H.D. (1886 – 1961)

Hilda Doolittle, conhecida pelas iniciais H.D. com as quais assinava suas obras e apelidada de H.D. Imagiste por Ezra Pound, foi uma figura importante do imagismo e da poesia modernista em geral. Além de poeta, foi também romancista e tradutora do grego antigo, deixando uma obra vasta que não foi ainda explorada direito em português – e, de fato, parece que, a não ser que … Continuar lendo H.D. (1886 – 1961)

“uma canção de amor” de william carlos williams

um viva à deriva! lendo os poemas completos de robert creeley passei por um poema que citava uma linha do wcw que me levou ao dito poema citado que me levou ao impulso gratuito de traduzi-lo que me traz ao blogue antes de qualquer estimativa. com o poema, é claro. Uma Canção de Amor (william carlos williams)  O que é que tenho pra dizer quando … Continuar lendo “uma canção de amor” de william carlos williams

7 + 4 vermelhos carrinhos de mão (william carlos williams)

se pensarmos a tradução (segundo a já famosa metáfora) como a foto de uma estátua, sempre capaz de resolver uma  parte da sua tridimensionalidade, mas também sempre incapaz de esgotar as possibilidades de visão do original, ficamos com dois belos corolários: 1 – como a foto, a tradução é uma outra arte, que em grande parte vale por si só, mesmo quando aponta para uma … Continuar lendo 7 + 4 vermelhos carrinhos de mão (william carlos williams)