Um poema de Carlito Azevedo, no Iom HaShoá

Áustria, estrela dourada no peito, acordar os mortos e juntar fragmentos, negro leite da aurora, todos os que conseguiram fugir como puderam. E os que não. Monumento. Adriano Scandolara   MARGENS 1 Nem procurar, nem achar: só perder. Como o tremulante cachecol florido de Andi a flutuar no céu por alguns segundos antes de desaparecer completamente na noite escura da Marina da Glória, onde, por … Continuar lendo Um poema de Carlito Azevedo, no Iom HaShoá