTER KEATON: Gosto de andar de bicicleta.

CORUJA: Hoo hoo.

BUSTER KEATON: Que bonito o canto desses pássaros!

CORUJA: Hoo!

BUSTER KEATON: É lindo!

(Pausa. Buster Keaton inefavelmente cruza juncos e pequenos campos de centeio. A paisagem se encurta sob as rodas da sua máquina. A bicicleta tem uma única dimensão. É capaz de entrar em livros e expandir-se até mesmo em óperas e minas de carvão. A bicicleta de Buster Keaton não tem uma sela de caramelo ou pedais de açúcar como as bicicletas que os homens maus pedalam. É uma bicicleta como todas as outras exceto por uma única chuvarada de inocência. Adão e Eva passam correndo, assustados como se estivessem carregando um vaso cheio de água e, ao passar, acariciam a bicicleta do Buster Keaton.)

BUSTER KEATON: Ah, amor, amor!

(Buster Keaton cai no chão. A bicicleta escapa dele. Corre até atrás de duas enormes borboletas cinzentas. E roça loucamente meio centímetro no chão.)

BUSTER KEATON: Eu não quero falar. Alguém por favor diga algo?

UMA VOZ: Imbecil!

(Ele continua andando. Seus olhos, infinitos e tristes como um animal recém-nascido, sonho de lírios e anjos e cintos sedosos. Seus olhos que são como o fundo de um vaso. Seus olhos d’uma criança louca. Quais são os mais fiéis. Quais são os mais belos. Os olhos de um avestruz. Seus olhos humanos de uma equivalência segura com melancolia. A Filadélfia é vista ao longe. Os habitantes dessa cidade agora sabem que o antigo poeta de uma máquina Singer é capaz de circular as grandes rosas da estufa mas não de todo, para compreender a diferença poética entre uma tigela de chá quente e uma tigela de chá gelado. A Filadélfia brilha ao longe.)

(Uma menina americana com olhos de celuloide surge da grama.)

A AMERICANA: Olá.

(Buster Keaton sorri e olha para os sapatos da garota. Que sapatos! Nós não temos que admirar seus sapatos. Seria preciso um crocodilo para usá-los.)

BUSTER KEATON: Eu gostaria de—

A AMERICANA (sem fôlego): Você carrega uma espada adornada de folhas de murta?

(Buster Keaton dá de ombros e levanta o pé direito.)

A AMERICANA: Você tem um anel de pedra envenenada?

(Buster Keaton se entorta lentamente e levanta uma perna inquirida)

A AMERICANA: Bem?

(Quatro anjos com asas de um celestial balão de gás mijam entre as flores. As senhoras da cidade tocam num piano como se estivesse pedalando uma bicicleta. A valsa, a lua, e dezessete canoas indianas balançam o precioso coração do nosso amigo. Como a maior surpresa de todas, o outono invade o jardim como a água que explode um amontoado geométrico de açúcar.)

BUSTER KEATON (suspirando): Eu gostaria de ter sido um cisne. Mas eu não posso fazer o que eu gosto. Porque — O que aconteceu com o meu chapéu? Onde está meu colarinho de passarinhos e minha gravata mohair? Que desgraça!

(Uma moça com uma cintura de vespa e um colarinho alto surge montada em uma bicicleta. Ela tem a cabeça de um rouxinol.)

MOÇA: Quem tenho a honra de saudar?

BUSTER KEATON (com um arco): Buster Keaton.

(A moça desmaia e cai da bicicleta. Suas pernas no chão tremem como duas najas agonizantes. Um gramofone toca milhares de versões da mesma canção — “Na Filadélfia eles não têm rouxinóis”.)

BUSTER KEATON (ajoelhado): Querida Srta. Eleanor, pardon me! (mais baixo) Querida (ainda baixo) Querida (mais baixo) Querida.

(As luzes da Filadélfia piscam e saem do rosto de milhares de policiais.)

§

Um Diamante
uma tradução para Robert Jones

Existe
Um diamante
No coração da lua ou dos ramos ou da minha nudez
E não há nada no universo como um diamante
Nada em toda a mente.

O poema é uma gaivota descansando em um cais no fim do oceano.

Um cão uiva na lua
Um cão uiva nos ramos
Um cão uiva na nudez
Um cão uivando com a mente pura.

Peço ao poema que ele seja tão puro quanto a barriga de uma gaivota.

O universo desmorona e revela um diamante
Duas palavras chamadas gaivota estão pacificamente flutuando lá onde as ondas estão.
O cão está morto lá com a lua, com os ramos, com minha nudez
E não há nada no universo como um diamante
Nada em toda a mente.

Diamond
A Translation for Robert Jones

A diamond
Is there
At the heart of the moon or the branches or my nakedness
And there is nothing in the universe like Diamond
Nothing in the whole mind.

The poem is a seagull resting on a pier at the end of the ocean.

A dog howls at the moon
A dog howls at the branches
A dog howls at the nakedness
A dog howling with pure mind.

I ask for the poem to be as pure as a seagull’s belly.

The universe falls apart and discloses a diamond
Two words called seagull are peacefully floating out where the
waves are.
The dog is dead there with the moon, with the branches, with
my nakedness
And there is nothing in the universe like Diamond
Nothing in the whole mind.

§

CINCO PALAVRAS PARA JOE DUNN SOBRE SEU VIGÉSIMO-SEGUNDO ANIVERSÁRIO

Te devo cinco palavras de aniversário.
A primeira palavra é anthropos
Aquele que celebra aniversários.
Ele está mirrado e rijo e cego, tagarela
Das velhas guerras e da beleza morta.
Ele está lá pela calma do teu coração quando os dias correm
E as guerras se perdem e as rosas murcham.
Ele pode derrotar todos os inimigos que te atingirem.
Ele pode lembrar de toda beleza que possa morrer em teu coração.

A segunda palavra é andros
Aquele que se orgulha de seu gênero
Que se veste como um galo de rinha, ereto
Através da meia-noite do tempo
Como uma vela de aniversário.
Ele te dar sabedoria assim como um Tolo
Se esconde nos lombos
Chorando pela deselegância
De tudo isso que não é sagrado.

A terceira palavra é eros
Aquele que se apega a ti a cada nascimento
Trazendo ao teu coração sustância.
Seja lá quem for que você toque ele irá te amar,
Sentirá o apego do Seu toque
Como a luz do sol dispersa sobre um espelho antigo.

A quarta palavra é thanatos, o ventre negro
Que devora aniversários.
Eu não te dou thanatos. Eu te trago a palavra para chamá-lo
Thanatos, devorador de rapazes, mordedor cardíaco, lambedor de ossos.
Olhe, Ele se esgueira quando você o chama.
Chame-o! Thanatos.

A última palavra é agape,
A dançarina que põe aniversários em movimento.
Ela está lá para conduzir as palavras.
Contrariando tudo, Ela faz as palavras
Girarem ao Seu redor. Palavras dançam.
Veja. Anthropos perene,
Andros tornado virgem, Eros irrefletível
Thanatos devorado.
Agape, Agape, mestra de cerimônias,
Ame
Isso que vem para além dos aniversários,
Isso que faz poesia
E move estrelas.

FIVE WORDS FOR JOE DUNN ON HIS TWENTY-SECOND BIRTHDAY

I shall give you five words for your birthday.
The first word is anthropos
Who celebrates birthdays.
He is withered and tough and blind, babbler
Of old wars and dead beauty.
He is there for the calmness of your heart as the days race
And the wars are lost and the roses wither.
No enemy can strike you that he has not defeated.
No beauty can die in your heart that he will not remember.

The second word is andros
Who is proud of his gender
Wears it like a gamecock, erects it
Through the midnight of time
Like a birthday candle.
He will give you wisdom like a Fool
Hidden in the loins
Crying out against the inelegance
Of all that is not sacred.

The third word is eros
Who will cling to you every birthnight
Bringing your heart substance.
Whomever you touch will love you,
Will feel the cling of His touch upon you
Like sunlight scattered over an ancient mirror.

The fourth word is thanatos, the black belly
That eats birthdays.
I do not give you thanatos. I bring you a word to call Him
Thanatos, devourer of young men, heart-biter, bone-licker.
Look, He slinks away when you name Him.
Name Him! Thanatos.

The last word is agape,
The dancer that puts birthdays in motion.
She is there to lead words.
Counter to everything, She makes words
Circle around Her. Words dance.
See them. Anthropos ageless,
Andros made virgin, Eros unmirrored,
Thanatos devoured.
Agape, Agape, ring-mistress,
Love
That comes from beyond birthdays,
That makes poetry
And moves stars.

§

PSICANÁLISE: UMA ELEGIA

No que você está pensando?

Estou pensando no começo do verão.
Estou pensando em colinas molhadas de chuva
Água correndo. Derramando-se
Em hectares vazios de carvalho e manzanita
Na velha e verde moita emaranhada ao sol,
Chaparral, sálvia e mostarda-marrom.
Ou no vento quente que vem de Santa Ana
Vindo pelas montanhas como louco,
Um vento veloz com um pouco de poeira nele
Ferindo tudo e tornando as sementes doces.
Ou na cidade onde os pessegueiros
São estranhos como cavalos novos,
E onde pipas ficam presas nas fiações
Sobre os postes das ruas,
E os bueiros estão todos engasgados de arbustos mortos.

No que você está pensando?

Estou pensando que gostaria de escrever um poema que fosse lento como um verão
Que lentamente fosse começando
Como 4 de Julho em algum lugar pelo meio da segunda estrofe
Depois de muita chuva inusitada
A Califórnia parece maior no verão.
Eu gostaria de escrever um poema tão comprido quanto a Califórnia
E tão lento quanto um verão.
Você me entende, Doutor? Tem que ser tão lento
Quanto cada ponta do verão.
Tão lenta quanto o verão
Em um dia quente bebendo cerveja fora de Riverside
Ou parado no meio de uma estrada branca e quente
Entre Bakersfield e o Inferno
Esperando pelo Papai Noel

No que você está pensando agora?

Estou pensando que ela é bem parecida com a Califórnia.
Quando ela ainda está de vestido é como um mapa das estradas. Rodovias
Indo de cima a baixo na sua pele
Estradas longas e vazias
Com a lua perseguindo lebres
Nas noites quentes de verão.
Estou pensando que seu corpo poderia ser a Califórnia
E eu um turista do oriente, rico,
Perdido em algum lugar entre o Inferno e o Texas
Olhando para um mapa de uma Califórnia comprida, molhada e dançante
Que eu nunca vi.
Envie alguns cartões postais baratos, moça,
Envie.
Cada peito de cada fotografado parecendo
Com curiosos monumentos nacionais,
Um do seu corpo extenso como uma rodovia de três pistas
Vinte e sete milhas de uma noite hospedado
No hotel mais antigo do mundo.

No que você está pensando?

Estou pensando em quantas vezes esse poema
Será repetido. Quantos verões
Irão torturar a Califórnia
Até que os malditos mapas queimem
Até que o cartógrafo louco
Caia no chão e possua
A doce e dura terra da qual ele estava se escondendo.

No que você está pensando agora?

Estou pensando que um poema poderia continuar para sempre.

PSYCHOANALYSIS: AN ELEGY

What are you thinking about?

I am thinking of an early summer.
I am thinking of wet hills in the rain
Pouring water. Shedding it
Down empty acres of oak and manzanita
Down to the old green brush tangled in the sun,
Greasewood, sage, and spring mustard.
Or the hot wind coming down from Santa Ana
Driving the hills crazy,
A fast wind with a bit of dust in it
Bruising everything and making the seed sweet.
Or down in the city where the peach trees
Are awkward as young horses,
And there are kites caught on the wires
Up above the street lamps,
And the storm drains are all choked with dead branches.

What are you thinking?

I think that I would like to write a poem that is slow as a summer
As slow getting started
As 4th of July somewhere around the middle of the second stanza
After a lot of unusual rain
California seems long in the summer.
I would like to write a poem as long as California
And as slow as a summer.
Do you get me, Doctor? It would have to be as slow
As the very tip of summer.
As slow as the summer seems
On a hot day drinking beer outside Riverside
Or standing in the middle of a white-hot road
Between Bakersfield and Hell
Waiting for Santa Claus.

What are you thinking now?

I’m thinking that she is very much like California.
When she is still her dress is like a roadmap. Highways
Traveling up and down her skin
Long empty highways
With the moon chasing jackrabbits across them
On hot summer nights.
I am thinking that her body could be California
And I a rich Eastern tourist
Lost somewhere between Hell and Texas
Looking at a map of a long, wet, dancing California
That I have never seen.
Send me some penny picture-postcards, lady,
Send them.
One of each breast photographed looking
Like curious national monuments,
One of your body sweeping like a three-lane highway
Twenty-seven miles from a night’s lodging
In the world’s oldest hotel.

What are you thinking?

I am thinking of how many times this poem
Will be repeated. How many summers
Will torture California
Until the damned maps burn
Until the mad cartographer
Falls to the ground and possesses
The sweet thick earth from which he has been hiding.

What are you thinking now?

I am thinking that a poem could go on forever.

§

Caro Lorca,

Quando traduzo um de seus poemas e encontro palavras que não entendo, sempre deduzo os seus significados. Estou inevitavelmente certo. Uma poema realmente perfeito (ninguém escreveu ainda um) poderia ser facilmente traduzido por uma pessoa que não sabe uma palavra do idioma em que foi escrito. Um poema realmente perfeito tem um vocabulário infinitamente pequeno.
É dificílimo. Queremos transferir o objeto imediato, a emoção imediata para o poema — e no entanto o imediato sempre tem centenas de palavras próprias agarradas a ele, de vida curta e tenazes como cracas. E é errado escalpelá-las ou substituir por outras. Um poeta é um mecânico do tempo não um embalsamador. As palavras ao redor desse murchar imediato e decaído como carne ao redor do corpo. Nenhum trapo de múmia da tradição pode ser usado para parar o processo. Objetos, palavras devem ser conduzidas através do tempo, não preservadas contra ele.
Eu grito “Merda” sob um penhasco próximo do oceano. Mesmo na minha vida o imediatismo dessa palavra irá desaparecer. Estará morta como “Alas”. Mas se eu colocar o penhasco verdadeiro e o oceano verdadeiro dentro do poema, a palavra “Merda” irá perdurar com ele, viajando na máquina do tempo até que os penhascos e os oceanos desapareçam.
A maioria dos meus amigos gosta muito de palavras. Eles as colocam sob a luz cega do poema e tentam extrair toda e qualquer conotação possível de cada uma delas, cada trocadilho temporário, cada conexão direta ou indireta — como se uma palavra pudesse se tornar um objeto por mera adição de consequências. Outros pegam palavras das ruas, dos seus bares, dos seus escritórios e os exibem com orgulho em seus poemas como se estivessem berrando, “Veja o que peguei da Língua Americana. Olhe para minhas borboletas, meus selos, meus velhos sapatos!” O que alguém faz com toda essa bosta?
Palavras são o que aderem ao real. Nós usamos elas para impulsionar o real, para arrastar o real para o poema. Elas são o que temos, nada mais. Elas são tão valiosas em si próprias como uma corda com nada a ser amarrada.

Repito — O poema perfeito tem um vocabulário infinitamente pequeno.

Com amor,

Jack.

Dear Lorca,

When I translate one of your poems and I come across words I do not understand, I Always guess at their meanings. I am inevitably right. A really perfect poem (no one yet has written one) could be perfectly translated by a person who did not know one word of the language it
was written in. A really perfect poem has an infinitely small vocabulary.

It is very difficult. We want to transfer the immediate object, the immediate emotion to the poem—and yet the immediate always has hundreds of its own words clinging to it, short-lived and tenacious as barnacles. And it is wrong to scrape them off and substitute others. A poet is a time mechanic not an embalmer. The words around the immediate shrivel and decay like flesh around the body. No mummysheet of tradition can be used to stop the process. Objects, words must be led across time not preserved against it.

I yell “Shit” down a cliff at an ocean. Even in my lifetime the immediacy of that word will fade. It will be dead as “Alas.” But if I put the real cliff and the real ocean into the poem, the word “Shit” will ride along with them, travel the time-machine until cliffs and oceans disappear.

Most of my friends like words too well. They set them under the blinding light of the poem and try to extract every possible connotation from each of them, every temporary pun, every direct or indirect connection—as if a word could become an object by mere addition of consequences. Others pick up words from the street, from their bars, from their offices and display them proudly in their poems as if they were shouting, “See what I have collected from the American language. Look at my butterflies, my stamps, my old shoes!” What does one do with all this crap?

Words are what sticks to the real. We use them to push the real, to drag the real into the poem. They are what we hold on with, nothing else. They are as valuable in themselves as rope with nothing to be tied to.

I repeat—the perfect poem has an infinitely small vocabulary.

Love,
Jack

Padrão