poesia, tradução

uma tradução medoñenta pra pink dog, por nóspornós

Elizabeth Bishop com índios em visita à Amzônia

Elizabeth Bishop em visita à Amazônia – com índios que gritam num silêncio ensurdecedor EU NÃO SOU SEU ZOOLÓGICO.

 

claro que a poema podia estar e está nos icebergs imaginários. mas essa poema só quer ficar dançada num beatboompá do rap sem qualquer música e arranha lá no fundo mais que rima —rhythm and poetry. essa poema só quer dançar a tradução mais analfabeta, dançar co’cês tudim. todos coloridin todos índios todos pretos coloridos pretos e aqueles pretos e os quase todos pretos de tão pobres.

         nina rizzi

***

Cã-de-rosa

[Fortaleza]

O sol é encarnadoescaldante, o céu azul puro cirrus.
Cangas & biquínis vestem a praia de todos coloridos.
Nua, entre o passo bêbo e a corrida, você cruza a avenida.

Ó, nunca vi uma cadela tão peladinha!
Peladinha, cor-de-beiços, imberbe cã-de-rosa…
Assustada, a reca recua – olha ispritada.

Claro que tão espumando de gastura, com medo de raiva.
Tá é abirobado não, mãh! – é um caso de sarna
avie lá os zóim enribado. Onde estão seus bebêzim?

(A mãe, escarraga a enfermeira, com as tetas cheias, amojadas)
Em que favela você os escondeu, puta pobre, cadela, rapariga
enquanto implora? vive de seus zói picardia e sebo nas canela?

Você não sabia? Saiu no Barra Pesada, em todos os jornais, que é                        [que fazem
para resolver esse tipo de problema; como você acha que lidam com                         [a ruma
de mendigos? Assuvia feito Iara e rebola tudim na maré cheia, até                         [chegar na Barra.

Podiscrê: verminoso, chambregado, zuruó, aleijados, descatitados
todos vão nadando pelo esgoto que escorrega nas periferias escuras.

Se fazem isso com quem implora desmilinguido
cus de cana e noiados e pebados, tomados pela cirrose e fome e                        [neurose
o que não fariam por uma doente de quatro, cãs, cadelas?

Nas barbearias, bares, livrarias, calçadas e esquinas
a piada é o arengue com os mendigos
– ao invés de dar esmolas, dão coletes salva-vidas.

Mas você, cã-de-rosa, não seria capaz
de remar com suas pernas nem sequer boiar.
Avie: uma idéia prática, a delicada

solução é se mascarar.
Esta noite você não precisa se dar ao luxo de ser essa bosta-
merda monstruosa. Será única, cã-de-rosa mascarada micareta.
Logo invém quarta de cinzas, mas oxe! todo dia é carnaval, feriado                        [nacional.
Você pode sambar? Como vai se fantasiar, papangu?

Todos dizem que o Carnaval é um festejo coisado
– as rádios, os crentes, os descontentes, esse povo fêi que bota
buneco em tudo o que é pra gente. Conversa fiada, mininu.

O Carnaval é só o mi disbuiado, é porreta!

Arribe! uma cadela depilada e tão rosinha assim nuazinha não                        [pega bem.
Sai do mei! se fantasie, se mascare e dance o Carnaval!

Iiiiiiêêêiiiiii!!!

Fortaleza, 2017.

 

PINK DOG

[Rio de Janeiro]

The sun is blazing and the sky is blue.
Umbrellas clothe the beach in every hue.
Naked, you trot across the avenue.

Oh, never have I seen a dog so bare!
Naked and pink, without a single hair…
Startled, the passersby draw back and stare.

Of course they’re mortally afraid of rabies.
You are not mad; you have a case of scabies
but look intelligent. Where are your babies?

(A nursing mother, by those hanging teats.)
In what slum have you hidden them, poor bitch,
while you go begging, living by your wits?

Didn’t you know? It’s been in all the papers,
to solve this problem, how they deal with beggars?
They take and throw them in the tidal rivers.

Yes, idiots, paralytics, parasites
go bobbing int the ebbing sewage, nights
out in the suburbs, where there are no lights.

If they do this to anyone who begs,
drugged, drunk, or sober, with or without legs,
what would they do to sick, four-legged dogs?

In the cafés and on the sidewalk corners
the joke is going round that all the beggars
who can afford them now wear life preservers.

In your condition you would not be able
even to float, much less to dog-paddle.
Now look, the practical, the sensible

solution is to wear a fantasía.
Tonight you simply can’t afford to be a-
n eyesore… But no one will ever see a

dog in máscara this time of year.
Ash Wednesday’ll come but Carnival is here.
What sambas can you dance? What will you wear?

They say that Carnival’s degenerating
— radios, Americans, or something,
have ruined it completely. They’re just talking.

Carnival is always wonderful!
A depilated dog would not look well.
Dress up! Dress up and dance at Carnival!

1979

[Elizabeth Bishop, New Poems, 1979]

 

Anúncios
Padrão
crítica

Elizabeth Bishop – Em apreciação dos poemas de Shelley

2012 é um bom ano para a poeta Elizabeth Bishop. Além de termos um filme, intitulado The Art of Losing ou Flores Raras, em português, saindo este ano, sobre a relação amorosa dela com a arquiteta Lota de Macedo Soares, a Companhia das Letras recentemente publicou um volume de poesia da autora chamado “Poemas do Brasil” (tradução de Paulo Henriques Britto). Curiosamente, tive notícia desses acontecimentos enquanto preparava este post, que, pelo fato de eu não ter encontrado na internet o texto que aqui traduzo (o que me forçou a ter que traduzir com o livro em mãos), acabou demorando um tempinho.

Bishop já não é nenhuma estranha aqui no escamandro, e não preciso professar mais uma vez meu gosto por sua poesia. Sendo assim, de posse de sua obra completa (coleção Library of America), uma vez lida a parte de sua breve produção poética, eu fui me embrenhando pelos outros textos da autora e acabei descobrindo coisas muito interessantes. E, dentre as coisas interessantes que encontrei, está um breve ensaio de Bishop sobre o poeta romântico Percy Bysshe Shelley, intitulado “In appreciation of Shelley’s poems”. Quem me conhece, sabe que estudo Shelley desde a época da monografia, e que, agora em minha dissertação, meu foco é o estudo e tradução de seu drama lírico Prometeu Desacorrentado. É sempre uma experiência muito reveladora observar o que um autor de quem você gosta pensa sobre outros autores, ainda que essa possa ser uma experiência potencialmente frustrante – como costuma ser no caso, por exemplo, da leitura dos comentários críticos de Ezra Pound, que, apesar de ter algum fascínio, decepciona com a lista de autores que desconsidera, como John Milton ou Edgar Lee Masters, que postamos já aqui no escamandro, além de Virgílio, os românticos, quase toda a poesia alemã, etc.

Poderíamos ter algumas ressalvas quanto às opiniões de Bishop, sobretudo se quisermos levar seu comentário a sério (digamos, academicamente), no que diz respeito ao caráter impressionista do texto e a uma certa ingenuidade que Bishop expressa… no entanto, vale a pena lembrar que ela tinha apenas 16 anos quando escreveu este texto. Mas, apesar da pouca idade, sua erudição, sensibilidade e lucidez são notáveis, e as conclusões a que ela chega no penúltimo parágrafo, em especial, são prova disso.

De qualquer modo, mesmo para quem não tem interesse em Shelley, acredito que esse texto diga tanto sobre Bishop quanto diz sobre Shelley.

Em apreciação dos poemas de Shelley

Passei este verão em Cape Cod[1], cercada por bosques pitorescos, sob a sombra de pinheiros-da-Virgínia, dunas desoladas e brilhosas de sol e baías cujo azul intenso amortece os sentidos à tudo que não seja cor. Tais coisas são extremamente condutoras à leitura de poesia e, a princípio, eu me fartei com todo tipo de iguarias de várias antologias, mas no final acabei devotando todo o meu tempo a Shelley. Claro que li alguns outros livros, o mais impressionante deles sendo A Saga Forsyte de John Galsworthy. Suas numerosas altercações familiares e casamentos internos muito me empolgaram, mas o estilo realista do livro não combinava nem um pouco com os meus arredores, e logo me vi lendo-o somente nos dias chuvosos cujo tom sombrio lhe conferia o pano de fundo certo. Mas Shelley estava perfeito. Eu fui cativada por ele desde que memorizei a primeira estrofe de “A Nuvem” na segunda série; então decidi definitivamente estudá-lo. Com seus poemas num bolso, e Ariel, sua biografia escrita por Andre Maurois[2], no outro, e as nuvens e os barcos à vela que ele tantou amava ao meu redor, eu sentia que havia ganho uma compreensão e apreciação mais profundas em relação a ele.

O único verdadeiro modo de se compreender a poesia é conhecendo a vida e as crenças do poeta, e isso é válido sobretudo para Shelley, cujos poemas foram todos escritos ou para estender suas ideias filosóficas ou para expressar uma de suas sutis mudanças de humor. Biografias costumam ser muito secas, sugando tudo que há de vivo naqueles de quem falam, mas Ariel é diferente ao extremo. Ele traz Shelley a um nível terrestre sem tirar nada de sua estranha espiritualidade. Eu, que prefiro levar meus poetas a sério, por vezes não gostei do tratamento irônico dado às desventuras de Shelley, mas foi a única falha que pude encontrar no livro.

O melhor modo de se compreender Shelley é ler uma parte de sua biografia e depois ler os poemas que foram escritos durante esse mesmo período de sua vida[3]. O caráter de Shelley não era daqueles que costumavam mudar muito. Ele era uma chama clara e firme à qual a desilusão e a tragédia conferiram cores mais profundas. Um bom exemplo disso é o Prometeu Desacorrentado, seu maior drama[4]. Ele foi escrito, em sua maior parte, enquanto Shelley vivia em Roma, durante um dos períodos mais felizes de sua vida. É repleto das mais belas imagens da natureza, refletindo todas as coisas que ele via ao seu redor, e o lirismo singular de todo o poema expressa sua felicidade na época. Ele mostra as mesmas crenças e esperanças de reformar a humanidade que os seus primeiros poemas, mas não há mais uma listagem fútil das falhas da Terra. Shelley chegou ao ponto de entender que ele sozinho poderia fazer muito pouco contra a ignorância e a convenção, e, sem tentar simplificar seus poemas para ter um maior apelo ao público geral, como fizera anteriormente, ele escrevia exatamente como se sentia. O resultado é um padrão intrincado de espíritos, tempestades, música e nuvens, todos movidos por suas ideias arrebatadoras. É impossível lê-lo e ver as coisas exatamente como eram antes.

Eu me lembro de estar navegando num fim de uma tarde deste verão para uma ilha bem distante da baía. Era um lugar soturno e deserto – nada a não ser areia e gaivotas. Nós, os marinheiros do acampamento em que eu estava, planejávamos acampar lá durante a noite. Durante todo o longo percurso lemos Shelley a partir de uma cópia em brochura e molhada da água do mar. Era uma noite fria e pontuada de estrelas, e eu dormi com a música de seus versos ecoando em meu cérebro. De manhã cedo, nós nos sentamos para ver o sol nascer. Começou com uns dedos róseos e apagados alcançando o leste e por fim flamejou num ouro candente que raiou pelas águas e manchou as dunas e as gaivotas em voo com seu dourado. Na hora, me pareceu que Shelley era um espírito da alvorada – uma de suas próprias criaturas, sobre a qual ele diz:

Vê onde, com alados pés, o filho
Do Céu extingue a luz da aurora oblíqua.[5]

(texto de Elizabeth Bishop, tradução e introdução de Adriano Scandolara)

Notas:

[1] Uma península ao leste do estado de Massachusetts, nos EUA.

[2] Essa famosa biografia de Shelley foi traduzida para o português por Manuel Bandeira (editora Record).

[3] É interessante apontar como, de fato, essas alterações são visíveis na produção de Shelley. Seus primeiros poemas maduros (i.e. que não fazem parte do que se chama de sua juvenília) são compostos em 1816, ano em que fez uma viagem com Mary Shelley e Lord Byron à Suíça. Em 1819, ano do Massacre de Peterloo, seus poemas ganham uma aura marcadamente política, mas ele os simplifica a fim de que pudesse ser lido para o povo. Entre 1820-22 (quando morre), sua obra é marcada pela intensa produção de poesia mitopeica.

[4] Prometheus Unbound, no original, releitura da peça perdida de Ésquilo de mesmo nome na tradição de tradução inglesa, última da trilogia iniciada por Prometeu Acorrentado. Prometeu Desacorrentado é o título que escolhi para a tradução que desenvolvi ao longo do meu curso de mestrado.

[5] Prometheus Unbound. Ato 1. vv. 437-8.

Padrão
crítica de tradução, tradução

Elizabeth Bishop tradutora

Como já comentei anteriormente, Elizabeth Bishop, além de poeta e prosadora, foi também tradutora nas horas vagas. Em 1972, Emanuel Brasil edita o volume de poemas traduzidos por Bishop intitulado An Anthology of Twentieth-Century Brazilian Poetry, e ela me pareceu bastante talentosa no ofício. Gostaria de transcrever, então, 3 poemas de autores brasileiros que ela verteu para o inglês (e, só de curtição, 4 sambas, como bônus), de Drummond (aproveitando o momento de homenagem a ele), Bandeira e Vinícius de Moraes, que teve recentemente seu aniversário de morte. São eles os famosos “Poema de sete faces”, “Tragédia brasileira” e “Soneto de intimidade”.

Ela também traduziu trechos, um pouco mais longuinhos, de Morte e vida severina do João Cabral, que só não reproduzo por conta da extensão, e também porque talvez tenha sido sua tradução que, ao meu ver, seja a que menos funciona, por conta do problema das rimas toantes típicas do Cabral, que ela não conseguiu captar tão bem.

Há algumas coisas que podemos comentar sobre suas traduções. A mais evidente, em Drummond, é como ela resolveu o problema do “se eu me chamasse Raimundo”, substituindo o “Raimundo” pelo nome igualmente peculiar “Eugene“, que então rima com “that’d not be what I mean“, e deixa o “universe“, que substitui o “mundo”, para rimar com “verse“, e “faster” com “vaster“. Um malabarismo engenhoso para reproduzir o jogo de palavras do original, digno de nota. No mais, é louvável também a sensibilidade de Bishop para o ritmo (que muitos tradutores menos cuidadosos ignoram quando traduzem poemas em ditos versos livres) e a expressividade oral, evidente, por exemplo, em “my eyes / Ask nothing at all.” e o verso final, com a expressão “play the devil“.

No poema de Bandeira, além dessa questão de um ritmo escondido, porém ainda presente, por uma forma ainda mais prosaica, é interessante o trabalho que Bishop faz na tradução dos nomes dos lugares por onde passaram Misael e Maria Elvira, que eu não sei se são de fato os nomes pelos quais essas regiões do Rio de Janeiro eram/são conhecidas em inglês ou se são invenção dela.

E, por fim, há o poema de Vinícius de Moraes, onde a forma do soneto faz exigências formais mais rigorosas que as dos poemas anteriores. É aqui onde podemos observar algumas alterações mais marcantes na tradução, como a troca do esquema de rimas de abba abba ccd dee para abba cddc efg efg. É notável, sobretudo, nos tercetos, a troca do esquema emparelhado do original (estrume / ciúme / ferve // verve / nenhuma / espuma) por um esquema interpolado (delicious / unenviously / hiss / unmalicious / unemotionally / piss), que, na minha opinião, somado ao adiamento da palavra “piss” para o último verso do poema somente (enquanto “mijar” aparece duas vezes no original), cria um efeito mais dramático na cena final, que funciona quase como uma quebra cômica de expectativa.

Houve também uma exigência de concisão maior, na medida em que ela altera a versificação dodecassilábica por pentâmetros jâmbicos (portanto, uma versificação decassilábica). É uma situação comum, na tradução do inglês para o português, traduzir o pentâmetro jâmbico por dodecassílabos, visto a tendência do português de ter palavras silabicamente mais longas. Assim, Bishop, presumivelmente seguindo a mesma lógica, opta pelo inverso na hora de traduzir o português para o inglês. Por isso as omissões em sua tradução, “Farm afternoons” em vez de “In farm afternoons” (“Nas tardes de fazenda”); o “(I) spit its blood at the corral” para “Vou cuspindo-lhe o sangue nos currais“; as construções com prefixos negativos “unenviously“, “unmalicious“, “unemotionally” em vez de locuções com “without“; e a concisão das frases soltas, quase telegráficas, de “The smell of cow manure is delicious. / The cattle look at me unenviously” em vez da discursividade de uma sintaxe mais amarrada: “Fico ali respirando o cheiro bom do estrume / Entre as vacas e os bois que me olham sem ciúme”. Ao mesmo tempo, apesar de valer-se de um número mais limitado de sílabas, ela sentiu a necessidade de alongar-se mais no 3º verso, onde o singelo “capim” vira “a blade of sticky grass“. Felizmente, ela realiza esse alongamento sem apelar para uma linguagem mais palaciana, e o “sticky” mantém algo do elemento oral, que ela também capta muito bem na redundância do primeiro verso: “há muito azul demais“: “there’s much too much blue air“. Enfim, acredito que a “perda” mais palpável tenha sido a da “festa de espuma” do último verso, que, apesar de ser uma expressão sonora, eu tenho lá minhas dúvidas sobre ser uma grande perda, ou sobre como seria possível verter para o inglês sem ficar estranho (e uma tradução mais próxima do literal, “a foamy party” seria horrorosa).

Assim sendo, me parece que as traduções de Elizabeth Bishop fazem um ótimo trabalho em apresentar um aperitivo (ela, infelizmente, assim como com sua produção poética própria, não traduziu em grande volume) do modernismo brasileiro para o público anglófono interessado na produção do nosso país, além de ser uma curiosidade das mais interessantes para quem tem gosto por sua poesia e por questões de relação entre como os poetas produzem poesia própria e traduzem a poesia alheia.

Adriano Scandolara

Seven-sided Poem

When I was born, one of the crooked
angels who live in shadows, said:
Carlos, go on! Be gauche in life.

The houses watch the men,
men who run after women.
If the afternoon had been blue
there might have been less desire.

The trolley goes by full of legs:
white legs, black legs, yellow legs.
My God, why all the legs?
my heart asks. But my eyes
ask nothing at all.

The man behind the moustache
is serious, simple, and strong.
He hardly ever speaks.
He has a few, choice friends,
the man behind the spectacles and the moustache.

My God, why has Thou forsaken me
if Thou knew’st I was not God,
if Thou knew’st I was weak?

Universe, vast universe,
if I had been named Eugene
that would not be what I mean
but it would go into verse
faster.
Universe, vast universe,
my heart is vaster.

I oughtn’t to tell you,
but this moon
and this brandy
play the devil with one’s emotions.

Poema de sete faces

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do -bigode,

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.

(Carlos Drummond de Andrade)

Brazilian Tragedy

Misael, civil servant in the Ministry of Labor, 63 years old,
Knew Maria Elvira of the Grotto: prostitute, syphilitic, with ulcerated fingers, a pawned wedding ring and teeth in the last stages of decay.
Misael took Maria out of “the life”, installed her in a two-storey house in Junction City, paid for the doctor, dentist, manicurist… He gave her everything she wanted.
When Maria Elvira discovered she had a pretty mouth, she immediately took a boy-friend.
Misael didn’t want a scandal. He could have beaten her, shot her, or stabbed her. He did none of these: they moved.
They lived like that for three years.
Each time Maria Elvira took a new boy-friend, they moved.
The lovers lived in Junction City. Boulder. On General Pedra Street, The Sties. The Brickyards. Glendale. Pay Dirt. On Marquês de Sapucaí Street in Villa Isabel. Niterói. Euphoria. In Junction City again, on Clapp Street. All Saints. Carousel. Edgewood. The Mines. Soldiers Home…
Finally, in Constitution Street, where Misael, bereft of sense and reason, killed her with six shots, and the police found her stretched out, supine, dressed in blue organdy.

Tragédia Brasileira

Misael, funcionário da Fazenda, com 63 anos de idade, conheceu Maria Elvira na Lapa – prostituída, com sífilis, dermite nos dedos, uma aliança empenhada e os dentes em petição de miséria.
Misael tirou Maria Elvira da vida, instalou-a num sobrado no Estácio, pagou médico, dentista, manicura… Dava tudo o que ela queria.
Quando Maria Elvira se apanhou de boca bonita, arranjou logo um namorado.
Misael não queria escândalo. Podia dar uma surra, um tiro, uma facada. Não fez nada disso: mudou de casa.
Viveram três anos assim.
Toda vez que Maria Elvira arranjava namorado, Misael mudava de casa.
Os amantes moraram no Estácio, Rocha, Catete, Rua General Pedra, Olaria, Ramos, Bom Sucesso, Vila Isabel, Rua Marquês de Sapucaí, Niterói, Encantado, Rua Clapp, outra vez no Estácio, Todos os Santos, Catumbi, Lavradio, Boca do Mato, Inválidos…
Por fim na Rua da Constituição, onde Misael, privado de sentidos e de inteligência, matou-a com seis tiros, e a polícia foi encontrá-la caída em decúbito dorsal, vestida de organdi azul.

(Manuel Bandeira)

Sonnet of Intimacy

Farm afternoons, there’s much too much blue air.
I go out sometimes, follow the pasture track,
Chewing a blade of sticky grass, chest bare,
In threadbare pajamas of three summers back,

To the little rivulets in the river-bed
For a drink of water, cold and musical,
And if I spot in the brush a glow of red,
A raspberry, spit its blood at the corral.

The smell of cow manure is delicious.
The cattle look at me unenviously
And when there comes a sudden stream and hiss

Accompanied by a look not unmalicious,
All of us, animals, unemotionally
Partake together of a pleasant piss.

Soneto de Intimidade

Nas tardes de fazenda há muito azul demais.
Eu saio às vezes, sigo pelo pasto, agora
Mastigando um capim, o peito nu de fora
No pijama irreal de há três anos atrás.

Desço o rio no vau dos pequenos canais
Para ir beber na fonte a água fria e sonora
E se encontro no mato o rubro de uma amora
Vou cuspindo-lhe o sangue em torno dos currais.

Fico ali respirando o cheiro bom do estrume
Entre as vacas e os bois que me olham sem ciúme
E quando por acaso uma mijada ferve

Seguida de um olhar não sem malícia e verve
Nós todos, animais, sem comoção nenhuma
Mijamos em comum numa festa de espuma.

(Vinícius de Moraes)

Bônus:
FOUR SAMBAS

Rio de Janeiro,
My joy and my delight!
By day I have no water,
By night I have no light.

—-

Kick him out of the office!
He’s a greedy boy!
I’ve nothing to investigate,
What I want is joy!
Justice has arrived!
“Pull” won’t work again!
Some have fled to Uruguay;
Some have fled to Spain!

Marshál, Illustrious Marshál,
Consider the problem
Of the suburbs of the Centrál!
I’m sorry for poor Juvenal
Hanging in the old Central
All year long…
He works in Leblon
And lives in Delight,
And gets to work mornings
Late at night.
Marshál!

Come, my mulatta,
Take me back.
You’re the joker
In my pack,
The prune in my pudding,
Pepper in my pie,
My package of peanuts
The moon in my sky.

(translations by Elizabeth Bishop)

Padrão
poesia, tradução

6 icebergs imaginários

Elizabeth Bishop (1911 – 1979) é um caso interessante, sobretudo para nós brasileiros: tendo recebido uma espécie de bolsa de viagem em 1951, ela veio ao Brasil, onde era para passar apenas 2 semanas, mas acabou ficando por 15 anos. Por aqui ela morou em Petrópolis e Ouro Preto, tendo um longo relacionamento com a arquiteta Lota de Macedo Soares e conhecendo (tanto literaria quanto pessoalmente) vários poetas brasileiros, como Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto, entre outros. Ela mesma fez traduções para o inglês – que planejo ainda apresentar aqui no blog – de poemas como “Poema de sete faces”, “Tragédia brasileira” e trechos de “Morte e vida severina” e ainda sambas e marchinhas carnavalescas.

Mas, apesar da alegria das viagens (entre a Europa, o Brasil, os EUA), sua história de vida foi bastante sofrida, com a morte do pai e a loucura da mãe, na infância, e, na idade adulta, a luta contra o alcoolismo e o suicídio de Lota em 1967. No entanto, ao contrário de tantos outros poetas de sua geração, que recorreram a um estilo altamente confessional, incluindo detalhes sórdidos de sua vida em seus poemas, Bishop ficou conhecida pelo caráter “objetivo” de sua poesia. De fato, ela raramente recorre a detalhes biográficos, exceto talvez em alguns detalhes, como a referência às três casas que ela perdeu no poema “Uma arte”, já postado aqui, (sendo elas as casas em Key West, Petrópolis e Ouro Preto) ou ao ritual do banho de xampu com Lota no terraço em Petrópolis no poema “Banho de xampu”. Sobre esse aspecto objetivo de sua poética, Paulo Henriques Britto – que traduziu cerca de 60 de seus poemas (ou seja, cerca de metade de toda a reduzida obra de Bishop) no volume O Iceberg Imaginário e outros poemas, lamentavelmente esgotado e com o preço extremamente inflacionado nos sebos – comenta que essa sua objetividade de observação deriva da influência do modernismo americano e que, nela, deriva de um “efeito do ‘interesse interiorizante’ que a guia na contemplação do mundo”.

Na minha opinião, a habilidade de Bishop repousa em um dom de romancista para captar detalhes narrativos, que ela passa a desenvolver cada vez mais a partir do 3º livro, Questões de Viagem, escrito já no Brasil. Poucos poemas seus são do tipo contemplativo-focado-no-próprio-umbigo, por assim dizer, e tendem a expor um rico mundo exterior com personagens, histórias e fundos interessantes. Vide, por exemplo, o poema “Posto de gasolina” (“Filling station”), onde as latas de óleo esso sugerem um “so, so, so” para os carros, que, em inglês, é o que se diz para se acalmar um cavalo nervoso, e esse tipo de detalhe prosaico, acredito, não seria estranho em um grande romancista americano.

O poema que compartilhamos aqui vem de seu primeiro livro, Norte e Sul, e é talvez o mais famoso (depois de “Uma arte”) e o apresentamos em 5 versões diferentes – mais o original, portanto, seis icebergs imaginários, à moda dos nossos muitos carrinhos de mão de William Carlos Williams. São traduções de Paulo Henriques Britto (retirada do volume homônimo e supracitado) e de Horácio Costa, mais uma minha e do Guilherme Gontijo Flores, daqui do escamandro, além de uma de um nome inédito por aqui que é o de Anderson Lucarezi. Lucarezi é um poeta novo, só um ano mais velho que eu, que tem poemas publicados na antologia do III Festival de Literatura da Letras/USP e muito recentemente lançou seu primeiro livro, Réquiem, pela editora Patuá. Ele também mantém o blog literário Tudo Está Dito, onde posta principalmente traduções de poemas (de Hart Crane, cummings, Jerome Rothenberg, entre outros), além de alguns poemas próprios.

Como com os carrinhos de mão de Williams, a ideia não é tentar superar-nos uns aos outros, mas de apresentar várias possibilidades da inesgotabilidade da tradução – várias facetas, talvez, cortadas por dentro.

Adriano Scandolara

The Imaginary Iceberg

We’d rather have the iceberg than the ship,
although it meant the end of travel.
Although it stood stock-still like cloudy rock
and all the sea were moving marble.
We’d rather have the iceberg than the ship;
we’d rather own this breathing plain of snow
though the ship’s sails were laid upon the sea
as the snow lies undissolved upon the water.
O solemn, floating field,
are you aware an iceberg takes repose
with you, and when it wakes may pasture on your snows?

This is a scene a sailor’d give his eyes for.
The ship’s ignored. The iceberg rises
and sinks again; its glassy pinnacles
correct elliptics in the sky.
This is a scene where he who treads the boards
is artlessly rhetorical. The curtain
is light enough to rise on finest ropes
that airy twists of snow provide.
The wits of these white peaks
spar with the sun. Its weight the iceberg dares
upon a shifting stage and stands and stares.

The iceberg cuts its facets from within.
Like jewelry from a grave
it saves itself perpetually and adorns
only itself, perhaps the snows
which so surprise us lying on the sea.
Good-bye, we say, good-bye, the ship steers off
where waves give in to one another’s waves
and clouds run in a warmer sky.
Icebergs behoove the soul
(both being self-made from elements least visible)
to see them so: fleshed, fair, erected indivisible.

Elizabeth Bishop. North & South. 1946.

O Iceberg Imaginário

    por Paulo Henriques Britto:

O iceberg nos atrai mais que o navio,
mesmo acabando com a viagem.
Mesmo pairando imóvel, nuvem pétrea,
e o mar um mármore revolto.
O iceberg nos atrai mais que o navio:
queremos esse chão vivo de neve,
mesmo comm as velas do navio tombadas
qual neve indissoluta sobre a água.
Ó calmo campo flutuante,
sabes que um iceberg dorme em ti, e em breve
vai despertar e talvez pastar na tua neve?

Esta cena um marujo daria os olhos
pra ver. Esquece-se o navio. O iceberg
sobe e desce; seus píncaros de vidro
corrigem elípticas no céu.
Este cenário empresta a quem o pisa
uma retórica fácil. O pano leve
é levantado por cordas finíssimas
de aéreas espirais de neve.
Duelo de argúcia entre as alvas agulhas
e o sol. O seu peso o iceberg enfrenta
no palco instável e incerto onde se assenta.

É por dentro que o iceberg se faceta.
Tal como jóias numa tumba
ele se salva para sempre, e adorna
só a si, talvez também as neves
que nos assombram tanto sobre o mar.
Adeus, adeus, dizemos, e o navio
segue viagem, e as ondas se sucedem,
e as nuvens buscam um céu mais quente.
O iceberg seduz a alma
(pois os dois se inventam do quase invisível)
a vê-lo assim: concreto, ereto, indivisível.

Bishop, E. O Iceberg Imaginário e outros poemas. SP: Companhia das Letras, 2001.

    por Horácio Costa:

Preferimos o iceberg ao navio,
embora isto significasse o fim da viagem.
Embora ele estivesse melancólico, como pedra de nuvem
e todo o mar em volta fosse moção de mármore.
Preferimos o iceberg ao navio;
preferimos esta planície de neve que respira,
embora as velas do navio jazessem no mar
como segue no mar sem dissolver-se a neve.
Campo flutuante, solene, perceberás
que contigo um iceberg repousa,
que a seu despertar pastará as tuas neves?

Por esta cena um marinheiro daria os olhos.
O navio é ignorado. O iceberg sobe
e afunda de novo; seus pináculos de vidro
corrigem elípticas no céu.
Quem dissimular ante esta cena parecerá
artificialmente retórico. A cortina é o suficiente leve
para levantar-se a partir dos fios invisíveis
que as volutas de neve inventam.
As centelhas destas arestas brancas
competem com as do sol. O iceberg invade
com seu peso um cenário cambiante, e pára, e observa.

Este iceberg lapida-se de dentro as faces.
Como jóias deixadas num sarcófago
preserva-se perpetuamente e só a si
enfeita; talvez também o faça a neve
que tanto nos surpreendeu à flor d’água, inteira.
Adeus, dizemos, adeus, o navio se afasta
até onde as ondas a outras ondas cedem passo
e as nuvens correm por um céu mais cálido.
Os icebergs pedem à alma
(ambos se autoproduzem com elementos pouco visíveis)
vê-los assim: corpóreos, puros, eretos, indivisíveis.

Bishop, E. Poesias. SP: Companhia das Letras, 1990.

    por Guilherme Gontijo Flores:

Melhor seria o iceberg que o navio,
mesmo que fosse o fim da viagem.
Mesmo parado feito pedra, nuvem-pedra,
num mar de mármore revolto.
Melhor seria o iceberg que o navio;
melhor é este chão de neve, vivo,
mesmo que as velas tombem sobre o mar
feito neve insoluta sobre as ondas.
Solene campo flutuante,
sabe que um iceberg dorme contigo e, em breve
quando acordar, só pasta em tua neve?

Pela cena um marujo daria seus olhos.
Ignora-se o navio. O iceberg sobe
e afunda; o píncaro de vidro
corrige elípticas no céu.
Pela cena, quem passa nesta prancha
tem retórica tosca. A leve
cortina sobe em cordas finas
criadas no ar convulso em neve.
A astúcia das agulhas brancas
confronta o sol. Seu peso, o iceberg ousa
num palco instável, então olha e pousa.

O iceberg corta as facetas que há por dentro.
Feito joias na tumba,
eternamente salva-se e adorna
somente a si, talvez à neve,
que nos surpreende sobre o mar.
Adeus, dizemos,  e o navio parte
onde as ondas dão ondas uma à outra,
e as nuvens correm para um céu mais quente.
Um iceberg cabe à alma
(os dois se inventam do menos visível),
por vê-lo assim: carnal, concreto, indivisível.

    por Adriano Scandolara:

Preferíamos o iceberg ao navio,
ainda que fosse o fim da viagem.
Ainda que imóvel, nebulosa rocha,
e o mar todo fosse ondas de mármore.
Preferíamos o iceberg ao navio;
esta planície tão viva de neve
por mais que as velas estejam ao mar
como na água a neve indissoluta.
Campo flutuante e solene,
tens ciência de que o iceberg descansa
contigo e pasta sua neve quando levanta?

Pela cena um marujo daria os olhos.
Ignorado o navio. O iceberg sobe
E afunda outra vez. Seus píncaros vítreos
corrigem elipses no céu.
Pela cena quem pisa no convés
Vira um retórico sem arte. Leve,
Sobe a cortina nas mais finas cordas
das voltas aéreas da neve.
A astúcia desses alvos cumes
enfrenta o sol. Num palco móvel, para
O iceberg, disputa seu peso e encara.

O iceberg corta suas facetas por dentro.
Como joia tumular
ele salva a si, sempre, e adorna
somente a si, talvez as neves
que tanto surpreendem sobre o mar.
Adeus, damos adeus, parte o navio
aonde as ondas a outras ondas cedem
e as nuvens correm num céu mais morno.
Icerbergs clamam à alma
(ambos são de elementos invisíveis)
que os veja assim: carnais, firmes, indivisíveis.

    por Anderson Lucarezi:

Preferimos o iceberg ao navio,
embora indique o fim da viagem.
embora seja fixo em nuvem pétrea
e o mar um mármore que é móvel.
Preferimos o iceberg ao navio;
Preferimos ar do campo nevado
embora as velas tombem sobre o mar
enquanto jaz a neve sobre as águas.
Ó solene campo flutuante,
tens noção de que junto a ti repousa um iceberg
que ao acordar poderá pastar em tuas neves?

Tal cena um marujo paga pra ver.
O navio obscuro. O iceberg sobe
e afunda de novo; seu pico vítreo
corrige as elipses céu acima.
Quem quer que pise dentro desta cena
expõe retórica reles . O pano
é leve o bastante pras finas cordas
que frágeis flocos de neve fornecem.
Todo o engenho destes lumes brancos
duela com o sol. Seu peso o iceberg enfrenta
em cima do palco instável no qual se assenta.

O iceberg corta facetas por dentro.
Tal joias que há em um jazigo
ele se salva eternamente e adorna
apenas a si, talvez as neves
que surpreendem ao jazer no mar.
dizemos adeus, o navio se afasta
onde ondas cedem a outras ondas
e nuvens correm em um céu mais morno.
Estes icebergs incumbem à alma
(ambos feitos de elementos pouco visíveis)
de assim vê-los: encorpados, indivisíveis.

Padrão
poesia, tradução

Um micro-panorama de poetas mulheres

Aproveitando a data do dia da mulher, nós do escamandro gostaríamos de compartilhar alguns poemas de nossas poetas mulheres favoritas. A ideia não é fazer um post para elaborar um comentário mais a fundo agora (o que seria, aliás, será feito melhor no futuro, com maior atenção… eu mesmo estava tentando uma tradução da Bishop, mas a tarefa acabou sendo mais difícil do que eu pensava), mas demonstrar nossa apreciação pela presença de mulheres na poesia. Apesar das raízes da lírica repousarem em Safo, o gênero acabou dominado por homens a ponto de chegar a se tornar algo separado, criando-se, assim, possivelmente como golpe de marketing, o gênero da “escrita feminina”. Pois não é assim que Bishop se via, e não é assim que nós vemos: as mulheres representadas aqui são, antes de tudo, autoras de excelente Poesia, assim, com P maiúsculo, e por isso são dignas de reconhecimento.

E vocês, nossos leitores e leitoras, se sentirem a falta de alguma autora (e com certeza falta gente aqui), sintam-se livres para contribuir nos comentários abaixo.

 

 

Emily Dickinson nasceu em 1830, morreu em 1886, e nesse tempo viveu uma vida absolutamente excêntrica e reclusa. Sua poesia foi escrita nessa reclusão e publicada muito tardiamente, chocando os editores pela versificação simples (predominância quase exclusiva do metro de balada inglês) e pela sintaxe estranha e cheia de travessões.

11

Não sou Ninguém! Quem é você?
Ninguém — Também?
Então somos um par?
Não conte! Podem espalhar!

Que triste — ser — Alguém!
Que pública — a Fama —
Dizer seu nome — como a Rã —
Para as palmas da Lama!

(tradução de Augusto de Campos, Não Sou Ninguém, )

 

Elizabeth Bishop (1911 – 1979) é algo famosa por sua relação com o nosso país, tendo vindo ao Brasil e tido contato com poesia nossa como a de Manuel Bandeira, que conheceu pessoalmente, Drummond e até mesmo de nossas canções populares, que ela traduziu. Também famoso foi seu caso homossexual com a brasileira Lota de Macedo Soares, que teve um desfecho trágico. Sua obra é distinta por ser concisa, cabendo inteira em um único volume.

A arte de perder

A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente
Da viagem não feita. Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. E um império
Que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo
que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério
por muito que pareça (Escreve!) muito sério.

(tradução de Paulo Henriques Britto, O Iceberg Imaginário e Outros Poemas)

 

Sylvia Plath (1932 – 1963), a autora do famoso romance The Bell Jar é conhecida por ter sido casada com o também poeta Ted Hughes e por ter lutado com a depressão durante toda sua brevíssima vida. Sua poesia partilha da tendência confessional do período, e assim, não surpreende que predomine as temáticas de morte e do suicídio.

Palavras

Machados
Que batem e retinem na madeira.
E os ecos!
Ecos escapam
Do centro como cavalos.

A seiva
Mina em lágrimas, como a
Água tentando
Repor seu espelho
Sobre a rocha

Que cai e racha,
Crânio branco,
Comido por ervas daninhas.
Anos depois eu
As encontro no caminho —

Palavras secas, sem destino,
Incansável som de cascos.
Enquanto
Do fundo do poço, estrelas fixas
Governam uma vida.

(Tradução de Rodrigo Garcia Lopes e Maurício Arruda Mendonça, Sylvia Plath: Poemas, Illuminuras)

 

A ganhadora do Nobel de 1996, Wislawa Szymborska (1923 – 2012) morreu este ano. A polonesa, que viu a Segunda Guerra, o Holocausto, a ocupação nazista e a tirania comunista, nas palavras de Nelson Ascher, “mostrou como a sanidade e a lucidez podem brotar da terra arrasada”.

Retrato de mulher

Deve ser para todos os gostos.
Mudar só para que nada mude.
É fácil, impossível, difícil, vale tentar.
Seus olhos são, se preciso, ora azuis, ora cinzentos,
negros, alegres, rasos d´água sem nenhuma razão.
Dorme com ele como a primeira que aparece, a única no mundo.
Dá-lhe quatro filhos, nenhum filho, um.
Ingênua, mas a que melhor aconselha.
Fraca, mas aguenta.
Não tem cabeça, pois vai tê-la.
Lê Jaspers e revistas de mulher.
Não entende de parafusos mas constrói uma ponte.
Jovem, como sempre jovem, ainda jovem.
Segura nas mãos um pardalzinho de asa partida
seu próprio dinheiro para uma viagem longa e longínqua
um cutelo para carne, uma compressa, um cálice de vodca.
Corre para onde, não está cansada.
Claro que não, só um pouco, muito, não importa.
Ou ela o ama ou é teimosa.
Para o bem, para o mal e para o que der e vier.

(tradução de Regina Przybycien, Poemas, Companhia das Letras)

 

Ingeborg Bachmann (1926-1973), poeta austríaca, doutora em filosofia, estudiosa de Heidegger e Wittgenstein. Teve um relacionamento com o poeta Paul Celan.

Uma espécie de perda

Usámos a dois: estações do ano, livros e uma música.
As chaves, as taças de chá, o cesto do pão, lençóis de linho e uma
cama.
Um enxoval de palavras, de gestos, trazidos, utilizados,
gastos.
Cumprimos o regulamento de um prédio. Dissemos. Fizemos.
E estendemos sempre a mão.

Apaixonei-me por Invernos, por um septeto vienense e por
Verões.
Por mapas, por um ninho de montanha, uma praia e uma
cama.
Ritualizei datas, declarei promessas irrevogáveis,
idolatrei o indefinido e senti devoção perante um nada,

(- o jornal dobrado, a cinza fria, o papel com um aponta-
mento)
sem temores religiosos, pois a igreja era esta cama.

De olhar o mar nasceu a minha pintura inesgotável.
Da varanda podia saudar os povos, meus vizinhos.
Ao fogo da lareira, em segurança, o meu cabelo tinha a sua cor
mais intensa.
A campainha da porta era o alarme da minha alegria.

Não te perdi a ti,
perdi o mundo.

(tradução de Judite Berkemeier e João Barrento, O tempo aprazado (Últimos poemas 1957-1967), Assírio & Alvim)

 

Hilda Hilst (1930 – 2004) tem uma obra extensa, entre diversos volumes de poesia, prosa e teatro, traduzida para diversas outras línguas e recentemente republicada pela editora Globo. O momento mais curioso de sua carreira foi o “adeus à literatura séria” dado nos anos 90, quando começa sua fase da “bandalheira”, marcada pela sua revolta com a falta de reconhecimento do público em geral. É nesta época em que publica Bufólicas, livro de poemas cômicos, e romances eróticos de diversas naturezas, como O Caderno Rosa de Lory Lamby e Cartas de um Sedutor.

Ária Amaríssima de um instante

SOBRE mim o sudário das coisas. Brandura extensa
Camada-transparência sobre as gentes. Vê só:
Eu não te olho com o teu olho que sabe
Que quase tudo em ti é transitório. Meu olho-liquidez
Descobre uma tarde esvaída, tarde-madrugada
Tempo alongado onde te fizeste em viuvez.
Não perdeste a mulher ou o homem que amavas. Amamos tanto
E a perda é cotidiana e infinita. Não é isso
AGORA
Quando te olho e sei de um Tempo-Tarde-Madrugada alongada.
Olhaste à tua frente, ou do lado ou acima de ti
Ou não olhaste, ou de repente alguém entrou na tua sala
E disse claramente: devo dizer que sim àqueles da Extens Union?
Que sim? A quem? E sou eu mesmo, este que está aqui?
Distância, sigilosa incongruência, eu mesmo?
A boca do outro continua: prazo perda dez por cento solução final…
Solução final final… Te dobras inteiro com muita sobriedade
O documento na última gaveta, bem à esquerda… Meu Pai,
Entre o papel e eu, entre esta mesa e eu
E essa boca inteira debulhada, entre eu mesmo e aquele
Que repete Union Union, que filamento? Âncora,
Tempo coagulado, um dia fui descanso e pastoreio. Um dia
Tudo era eu, bulbo que seduzia, goela clarividente
Uivo gordo viscoso, uivei entre as parreiras, uivei
Porque sabia deste AGORA,
Que a cadela do Tempo me roia, ia roer, rosnava me roendo
Cadela-tempo, tu e eu… que contorno de nada, que coisa ida
Nossa dúplice aventura, que… que sim, que sim… Olha:
Diga que sim a esses da Extens Union.

(do encarte à edição de “Cadernos da Literatura Brasileira”, editado pelo Instituto Moreira Salles – São Paulo, número 8 – Outubro de 1999)

 

Claudia Roquette-Pinto, carioca, nascida em 1963, é formada em tradução literária pela PUC-RJ e publicou os volumes de poesia Os Dias Gagos (1991), Saxífraga (1993); Zona de Sombra (1997); Corola (2001, ganhador do Jabuti de Poesia) e Margem de Manobra (2005).

NO ÉDEN

peça a ela que se desnude
começa pêlos cílios
segue-se ao arame dos
utensílios diários
(insônia alinhavando-se
de tiros,
a infância     seus disfarces)
é preciso
que se arranque toda a face
deixar que os olhos descansem
lado a lado com os sapatos
na camurça oscilante
de um quarto
isso, se quer (sequer desconfia)
tocar o que se fia (um par
de presas, topázios)
entre os vãos das costelas
abra o fecho ela desfecha
no escuro o quadrante onde vaza
a luz e suas arestas

(de Zona de Sombra)

 

Nascida em Curitiba em 1957, Josely Vianna Baptista é estudiosa e tradutora de literatura hispano-americana. Autora dos livros de poesia Ar (1991), Corpografia (1992), Outro (em co-autoria com Arnaldo Antunes, 2001) e Roça Barroca (2011), em que, de maneira notável, funde seu trabalho de poeta com o estudo e tradução do mito poético da criação do mundo dos índios Mbyá-guarani.

Moradas Nômades

carunchos e cupins roem,
vorazes, a choupana de ripas

pendem do esteio ramos de trigo,
feito amuleto para celeiros cheios;
tachos esfarelam crostas de grãos moídos
e redes balançam seus esgarços,
perto do chão onde uma nódoa preta
mostra o antigo fogo

tudo abandono, e, no entanto,
lá fora o pomar semeado
para os que agora cruzam
(trouxas vazias), um
por um, os onze mil
guapuruvus

(de Roça Barroca)

 

Angélica Freitas, nascida em abril de 1973 em Pelotas – RS, tem poemas publicados em diversas antologias e em 2007 publicou seu primeiro livro Rilke Shake (Cosac Naify/7Letras). Anda a caminho de publicar um livro novo.

às vezes nos reveses

penso em voltar para a england
dos deuses
mas até as inglesas sangram
todos os meses
e mandam her royal highness
à puta que a pariu.
digo: agüenta com altivez
segura o abacaxi com as duas mãos
doura tua tez
sob o sol dos trópicos e talvez
aprenderás a ser feliz
como as pombas da praça matriz
que voam alto
sagazes
e nos alvejam
com suas fezes
às vezes nos reveses

(de Rilke Shake)

 

P.S.: vale a pena conferir também os posts aqui no escamandro sobre Orides Fontela e os 3 poemas de Laura Antillano traduzidos pelo nosso Guilherme Gontijo Flores.

Padrão