Quatro manhãs de Rimbaud

  Aproveitando o embalo da temática do poema em prosa da minha postagem anterior sobre o Gaspard de la Nuit, de Aloysius Bertrand, geralmente visto como o pai do gênero na França, agora voltaremos nossa atenção sobre Rimbaud. Como se sabe, a obra de Rimbaud inclui, além de poemas famosos em verso propriamente como “Vênus Anadiômene”, “Vogais”, “No Cabaré Verde”, “O adormecido do vale”, “Oração da … Continuar lendo Quatro manhãs de Rimbaud

Dylan Thomas, por Matheus Mavericco

Entre 1914 e 1953 uma das vidas mais conturbadas bateu ponto aqui na terra. Dylan Thomas, que Augusto de Campos chamou de bardo rejeitado, certamente não é do tipo de poeta que se resolva nem em notas biográficas e nem em páginas impressas. O leitor deverá terminar de ler a postagem aqui no escamandro e correr pra conferir a primeira gravação do autor declamando que … Continuar lendo Dylan Thomas, por Matheus Mavericco

O soneto das vogais e o livro Bahir

Faz alguns meses que eu fiz uma postagem sobre a teoria das correspondências de Swedenborg, ilustrado pelo soneto das correspondências de Baudelaire, numa tentativa de explicitar, via citação das fontes primárias mesmo, o elo entre o poeta, que permanece em posição absolutamente central em discussões sobre poesia moderna e modernidade, e uma doutrina mística que foi muito popular à época, mas hoje é pouco estudada … Continuar lendo O soneto das vogais e o livro Bahir

A Lírica Involuntária de Aaron Shurin

Aaron Shurin (1947 – ) é um poeta norte-americano que, apesar de ter o que parece ser um reconhecimento pequeno, é autor de um grande número de livros de poemas, ensaios e de poesia em prosa. Meu contato com ele foi – como tem sido algo recorrente por aqui – por completo acaso, através de uma postagem no blog do célebre crítico e poeta da … Continuar lendo A Lírica Involuntária de Aaron Shurin

gaspara stampa (1523-54)

gaspara stampa (1523-54) é provavelmente a maior poetisa italiana do renascimento; mas insistir especificamente no fato de que seria a maior “poeta mulher” pode parecer prêmio de consolação, já que não havia tantas escrevendo em seu tempo, num espaço patriarcal como se pode imaginar para a itália dos séculos xv & xvi. não se trata disso, portanto. ela é uma poeta maior, sem qualquer distinção … Continuar lendo gaspara stampa (1523-54)