Rosas doentes

Em duas ocasiões anteriores, tratamos aqui dos poemas “The Tyger” e “The Lamb”, das Canções de Inocência & Experiência de William Blake. Recentemente eu fiquei meio obcecado com outro poema desses dois livros, “The Sick Rose”, e sinto que, apesar de ser curtíssimo, o poema merecia uma postagem inteira dedicada a ele. Segue no original: The Sick Rose O Rose thou art sick. The invisible … Continuar lendo Rosas doentes

O “Diário de um retorno ao país natal” de Aimé Césaire, por Leo Gonçalves

Uma das publicações mais importantes feitas recentemente no Brasil, a meu ver, mas que passou em brancas nuvens, foi o revolucionário poema Diário de um retorno ao país natal [Cahier d’un retour au pays natal], de Aimé Césaire, editado pela Edusp em 2012 com tradução e estudos de Lilian Pestre de Almeida. Se contarmos a data de sua versão definitiva, a obra chega ao país … Continuar lendo O “Diário de um retorno ao país natal” de Aimé Césaire, por Leo Gonçalves

Tigres e cordeiros de Blake – parte II

Semana passada eu fiz a primeira parte desta postagem sobre o poeta William Blake, com uma brevíssima introdução e algumas traduções do célebre poema do cordeiro. Agora é a vez do tigre. Primeiramente, acredito que seja importante apontar como os dois poemas dialogam entre si. Como dito já, “O cordeiro” é um poema das Canções de inocência, e “O tigre” é a sua contraparte das … Continuar lendo Tigres e cordeiros de Blake – parte II

Tigres e cordeiros de Blake – parte I

Assim como Horácio e John Milton, de que já tratamos aqui no escamandro, William Blake tem um lado pop que faz com que seja difícil não ter ouvido algo sobre ele, mesmo sem jamais ter tido em mãos um único livro do autor. “Se as portas da percepção fossem purificadas, tudo pareceria ao homem como é, infinito”, diz ele no Matrimônio do Céu e o … Continuar lendo Tigres e cordeiros de Blake – parte I

desastres e destrezas do amor, por leo gonçalves

o poeta leo gonçalves (de bh, hoje habitante de sampa) já dera o ar da sua graça por estas bandas com as traduções dos poemas homoeróticos de verlaine, com a promessa de nos agraciar inda mais com poesia própria, aqui cumprida. vale aqui, para ampliar a nota & fazer direito o meu serviço, lembrar que ele já lançou dois livros próprios: o levíssimo das infimidades (2004), … Continuar lendo desastres e destrezas do amor, por leo gonçalves

reverlaine, despudor: “les amies” por leo gonçalves

o post passado, feito por adriano scandolara, em homenagem ao aniverário de 168 anos de paul verlaine me fez pensar imediatamente em leo gonçalves. lembro o dia em que o conheci em bh, na livraria-editora crisálida, como o tradutor do doente imaginário de molière & da poesia de blake, mas principalmente como o tradutor de poemas eróticos, les amies, de verlaine ainda sem publicação (havia pouco, … Continuar lendo reverlaine, despudor: “les amies” por leo gonçalves