Canteiro de obras – Rafael Zacca entrevista Marcelo Reis de Mello

As oficinas de criação e análise literária são um grande canteiro de obras. Não foram poucos os filósofos e teóricos da arte que disseram que a obra precisa, depois de pronta, esconder os seus andaimes. O quanto as obras têm mostrado os seus andaimes no último século e meio, testemunha a arte contemporânea, que se tornou, aqui e ali, a produção de vigas e cimento … Continuar lendo Canteiro de obras – Rafael Zacca entrevista Marcelo Reis de Mello

XANTO| Notas sobre “A Menstruação de Valter Hugo Mãe”, de Carla Diacov, por Marcelo Reis de Mello

As cólicas em muitas perspectivas Notas sobre A Menstruação de Valter Hugo Mãe, de Carla Diacov (Casa Mãe, 2017) Por Marcelo Reis de Mello Na primeira vez que li A menstruação de Valter Hugo Mãe estava em Ponta Grossa, no interior do Paraná com a minha família. Meu pai, meu irmão e eu resolvemos levar as minhas sobrinhas para um acampamento no mato, perto de … Continuar lendo XANTO| Notas sobre “A Menstruação de Valter Hugo Mãe”, de Carla Diacov, por Marcelo Reis de Mello

Ana Pérez Cañamares, por Marcelo Reis de Mello

Ana Pérez Cañamares nasceu em 1968 em Santa Cruz de Tenerife, mas desde um ano de idade mora em Madrid. Sua carreira na poesia começa com a publicação em 2007 do livro La alambrada de mi boca, publicado pela editora Baile del Sol. Pela mesma editora publicou seu primeiro livro de contos e seu segundo poemário, Alfabeto de cicatrices, de 2010. Em 2013 o livro … Continuar lendo Ana Pérez Cañamares, por Marcelo Reis de Mello

XANTO | Cores que migram (A alquimia do verbo em Marcelo Reis de Mello), por Rafael Zacca

Cores que migram A alquimia do verbo em Marcelo Reis de Mello Entre as anotações pessoais de Hélio Oiticica, chegou-nos uma, de 1959, sobre a natureza “metafísica” da cor, entendimento que o fez começar a busca pelo que chamou de “cor-tempo”. Para o inventor dos Metaesquemas, a cor seria uma ação antes que uma substância, e, portanto, “essencialmente ativa no sentido de dentro pra fora”, … Continuar lendo XANTO | Cores que migram (A alquimia do verbo em Marcelo Reis de Mello), por Rafael Zacca

Nina Papaconstantinou: O desenho da página impressa

  Entrevista por Eva Heisler, originalmente publicada aqui. Tradução: Marcelo Reis de Mello Em Tristam Shandy, de Laurence Stern, o elogio da morte de um personagem é feito através de uma página preta. Frente preta. Verso preto. Um momento narrativo é marcado pela suspensão da narrativa; uma ausência é retratada com um excesso de tinta. A página preta de Tristam Shandy é uma das muitas … Continuar lendo Nina Papaconstantinou: O desenho da página impressa