Dois poemas de Charles Bernstein

Esses dois poemas foram retirados, respectivamente, dos livros My Way: Speeches and Poems e All the Whiskey in Heaven, e são comentados pela crítica Marjorie Perloff em seu livro de memórias The Vienna Paradox e no ensaio “La Grande Permission: John Ashbery in the 21st Century”, que, apesar de ser sobre John Ashbery e não sobre Bernstein, comenta algumas aproximações entre os dois poetas. Nos … Continuar lendo Dois poemas de Charles Bernstein

Stefan George (1868 – 1933)

Confesso que só recentemente vim a conhecer o tradutor e poeta simbolista alemão Stefan George (1868 – 1933) e por causa da crítica Marjorie Perloff, que o menciona em seu livro autobiográfico The Vienna Paradox – e ela lamenta, inclusive, o quanto o poeta é pouco conhecido fora do mundo germanófono, em parte por conta de certos probleminhas ideológicos, como veremos na sequência aqui, e … Continuar lendo Stefan George (1868 – 1933)

Marjorie Perloff e o Gênio Não Original

Talvez eu pudesse comparar a atividade de ser tradutor – o símile vale para revisores também, mas na tradução a coisa é mais intensa – a um tipo de roleta russa. Muitas vezes você pode ser chamado para traduzir livros ruins, tediosos, ridículos, mal escritos, que te fazem desejar que eles nunca tivessem visto a luz do dia, que dirá sido traduzidos. Felizmente, porém, este … Continuar lendo Marjorie Perloff e o Gênio Não Original

algumas paisagens de júlio castañon guimarães

perspectivas em desafio de reler o mundo (“um passeio”) júlio castañon guimarães (juiz de fora, 1951, radicado no rio de janeiro, onde é pesquisador da fundação casa de rui barbosa) é nome conhecido para qualquer um que se interesse por poesia no brasil. além de ter publicado 7 livros de poesia ao longo de quase 4 décadas (vertentes de 1975, 17 peças de 1983, inscrições de 1992, matéria e … Continuar lendo algumas paisagens de júlio castañon guimarães