Maria Luise Weissmann, por Gabriel Rübinger-Betti

Maria Luise Weissmann nasceu em Schweinfurt no ano de 1899. Ainda criança, mudou-se para Hof e, em seguida, Nuremberg, onde viveu durante os anos da Primeira Guerra Mundial. Publicou suas primeiras obras em 1918 no jornal Fränkischer Kurier sob o pseudônimo de M. Wels. A partir de então, Weissmann passou a tecer amizades com várias figuras da literatura de seu tempo, como Georg Britting, que … Continuar lendo Maria Luise Weissmann, por Gabriel Rübinger-Betti

Nota sobre o tempo na poesia do séc. XVII, por Matheus Mavericco

Edward Herbert (1583-1648), Barão de Cherbury, foi poeta, soldado, diplomata e nobre inglês. Podemos pensar a princípio que foi muita coisa, mas na verdade não creio que é bem por aí pois tratamos de ocupações muito parecidas entre si. De todo modo, tal acúmulo foi importante para que Herbert professasse algumas ideias um tanto quanto avançadas demais para a época. A época: século XVII. As … Continuar lendo Nota sobre o tempo na poesia do séc. XVII, por Matheus Mavericco

Robert Walser (1878-1956)

— O senhor está sendo irônico? — É, um pouco. (Walser, “Batidas”). o escamandro pode gerar uma dúvida, pelo seu subtítulo — poesia, tradução, crítica — quanto à divisão entre poesia & prosa. fico me perguntando se essa ingenuidade nos moveu de início. talvez tenhamos de assumir que sim. porém, de algum modo, sempre esteve muitíssimo claro que a divisão prosa-poesia não operava de fato, & que essas … Continuar lendo Robert Walser (1878-1956)

O Divan de Goethe, por Daniel Martineschen

hoje é aniversário do velho goethe, por isso este post-homenagem com um dos que tentam mantê-lo vivo, jovem. mantê-lo em viço na nossa língua. guilherme gontijo flores * * * West-östlicher Divan O West-östlicher Divan é uma das obras mais controversas e de recepção mais complicada de Goethe. Não bastasse o título de cara misteriosa – que usa um quase-neologismo um tanto quanto modernoso (“west-östlich”) … Continuar lendo O Divan de Goethe, por Daniel Martineschen

Profetas, místicos e o que isso tem a ver com poesia

A metáfora do poeta como profeta, tanto dentro do próprio fazer poético quanto na crítica, tem uma longa história. Entre os latinos, a comparação com a figura do vate era algo dúbia, oscilando entre uma conotação pejorativa (para os romanos preocupados com uma noção de civilização, o vate era associado a uma certa “selvageria” primordial, associada a deuses obscuros como Cibele, cujo culto envolvia até … Continuar lendo Profetas, místicos e o que isso tem a ver com poesia

Alguns poemas da lírica de Goethe (1749 – 1832)

Johann Wolfgang von Goethe é um daqueles nomes tão portentosos que eu não sei nem por onde começar a falar dele. Nascido em 1749 na Cidade Livre de Frankfurt e morto em 1832, podemos enxergá-lo como um dos últimos dos polímatas, tendo se envolvido não só com literatura (tanto em verso quanto em prosa e crítica), como ficou mais conhecido, mas também com biologia (especialmente botânica … Continuar lendo Alguns poemas da lírica de Goethe (1749 – 1832)

Stefan George (1868 – 1933)

Confesso que só recentemente vim a conhecer o tradutor e poeta simbolista alemão Stefan George (1868 – 1933) e por causa da crítica Marjorie Perloff, que o menciona em seu livro autobiográfico The Vienna Paradox – e ela lamenta, inclusive, o quanto o poeta é pouco conhecido fora do mundo germanófono, em parte por conta de certos probleminhas ideológicos, como veremos na sequência aqui, e … Continuar lendo Stefan George (1868 – 1933)

Hans Magnus Enzensberger (1929)

Hans Magnus Enzensberger é um poeta, ensaísta e tradutor alemão nascido em 1929 e considerado por muitos o maior poeta vivo da língua. Criou-se em Nuremberg, a terra natal do nazismo, e passou pela guerra entre 44 e 45, tendo sido convocado, inclusive, pela Juventude Hitlerista, da qual foi expulso não muito tempo depois. Tinha 15 anos quando a Segunda Guerra acabou e 28 quando … Continuar lendo Hans Magnus Enzensberger (1929)

uljana wolf

Uljana Wolf (Berlim, 1979) é poeta, tradutora e editora formada em Germanistik, Anglistik e Kulturswissenchaft, pela Humboldt Universität, em Berlim. Tem dois livros de poesia publicados: kochanie ich habe brot gekauft (2005) e falsche freunde (2009) e já recebeu alguns prêmios literários, tais como o Peter-Huchel-Preis, Dresdner Lyrikpreis e o Villa Aurora grant in Los Angeles. Além disso, traduziu para o alemão alguns poetas de … Continuar lendo uljana wolf

uljana wolf (1979)

nascida em 1979, em berlim, uljana wolf  é poeta, tradutora & editora formada em “germanistik, anglistik & kulturswissenchaft”, pela humboldt universität de berlim. até o momento, tem dois livros de poesia publicados: kochanie ich habe brot gekauft (2005) & falsche freunde (2009) & já recebeu alguns prêmios literários pela sua produção, tais como o “peter-huchel-preis”, o “dresdner lyrikpreis” & o “villa aurora grant in los angeles”. … Continuar lendo uljana wolf (1979)