“O diálogo do pessimismo”

“O diálogo do pessimismo” é um poema babilônico que fazia um tempo que eu queria traduzir. Também chamado de arad mitanguranni (o primeiro verso do poema no original: “vem servir-me, escravo” ou “escuta, escravo”) ou “O diálogo de um senhor e seu escravo”, por motivos óbvios, ele consiste nisso mesmo. São 10 ou 11 estrofes, cada uma com uma estrutura bastante simples, mas eficaz: elas … Continuar lendo “O diálogo do pessimismo”

Trilussa, por Daniel Dago

Trilussa, pseudônimo de Carlo Alberto Camillo Mariano Salustri (1871-1950) – Trilussa é anagrama de Salustri –, foi um dos maiores poetas satíricos da Itália. Apesar da enorme fama em seu país natal, não alcançou sucesso no exterior, em grande por ter escrito especialmente em dialeto romano. Suas inúmeras “favole” (fábulas) são conhecidíssimas até hoje. Escrito em italiano, “L’uccelletto” (literalmente, “o passarinho”, mas escolhemos “o pintinho” … Continuar lendo Trilussa, por Daniel Dago

Quatro poemas de Abu Nuwas (756 – 814)

  Motivado pelas discussões desta semana sobre questões delicadas, como religião, sobretudo o Islã, radicalismo, humor e liberdade de expressão, uma discussão já recorrente, aliás (pelo menos desde a fatwa lançada contra Salman Rushdie por conta de Os Versos Satânicos algumas décadas atrás), e, para variar, vendo o adjetivo “medieval” sendo usado por aí como um termo pejorativo, eu acabei inevitavelmente sendo relembrado de certos … Continuar lendo Quatro poemas de Abu Nuwas (756 – 814)

O festim divino de El – um poema do ugarítico

Ugarit foi uma cidade portuária do Oriente Próximo localizada nos arredores de onde hoje se situa Ras Shamra, no norte da Síria, perto do monte Hérmon e da ilha de Chipre. Ela foi destruída por volta do final da Era do Bronze e, num dos grandes achados arqueológicos do século XX (ainda mais impressionante pelo fato de ter ocorrido por completo acidente), só veio a … Continuar lendo O festim divino de El – um poema do ugarítico

um ano é pouco

um ano é pouco & claro nós queremos mais nós queremos muito mais queremos tudo agora (citando queen) um ano é pouco mas para nós foi muito muito embora cientes que esse nosso muito ainda seja pouco – a ponta do iceberg derretida espalhada no oceano i.e. perdida i.e. investida sobre nada – por isso nessa nossa pequenez megalomaníaca 4 novos poemas maníacos i.e. cínicos (o riso de um … Continuar lendo um ano é pouco

6 poemas de Jacques Prévert

Não sei vocês, mas meu primeiro, e até pouco tempo, único, contato com a poesia de Jacques Prévert havia sido um poeminha engraçadinho chamado “Mea culpa”, que transcrevo abaixo: C’est ma faute C’est ma faute C’est ma très grande faute d’orthographe Voilà comment j’écris Giraffe (in Histoires) …que traz consigo também uma discussão chata que ronda os estudos da tradução sobre a tradução de Mário … Continuar lendo 6 poemas de Jacques Prévert

registro do pedido eneassilábico de um croissant de chocolate pela senhora gordinha ao atendente da cantina presenciado e transcrito pelo poeta que esperava na fila e ouvia sem pudores – vinicius ferreira barth

é dieta              rapaz                        é saúdecorpo são             (hahaha)                        mente sã me veja uma coquinha                        com geloe o chocolate             mas sem croissant Vinicius Ferreira Barth Continuar lendo registro do pedido eneassilábico de um croissant de chocolate pela senhora gordinha ao atendente da cantina presenciado e transcrito pelo poeta que esperava na fila e ouvia sem pudores – vinicius ferreira barth

mensagem fragmentária do poeta psicografada pelo outro poeta no exato momento de sua transmissão, ou simplesmente dó… – vinicius ferreira barth

caros, hoje inauguramos a geringonça conhecida por soundcloud, que nos proporcionará a leitura e gravação de alguns poemas. perdi um tempo aqui aprendendo a usar o troço e farei a honra de meter-lhes o negócio no ar. aproveitando ainda pra homenagear o grande pessoa, que me ditou pessoalmente esse poeminha lá do inf… céu. creio que em breve outros trabalhos dos nossos integrantes, que não … Continuar lendo mensagem fragmentária do poeta psicografada pelo outro poeta no exato momento de sua transmissão, ou simplesmente dó… – vinicius ferreira barth

marcelo sandmann

marcelo sandmann (curitiba, 1963) é professor da ufpr, poeta e compositor. sua produção, por enquanto, ainda é pequena e pode ser degustada num dia, desde que se aceite que alguns sabores precisam de mais tempo, pro caso – necessário – de maturação, ou curtição, como o couro, que, trabalhado, acaba por ganhar aquele cheiro típico, que pros enólogos é algum tipo de sinal de reverência … Continuar lendo marcelo sandmann