Ricardo Domeneck

  Em maio de 2020, em meio à pandemia, apareceu em meu pescoço um grande calombo. Meu médico olhava com cara de preocupação, e outro amigo, também médico, mais tarde me disse que já esperava o pior, dado meu intenso e irrefreável tabagismo. Num dia, ao final do mês, o indolor calombo tornou-se uma bola de carne dolorosíssima. Era uma pedra que se formara em … Continuar lendo Ricardo Domeneck