Pedro Pietri thel Nuyorican, por Nina Rizzi

“Eu não posso salvar sua alma com religião; posso salvar sua vida com um preservativo” Pedro Pietri foi poeta e dramaturgo. Nasceu em Ponce, Porto Rico em 1944 e foi criado em Manhattan. Poucos anos depois de se formar no ensino médio foi convocado para o Exército e serviu na Guerra do Vietnã. Após seu retorno a Nova York, Pietri se juntou ao Young Lords, … Continuar lendo Pedro Pietri thel Nuyorican, por Nina Rizzi

Judy Grahn, por Nina Rizzi

Judy Grahn nasceu em 1940 em Chicago, Illinois. Atualmente mora na Califórnia e leciona no California Institute of Integral Studies, no New College of California e no Institute for Transpersonal Psychology, onde ensina mitologia feminina e literatura antiga, Consciência Metafórica (uma filosofia criada por Grahn) e Parentesco Incomum – um curso que usa teorias de sua filosofia metafórica. Filha de pai cozinheiro e mãe assistente … Continuar lendo Judy Grahn, por Nina Rizzi

Baltimore: Nina Simone, por Nina Rizzi

David Ewen no livro American Songwriters (1987), conta que “com suas observações depreciativas sobre a cidade a canção Baltimore gerou muita polêmica”. Acrescente a isso o fato de que seu compositor, Randy Newman, cresceu em Los Angeles e Louisiana e nunca colocou os pés em Baltimore (Maryland). É claro que seus detratores diziam que a canção não podia ser levada a sério (ou cantada). Baltimore … Continuar lendo Baltimore: Nina Simone, por Nina Rizzi

Patti Smith, por Nina Rizzi

Patti Smith nasceu em Chicago em 1946. É poeta, cantora, fotógrafa, escritora, compositora e musicista, conhecida como “poeta do punk” e “madrinha do punk”. Seu álbum de estreia, Horses (1975), que mistura rock, punk e poesia recitada, é considerado por muitos como o melhor álbum de estréia já lançado por um artista; ele começa com uma cover da música Gloria de Van Morrison e as … Continuar lendo Patti Smith, por Nina Rizzi

Quatro mulheres: Nina Simone por Nina Rizzi & um bis de Sueli Carneiro

“Four Women” é uma canção escrita pela cantora, compositora, pianista e arranjadora e militante pelos direitos civis dos negros Nina Simone. Gravada em abril de 1965 com produção de Hal Mooney e lançada em 1966 no álbum Wild Is the Wind (Philips Records), conta a história de quatro mulheres afro-americanas diferentes, onde cada uma das quatro personagens representa um arquétipo afro-americano. Thulani Davis, no The … Continuar lendo Quatro mulheres: Nina Simone por Nina Rizzi & um bis de Sueli Carneiro

É ISTO UMA MULHER? #1, por Nina Rizzi

Participei em junho deste ano da graça de doismilizezoito do Festival Vida & Arte, promovido pelo Jornal O Povo, no debate intitulado “E a mulher escreveu o mundo”, com Ana Paula Maia, Juliana Diniz e Marília Lovatel.  Em um dado momento comentei uma entrevista com Ana Paula Maia em que o entrevistador ressaltava o talento e êxito de suas narrativas por não se parecem em … Continuar lendo É ISTO UMA MULHER? #1, por Nina Rizzi

Mario Pera, por Nina Rizzi

Mario Pera, poeta e ensaísta peruano. Formado em Direito pela Universidad de Lima e em Desenho Gráfico pelo IPAD (Peru). Foi coeditor da Editora Magreb. Diretor da Revista Literária Digital Vallejo & Co., e da editora de mesmo nome. Em 2013 obteve o Premio Ilustre Municipalidad de Cuenca no Festival de la Lira (Equador). Publicou os livros de poemas Preparaciones anatómicas (2009), Ruido Blanco (2011, 2015, 2016), … Continuar lendo Mario Pera, por Nina Rizzi

Rubén Vela, por Nina Rizzi

Rubén Vela nasceu em Santa Fé, em 1928. Começou a escrever seus poemas em 1949 e participou do movimento literário que se formou em torno da revista Poesía Buenos Aires, dirigida por Raúl Gustavo Aguirre.  Em 1973 se radicou em Brasília, onde recebeu o Prêmio Internacional do Pen Club do Brasil por seu livro Poemas (Editora Vozes, 1972); em 1980 o Pen Club argentino o … Continuar lendo Rubén Vela, por Nina Rizzi

malintzin. malinche. malinalli. marina. mulher,

uma leitura possível e repetidamente lida. como toda leitura, uma tradução. traiçoeira? no méxico e países vizinhos a expressão “¡la malinche!” é equivalente àquela latina: “traduttore, traditore”; a sabida história da tradução que serve de ponte entre dois ou mais grupos culturais e linguísticos, e a figura que traduz pode ou deve ser tida como inimiga e traidora de uma das partes – um conceito … Continuar lendo malintzin. malinche. malinalli. marina. mulher,