CARPE DIEM: 28 versões + 2, por Matheus Mavericco

Existem poemas que conseguem a tremenda felicidade de cravarem uma expressão ou uma palavra na cabeça dos leitores. Nem sempre é sinal de qualidade. Veja o caso de “passar pela vida em branca nuvem”, expressão usada por nossos avós e que foi retirada de um poema de Francisco Otaviano, patrono da cadeira de número 13 na Academia Brasileira de Letras e poeta medíocre, autor, quando … Continuar lendo CARPE DIEM: 28 versões + 2, por Matheus Mavericco

Haicai da rã, de Bashô, por Matheus Mavericco

A internet funciona assim: você está lendo um texto, por exemplo este, clica em dois links, por exemplo esse aqui e esse aqui, e então sua cabeça estoura. Dezenas de traduções, paródias e paráfrases para um poema composto de dez caracteres nipônicos, desses que um tatuador entediado gravaria no seu cóccix em quinze minutos no máximo. O nome disso, caso alguém repare e resolva perguntar, … Continuar lendo Haicai da rã, de Bashô, por Matheus Mavericco

yi sáng (1910 – 1937)

pretendo fazer dois posts contrastivos sobre poesia coreana moderna. o mote veio da recente viagem de tarso de melo para a coreia, num festival de poesia, porque ele fez um post aqui lembrando da bela coletânea feita por yun jung jim, O pássaro que comeu o sol — Poesia moderna da Coréia (1993, ed. arte pau-brasil), com prefácio de paulo leminski e 4a capa de … Continuar lendo yi sáng (1910 – 1937)

nota crítica: “toda poesia” de paulo leminski

acabou de sair o livro Toda poesia de paulo leminski (1944-89), como todos sabem – & quem não sabe, trate de saber (“quem tem QI, vai”, diria o poeta). como escreve alice ruiz na apresentação do livro, “este livro é antes de tudo uma vida inteira de poesia”. talvez seja nesse sentido mesmo que o livro cumpre & descumpre seu papel : é sobre isso … Continuar lendo nota crítica: “toda poesia” de paulo leminski

horácios na ode 1.11 “a leuconoe”

a imagem acima resume o ponto: esta ode de horácio é a mais pop, mesmo que nem tanta gente a tenha lido integralmente. o mote expresso no carpe diem é o resumo de um topos clássico para viver o agora, sem confianças no que possa vir ou não, no dia seguinte. não pretendo aqui fazer uma apresentação da poesia de quinto horácio flaco (65 a.c. – 8 … Continuar lendo horácios na ode 1.11 “a leuconoe”