Baudelérias, por Wladimir Saldanha

BAUDELÉRIAS: O RISO E O PROSAÍSMO DE BAUDELAIRE A propósito de Baudelaire, constuma-se acentuar o contraste entre a forma elevada de sua poesia, que segue o modelo clássico francês, e os temas baixos – a carniça, o satanismo, a vida das ruas. Mas, haveria algo de próprio no classicismo do autor de As flores do mal? Para alguns leitores incomuns, como T. S. Eliot e … Continuar lendo Baudelérias, por Wladimir Saldanha

Emanuel Swedenborg, Correspondências

O soneto das correspondências é provavelmente um dos poemas mais famosos (e também um dos mais tranquilos e menos ácidos, junto com “Elevação”, eu diria) das Flores do Mal do francês Charles Baudelaire (1821 – 1867): Correspondances La Nature est un temple où de vivants piliers Laissent parfois sortir de confuses paroles; L’homme y passe à travers des forêts de symboles Qui l’observent avec des … Continuar lendo Emanuel Swedenborg, Correspondências