poesia

Regina Azevedo: 2 poemas inéditos + 2

regiss

Regina Azevedo é uma poeta brasileira nascida em Natal – RN em 2000. Autora dos livros Das vezes que morri em você, Por isso eu amo em azul intenso e Pirueta.
Mais: www.reginazvdo.tumblr.com

***

TEMPO

quando você chegou
tirei o relógio do braço
pois saber a hora através
dos seus olhos
semicerrados
do seu corpo
semiaberto
da sua fala
seminua
era como tentar
um trava-língua
um enigma
uma senha
e aprender o idioma
do seu corpo
levou tempo
por exemplo
você sabia que existe
um relógio que se baseia
nas propriedades do átomo
existe a ampulheta
que antes foi utilizada
em igrejas
e hoje as crianças
usam em jogos de tabuleiro
e podem manipulá-la
por exemplo
nunca deixando que a areia
pese totalmente para um lado
você imagina
como eu aprendi a domar
o tempo do seu sono
o tempo da seu banho
do seu bocejo
e até evitar
que você abreviasse
a palavra e o beijo
você imagina que hoje eu sei
que nada nesse mundo
é capaz de te fazer ficar
mais fácil seria esconder uma bomba
disparar mísseis
ou investigar o código genético
das libélulas e das lavandas
você sabia que a cada 65 mil anos
perdemos 1 segundo
e a cada cigarro 11 minutos
mesmo se você fosse
um relógio de vela
pra começar
ainda assim seria mais fácil
impedir que o meu cheiro
queimasse o seu corpo
e consequentemente
acelerasse o tempo
e apressasse os seus passos
você sabia que os agricultores
sabem tanto sobre a posição do sol
quanto os egípcios
e ainda assim
depois que você se foi
você levou o meu relógio
você levou a música
você levou mais que
alguns instantes
os gestos
e a casa
mas sobretudo
depois que você se foi
não há quem deixe o sol entrar
e talvez por isso
esteja tudo
adormecido

§

 

FUNDO

clichê clássico
eu te amo do fundo
do meu útero
solo sagrado de pecado
perto de onde seu pau se enfia encosta e arde
no limiar da dor
afina o violino do futuro
células dançam
leite manchando mundinho cor de rosa
você não tem vontade de ir embora
porque chão é cama, chuveiro é cama
areia espelho escada e também em pé
cama é onde você se deita sente meu cheiro e perde o sono
onde eu mostro que as poetas são mais
com a mão dentro da calça
olhando fundo no seu olho
amando de novo

§

regi

poema de “pirueta”, em intervenção urbana

FESTEJO AO FOGO

só por um segundo
sob teu peito

o farfalhar do outono
e o que você fazia
em festejo ao fogo

a ponta dos dedos
ao relento

traquejo singular da labareda

misto de calmaria e lampejo
numa dança descabelada

a língua pronta para o surgimento
da manhã

o espírito de cavalo colorido
no ato de trocar os óculos com você
e te olhar de baixo

o minério que dorme na pele
o desafio que doma o segundo
a ginga que derrete as ondas

cheiro tônico diante do espelho

o rugido e o anúncio
do tropeço no ritual:

um orgasmo estupendo
anestesia contra bombas
de efeito moral

*

Anúncios
Padrão
poesia

Leila Guenther (1976-)

20707521_1534655573268074_1567155120_n

Leila Guenther (Blumenau, SC, 1976) publicou os livros Viagem a um deserto interior, O voo noturno das galinhas e Este lado para cima. Participou de antologias como Capitu mandou flores: contos para Machado de Assis nos cem anos de sua morte, Cusco, espejo de cosmografias: antología de relato iberoamericano, Outras ruminações: 75 poetas e a poesia de Donizete Galvão, entre outras. Mantém o blogue na linha da vida.

 

sergio maciel

* * *

 

CATEQUESE

Quando eu o ensinava a latir
você me ensinava a ser gente

O Papa de hoje diz
que os cachorros podem ir para o céu

Então poderíamos nos ver de novo algum dia
(se você me ensinasse também a entrar lá)

 

§

 

SOMBRAS, SOBRAS

O amargo da língua
O salgado dos olhos
As inúmeras variações do acre
O que somente alcanço
Pelos poros mais remotos

Despojos
De uma guerra que não lutei

Aceito os restos
(Nada tenho a oferecer em troca)

Só me é dado atingir a superfície
Por pedaços que não se comunicam entre si

Sei que nunca compreenderei o todo através das partes:

Não é para mim que retorna
– Em sonhos ou pesadelos –
A criança que se constrói
Em torno da mãe que não serei

 

§

 

ILHA DO TESOURO

As lâminas se espalham pelo chão
Em que pulamos amarelinha
E ninguém nos advertiu do risco
De se dormir próximo da fogueira
Náufragos de uma vida inteira
Nem percebemos quão perto estamos
dos brinquedos que perdemos
Tudo o que se enterrou na areia
Torna a aparecer com o relento
Repetimos os fracassos
Multiplicamos as falhas
Colecionamos decepções

Nascer
Amar
Partir

É sempre pela primeira vez que se comete o mesmo erro

 

§

 

DO MEU LIVRO DE TRAVESSEIRO

Quanto a flores, o crisântemo dos cemitérios e altares budistas. O lótus branco que nasce na lama. A acácia que não tem perfume. O ipê que os imigrantes japoneses adotaram por saudade das cerejeiras. E a flor do capim.

 

Se fosse possível aprender a distância: “A arte de ser gueixa em dez lições”, “Curso introdutório para dervixes”, “Método samurai nível avançado”, “Aulas de canto para muezzins”, “Meditação mindfulness com Buda Shakyamuni”.

Do sono: cenas de cinema em câmera lenta. Garupa de motocicleta. Narração de partida de golfe. Discursos cujo conteúdo não se compreende. Chuva caindo em telhado de zinco. Pescaria. Estrada sem curva. O movimento e o som de uma fogueira. O grilo quando canta.

Quanto a profissões, massagista de cachorro. Tradutora de pássaro. Manobrista de mula. Babá de bicho-preguiça.

Padrão
Uncategorized

Tomaz Amorim Izabel

tomazTomaz Amorim Izabel, 29, é poeta, tradutor e doutorando em Teoria e História Literária na USP. Mantém um blog onde publica a maior parte de sua produção: tomazizabel.blogspot.com. Nascido e criado em Poá/SP, nas margens do sonho-monstro Bandeirante, reivindica uma ascendência mineira a se reinventada onde houver ainda mundo.

***

palavra parida num check-point em Ramala
revoada de pianos de cauda empoleirados entre as nuvens
planícies e vales e cumes de cúmulos-nimbos
chovendo linhas paralelas, beijando-se apenas em têmporas doces
estes mesmos versos mas sob o olhar de uma lâmpada-estrela azul
os braços desmunhecantes verdeprata das ondas, das quedas d’água, semi-círculos lunares, contraredamoinhos
meus lábios-palavras, meu hálito aquariano pedindo licença para deitar sob a pele, meus lábios canoa querendo ancorar
uma cabaça de coco grávida de fiapos e água correnteza, uma colcha de retalhos
monocromática, tecido de seda de aranha, rabiscada claraescura de trovões
para nos sentirmos finalmente homens, dignos como um bezerro, um novilho
gotas douradas de vinagre, batalhões de fileiras de escudos de alecrim, fumaça vapor de
azeite frito

§

 

Corações

Fui te escrever um bilhete
em papel manteiga
enfeitado de crepom
e ao escolher o giz de cera
para preencher a assinatura
um coração torto
desenhado à mão
me perguntei
se os amores sempre mudam
de jeito, de pessoa amante
por que sempre o vermelho
vermelho oxigenação e
sangramento
por que não amarelo ânsia
te ansio
rosa terno
ciano azul eterno
cinza refúgio
cerúleo seus olhos
fugidios
seus olhos púrpuras
fúcsia o mistério
dos seus seios pela primeira vez nas minhas palmas
nas minhas pálpebras
corações de couro preto e cinta-liga
marrom como abraços de um rio
dourado, de aniversário
verde e rosa, é mangueira
prata e rosa, amor primeira
xadrezinho, cubano e cabernet
um laço, um bombom, um chicote
um amor césio, decadente
por alguns séculos de vida humana
um amor enferrujado, banguelas há décadas
um coração daltônico para um amor estrábico
um coração de lata para os sem coragem
um coração todo corpo
um coração rosto que te sorri
e te beija explodido em furta-cor

§

 

“als du noch in der Schule warst”

para Aline

você se lembra quando nos deixamos ir
de ventre no chão, saindo da última pele
línguas para fora sentindo a garoa
na pele úmida dois ofídios
se arrastando eletrificados em ondas
no chão de terra do Ibirapuera?
você e eu
um devorando ao outro
um dupla de Oroboros
transatlânticos
um beijo satânico
em que se troca saliva
e cachaça e desenhos na mesa
promessas fúteis e sagradas
eu te amo, eu te amo
sua língua, chave de abrir cadeados
enferrujados e cansados, meu coração,
seus cabelos molhados de Omolú
me dando notícia do mundo dos mortos
me dando notícia do mundo dos vivos
nós dois como tapetes molhados
no chão do banheiro, ou dois japoneses
de robes brancos e o tempo uma piada
um disco em nossas mãos de criança
uma câmera paralisando
nossos corações no instante em que
batem e param
juntos
nós, velejando, finalmente
em Marselha
dois botões de rosas
num triângulo branco
boiando sobre o cetim azul
sob o farol dourado de Sacré-Cœur
até lá
sua blusa marrom
na minha gaveta
para ser amarrada
nas patas do próximo
pombo-correio
até lá
torcer para que não estoure
a próxima guerra, esperem governantes
porque ainda há o que amar
e eu me lembrei como fazê-lo
em pelo menos três línguas

§

 

 Ai, vai

Ela mordeu o meu lábio
como quem me diz
o que é teu está guardado.

§

 

riacho

redemoinho de vento
arquitetado por borboletas
hálito de césio de infantes divinos
plataformas móveis, desmontáveis
as rugas no rosto, os hexágonos nos cascos de tartaruga
ondas desligadas, fotografadas em preto e branco,
nas digitais dos dedos que se estralam
e coçam um palito de fósforos se
incendeia quando nós não éramos ainda esta
ou nem seremos mais embora eu tenha sido
embora dentro do cartucho haja poeira
e personagens cicatrizados em circuito verde
a Infância nunca foi
a Infância não está no futuro
basta de evaporação e chuva
basta de secura
uma pata de dinossauro na argila
uma mão de menina na massinha
um bambolê de vapor de gelo
um um que seja inteiro mas indeterminado
rascunhos em folhas velhas, rascunhos sempre refeitos
rascunhos aliás que não se repetem
tentativa de esboçar algo em fuga viva
a fisiognomia das pequenas quedas num riacho
um rosto mais amplo que o humano está lá
e não sorri ou abraça
mas diz algo
algo que se escuta

§

 

são paulo

são paulo é onde a cadela da esperança
vem parir seu último filhote
são paulo é onde a esperança vem
carregar carroças nas costas
vem se cobrir com o asfalto
do frio das noites de verão
tampando para sempre de piche
o que restou do céu azul
são paulo brilha como o sapato
polido com suor da criança engraxate
seus versos de homenagem são prozac
são paulo onde vivem os gênios não descobertos
mestres e mestras da frustração e do rancor
mas há uma boa nova, são paulo,
que não está no seu nome romano
nem na catedral dos mendigos da sé
são paulo dos emigrantes e de suas pontes,
a boa nova é que são paulo já acabou
que cada um voltará em breve pelo caminho de onde veio
ou por um caminho inventado
onde contará aos antepassados histórias tristes e loucas
onde se terá que inventar uma forma decente de viver
são paulo,
demorará ainda algum tempo
mas quem restar verá o trabalho lento
dos espíritos da água que exorcizarão
suas estacas de concreto e correntes de aço
e verá voltar a se inundar de sussurros e espelhos
o anhangabaú

***

Padrão
crítica, xanto

XANTO | Cores que migram (A alquimia do verbo em Marcelo Reis de Mello), por Rafael Zacca

14369974_10209954532757612_1382303676466878344_n

Foto de Sergio Cohn

Cores que migram

A alquimia do verbo em Marcelo Reis de Mello

Entre as anotações pessoais de Hélio Oiticica, chegou-nos uma, de 1959, sobre a natureza “metafísica” da cor, entendimento que o fez começar a busca pelo que chamou de “cor-tempo”. Para o inventor dos Metaesquemas, a cor seria uma ação antes que uma substância, e, portanto, “essencialmente ativa no sentido de dentro pra fora”, “temporal, por excelência”. Para Hélio, se a cor não é um pigmento, mas uma estrutura temporal metafísica, a tarefa do pintor não é tingir a tela, mas despir a cor “dos sentidos, conhecidos pela inteligência, para que ela esteja pura como ação, metafísica mesmo.” Já em 1960, a consequência alquímica desse pensamento se manifestaria da seguinte forma: “quanto mais não-objetiva é a arte, mais tende à negação do mundo para a afirmação de outro mundo.”

A substituição da cor-pigmento pela cor-tempo prepara a instabilidade da substância das cores e a sua consequente transformação. Subentende-se que a percepção preconceituosa das cores, isto é, aquela imediata, não-elaborada, absorvida pelos sentidos “conhecidos (previamente) pela inteligência” é sintoma de um daltonismo coletivo, ou de uma cegueira para as cores generalizada. No âmbito do trabalho de Hélio, uma posição fundamental, já que o liberaria da pintura, progressivamente, em direção às formas plásticas temporais dos bólides, dos parangolés e dos penetráveis. Para a teoria das cores e para a estética em geral, uma posição que abre um precedente alquímico bastante materialista – qual seja, a liberação imanente (a cor-tempo é ativa de dentro para fora…) do mundo material de suas percepções imediatas.

Entre nós, um poeta hoje em luta contra a palavra afirma uma nova “alquimia do verbo”. E Rimbaud é mesmo um espectro de Elefantes dentro de um sussurro (Cozinha Experimental, 2017), mesmo sem figurar de maneira explícita no cabedal de citações que o livro sustenta. Pois essa nova obra de Marcelo Reis de Mello, que confia o seu maior poder de criação às cores que o tingem, parece estranhamente inseparável de sua pesquisa sobre escritas ilegíveis, insignificantes e assêmicas – e o lançamento do projeto Graphs, um grande acervo dessas estranhas (des)escrituras, desenvolvido pelo poeta em parceria com Khalil Andreozzi, precedeu mesmo a publicação do livro. Não é que Marcelo produza poemas ilegíveis; é que ele organiza uma revolta, em sua poesia, da cor contra a linguagem. A sua “doutrina das cores” não repete o gesto de pesquisa e construção da doutrina de Goethe, citada no livro, mas serve de ponto estratégico para a desarticulação e desconstrução do mundo físico. Tal qual em Oiticica, também com Marcelo as cores se aparentam às ações: rebelam-se contra a fala numa “espera silenciosa” de “frutas desejadas / nas cores que migram.”

E assim como o inconformismo de Oiticica não o distancia das artes plásticas, mas permite a sua reconfiguração numa espécie de revolução permanente do espaço, também não acontece, em Marcelo, um abandono das artes verbais. No entanto, a poesia, o sentido mesmo de sua produção, é reconfigurada, e é por isso que figuram em seu livro não apenas poemas de sua autoria, como também traduções que o poeta fez de Goethe e de Eliot, e-mails de amigos, imagens da ciência e da mística, trabalhos de artistas plásticos, uma entrevista com Borges, excertos de filosofia, ou ainda uma notícia de jornal que tem por manchete “casal morre afogado enquanto pessoas filmam e riem sem prestar socorro”. Todo esse “dizer com os outros” é atravessado pela força do fragmento, como uma obra que não apenas nasce em ruínas, mas o faz em um mundo arruinado.

Elefantes dentro de um sussurro é um desses livros diante de um mundo odioso, mas não se manifesta à maneira de um ódio, mas de um amor. Trata-se, na verdade, de um conjunto de poemas sobre o fim do amor, sobre o abandono, o engano e a desilusão. E ama-se, ainda – mas este fracasso. “Era bonito morrer”, diz o poema “Céu da boca”, em que a substância do amor e a de uma manga se alternam.

vibrávamos e eu gostava de olhar
teu corpo de manga desfazendo-se dócil sob os meus dedos
e eram franjas amarelas nas minhas gengivas (…)

porque meus dedos são pequenas pedras redondas que atirávamos
na água das tuas costas ou na ondulação das nádegas

Transforma-se o corpo amado em manga, e os dedos que amam em pedras arremessadas – no que, instantaneamente, o corpo amado é convertido em água. A transmutação é ininterrupta – cores que migram. Ama-se este fracasso porque no fracasso do amor vive o fracasso das coisas, e, no fracasso das coisas, a chance de “negação do mundo para a afirmação de outro mundo”. O poema “Deus Ex Machina” coloca sobre a boca o signo da derrota, e sob essa maldição a boca pode se transformar em cova, caverna, noite, terra, caixão ou máquina.

Uma boca é uma grande cova
sem mistério. É onde se enterra
o silêncio. É onde se pesca o silêncio.
É onde o mau hálito, é onde
as obturações, é onde os vermes.
Dentro, a escavação. Há muita coisa
lá dentro, mas nenhuma imagem.

A boca é muitas coisas, mas a posteriori. “Há muita coisa / lá dentro” afirma o potencial informe da boca, “mas nenhuma imagem”, o que reforça o seu aspecto de pura potência sem forma fixa. A poesia é, aqui, esta chance informe do mundo, e é talvez com a própria palavra que o poeta fala: “minhas mãos sobre as tuas / mãos tão minhas / e das pétalas dos cinco dedos // Desabrochados, ver / que as coisas todas se encantam / enquanto morrem.”

Os textos que configuram Elefantes dentro de um sussurro têm por meio ambiente as cores, e, principalmente, as complementares amarelo e violeta. As cores não tingem o mundo, mas guardam a promessa de sua transformação. No entanto, o poeta não tem nenhum controle sobre elas. Todas as referências explícitas ao mundo teórico que organiza as cores foram colhidas de modo a apresentar uma fuga cromática da razão: uma citação de Goethe fala de uma categoria de cores que escapa à vista (e que “foram chamadas, pelos investigadores da natureza, de colores aparentes, fluxi, fugitivi, phantastici, falsi, variantes”); os poemas “Catástrofe de Rayleigh-Jeans” e “Fórmula de Max Planck” remetem, em seu título, a descobertas relacionadas à teoria da irradiação das cores que preparam o fim da física clássica e o início da física quântica; e enquanto a cor amarela concentra as formas do engano (o mundo das ciganas, do amor que abandona e do passado transfigurado), a cor violeta aparece relacionada à violência e aos sonhos não realizados. No poema “Violeta”, a cor e a filha abortada se fundem:

Sim, eu sei. Descansa em paz
com a cor
não parida.

Violeta sem unhas
e sem cabelos.

Violeta branca, sépala
do silêncio, maritaca
calada, elefante
vencido.

Violeta, violeta:
dorme, filha.

Os limites dos versos marcam a violência: a cor / não parida; sépala / do silêncio; maritaca / calada; elefante / vencido. O poema repete, com isso, a violência originária em sua forma, e por isso os textos se fixam na forma da melancolia, por não poderem, mesmo em seu poder alquímico, alterar a fonte de prejuízo. “Como é violento dizer: flor”, diz o poema “Viola arsênica”. Nisso, Marcelo e Oiticica separam-se. Enquanto Hélio se moveria progressivamente (ainda que com alegria autodestrutiva) em direção a um Éden, Marcelo se dirige, neste livro, para as formas do dano. “Não se nasce entre lajotas / brancas, limpas demais. (…) // E nesse nosso primeiro pesadelo / estão apenas as mãos / de látex, indiferentes, acostumadas, / ávidas de bisturis e fórceps // Esterelizados.”

A revolta em Oiticica mobiliza a substância plástica; em Elefantes dentro de um sussurro, transforma as ações em cores, preparando a sua transmutação onírica. A referência, no livro, à “metalurgia” não é gratuita. No primeiro volume de sua História das Crenças e das Ideias Religiosas, conta-nos Mircea Eliade que antes da Idade do Ferro, ou seja, antes da descoberta do forno e do impulso exploratório pelas jazidas de metal os povos trabalhavam com o ferro meteórico. A transformação, a partir da fundição do ferro terráqueo, teve importância decisiva nas questões religiosas e na compreensão do tempo daqueles povos. Ao atributo sagrado celeste do ferro, somou-se uma sacralidade telúrica. Segundo Eliade:

Os metais “crescem” no interior da terra. As cavernas e as minas são assimiladas à matriz da terra-mãe. Os minérios extraídos das minas são de certo modo “embriões”. Crescem lentamente, como se obedecessem a um ritmo temporal diferente do da vida dos organismos vegetais e animais – eles não deixam de crescer, pois “amadurecem” nas trevas telúricas. Sua extração do seio da terra-mãe é portanto uma operação praticada antes do termo. Se lhes tivéssemos concedido tempo suficiente para se desenvolverem (isto é, o ritmo geológico do tempo), os minérios se teriam transformado em metais maduros, “perfeitos”.

O tempo dos metais é diferente do tempo humano. A invenção dos fornos e o surgimento da metalurgia acelerou o tempo dos metais, quebrando o ritmo geológico. Com isso, os metalúrgicos e os ferreiros gozaram, desde sempre, tanto de uma alta estima como de um respeito temerário, que às vezes se converteu em desprezo. Os alquimistas herdariam a sua fama. Metalúrgicos e alquimistas manipulavam o caráter ambivalente do metal, entre o Céu e as Profundezas, entre os poderes sagrados e demoníacos, e, ainda mais grave, estes “senhores do fogo” enganavam o tempo (o amarelo de Elefantes), ou forçavam-no (o violeta), o que é o mesmo.

Na poesia de Marcelo Reis de Mello, no entanto, o poeta não é respeitado, mas humilhado, e não engana o tempo, mas é enganado. E é o poema “Metalurgia” que dá o tom de Elefantes: três pequenos versos se perguntam “quantas florações de uma única ferida / não rangem, cruciantes, para fermentar / a argamassa violeta de um sonho?” E talvez haja uma lição neste aparentemente desiludido Elefantes dentro de um sussurro: a necessidade de contabilização do fracasso, isto é, de ostentação da derrota, necessária à construção das utopias.

Rafael Zacca

Padrão
poesia

Victor Prado

Victor Prado, 21, publicou, por vias independentes e digitais, dois livretos de poesia: Mamute (2015) e Onde Eu Poderia Estar (2016). Em 2016 a Editora Urutau publicou Bastardo, seu primogênito com ISBN. Também já esteve por alguns lugares bem bonitos como: Enfermaria6, Diversos Afins, Jornal RelevO, Mallarmargens, SubVersa, Revista Raimundo entre outros.

* * *

para Ana de Araújo

No campo, as manhãs se formam

No campo,
as manhãs
se formam

Isso já foi dito,

Mas novamente:

No campo, as manhãs se formam como
pequenos adornos que as crianças carregam
por ai

Pequenos brinquedos, esses nossos
velhos dedos: tão sóbrios, tão retilíneos

Distantes dos rizomas, do
líquido viscoso da vida,
do orvalho, da
coisa bêbada como o vento

Essa dança é uma espécie
de sistema hidráulico
Essa curva é um ritmo verde

Mas a mula sempre empaca
ou
O caminho sempre exige, em sua
rigidez, outras chegadas

II

O fedor da casa antiga,

igual o da pele a muito presa
dentro do gesso,

sempre acha um canto, que respinga
tranquilo nos encaracolados das plantas

III

Trabalhosa estação, pronta
a ser onda brava:

Mãe que dá sua benção
a cria que logo adormece:

Essa casa erguida no primeiro Sol
Ereta e rija,
Mas também aberta

IV

A natureza observa

E atua

Tão cotidiana quanto um milagre.

Padrão
poesia

Maíra Dal’Maz

maíra

Maíra Dal’Maz, Rio Grande do Norte ou Pará, 1991, professora e pesquisadora na área de educação, tem dois zines publicados com amigos (“doze olhos ou terceira miopia” e “sedenta”), participou de uma coletânea de poemas publicada pela UBE – RN. Mais textos podem ser encontrados no blog Vortex de catatonia.

***

I

como fosse domínio do homem
o pico do cabugi, ou qualquer dos pontos altos da terra
e como se não fosse dar jeito na vida do homem
ela cai e é soterrada como pedrinha que se descola
ou qualquer matéria desgarrada que deve ficar ao chão
jamais no alto

e eu imagino quantas vidas foram para que o pico do cabugi tomasse a forma
desse projeto de vulcão que nunca sofreu
com o ar quente dos gêiseres
ou o cheiro de enxofre que vem do desconhecido
mas o cheiro confundido com os das tantas raposas sem vida no acostamento
saindo do jovem displicente antagonista das recomendações “não vá”

como se fosse, portanto, domínio do homem
superar a natureza da mulher selvagem que recolherá
os ossos
na base do vulcão-pedra no deserto do sertão, onde os canos de adutoras distraem o passante, e cantará
para seus humores voltarem a correr ao redor
não do pico, mas dos corações parados em volta de um morro
com formato de seio

o morro, o bicho morto e a mulher:
domínios por si, nunca do homem

§

 

II

dedicatórias

*

para B.

abastado de mal entendidos o homem que morreu
cuja a pele eu conheço doutros tempos
pele desatada
munida
de oleosidade natural
macia
marcada
feito a dos homens que precederam meu pai

*

para M.

ainda aquele colar de prata com lápis-lazúli
ou qualquer azul que te não te demovam os olhos-opressores
por analogia teus olhos multiplicam-se sobre o teu torso e orelhas,
como brotoejas
em excesso:
lembretes de castigos em couraças negras

*

para H.

escrevi no quadro negro da cozinha algumas urgências
prevendo uma busca incessante de palavras novas
ou riscos nas casas desconhecidas próximas ao baldo
pedindo que me ligue, por favor, me ligue
ou acenda na escuridão aquele canudo de pólvora
e natureza
para que possamos dormir

§

 

III

lembranças do baldo

dezessete horas reaberto:
lembro-me da noite em que chovia

depois de alguns sambas
do alto do viaduto do baldo interditado
a vista do front:

travessia, libido, inconsciência

lembro-me, ainda,
dos fogos de artifício sempre ouvidos desde que não conhecia o outro fogo
embalados em caixas de papelão

com orientações:
“7 tiros” ou “12 tiros”

na cervical estremecida
da minha cachorra hoje

hoje:
baldo livre

de quem?

§

 

IV

lendo chaya, a mulher que só tinha o nome e o karma sifilítico desviado
e sendo exposta a todo esse íntimo
à luz, com pressa de se colocar pensando
e descrevendo o não-ser
ou o ser lírico que fala só dos aflitos

eu, tentando escrever um poema que fosse
lido como música e que me mostrasse poeta
de sentimentos e angústias

(eu, frustrada com meu poema
sem imagens
sem conseguir ver além de)

baratas, cemitérios e sonhos com embates meus e um red nose na rua do baldo
só penso nas unhas da embaladora do supermercado
e como elas devem estar nos poemas

mãos-suspense

toda embaladora de presentes tem as unhas longas,
pintadas com glitter sobre algum tom róseo

que ditam a maestria dos usos de durex
tal qual todas que embalaram os brinquedos da minha infância

e hoje embalam sagatibas ouro

§

 

V

“Violinos: seda encrespada, queixas de mulher à noite sozinha.”
(M. Darwish)
“…esta noche angustiosa
llena de dualismos”
(A. Pizarnik)

consummatum est:
solidão em qualquer não-litoral
e por quando passo trêsquatrocinco dias
componho o hábito teu

esquartejo as frutas
recriando teu vulto na cozinha

eu como,
pelo menos,
tua sombra

§

 

VI

perdi as contas da quilometragem
toda rodada na vida

nessa perda, criei parâmetros
como o da textura dos asfaltos ou barro
que levam a três pontos da rosa dos ventos

como reverberam com o corpo sentado,
o movimento dos seios quando os buracos
as instabilidades do assento

a fricção da calça jeans no clitóris

(o prazer num ônibus velho rodeado do desconhecido)
as rodas dos automóveis, novas,
ou o desalinho

e conheço todos os postos de gasolina,

onde tomei os piores cafés, até perder este hábito
ou os grandes galpões-facções

e coloquei entre meus dedos tantos cigarros imaginários enquanto só
para não voltar ao hábito

fumei o ar

e senti
o cheiro de carniça quantas vezes
dos animais mortos na beira da estrada

e na estrada,
as desconversas
os desvios:

perdi as contas dos esquecimentos
mas algo sobra
não sei o quê

§

 

VII

sentir a permissão para alcançar uma emoção
coisa há muito esquecida
nas paixões e seus ímpetos de objetos quebrados,
como os vasos lançados das janelas,
acender o círio d’um santo
e rezar longas preces a essas paixões descuidadas:

o que entocam os poetas no cano que leva o fundo
dos seus vasos de banheiros sujos
depois de cervejas, cigarros e som?

sentir a permissão de jogar o corpo na estrada, ir até…
voltar a si e negar o arremesso

mas só depois do desvario
de quando sílvia me fala

§

 

VIII

contorno

dentre as principais coisas observáveis
com tamanho agrado estão:
o céu, a estrada vazia, os olhos dos meus cachorros
e o desenho do seu perfil

[lembro-me no teatro
como por minutos esqueci de dos amores y un bicho
e senti pela minha coluna todo o júbilo e lisonja
quando vi de tão perto o seu perfil]

investigava-o para chegar a isso
esse esquecimento dos tempos de guerras:
eu olhava todas as suas metades

era para isso, para encontrar todas as coisas observáveis com agrado
que eu flanava por todas as suas metades
pelas veias, por um ombro

mas, diferente do cavalheiro de Shalott:
[talvez ache, também, que gosta de se reajustar]
half is not enough

§

 

IX

oferenda

o fenômeno da fome
da mãe dos que nascem peixes
reduto de colo
recato de cor escura
um lar: todo negro

mania de anaeróbio
que costumo levar

o que costumo soltar:
o canto que apenas uns desatentos
uns passantes

um canto no vácuo

coágulo de ar:
três minutos de morte
brilho azul das vestes
odoyá

§

 

X

deitar-se
em decúbito ventral
tendo à vista
um livro-grão
uma flor no pensamento

a flor se abre

(uma pupa amadurece)

deitar-me
e ter com o livro-pólen
o estame:
pequeno filho

sempre que sou outra
deito-me com esse tipo

***

Padrão
poesia

Carina Castro

fotografia: luís bahú

Carina Castro (SP, 1988) é poeta, pesquisadora e artivista cultural. É autora do livro de poesia Caravana (Editora Patuá, 2013). Se dedica também aos textos para crianças e jovens, ganhou o Prémio Lusofonia de Portugal (2012) na categoria conto infantojuvenil; de lá pra cá muitos textos engavetados, alguns publicados em revistas digitais e antologias diversas, entre elas a mais recente É agora como nunca (Cia das Letras, 2017). Com Deborah Erê criou o selo de publicações independentes & intervenções gráfico-poéticas Selenitas. É idealizadora e atuante no coletivo de feminismo, arte-educação & infância Espaço Marciana. Atualmente escreve seu próximo livro e ministra oficinas de criação literária para mulheres e crianças. Seus textos e trampos podem ser encontrados internet afora no blog: Tudo é Coisa  e nas páginas: Caravana – poéticas de Carina Castro & Selenitas

***

afiadas

bem sabemos manusear facas
nem sempre na cozinha, meu bem
também riscamos chão
pontiagudas
lâminas afiadas
embainhadas na coragemedo
nem sempre armas brancas

afiamos a língua na pedra
estirada qual kali
mais cortante que a aresta do papel
aveludado capim cidreira
vento frio da madrugada
e o inconfundível sabor
que vem a boca

não mais delírios de buñuel
no brilho que espelha
confunde cegueira tua
rasgar de raios ou lancinante mirada?
§

SPIRITUAL

te aceno do outro lado da margem
mas não sei como transpor esse
rio
de palavras
ditas não ditas
vez ou outra versadas

engulo o choro

pra molhar a garganta
pra desfazer o nó(dulo
molhar por dentro

brota em mim uma delicadeza
bruta
e enquanto cresce corpo acima
caminho sobre as águas

§


IN DOLOR

tem dores que latejam
juntinho do osso
e aprendemos a sorrir
mesmo assim
gengiva exposta
falta chorar
de rir
mostro os caninos
quando desestruturada
a gente fica sem cara
e aquela dor canina
insiste
a gente
insiste também
sem anestesia
sente fundo a dor até não sentir mais
espinha ereta
nadamos do âmago
ao mar aberto
até que possamos levitar

e carregar os próprios ossos

 ***

Padrão