XANTO|Coopoesia, por Jessica Di Chiara

Não é certo se Homero era um ou vários, e mesmo que fosse um o canto das musas o fazia muitos. Um poeta-coletivo. A filosofia pareceu não gostar muito disso no começo e a república vive em crise desde então. Por isso, pensar a poesia se parece tanto com refazer as relações e então produzir comunidade. (…) Acontece que, quando se juntam, pessoas casam, fundam … Continuar lendo XANTO|Coopoesia, por Jessica Di Chiara

a serpentina nunca se desenrola até o fim, de Heyk Pimenta, por Vinicius Varela

eu li um poema. um poema que me atinge cheio os ossos como uma onda num domingo de ressaca – e é o amor esta ressaca. é o homem com seus cabelos vermelhos pegados na estante; o uivo na madrugada, o sangue que me cobre o corpo pronto pra perícia, o corpo do homem. o corpo do homem é o corpo do poema. é o … Continuar lendo a serpentina nunca se desenrola até o fim, de Heyk Pimenta, por Vinicius Varela

Heyk Pimenta

    Esta semana, Heyk Pimenta vai lançar seu livro A serpentina nunca se desenrola até o fim, de Heyk Pimenta (Editora Sete Letras) 09/11 – 19h, Visconde de Pirajá, 580/320, Ipanema – Rio de Janeiro, entrada gratuita. Além dele, tem um pessoal de peso que também lança na mesma ocasião: Marcos Siscar, Tiago Feijó
 Angélica Torres, João Lima
, Tomas Rosenfeld. Se estivéssemos no Rio, nós iríamos. Enquanto isso, ficam aí dois poemas inéditos. … Continuar lendo Heyk Pimenta

Heyk Pimenta

Heyk Pimenta tem 28 anos, é mineiro de Manhuaçu e mora no Rio de Janeiro com a Marianna, e em breve com o Zoé. Participou das exposições S.O.S Poesia no Museu de Arte do Rio e Poesia Agora no Museu da Língua Portuguesa. Lançou os livros Sopro sopro (2010, Edições Maloqueiristas), Poemas“(2014, Cozinha Experimental) e escreveu A serpentina nunca se desenrola até o fim, no prelo pela editora … Continuar lendo Heyk Pimenta