2 poemas de Paul Celan, por Matheus Guménin Barreto

“Salmo

Ninguém nos molda de novo da terra e do barro,
ninguém conjura o pó nosso.
Ninguém.

Louvado sejas, Ninguém.
Por amor a ti queremos
florescer.
Ao encontro
de ti.

Um nada
éramos, somos, seremos
ainda, a florescer:
a Rosa-de-Nada, a
Rosa-de-Ninguém.

Com
o almacândido cálamo,
o ermoceleste filamento,
a rubra coroa
do verbo purpúreo, que cantávamos
sobre, oh sobre
o espinho.”

Matheus Guménin Barreto traduz Paul Celan. Continuar lendo 2 poemas de Paul Celan, por Matheus Guménin Barreto

XANTO| Do peito seu coração para a noite: Paul Celan e a obra plástica de Leila Danziger, por Gustavo Silveira Ribeiro

Do peito seu coração para a noite Paul Celan e a obra plástica de Leila Danziger Le monde brûle, en moi, et je marche. Edmond Jabès Para Mônica [Notas para uma série em três partes] Pallaksch, Pallaksch[1] (2010): As tiras soltas, as sobras, os retalhos de papel produzidos pelo trabalho de desleitura e apagamento de jornais feito muito frequentemente por Leila Danziger são, talvez, como … Continuar lendo XANTO| Do peito seu coração para a noite: Paul Celan e a obra plástica de Leila Danziger, por Gustavo Silveira Ribeiro

3 traduções para 1 poema de Paul Celan

recentemente eu conversava com a poeta adelaide ivánova sobre o poema “engführung” do celan. ela me explicava os versos bonitos e falava sobre as traduções existentes para o português. fiquei encafifado com o dito poema e no começo dessa semana pedi ao guilherme gontijo flores que o traduzisse. ele, pronta e maniacamente, traduziu. em pouquíssimas horas. o resultado é esse que vocês podem conferir abaixo. … Continuar lendo 3 traduções para 1 poema de Paul Celan

Ingeborg Bachmann

Nascida em Klagenfurt, Áustria, em 1926, Ingeborg Bachmann se tornou uma das mais interessantes poetas de língua alemã do pós-guerra. Influenciados pela poesia de Rilke e Celan, mas também por filósofos como Heidegger e Wittgenstein (doutorou-se em filosofia pela Universidade de Viena com a tese Recepção Crítica da Filosofia Existencial de Martin Heidegger), seus poemas, repletos de evocações da natureza e imagens herméticas apontam para o silêncio … Continuar lendo Ingeborg Bachmann

paul celan (20 de abril)

o corpo de paul celan (pseudônimo anagramático de paul antschel, nascido em 1920, na romênia, em czernowitz, hoje pertencente à ucrânia, filho de pais judeus falantes de alemão, que foram deportados e mortos num campo de concentração, em 1942; sendo que o próprio celan também viria a ser confinado, mas sobreviveria) foi encontrado no rio sena no dia 1 de maio de 1970. em geral, … Continuar lendo paul celan (20 de abril)

6 perspectivas do século XX sobre a morte

Aproveitando que hoje é o dia dos mortos, decidimos fazer uma pequena seleção de poemas curtos que tematizem ou de algum modo discutam a morte, a partir de seis poetas distintos do século XX (e dois deles ainda vivos no século XXI), de línguas e/ou nacionalidades distintas. Da língua portuguesa, os sempre populares Fernando Pessoa (o ortônimo no caso) e Carlos Drummond de Andrade; do … Continuar lendo 6 perspectivas do século XX sobre a morte