Sebastião Nunes – Enfisema Pulmonar

Será lançada oficialmente esta semana, dia 15, na Casa das Rosas, em São Paulo, a antologia Poesia (Im)Popular Brasileira, organizada por Julio Mendonça (editora Lamparina Luminosa, mais detalhes no lançamento aqui. Na ocasião também teremos o relançamento do Brasa enganosa). Como diz o título, o volume é uma coletânea da poesia de autores cujo estatuto é, digamos, menos que canônico. Temos nomes que já foram … Continuar lendo Sebastião Nunes – Enfisema Pulmonar

nota crítica: “toda poesia” de paulo leminski

acabou de sair o livro Toda poesia de paulo leminski (1944-89), como todos sabem – & quem não sabe, trate de saber (“quem tem QI, vai”, diria o poeta). como escreve alice ruiz na apresentação do livro, “este livro é antes de tudo uma vida inteira de poesia”. talvez seja nesse sentido mesmo que o livro cumpre & descumpre seu papel : é sobre isso … Continuar lendo nota crítica: “toda poesia” de paulo leminski

3 poemas do velho bukowski, por gabriel resende santos

o nosso amado chuck buck já esteve por aqui, não precisa mais de apresentação precisa é de mais poemas traduzidos, & de poemas traduzidos mais vezes por isso o nosso tradutor, gabriel resende santos, também sem reapresentações, agora estreiando na tomada da voz alheia. so cut the crap & vamos pro que interessa guilherme gontijo flores ps: com uma tradução de fernando kroposki para hangovers, em … Continuar lendo 3 poemas do velho bukowski, por gabriel resende santos

Reinaldo Santos Neves: Muito soneto por nada

Seria muita queimação de filme contar que nós, do escamandro, lemos poesia em bar? (às vezes em cafés, também, quando estamos mais civilizados) Pois bem, talvez seja, mas não mais do que a queimação de filme maior que é já a exposição de escrever (e publicar) poesia. Dito isso, um dos poetas que se destacou numa dessas nossas leituras de bar mais recentes foi Reinaldo … Continuar lendo Reinaldo Santos Neves: Muito soneto por nada

Comentário crítico: sobre Pus, de Sérgio Blank

Faz já quase um mês desde que eu postei uma pequena seleção de 7 poemas do livro Pus, do poeta capixaba Sérgio Blank, com a promessa de tecer algum comentário crítico a respeito. Pois bem, agora é (finalmente) hora de honrar a promessa e não deixar nenhuma pendência para o ano novo. Gostaria de começar a partir da citação que Valdo Motta faz na contracapa … Continuar lendo Comentário crítico: sobre Pus, de Sérgio Blank

Sete poemas de Sérgio Blank

Acredito que tudo que eu possa dizer para apresentar Sérgio Blank (1964) é que ele é um poeta capixaba meio lado B, deixado de lado pelo eixo Rio-São Paulo (velha história), embora tenha certo reconhecimento local, com pelo menos dois livros de estudo crítico a respeito (Porque e por Quê, de Reinaldo Santos Neves & Sol, Solidão de Sinval Paulino). É autor dos livros de … Continuar lendo Sete poemas de Sérgio Blank

Charles Bukowski: 3 poemas de You get so alone at times…

Charles Bukowski (1920 – 1994), também conhecido como Chuck Buck, também conhecido como “O Velho Safado”, foi, para sermos sucintos, uma figura literária da sarjeta, escrevendo 6 romances e uma quantidade enorme de poemas (milhares, organizados em nada menos que 47 volumes de poesia), contos e textos de não-ficção (11 volumes) – tudo sobre o aspecto mais baixo e ordinário da vida urbana. Seus temas … Continuar lendo Charles Bukowski: 3 poemas de You get so alone at times…