O eterno nas letras brasileiras

Gostaria de apresentar aqui um interessante artigo crítico de Murilo Mendes, escrito para o boletim da sociedade Felipe d’Oliveira, sobre o eterno nas letras brasileiras modernas, de 1936. O texto é útil não apenas para entendermos melhor as concepções artísticas e filosóficas que estão por trás de alguns livros escritos por Murilo como Tempo e Eternidade e O Visionário, mas também por apresentar um panorama … Continuar lendo O eterno nas letras brasileiras