“avessa: áporo-antígona” de Guilherme Gontijo Flores

Este post é um lançamento de livro num mundo agora precário do convívio corporal. Ele aguarda seu desdobramento em livrinho material, num futuro próximo. Uma noiva inupta morta, mas que ri e prolifera, a despeito do horror presente e da vertigem da história: aqui, o que é abafado retorna como caruncho num tronco, ou num pote de comida em poética fúngica que realiza um verdadeiro … Continuar lendo “avessa: áporo-antígona” de Guilherme Gontijo Flores

XANTO|“A floresta e a escola. O Museu Nacional”, por Alexandre Nodari

“Não gostaríamos que as canções fossem parar tão longe de nós; não, as canções ficariam muito sós”(Índio Seneca, citado por Jerome Rothenberg) “Chegaram os espantosos brancos, da estranha tribo dos homens vestidos…” (Raul Pompeia, “Um povo extinto”) “Sim, a escravidão dos índios foi e será um grande erro, e a sua destruição foi e será uma grande calamidade. Convinha que alguém nos revelasse até que … Continuar lendo XANTO|“A floresta e a escola. O Museu Nacional”, por Alexandre Nodari